A Presença de Deus com um Povo

10 de Fevereiro de 2018 Silvio Dutra Artigos 48

A fonte de sua prosperidade

John Owen (1616-1683)

Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra


"E ele saiu ao encontro de Asa e lhe disse: Ouvi-me, Asa, e todo o Judá e Benjamim: O Senhor está convosco, enquanto vós estais com ele; se o buscardes, o achareis; mas se o deixardes, ele vos deixará." (2 Crônicas 15: 2)

Não tenho certeza, parece estranho para qualquer um, que tomei um texto para pregar, em um dia de humilhação, de um sermão de ação de graças, como esse discurso de Azarias parece ser; se eles devem considerar a adequação da instrução que lhe é dada a qualquer grande e solene ocasião, seja de humilhação ou alegria. As palavras, de fato, são a soma de todas as direções que, em tais casos, podem ser dadas, - o padrão de todas as regras e exortações em que qualquer país ou pessoa, em qualquer condição, esteja ou possa estar preocupado; - descrevendo tão claramente o destino, o evento e a questão dos nossos assuntos, com todos os grandes empreendimentos do povo de Deus nessa nação, ou de outra, espero que eles façam alguma passagem aos corações deles a quem as inferências deles serão hoje aplicadas.
No capítulo anterior, temos uma conta de uma grande vitória que Asa e o povo de Judá, lutando na fé e com a oração, obtiveram contra o grande exército dos etíopes, com os abundantes despojos que eles levaram para lá. Em seu retorno triunfante a Jerusalém, o Espírito de Deus move um profeta para sair e encontrá-los, para dar-lhes um relato da ascensão e da causa de seu sucesso e direção para sua futura conduta sob o gozo de tais misericórdias e libertações. O Senhor sabe como até o melhor dos homens deve esquecer a fonte de suas misericórdias, - quão negligente em fazer retornos adequados, por uma devida apreciação das vantagens colocadas em suas mãos, ao Senhor de todas as misericórdias; portanto, eles devem em todas as ocasiões se importarem com seu próprio interesse e dever.
Isso é feito em meu texto para Asa e Judá por Azarias; e desejo no meu sermão que seja com o mesmo espírito e o mesmo sucesso que seja feito comigo e com você. As palavras que eu pretendo principalmente insistir nelas, tendo o mesmo por substância três vezes repetidas nelas, na abertura da primeira frase, com a tendência geral do todo, será suficiente para a sua exposição e o fundamento dessa proposição geral o que eu apreciarei. Duas coisas devem, então, principalmente para ser indagadas a respeito: - Primeiro. O que é Deus estar com qualquer povo.
Em segundo lugar. O que é um povo ser ou permanecer com Deus.
E de acordo com a analogia destes dois, as seguintes afirmações, de procurar o Senhor, e de abandoná-lo, serão facilmente compreendidas. Pois, embora as palavras sejam diferentes em termos de expressão, elas são todas da mesma maneira de afirmação. São três proposições hipotéticas ou afirmações promissórias sobre a suposição: "Se você permanecer com o Senhor, ele estará com você"; "Se você procura o Senhor, ele será encontrado por você"; "Se você abandonar o Senhor, ele vai abandonar você." O mesmo assunto é triplicado, para uma confirmação mais completa e segura da coisa afirmada; - somente, enquanto a última proposição suporta uma coisa possível, a saber, que eles abandonem o Senhor, - a primeiro supõe uma coisa presente; e, portanto, é tão expressa, - "enquanto você está com ele", porque moraram com Deus em sua guerra e julgamento.
