AO SANFONEIRO AMIGO, GIULLIAN

04 de Fevereiro de 2012 Celso Cruz (Brocoió) Cordel 1260

Eu enxergo sua sanfona
Como seu peito rasgando
É o seu coração mostrando
A grande diversidade
De sentimentos de bondade
Um arco íris de cores
De folhas, frutos e flores
De acordes, de arpejos
De esperança, desejos
Atributos e valores

É a sanfona chorando
É a sanfona gemendo
É a sanfona cantando
É o coração dizendo
Deixe a sanfona chorar
Deixe a sanfona gemer
Deixe a sanfona cantar
O seu alegre viver

São sentimentos eclodindo
Em bemóis e sustenidos
Como se o coração comprimido
Ganhasse a liberdade
E gritasse sua verdade
Bradasse sua conquista
Pra que o mundo todo assista
De forma melodiosa
A grandeza fervorosa
Da alma de um grande artista

É a sanfona chorando
É a sanfona gemendo
É a sanfona cantando
É o coração dizendo
Deixe a sanfona chorar
Deixe a sanfona gemer
Deixe a sanfona cantar
O seu alegre viver

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
caricias, beijos, lambidas e há menos de 1 hora

A Luz de um Abajur Sob a fraca luz de um abajur percorro o teu corpo c...
paulo Poesias 6


A menina dos brincos de ouro há 1 hora

A Menina dos Brincos de Ouro Uma Mãe, que era muito má (severa e rude...
paulo Contos 7


Melancolia de menina há 1 hora

Sorrisos alegres pulam corda e brincam de amarelinha Esconde-esconde da tr...
helena Poesias 8


Bocas ofegantes balbuciando-erotismo há 1 hora

Paixão desenfreada... Marcada pelos corpos suados Mãos trêmulas e enlo...
paulo Poesias 8


Conto– A cobra de estimação -suspense há 1 hora

Esta é uma lenda urbana muito conhecida nos países onde cobras são uti...
paulo Contos 7


História do Curupira há 1 hora

O Curupira gosta de sentar na sombra das mangueiras para comer os frutos. L...
paulo Contos 6