Resquícios de Pecado em Crentes - Cap. 2

09 de Janeiro de 2018 Silvio Dutra Artigos 46



John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

CAPÍTULO 2.
O pecado interior é uma lei - Em que sentido é assim chamado - Que tipo de lei é - Um princípio efetivo interno chamado lei - O poder do pecado provado.
O que propusemos à consideração é o poder e a eficácia do pecado residente. As formas em que pode ser evidenciado são muitas. Começarei com a sua denominação no lugar antes mencionado. É uma lei. "Eu acho uma lei", diz o apóstolo. É devido ao seu poder e eficácia que é assim chamado. Assim também é o princípio da graça nos crentes a "lei do Espírito da vida", como observamos antes, Romanos 8: 2; que é a "grandeza excedente do poder de Deus" neles, Efésios 1:19. Onde existe uma lei, há poder.
Devemos, portanto, mostrar o que lhe pertence, como é uma lei em geral, e também o que é peculiar ou próprio nela como sendo uma lei tal como descrevemos.
Em geral, duas coisas atendem a todas as leis, como tal:
Primeiro - Domínio. Romanos 7: 1: "A lei tem domínio sobre um homem enquanto vive.” É corretamente o ato de um superior, e pertence à sua natureza fazer obedecer exatamente por meio de domínio. Agora, há um duplo domínio, pois há uma lei dupla. Existe um domínio moral e autoritário sobre um homem, e existe um verdadeiro domínio efetivo em um homem. O primeiro é um efeito da lei de Deus, o último da lei do pecado.
A lei do pecado não tem em si um domínio moral, não tem um domínio ou autoridade legítima sobre qualquer homem; mas tem o que é equivalente a ela; de onde é dito que "reina como rei", Romanos 6:12 e "senhor", ou tem domínio, versículo 14, como de uma lei em geral é dito, em Rom 7: 1. Mas porque perdeu seu domínio completo em referência aos crentes, de quem somente nós falamos, não vou insistir nisso na maior extensão de seu poder. Mas mesmo neles é ainda uma lei; embora não seja uma lei para eles, ainda assim, como foi dito, é uma lei neles. E, apesar de não ter tido por assim dizer, um domínio completo e legítimo sobre eles, ainda assim terá uma dominação quanto a algumas coisas neles. Ainda é uma lei, e neles; de modo que todas as suas atuações são as atuações de uma lei, isto é, ela age com poder, embora perdeu seu poder total de governar neles. Embora seja enfraquecida, a natureza não é descongelada. É uma lei ainda, e, portanto, poderosa. E, como seu funcionamento particular, que devemos considerar depois, é o fundamento desta denominação, de modo que o próprio termo nos ensina, em geral, o que devemos esperar dela, e quais os esforços que ela usará para o domínio, ao qual está acostumada.
Em segundo lugar, uma lei, como uma lei, tem uma eficácia para provocar aqueles que são desagradáveis para as coisas que exige. Uma lei tem recompensas e castigos que a acompanham. Estes prevalecem secretamente sobre aqueles a quem eles são propostos, embora as coisas comandadas não sejam muito desejáveis. E geralmente todas as leis têm sua eficácia nas mentes dos homens, das recompensas e punições que lhes são anexadas. Nem esta lei está sem essa fonte de poder: ela tem suas recompensas e punições. Os prazeres do pecado são recompensas do pecado; uma recompensa pela qual a maioria dos homens perde suas almas para obter. Por isso, a lei do pecado lutava em Moisés contra a lei da graça. Hebreus 11:25, 26: "Ele preferiu sofrer a aflição com o povo de Deus, do que aproveitar os prazeres do pecado por um período, pois olhou para a recompensa." A disputa estava em sua mente entre a lei do pecado e a lei da graça. O motivo por parte da lei do pecado, com o qual procurou atraí-lo, e com o qual prevalece mais, foi a recompensa que lhe propôs, a saber, que ele deveria ter o gozo presente dos prazeres de pecado. Por isso, buscava a recompensa anexada à lei da graça, chamada "recompensa superior".