Antes de entrar na abertura das próprias palavras, não posso passar pelo fervoroso prefácio do profeta: "Ouve-me, ó Asa," Ele viu as pessoas, após o seu sucesso, assumirem muitos pensamentos, pensando em muitas empresas, cheios de muitas invenções, - um imaginando uma coisa, outro, outra; todos eles, pode ser, como eles devem usar e melhorar sua paz e sucesso em sua vantagem, interesse, lucro ou segurança. Ou os príncipes e os governantes, como é provável e usual em tais casos, podem considerar como continuar sua vitória, como tirar o melhor proveito dela, em lidar com príncipes e nações vizinhos, para fazer a paz ou a guerra. No meio desses pensamentos, o profeta encontra-os, e os desvia, com toda a seriedade, para coisas de uma natureza diferente, e de uma importância incessantemente maior e preocupação para eles. "Ouve-me", diz ele; não é o seu próprio conselho, nem o seu próprio valor que provocou esta grande obra, essa poderosa vitória; o Senhor mesmo o fez, pela presença dele com você. Não é de nenhum interesse para você o que outras nações fazem, ou podem fazer; mas somente a presença de Deus diz respeito a você para ser cuidada.
Observação: O grande interesse de qualquer povo ou nação é, saber que toda a sua prosperidade frustra a presença de Deus entre eles, e para atender àquilo que dará continuidade a isso. Você pode se cansar das imaginações e artifícios de seus próprios corações, e colocar seus pensamentos e tempo sobre coisas que não o beneficiarão; - este é o seu interesse, este é o seu interesse: "Ouça-me, Asa, e todos os de Judá e Benjamim." Depois desta proposição, para as próprias palavras, o primeiro proposto para ser questionado para a explicação é isso, - por favor, o que é que Deus esteja com um povo? De Deus pode ser dito estar com os homens, ou apresentar-se com eles, em diversos aspectos. 1. Pode ser dito estar com eles em relação à onipresença de sua essência. Então ele está naturalmente e necessariamente presente com todas as criaturas, - indiferente a elas, presente com elas. A imensidão de sua essência não permitirá que ele esteja distante de qualquer coisa a que ele tenha dado um ser. "O céu, mesmo o céu dos céus, não pode contê-lo", 1 Reis 8:27. Ele não enche o paraíso e a terra? Ele é um Deus em mãos, e não distante, para os confins da terra? É esta presença de Deus com todas as coisas que Davi declara enfaticamente, no Salmo 139: 7-12. Mas não é isso que se destina aqui; isso é universal, para todas as criaturas, - natural e necessário; isto, especialmente, para alguns, - voluntário e de misericórdia; isso, da natureza e da essência; isto, de vontade e operação. 2. De Deus pode ser dito ser um em relação à união pessoal. Então ele estava com, e somente com o homem Jesus Cristo, Atos 10:38, sendo a natureza humana levada a subsistir com o Filho de Deus. 3. Deus está presente com relação ao pacto da graça. Ele está com eles para ser o pacto de Deus neles; - o teor de que é, que ele não os deixará, nem o abandonará; ele será por eles, e eles serão para ele, e não para outro. Ele está com eles por todos os fins da misericórdia, amor, gentileza, perdão, salvação, que são propostos e exibidos nele. Mas tampouco esta é a presença de Deus aqui pretendida, pois, - (1.) Essa presença de Deus com seu povo não tem um estabelecimento tão condicional como aqui mencionado. Ele está em outros termos e melhor segurança do que aqui proposto; ele recebeu uma ratificação eterna no sangue de Cristo, é fundado no propósito imutável da graça, e não é deixado para a condicionalidade aqui expressa, como veremos depois. (2.) A presença aqui mencionada respeita a todo o corpo do povo, todo Judá e Benjamim, em seu estado nacional e consagração, a quem, como tal, a aliança efetiva da graça nunca foi estendida; pois eles não eram todos israelitas os que eram de Israel. (3.) A presença aqui prometida se refere imediatamente ao fim peculiar, de abençoar todo o povo com sucesso em suas guerras e empreendimentos; - então, a ocasião das palavras e do contexto, em relação ao seguinte discurso, o evidenciam inegavelmente. Não é, então, essa presença de Deus que se destina; no entanto, como depois aparecerá, não deve ser separado disso. 