As vezes me pego pensando em mim, fico tentando descobrir o que sou, porque sou , como sera daqui pra frente, se minhas escolhas estão certas e por quanto tempo elas serão as mesmas, me pego com minhas vontades, a as minhas vontades; elas me atormentam todos os dias, todo o tempo, vivem a me perseguir, elas são o alimento da minha alma, já que não gosto de sonhos, pois eles me parecem algo para nos iludir, quando sonhamos de mais, ficamos inertes, passamos a vida a sonhar e nada a realizar, por isso é preciso que tenhamos vontades e objetivos, precisamos ser realistas, desde cedo, pois só assim saberemos como lhe dá com o sofrimento, com as perdas e as desilusões. 

Vivo a me perguntar, porque me sinto assim tão diferente dos outros, das outras pessoas?

será que eles também se sentem assim?será que eles também sentem vontade de ir embora de onde moram, de gritar sem motivo?

será que eles também sentem vontade de dizer a pessoa "amada": "eu te amo mas não quero ficar com você porque tenho medo do amor, ele já me fez sofrer demais e também porque sou muito egoísta para viver esse amor, sou complicada demais, só quero que você saiba que eu te amo, acho que amo, pois só penso em você, tenho pensamentos pecaminosos com você, e outros tão fofos que chegam a ser ridiculos, te odeio as vezes por não me dá atenção, ou por estar falando com outra pessoa na minha presença, sua companhia ou seu sorriso me bastam por um dia". 

A solidão me atrai, ela é sutil, silenciosa, calorosa em toda a sua frieza, e nela que me afogo, mais não morro, nela não sou obrigada a fingir, nem a escultar nada que não saia do meu pensamento. é nela que eu sinto todas as minhas incontroláveis vontades....