Por esta triste recompensa, esta lei mantém o mundo em obediência aos seus comandos; e a experiência mostra-nos sobre o poder de influenciar as mentes dos homens. Também tem castigos que ameaçam os homens que trabalham para descartar o seu jugo. Seja qual for o mal, o problema ou o perigo no mundo, atende a obediência ao evangelho, - qualquer dificuldade ou violência que seja oferecida à parte sensual de nossa natureza em um curso rigoroso de mortificação, - o pecado faz uso disso, como se fossem punições para a negligência de seus comandos. Por isso prevalece sobre o "temeroso", que não terá participação na vida eterna, Apocalipse 21: 8. E é duro dizer, que por essas suas recompensas fingidas ou castigos fingidos, prevalecerá, se a sua maior força é residente. Por suas recompensas, atrai os homens aos pecados de comissão, como são chamados, de comportamento e ações tendentes à satisfação de suas concupiscências. Por suas penas, induz os homens à omissão de deveres; a um curso que tende a não ser menos um evento pernicioso do que o anterior. Por qual destes, a lei do pecado tem o maior sucesso nas almas dos homens não é evidente; e isso porque eles são raramente ou nunca separados, mas igualmente ocorrem nas mesmas pessoas. Mas isso é certo que, por meio de propostas e promessas dos prazeres do pecado, por um lado, por ameaças da privação de todos os contentamentos sensuais e a inflicção de males temporais, por outro, tem uma eficácia superior nas mentes dos homens, muitas vezes com os próprios crentes. A menos que um homem esteja preparado para rejeitar os raciocínios que se oferecerão a partir de um e outro, não há legitimidade perante o poder da lei. O mundo cai diante deles todos os dias. Com o engano e a violência que são instados e impostos nas mentes dos homens, depois declararemos; bem como as vantagens que eles têm de prevalecer sobre eles. Olhe a generalidade dos homens, e você deve encontrá-los completamente à disposição do pecado por esses meios. Os lucros e os prazeres do pecado estão diante deles? - nada pode impedi-los de alcançá-los. As dificuldades e inconvenientes atendem aos deveres do evangelho? - eles não terão nada a ver com eles; e, portanto, são totalmente desistentes à regra e ao domínio desta lei. E temos o poder e a eficácia do pecado interior da natureza geral de uma lei, da qual somos participantes. Não é uma lei direta, escrita, diretiva, mas uma lei conspiratória, trabalhadora, impulsiva e exortadora. Não deve ser comparada a uma lei que nos foi proposta, para a sua eficácia, mas é como lei consanguínea em nós. Adão teve uma lei do pecado proposta a ele em sua tentação; mas porque ele não tinha nenhuma lei de pecado consanguíneo trabalhando nele, ele poderia ter resistido. Uma lei consanguínea deve ser eficaz. Tomemos um exemplo dessa lei que seja contrário a esta lei do pecado. A lei de Deus foi inicialmente íntima e natural para o homem; estabelecida em suas faculdades, e foi a sua retidão, tanto no ser como na operação, em referência ao seu fim de viver para Deus e glorificá-lo. Por isso, tinha uma força especial em toda a alma para permitir-lhe toda obediência, sim, e tornar toda a obediência fácil e agradável. Tal é o poder de uma lei consanguínea. E embora esta lei, quanto à regra e ao domínio dela, esteja agora, por natureza, expulsa da alma, mas as faíscas restantes dela, porque são puras, são muito poderosas e eficazes; como o apóstolo declara, Romanos 2:14, 15. Depois, Deus renova esta lei e a escreve em tábuas de pedra. Mas qual é a eficácia desta lei? Será que agora, como é externa e proposta aos homens, lhes permite realizar as coisas que exige? De modo nenhum. Deus sabia que não, a menos que voltasse a ser uma lei interna; isto é, até que, de uma regra externa moral, seja transformada em um princípio real interno. Por isso, Deus torna sua lei interna novamente, e a implanta no coração, como foi no princípio, quando ele quis dar-lhe poder para produzir obediência em seu povo: Jeremias 31: 33: "Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração." Isto é o que Deus fixa, por assim dizer, na descoberta da insuficiência de uma lei externa para levar os homens à obediência. "A lei escrita", diz ele, "não o fará", as misericórdias e as libertações da angústia não o afetarão, as provações e aflições não o conseguirão. "Então," diz o Senhor "tomarei outro curso: transformarei a lei escrita em um princípio vivo interno em seus corações, e isso terá a mesma eficácia que certamente o tornará meu povo e os manterá assim." Agora, tal é esta lei do pecado. É uma lei residente: Romanos 7:17: "É o pecado que habita em mim"; versículo 20, "Pecado que permanece em mim"; versículo 21, "está presente comigo"; verso 23, "está nos meus membros"; - sim, está tanto em um homem, como, em certo sentido, é dito ser o próprio homem; versículo 18, "Eu