4. Existe uma presença de Deus em relação às dispensações providenciais. E isso é duplo: - (1.) Geral; - ordenar, descartar, guiar, governar todas as coisas, de acordo com sua própria sabedoria, pelo seu próprio poder, para a sua própria glória. Assim, ele também está presente com todo o mundo; ele dispõe de todos os assuntos de todos os filhos dos homens, como lhe agrada; - configura um, e puxa outro; muda os tempos, as estações, os reinos, os limites das nações, como parece bom para ele. A ajuda que é dada a qualquer um. Os escudos da terra pertencem a Deus; seja libertação de obras na terra, mesmo entre aqueles que não o conhecem. E os males, desolações e destruição, de que a terra está cheia, são apenas os efeitos de sua ira e indignação, revelando-se contra a impiedade dos homens. Ele está assim presente com cada pessoa no mundo; sustenta a respiração e todos os seus caminhos na Sua mão; dispõe de sua vida, morte e todos os seus interesses, como lhe agrada. Ele está presente em todas as nações, para colocá-las, arrancá-las, alterar, virar, mudar, enfraquecer, estabelecer, fortalecer, ampliar seus limites, como ele deseje; e o dia está chegando quando todas as suas obras o louvarão. Nem isso aqui está destinado; - é necessário, e pertence a Deus, como Deus, e não pode ser prometido a ninguém; é um ramo do domínio natural de Deus, que toda criatura seja governada e disposta, de acordo com a sua natureza, até o fim em que é designado. (2.) Especial; - Atende com amor peculiar, favor, boa vontade, cuidado especial com aqueles com quem ele está tão presente. Assim, Abimeleque observou que ele estava com Abraão, Gênesis 21:22: "Deus é contigo em tudo o que fazes," - contigo para guiar-te, abençoar-te, guardar-te, como veremos depois. Então ele prometeu estar com Josué: "Eu estarei com você", capítulo 1: 5; e assim ele estava com Gideão: "O Senhor está contigo", Juízes 6:12, para abençoá-lo em sua grande iniciativa; e assim com Jeremias: "Eu estou contigo", capítulo 15:20. Isto é plenamente expresso, Isaías 43: 1,2, "Mas agora, assim diz o Senhor que te criou, ó Jacó, e que te formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu. Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti." E esta é a presença de Deus aqui referida, - a presença dele com as ações providenciais especiais, como é manifesto de todo o discurso do profeta; e em que isso consiste, deve ser posteriormente declarado. Em segundo lugar, o que é um povo que permanece com Deus? Há um duplo respeito com Deus, - 1. Na obediência pessoal, de acordo com o teor da aliança. Isso não é pretendido, mas é suposto. Não há permanência em qualquer coisa com Deus, onde não há uma permanência nesta coisa; ainda assim, como eu disse, não está aqui principalmente destinado, mas suposto; - algo mais longe é destinado; pois, como foi declarado, é um trabalho nacional e um cumprimento nacional a que se destina. Para isso, - 2. Existe uma permanência com Deus nas administrações nacionais; - este é um outro fruto, naqueles que são chamados para elas. E que isso é principalmente aqui pretendido é evidente a partir desse uso que Asa fez desta informação e exortação do profeta. Ele não só olhou para a sua caminhada pessoal, mas também imediatamente se dedicou ao trabalho de ordenar todos os assuntos do reino para que Deus fosse glorificado por isso. Como isso pode ser efetuado, em grande parte será declarado. O que já foi falado pode ser suficiente para o fundamento dessa proposição que eu hoje insistirei; e é isso, - Observação. A presença de Deus com um povo, em dispensações providenciais especiais para o bem, depende da sua presença obediente com ele nas administrações nacionais para a sua glória: "O Senhor está com você, enquanto você estiver com ele". Para a explicação desta proposição, algumas premissas devem ser feitas: - 1. A presença de Deus com seu povo quanto à graça especial na aliança, e sua presença com eles quanto à assistência especial na providência, prosseguem em relatos muito diferentes. (1.) Eles têm um aumento muito diferente. O fundamento e a lei principal da graça especial, dispensada na aliança, é isto, - que alguns pecaram, e um outro foi punido, então é estabelecido expressamente, em Isaías 53: 6: "Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas, cada um se desviava pelo seu caminho; mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós."; em 2 Coríntios 5:21: "Ele foi feito pecado por nós, para que sejamos feitos a justiça de Deus nele"; em Gálatas 3: 13,14: "Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro; para que