Entende-se por PIG (Partido da Imprensa Golpista) os jornalistas dos veículos de comunicação de orientação imperialista que usam de terrorismo ideológico para desestabilizar governos que almejam de alguma maneira a soberania nacional. A última ação do PIG ocorreu nesta última quarta-feira 12/10, dia das crianças. Como em uma reprise dos primeiros anos do governo Lula, o PIG organizou sorrateiramente várias passeatas contra a corrupção sendo RJ (2 mil), BA (1 mil) e Brasília (20 mil), São Paulo foi ao Masp, e no contexto quase que lógico usou a marcha para Nossa Senhora Aparecida para fortalecer ainda mais a moralização da sociedade brasileira. Com suas câmaras ora lá ora cá o PIG mesclou a fé católica aos gritos de “Fora Sarney” dos manifestantes que empunhavam vassouras (vendidas por 5R$ cada) em uma caricatura do populismo janista. Ora, brados de moralismo sem a proposta de um novo modelo estado é ridículo, assim como acreditar que uma pessoa pode no grito caçar o Sarney a UDR e os “n” corruptos que habitam nossos órgãos “democráticos”. Da passeata da corrupção, que sempre existiu neste país, o prognóstico segue fechado, ela venda os olhos da população para as verdadeiras demandas sociais, caso da reforma agrária e dos 10% do PIB para a educação, por exemplo, ajuda a nos esquecer que a mídia precisa de regulamentação para ser democrática e antagonista dos monopólios, e que não precisamos abrir um livro de história para saber o que é um país colonial, basta abrir o jornal.
Miguel Angelo Sena da Silva Junior
Um Brasileiro.