AO SANFONEIRO AMIGO, GIULLIAN

04 de Fevereiro de 2012 Celso Cruz (Brocoió) Cordel 1162

Eu enxergo sua sanfona
Como seu peito rasgando
É o seu coração mostrando
A grande diversidade
De sentimentos de bondade
Um arco íris de cores
De folhas, frutos e flores
De acordes, de arpejos
De esperança, desejos
Atributos e valores

É a sanfona chorando
É a sanfona gemendo
É a sanfona cantando
É o coração dizendo
Deixe a sanfona chorar
Deixe a sanfona gemer
Deixe a sanfona cantar
O seu alegre viver

São sentimentos eclodindo
Em bemóis e sustenidos
Como se o coração comprimido
Ganhasse a liberdade
E gritasse sua verdade
Bradasse sua conquista
Pra que o mundo todo assista
De forma melodiosa
A grandeza fervorosa
Da alma de um grande artista

É a sanfona chorando
É a sanfona gemendo
É a sanfona cantando
É o coração dizendo
Deixe a sanfona chorar
Deixe a sanfona gemer
Deixe a sanfona cantar
O seu alegre viver

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Criei um blog pessoal há 1 hora

Boa noite pessoal e leitores do Texton que curtem os meus textos. Eu cri...
eliaslima Mensagens 34


Velhice II há 2 horas

A distância é a mesma,Mas nossas forças que minaram!...
valdirgomes Poesias 8


A estrada da ilusão. há 4 horas

A noite ainda não começou e eu já não sei mais diferenciar os...
renaannunes Crônicas 15