Poesia do verdadeiro amor.

23 de Outubro de 2013 Denis Ap. Valerio Acrósticos 661

Poesia do verdadeiro
amor.


 Por quanto tempo tenho que viver,



Olhando para as
paredes,



E procurando por
você,



Sem encontra-la,
eu me desespero,



 Impossível não lembrar-se do,



Amor que sinto
por você,


Do seu suspiro,



O seu perfume é a
fragrância que,


Vivo a procurar,



Essa sina em que
vivo é a,



Razão da minha
existência,



Da verdade que te
digo minha,



Amada não se
esqueça,



Daquele que te
ama, pois minha,



Existência seria
vã e,



Infeliz a cada
dia sem,



Recordações suas,
sem o seu,



Olhar na esquina esperando,


A chegada minha,
esse,



Momento especial,
meus,



Olhos veem a toda
hora,



Reencontrar quem
está, há muito tempo fora.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 21


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 13


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 11


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 14


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 12


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 11