sei que em mim (isto é, na minha carne) não habita nada de bom". A carne, que é o assento e o trono desta lei, sim, que de fato é essa lei, é em algum sentido o próprio homem, como a graça também é o homem novo. Agora, a partir desta consideração, que é uma lei residente que se inclina e se move para o pecado, como um hábito ou princípio interno, tem vantagens diversas que aumentam sua força e promovendo seu poder; como, 1. Ele sempre permanece na alma, - nunca está ausente. O apóstolo duas vezes usa essa expressão, "Ele habita em mim". Existe sua constante residência e habitação. Se ele veio sobre a alma somente em certas estações, muita obediência pode ser perfeitamente realizada na sua ausência; sim, e como eles lidam com o usurpador de tiranos, a quem eles pretendem expulsar de uma cidade, as portas podem às vezes ser fechadas contra ele, para que ele não volte, - a alma pode se fortificar contra ele. Mas a alma é sua casa; lá está, e não é vagabundo. Onde quer que você esteja, seja lá o que for, esta lei do pecado está sempre em você; no melhor que você faz, e no pior. Os homens pouco consideram que um companheiro perigoso está sempre em casa com eles. Quando estão em companhia, quando estão sozinhos, de noite ou de dia, tudo é o mesmo, o pecado está com eles. Há um carvão vivo continuamente em suas casas; que, se não for procurado, os queimará, e pode consumi-los. Oh, a segurança vital das almas pobres! Quão pouco a maioria dos homens pensa desse inimigo que sempre está em casa! Quão pouco, em sua maior parte, a vigilância de qualquer professante responde ao perigo de seu estado e condição! Está sempre pronto para se aplicar a todos os fins e propósitos que serve. "Não só habita em mim", diz o apóstolo, "mas quando eu quero fazer o bem, está presente comigo". Existe um pouco mais nessa expressão do que a mera habitação. Um preso pode morar em uma casa e, no entanto, não se intrometer sempre com o que o bom homem da casa deve fazer (para que possamos manter a alusão à habitação, usada pelo apóstolo): mas é assim com essa lei, isso morará em nós, pois isso estará presente conosco em tudo o que fazemos; sim, muitas vezes quando, com muita seriedade, desejamos sair disso, com maior violência se colocará sobre nós: "Quando eu faria o bem, está presente comigo". Você oraria, você ouviria, você daria esmola, você meditaria, você estaria em um dever agindo com fé em Deus e amando a ele? Você trabalharia na justiça, resistiria às tentações? Esse habitante incômodo e desconcertante continuará mais ou menos se colocando sobre você e estará presente com você; de modo que você não pode perfeita e completamente cumprir o que é bom, como o nosso apóstolo fala, versículo 18. Às vezes, os homens, ouvindo suas tentações, despertam, excitam e provocam suas concupiscências; e não admira se eles as acham presentes e ativas. Mas será assim quando com todos os nossos esforços trabalharmos para nos libertar. Esta lei do pecado "habita" em nós; - isto é, adere como um princípio depravado, nas nossas mentes na escuridão e na vaidade, aos nossos afetos na sensualidade, às nossas vontades em uma aversão àquilo que é bom; e está se colocando continuamente sobre nós, em inclinações, movimentos ou sugestões para o mal, quando gostaríamos de abandoná-lo com muito prazer.
3. Sendo uma lei residente, aplica-se a seu trabalho com facilidade, como "o pecado que tão de perto nos assedia", Hebreus 12: 1. Tem uma grande facilidade na aplicação de si mesma ao seu trabalho; não precisa de portas para abrir-se; não precisa de nenhum mecanismo para trabalhar. A alma não pode se aplicar a qualquer dever de um homem, mas deve ser pelo exercício das faculdades em que esta lei tem sua residência. A compreensão ou a mente são aplicadas a alguma coisa? - ali está, na ignorância, na escuridão, na vaidade, na loucura. A vontade é convocada? - ali também está, na morte espiritual, na teimosia e nas raízes da obstinação. O coração e as afeições devem ser aplicados no trabalho? - ali está, nas inclinações para o mundo e nas coisas presentes, e na sensualidade, com propensão a todas as formas de impurezas. Por isso, é fácil insinuar-se em tudo o que fazemos e impedir tudo o que é bom e promover todo pecado e maldade. Tem uma intimidade, uma interioridade com a alma; e, portanto, em tudo o que fazemos, nos assedia com facilidade. Possui as mesmas faculdades da alma por meio das quais devemos fazer o que fazemos, seja o que for, bem ou mal. Agora, todas essas vantagens, como é uma lei, como uma lei permanente, manifesta seu poder e eficácia. É sempre residente na alma, se coloca em todas as suas atuações, e com facilidade.