aos gentios viesse a bênção de Abraão em Jesus Cristo, a fim de que nós recebêssemos pela fé a promessa do Espírito.”; em 1 Pedro 2:24: “levando ele mesmo os nossos pecados em seu corpo sobre o madeiro, para que mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados.” Este é o princípio soberano da aliança da graça, que uma comutação deve ser feita de pessoas, de castigos e recompensas; que os pecadores devem ser providos de um substituto, - um que deve sofrer o castigo devido a eles, para que eles possam sair livres, e obter uma recompensa para aqueles que não poderiam obter nenhuma para si mesmos. Agora, a lei suprema e soberana das dispensações providenciais é completamente diversa e estranha deste pacto da graça. O que Deus afirmou, em Ezequiel 18: 1, 20: 1: "A alma que pecar, essa morrerá;" não levará a iniquidade de outrem. A justiça dos justos estará sobre eles, e a maldade dos ímpios estará sobre eles. "Tome isto para uma lei de direito universal e indispensável, estenda-a para a aliança da graça, e é absolutamente excluída da substituição e satisfação de Cristo. Mas é o fundamento, a regra e a lei das dispensações providenciais que Deus está tratando, e reivindicando o seu lidar com qualquer pessoa quanto à sua presença com eles e agindo em sua direção; que é diferente, como você vê, do fundamento da aliança mencionada anteriormente. (2.) Como os fundamentos são diversos, assim é a regra de sua continuidade. Qual é a regra e a medida da continuação de Deus com seu povo na aliança da graça? Provavelmente isto, - que ele nunca os abandonará; e, por isso, cuidará que nunca o abandonem, mas que permaneçam com ele para sempre. Não é enquanto eles fazem isso e assim, ele vai ficar com eles; e quando eles deixam de fazer isso, ele os abandonará, quanto à sua presença federal e da aliança; - não existe um fundamento tão arenoso que nos arrancaria da nossa permanência com Deus em Cristo. Veja o teor da aliança, Jeremias 31:33, 32: 38-40. A soma é que Deus estará com eles, e cuida-se de que eles permaneçam sempre com ele; e, portanto, providenciou todas as intervenções imagináveis, de que nada violará essa união. Deus estabelece sua imutabilidade como fundamento da aliança, Malaquias 3: 6, e ele nos torna inalteráveis; - não absolutamente assim, pois mudamos em cada momento; mas, no que diz respeito aos termos e limites da aliança, ele se comprometeu a nunca deixá-la. A lei da presença de Deus em relação às dispensações providenciais e todos os privilégios especiais que a atendem é muito importante: é puramente condicional, como você pode ver no meu texto. O teor dele é expresso ao auge, em 1 Samuel 2:30: "Portanto, diz o Senhor Deus de Israel: Na verdade eu tinha dito que a tua casa e a casa de teu pai andariam diante de mim perpetuamente. Mas agora o Senhor diz: Longe de mim tal coisa, porque honrarei aos que me honram, mas os que me desprezam serão desprezados." Aqui não há nenhuma alteração de conselho ou propósito em Deus; mas apenas uma explicação da regra, da lei e do teor de dispensações providenciais; - nenhuma interpretação da aliança de graça (Eli não tomou o sacerdócio por essa aliança); mas uma explicação do teor de um privilégio dado em providência especial, Salmo 89: 32,33: “então visitarei com vara a sua transgressão, e com açoites a sua iniquidade. Mas não lhe retirarei totalmente a minha benignidade, nem faltarei com a minha fidelidade.” Daí há essa variedade de relações de Deus com os homens mencionados na Escritura; que ainda são sempre justas, de acordo com uma ou outra dessas regras e leis. Em Isaías 43: 22-24, diz Deus do seu povo: "Contudo tu não me invocaste a mim, ó Jacó; mas te cansaste de mim, ó Israel. Não me trouxeste o gado miúdo dos teus holocaustos, nem me honraste com os teus sacrifícios; não te fiz servir com ofertas, nem te fatiguei com incenso. Não me compraste por dinheiro cana aromática, nem com a gordura dos teus sacrifícios me satisfizeste; mas me deste trabalho com os teus pecados, e me cansaste com as tuas iniquidades." O que, então, deve ser feito com esse povo? - Afastar-se deles, destruí-los, deixá-los morrer? Não, versículo 25: "Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim, e dos teus pecados não me lembro." Assim também, capítulo 57:17, "Por causa da iniquidade da sua avareza me indignei e o feri; escondi-me, e indignei-me; mas, rebelando-se, ele seguiu o caminho