O que
há de belo aos olhos de Deus mesmo em relação a pecadores como nós não é o
tanto quanto sejamos refinados em nossos modos, equilibrados emocionalmente, e
muito pouco falhos, porque é possível ser tudo isto e não ter um caráter reto e
firme para com a Sua Palavra. 



É
possível ser muito agradável aos homens à custa de se desagradar a Deus por
desconsiderar e negligenciar os Seus mandamentos.



Quando
recuamos em ser sinceros e verdadeiros por temermos a face dos homens ou então
ser rebaixados em nossa reputação perante eles por verem o quanto estamos
determinados a agradar a Deus onde importa ser agradado mesmo quando isto implique
em desagradar a muitos.



O justo
vive pela fé na Palavra de Deus e pela aplicação à sua prática. Se ele recuar
nisto, como afirma o próprio Senhor, a Sua alma não tem prazer nele.



Não é
possível viver como um justo quando procuramos conciliar partes
irreconciliáveis, nos valendo de uma sabedoria que é segundo o mundo, que busca
salvar as aparências, especialmente por se evitar a repreensão e a disciplina de
quem anda de modo errado.



O amor
verdadeiro não encobre as faltas, antes as repreende e corrige com
longanimidade, mansidão e segundo a verdade revelada nas Escrituras.



O  comportamento que vale é aquele que é
ensinado por Deus a nós na Bíblia.



O que
passa do sim, sim, não, não... é de procedência maligna, porque a paz que é
alcançada por meio do encobrimento da verdade não é a paz de Cristo, senão a do
mundo e do diabo.



Então,
enquanto vivemos num mundo em que a grande maioria faz vista grossa para o mal
e prefere viver do engano que tudo é bom e vai bem, devemos preferir encarar a
realidade de que somos pessoas imperfeitas, inábeis em si mesmas para
estabelecer e manter relacionamentos verdadeiramente amáveis, perfeitos,
harmônicos.  



Todavia,
podemos amar e ser amados por Deus e por todos os demais que amam a Sua
verdade, porque a imperfeição que carregamos não é um impedimento para que
possamos viver no amor de Cristo.



Ao
contrário, Ele derrama a Sua graça e fortalece a todo que é humilde perante Ele
e reconhece as suas fraquezas e imperfeições, mas que busca se aperfeiçoar na
busca de um comportamento que seja amoroso, misericordioso, justo, verdadeiro e
santo.



Os que
estão errados mas que procuram acertar, são amados por Deus, e deveriam ser
também amados por todos os que amam o que é verdadeiro e não o que é ilusório
ou falso.   



Por
mais errada que uma pessoa possa ainda ser, se todavia amar de fato a Palavra
de Deus e procurar praticá-la mesmo à custa de sofrer muitas perdas, mais amada
esta pessoa será por Deus, porque não lida conosco segundo as nossas
deficiências, mas de acordo com a nossa sincera disposição e decisão de viver
de modo consagrado à Sua santa vontade.