Esta é a lei que o apóstolo afirma que encontrou em si mesmo; este é o título que ele dá ao resgate poderoso e efetivo do pecado residente, mesmo nos crentes; e essas evidências gerais de seu poder, a partir dessa denominação. Muitos existem no mundo que não encontram essa lei neles, - quem, qualquer um que seja ensinado na Palavra, não tenha sentido experiência espiritual do poder do pecado interior. e isso porque eles estão totalmente sob o domínio disso. Eles não acham que há escuridão e loucura em suas mentes; porque eles são a escuridão em si, e a escuridão não descobrirá nada. Eles não acham morte e indisposição em seus corações e vontades a Deus; porque estão mortos completamente em transgressões e pecados. Eles estão em paz com suas concupiscências, estando presos a elas. E este é o estado da maioria dos homens no mundo; o que faz com que eles desprezem todas as suas preocupações eternas. De onde é que os homens seguem e perseguem o mundo com tanta ganância, que negligenciam o céu, a vida e a imortalidade por isso, todos os dias? De onde é que alguns perseguem sua sensualidade com prazer? - Eles beberão e se divertirão, e terão seus esportes, que outros digam o que eles queiram. De onde é que tantos vivem tão incontestavelmente sob a Palavra, que eles entendem tão pouco do que lhes é dito, que eles praticam menos do que entendem, e de modo algum serão despertados para responder à mente de Deus no seu chamado para eles? É tudo isso a partir desta lei do pecado e do poder dela, que governa e exerce influência nos homens, que todas essas coisas procedem; mas não são as pessoas de quem atualmente tratamos particularmente.
Do que foi dito, isso acontecerá, que, se houver tal lei nos crentes, é sem dúvida o dever deles de descobrir, e achar que é assim. Quanto mais acharem seu poder, menos sentirão seus efeitos. Não será de modo algum vantajoso para um homem ter um mal humor e não descobri-lo, - um fogo alastrando-se secretamente em sua casa e não conhecê-lo. Tanto quanto os homens acham essa lei neles, tanto eles vão abominá-la e a si mesmos, e não mais. Proporcionalmente, também à sua descoberta será a sua seriedade pela graça. Toda vigilância e diligência em obediência também serão responsáveis por isso. Sobre esta descoberta do poder e da eficácia desta lei do pecado, descortina-se todo o curso de nossas vidas. A ignorância dela engloba insensatez, descuido, preguiça, autoconfiança e orgulho; tudo o que a alma do Senhor abomina. As erupções em pecados grandes, abertos, desperdiçadores de consciência e escandalosos, são da falta de uma devida consideração espiritual desta lei. Perguntem, então, como estão suas almas. O que você acha desta lei? Que experiência você tem de seu poder e eficácia? Você a encontrou habitando em você, sempre presente com você, emocionando-se ou apresentando seu veneno com facilidade em todos os momentos, em todos os seus deveres, "quando quer fazer o bem?" Que humilhação, que autonegação, que intensidade na oração, que diligência, que vigilância, isso exige de você! Que sabedoria espiritual você precisa! Quais recursos de graça, que auxílio do Espírito Santo, serão, portanto, também descobertos! Receio que haja poucos de nós com uma diligência proporcional ao nosso perigo.


Leia também
Mundo da Gataria há menos de 1 hora

Gato criado com mordomia, não conhece o mundo da gataria. Não sobe nos...
a_j_cardiais Infantil 29


A história do amor há 1 hora

A história do amor O amor sempre existiu Em muitas formas Em várias ...
pfantonio Poesias 22


AFRO-AMERICANO - Des-História Universal há 1 hora

AFRO-AMERICANO Terra da Liberdade, a Norte-América Tornou republicana ...
ricardoc Sonetos 5


"Primeiro encontro" há 5 horas

Olha, te recordas da primeira vez que eu te vi? não foi só pra me distr...
joaodasneves Mensagens 5


John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P3 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Mensagens 9


John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P2 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 8