do seu coração." Certamente, agora Deus os consumirá, raiz e ramo, como pessoas incorrigíveis e irrecuperáveis. Não; o caso é bem diferente, versos 18,19, "Tenho visto os seus caminhos, mas eu o sararei; também o guiarei, e tornarei a dar-lhe consolação, a ele e aos que o pranteiam. Eu crio o fruto dos lábios; paz, paz, para o que está longe, e para o que está perto diz o Senhor; e eu o sararei." Lamentarei, perdoarei, salvarei, santificarei e sararei com consolo. Vá agora a Ezequiel 33:18: "Quando o justo virar da sua justiça," o que então? Deus o curará, e lhe restaurará os confortos, como foi nos lugares antes mencionados? Não, não; "Ele morrerá", ele será cortado. Qual é a razão dessa diversidade? Por que, em primeiro lugar, Deus fala de suas relações com suas almas quanto à sua aliança de graça e todas as suas misericórdias; - neste último, quanto aos seus tratos com suas pessoas e seus interesses externos nas dispensações de sua providência. E o que não obedece a isso fez com que alguns pronunciassem, sem consideração, a aliança da graça para ser meramente condicional, porque encontram muitas misericórdias e privilégios mencionados sob tal noção; - não considerando que todas essas propostas pertencem à lei da providência externa e não à natureza da aliança de promessa estabelecida no sangue de Cristo. E, a menos que isso seja permitido, nada pode ser mais contrário ao meu texto do que a promessa, e tal como a que temos em Isaías 54: 9, onde é providenciado o cumprimento de Deus com seu povo, apesar de todas as suas apostaisas e provocações; que ele até agora cura, para que ele não os abandone. E isso é primeiro a ser observado, que não, na consideração da presença e das retiradas de Deus quanto a dispensações providenciais, lançamos qualquer reflexão sobre a estabilidade e a inalterabilidade da aliança da graça. Davi declarou plenamente este assunto, em 2 Samuel 23: 5; ele disse: "Pois não é assim a minha casa para com Deus? Porque estabeleceu comigo um pacto eterno, em tudo bem ordenado e seguro; pois não fará ele prosperar toda a minha salvação e todo o meu desejo?" Davi tinha uma promessa para a prosperidade de sua casa; ele também teve um compromisso com as certezas da aliança. O teor diferente desses compromissos, quanto ao seu sucesso e estabelecimento, ele nos dá este relato de: - a aliança é absoluta e imutável; isto é, ordenada em todas as coisas e com certeza; - a prosperidade de sua casa depende de outra lei e regra, que está sujeita a alterações. 2. Observe a natureza dessa dependência da presença de Deus na nossa relação com ele. Não depende disso, como o efeito sobre a causa devida, como se fosse adquirido por ele, merecido por ele. Não apreciamos o menor pedaço de pão em qualquer conta, muito menos privilégios eminentes que atendem à presença providencial especial de Deus. Não merecemos nada da mão de Deus; e, portanto, se ele nos levar no meio da obediência escolhida, e nos encher com as misérias mais ferozes, ele não nos faz mal; - e, portanto, o Senhor o faz às vezes com os dele; e isso não apenas com pessoas particulares, como no caso de Jó, mas também com o seu povo em geral, como no Salmo 44: 17-19: "Tudo isto nos sobreveio; todavia não nos esquecemos de ti, nem nos houvemos falsamente contra o teu pacto. O nosso coração não voltou atrás, nem os nossos passos se desviaram das tuas veredas, para nos teres esmagado onde habitam os chacais, e nos teres coberto de trevas profundas." Embora ele exija o nosso dever em nossas mãos, ele ainda não está ligado a nenhuma presente recompensa. Isto é tudo, - normalmente depende disso como consequente sobre um antecedente, que permite uma interposição de graça e misericórdia; como em Neemias 9:17. No entanto, você é misericordioso, "não os abandone". Assim, em outro lugar, esse bom homem ora: "Lembre-se de mim para o bem, e poupe-me, de acordo com a multidão das suas misericórdias". Para a glória da sua justiça e de seus caminhos no mundo, Deus ordenou que o seu povo andasse com ele, quando ele permanece de forma eminente e conspícua de maneira especial com eles. 3. Observe que nosso respeito com Deus, mesmo nas administrações nacionais, é o efeito apropriado de sua presença conosco em dispensações de aliança; de modo que tudo, na questão, é de pura misericórdia e graça: embora a condição pareça ser imposta a nós, ainda é somente dele que temos força para a