VÊNUS VETUSTA

25 de Maio de 2018 RicardoC Acrósticos 18

VÊNUS VETUSTA

O Tempo tudo nos muda,
Deteriora, envelhece...
Nunca a ninguém ele ajuda!
Por segar a sua messe,
Colhe da face desnuda
A rósea maçã carnuda
De quem seu lavor padece.

As belas neves d'outrora
Onde estarão? Onde estão
Da florescente Senhora
Seus olhos que nem clarão?
Quase nada veem agora
Se quando o sol vai-se embora
Só lhe deixa escuridão...

'Té o rosto lhe é estranho
Tal-qual a mão sob a luva:
Envelhecida no amanho,
A pele se fez murcha uva;
Em prata, o cacho castanho
E o véu de noiva d'antanho
Hoje um xale de viúva...

Que é dos passados encantos?
Que é dos antigos louvores?
Olhos banhados em prantos,
Passa entre achaques e dores
Vivendo à espera de espantos
Ou da morte, que faz santos
Mesmo os grandes pecadores.

Quem fora tão desejada
Deseja ora estar sozinha...
E a beleza celebrada
Jaz, por obscura e daninha,
Como ventura passada
Que lhe dói quando lembrada
Diante de tudo que tinha.

Os homens -- tão inconstantes! --
Com promessas insensatas...
Seus arroubos delirantes
Lhe cercando entre bravatas:
Indo de amigos a amantes;
Depois, de amantes a errantes
E, enfim, de errantes a erratas!

Que dizer dos grão-senhores
Que seu amor fez captivos?
Dos sérios comendadores
Com ela sempre festivos?
Dos vãos especuladores,
Dos agiotas, dos doutores
Cobiçando-a d'olhos vivos?...

Quem, como rainha entre reis,
Dominou-lhes as vontades?
Contra os costumes e as leis
Com extremas liberdades,
Vê-se perdida das greis
A contar de seis em seis
A própria infelicidade.

Os primeiros seis foram ricos;
Os segundos, poderosos
-- De rendas e de fabricos;
Os terceiros, perigosos...
Mui violentos e impudicos;
E os demais, só namoricos
Cada vez menos fogosos.

Um após outro se vão,
Levando a sua beleza.
Sem nada no coração,
Senão alguma torpeza...
Contempla-se em solidão,
No espelho em sua mão,
A sua própria tristeza.

E o Tempo, só por capricho,
Lhe adia o fim de sua obra,
A esculpir-lhe em cada nicho
Outro vinco que lhe sobra.
Sobre a face algum pasticho
Caricatura-a igual bicho
N'um misto de águia mais cobra...

Afinal -- eu vos inquiro --
Que é d'aquela tão augusta?
Recolhida em seu retiro,
Dia após dia se assusta
Co'o Tempo que, sem respiro,
D'uma Vênus, giro a giro,
Fê-la outra mulher vetusta.

Betim - 25 05 2018

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
"Verão na Europa" há 2 horas

Hoje começou o verão Mas todos os dias, são dias de verão O verão na...
joaodasneves Poesias 4


"Maria Emília" há 3 horas

Meu amor Antes de tu nasceres Raramente eu pensava em ti Iria com o pass...
joaodasneves Acrósticos 5


"Sou" há 4 horas

Sou o livro sem palavras Sou a historia por contar Sou o céu sem estre...
joaodasneves Acrósticos 5


"Livro sem letras" há 6 horas

Meus livros já estão sem letras Meu papel sem cor Com a caneta vazia Q...
joaodasneves Poesias 6


Amor há 8 horas

Quando Jesus diz que aquele que o ama é quem guarda os seus mandamentos, o...
kuryos Acrósticos 7


ESTÁ TÃO ESCURO (poesia infantil) há 10 horas

Está tão escuro Por causa do muro O chão é duro Não bata o nari...
madalao Infantil 7