Soneto das Ruivas

30 de Novembro de 2013 Reylton Reis Acrósticos 922



Ruivas,são incultas jóias plenas da humanidade
Cuja a alma é um gozo, ó mulheres;
Que com os prantos, é uma unanimidade
da qual sai os cantos e encantos em belos louvores.

Ruivas, são almas que expõe os seios, a riqueza
Da sua natureza,sentimentos e
Transformas logo após em leites da brancura leveza,
Que alimentai crianças após o gozo da beleza.

Em seus olhares e belezas,
Escolhem os homens mais fortes
Para suportar as transas

E entre homens, vários homens,
Ruivas são tentações,
Que levam á maldições.


Leia também
A Humildade nos Cai Bem há 3 horas

Se o domínio total é do Senhor, porque o poder pertence a ele, isto dever...
kuryos Artigos 7


Fuga da Inspiração há 4 horas

Preciso terminar um poema que comecei numa empolgação danada... Dep...
a_j_cardiais Poesias 39


Um Dilema há 5 horas

Estou aqui reclamando da minha "vidinha", enquanto tem alguém por aí que...
a_j_cardiais Poesias 37


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 6 há 8 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 12


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 5 há 8 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 9


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 4 há 8 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 10