sua performance. É nisso, e tais casos, como Davi disse que era com aqueles que estavam dedicando sua prata e ouro para a construção do templo: "Do que é seu Senhor, nós te demos." Nós fizemos, senão, devolvê-lo. O que Seu próprio, nós lhe damos, senão os frutos de sua própria graça; e sem isso, não podemos fazer nenhum retorno. Essas coisas sendo premissas, eu vou dar uma confirmação à proposição e, assim, descer para a devida apreciação dela. Suponho que não preciso ir para a prova além da observação do teor constante nos procedimentos de Deus com o seu povo antigo. Quando ele não lidou assim com eles? Que instância pode ser dada de transgredir essa regra? É toda a história da nação dos judeus, a não ser a ilustração dessa proposição? Alguns governaram bem e procuraram o Senhor; e o Senhor estava com eles, e os fez prosperar em todos os seus caminhos; - alguns caíram dele e caminharam de acordo com suas próprias imaginações; e o Senhor cortou-os sobre essa conta; - sim, às vezes um mesmo homem, como Salomão, Asa, Uzias, experimentaram esses dois estados e condições. O estado de todas as nações não tem sido o mesmo, desde que entraram no poder dos homens que professam o conhecimento dele? Olhe para o império romano; não floresceu sob a mão de homens que governavam com Deus e eram fiéis com os santos? Não é a distração presente, sob a fúria e a crueldade do Islã e do papa, a questão da violência, injustiça, idolatria, luxo e perseguição de governadores? Não é a demonstração de todo o povo de Deus no mundo - cuja consideração, em particular, pode ser insistido como o motivo e a razão da verdade persistir - exigem que seja assim. Levítico 26: 1 e quase todo o livro de Deuteronômio, são sermões neste texto; e todos os versos, quase, proporcionariam uma nova confirmação da verdade em apreço. Preciso, antes disso, de evitar erros, além de confirmar a proposição. Para este fim, siga estas observações seguintes: 1. Todo o florescimento ou prosperidade externa de um povo nem sempre discute a presença especial de Deus com eles. Há várias coisas necessárias para tornar o sucesso e a prosperidade uma evidência da presença de Deus: - (1.) Que o próprio povo que prosperou seja seu povo, - o seu peculiar. Como muitas nações perversas estão lá no mundo, que por um longo tempo recebeu bênçãos (por assim dizer) e sucesso em suas empresas! O Senhor está entre eles por sua presença especial? De modo nenhum. Ele está usando-os, de fato, para o seu próprio fim e propósitos, - quebrar os outros, ou preencher a medida de suas próprias iniquidades, para que a sua destruição seja uma manifestação evidente de sua vingança e juízo justo para todo o mundo; mas presente com eles no sentido afirmado, ele não está. O caso está indicado, em Habacuque 1: 1, 2: 1, como você pode ver nesses capítulos em geral. É o mesmo caso com as nações anticristãs e islâmicas no mundo neste dia. Sua prosperidade não é evidência da presença de Deus, porque eles próprios são seus inimigos. Outros fundos, razões e motivos existem de seus sucessos; - A posse de Deus deles não é nenhuma delas. (2.) Que toda a obra seja boa, e tenha uma tendência para a glória de Deus, onde eles estão envolvidos. O conselho de Davi para a morte de Urias prosperou e entrou em vigor; e ainda não era Deus com ele ali. O trabalho envolvido deve estar de acordo com sua mente. E, - (3.) Feito útil e subordinado à sua glória. Quando os corações de um povo podem se proteger nessas coisas, então eles se regozijem em sua prosperidade, como uma promessa da presença de Deus com eles. 2. Mesmo grandes aflições, distúrbios eminentes, longas perplexidades, podem ter uma consistência com a presença especial de Deus. Embora a roda continue, ainda assim pode ter uma roda cruzada, que pode causar esfregaços e distúrbios. A regra da atuação de Deus em sua presença, é a própria sabedoria e o bem na questão - não nossos desejos parciais e autodestratadores. Tivessem as melhores pessoas no mundo todos os seus próprios desejos, eles estariam de todas as maneiras arruinados. Quando Deus está perto de nós, ele sabe o que é melhor para nós. Segurança de destruir males, não [de] tentativas de males, ele lhes dá com quem ele é. E isso é tudo o que eu vou oferecer para a explicação, confirmação e cautela da proposição apresentada; o que permanece mais longe para ser aberto cairá dentro dos seus usos, que agora se seguem.
