Partos Diários

Ah !! solidão, como insistente pedinte, vens

Em feitio de vulto assombrar a paz,

De quem da vida fez seu mar, de quem do

Riso faz sua mensagem, de quem no outono

Ilumina a candeia.

Tua forma é a da amante fogosa, tão bela e

Perfumada, estúpida imagem, ilusória

Companheira, diminuto tempo de alegria,

Nos vácuos da árdua sobrevivência, sob

O sol.....vadia.

Insistes em ser pessoa, mas pessoa não,

Insistes em ser constante, mas tua força

É pouca, mouca, frouxa pois, pra ti eu

Obro o vinho sobre a mesa, a palavra no

Peito, o vício por companhia.

Ah!! solidão, usufruo de ti, reflito em ti

Lambuzo-me de ti, sem medos ou traumas,

No inverno não me assustas e tão pouco me

Aqueces, passas ao largo dos meus ventos e

De soslaio só te espio.

Se no coração de cada homem, cria-se teu

Ventre, a fenda entre a vida e a morte te

Cala em eternidade, dando ao ser o merecido

Descanso, da tua ambígua presença, mas ...quem

Haverá de se alegrar com tua ausência?