O Que Vem Primeiro: a Comunhão ou a Doutrina?

02 de Outubro de 2014 Silvio Dutra Artigos 398

Por D. M. Lloyd Jones

Que é que esta passagem ensina? (Ef 4.1-16). Há muitos que pensam que o ensino aqui é que somos exortados a ter comunhão uns com os outros, sejam quais forem as nossas ideias da fé cristã, a fim de que, em última instância, cheguemos a uma unidade de fé e crença. Há alguns anos um pregador evangélico expressou-o mais ou menos assim: "Eu sempre costumava pensar que você não pode ter comunhão com alguém, a menos que concorde com ele sobre doutrina. A minha posição sempre fora que, primeiramente, você tem que estar de acordo acerca da doutrina e da sua ideia de fé e, depois, com base nisso, poderá ter comunhão com as pessoas". Mas ele continuou e disse que tinha feito uma grande e impressionante descoberta quando releu este capítulo quatro da Epístola aos Efésios. Ele observou pela primeira vez na vida que o apóstolo começa exortando à comunhão: "Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz" (versículo 3). Disse ele: "Descobri que ali você começa com a comunhão, e que só mais tarde, no versículo 13, o apóstolo diz: "Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo". Assim, à luz disso, ele agora estava propondo ter comunhão com os que discordavam dele teologicamente, com os que eram liberais em sua perspectiva doutrinária, e com os outros. Ele ia fazer isso porque acreditava que era por meio dessa comunhão que podia esperar chegar finalmente a um acordo doutrinário. Foi uma inversão completa da posição que ele defendia antes. Ele se sentia convicto de erro, achava que estivera pecando. E agora exorta os cristãos a porem em prática a sua nova ideia sobre o ensino de Efésios, capítulo 4. É trabalhando juntos, evangelizando juntos, orando juntos e tendo comunhão uns com os outros, declara ele, que finalmente chegaremos à unidade da fé.

A questão crucial que temos que considerar é se essa parte das Escrituras ensina isso ou não. De novo o contexto é absolutamente vital e, portanto, devemos começar fazendo uma análise geral da passagem. O tema, vê-se com toda a clareza, é a unidade da Igreja. Na verdade, esse é o tema do apóstolo desde o início da Epístola. De muitas maneiras, o versículo chave para o entendimento da carta toda é 1:10: "De tornar a congregar em Cristo todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra; nele, digo". O apóstolo passa a mostrar como Deus esteve fazendo isso, trazendo o judeu e o gentio para estarem juntos neste novo corpo, que é a Igreja, e depois chama a atenção em particular para este tema na parte que estamos examinando.

Uma análise geral dessa porção revela o seguinte: nos versículos 1 a 3 Paulo faz um apelo geral a favor da unidade; nos versículos 4 a 6 ele descreve a natureza da unidade; nos versículos 7 a 12 ele descreve a variedade na unidade e os meios empregados por Deus para preservá-la; finalmente, nos versículos 13 a 16, ele descreve a unidade completa, ou a sua final e plena concretização e o seu ornamento. Isto ele apresenta tanto positiva como negativamente.

A chave para a exposição completa do capítulo 4 é a palavra "pois" do versículo 1. Ela nos direciona de volta aos três primeiros capítulos desta grande Epístola, e acentua que o tema da unidade é algo que decorre como consequência do que se passou antes. Isto, naturalmente, é típico do método neotestamentário de tratar de questões de conduta prática. Seu ensino essencial é que a conduta é sempre resultante da verdade e do ensino. A prática e o comportamento são o resultado da aplicação da doutrina já estabelecida. E é precisamente isso que o apóstolo faz aqui. "Rogo-vos, pois", diz ele, "Rogo-vos, pois, eu, preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados". A exortação que se segue é feita à luz de tudo o que ele estivera dizendo nos três primeiros capítulos.

É claro, então, que qualquer que interprete esta porção como dizendo que o apóstolo começa com a comunhão e depois passa para a doutrina, está fundamentalmente errado: a sua exposição fica toda viciada logo de início pela simples razão que ele começa com o versículo 3 e ignora os versículos 1 e 2. A doutrina exposta nos capítulos 1 e 3 já é a base e o substrato de tudo o que o apóstolo tem para dizer acerca da unidade. Ele não começa com a unidade e depois parte para a doutrina; ele se dedica ao tema da unidade porque já estabelecera a sua doutrina.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Comentário dos livros do Velho Testamento:
//livrosbiblia.blogspot.com.br/

Comentário do Novo Testamento:
//livrono.blogspot.com.br/

Mensagens:
//retornoevangelho.blogspot.com.br/

Escatologia (tempo do fim):
//aguardandovj.blogspot.com.br/


Leia também
O CAMELO QUE DECLAMA NO ZOOLÓGICO DE RECIFE há 2 horas

O poeta quando escreve seu trabalho inspirado faz a narração dos fato...
carlosale Cordel 6


A madrugada… há 12 horas

A madrugada e eu temos um romance a longo prazo… Nos entendemos e nos cu...
anjoeros Poesias 14


Vou tatuar a tua boca... há 12 horas

Quero tatuar na tua boca Meu beijo mais safado, mas também apaixonado, ...
anjoeros Poesias 8


Quero te pegar para mim...Capítulo 3 há 12 horas

Capítulo 3: Eu te quero pra mim e não vou abrir mão... Toco a campain...
anjoeros Prosa Poética 9


Quero te pegar para mim...Capítulo 2 há 12 horas

Capítulo 2: A expectativa mata... Meio dia. Nossa, nem acreditei quando...
anjoeros Prosa Poética 7


Quero te pegar para mim...Capítulo 1 há 12 horas

Capítulo 1: Decisão tomada, arrependimentos posteriores... Mais uma no...
anjoeros Prosa Poética 9