Aplicação 1. Esta presença especial de Deus sendo, como você já ouviu, a grande e única preocupação de qualquer pessoa, - o mandato ou condição de ser nosso respeito com ele, - que a nossa primeira aplicação seja para instruir-nos particularmente, - (1.) Qual é esta prestação especial de Deus, e em que ela consistirá; (2.) O que é para nós permanecermos com Deus, para que possamos desfrutá-lo. (1.) Para a descoberta completa do primeiro, considerarei isso naquela instância eminente em que no passado ele concedeu sua presença ao seu povo. O fundo desse empreendimento dos israelitas em deixar o Egito e percorrer o deserto até Canaã, estava fundado na promessa da presença de Deus com eles, Êxodo 3: 10-12. Para essa consideração, toda a empresa e o assunto se voltaram; porque esta questão é posta por Moisés, Êxodo 33:15: "Se a tua presença não for conosco, não nos faças subir daqui." Não moverão um passo sem ele; e com ele não se importam para onde eles vão. Agora, esta presença de Deus com eles simbolicamente consistiu, ou melhor, foi representada por duas coisas: - [1.] O pilar da nuvem e do fogo, que era com eles normalmente ; [2.] A aparência de sua glória, que eles desfrutaram em ocasiões extraordinárias. [1.] O primeiro, com o primeiro uso disso, é mencionado, Êxodo 13: 21,22, "E o Senhor ia adiante deles, de dia numa coluna e os dois para os guiar pelo caminho, e de noite numa coluna de fogo para os alumiar, a fim de que caminhassem de dia e de noite. Não desaparecia de diante do povo a coluna de nuvem de dia, nem a coluna de fogo de noite." Menciona-se aqui como se fossem dois pilares, um de dia, e outro de noite; mas parece ter sido o mesmo pilar com várias propriedades. No capítulo 14: 19,20, o mesmo pilar, ao mesmo tempo, realiza esses dois ofícios em relação a várias pessoas; - para alguns era, de um lado, uma nuvem e uma escuridão; para os outros: "Então o anjo de Deus, que ia adiante do exército de Israel, se retirou e se pôs atrás deles; também a coluna de nuvem se retirou de diante deles e se pôs atrás, colocando-se entre o campo dos egípcios e o campo dos israelitas; assim havia nuvem e trevas; contudo aquela clareava a noite para Israel; de maneira que em toda a noite não se aproximou um do outro." Depois disso, quando a arca foi feita, e o tabernáculo erguido, esta nuvem, que até então foi antes do acampamento, veio e cobriu o tabernáculo noite e dia, como estava no meio do acampamento, ou a congregação; como uma nuvem era de dia, e como uma coluna de fogo de noite, Êxodo 40: 34-38; e continuou com o povo todo o tempo enquanto estavam no deserto, Neemias 9:19. Esta sendo a primeira promessa eminente da presença de Deus com essas pessoas, consideremos o que foi indulgente ou concedido a elas. 1º. Eles tinham constante direção em todas as suas jornadas e compromissos: eles estavam por este pilar direcionados no seu caminho; de modo geral, é expresso, em Números 10:33, como também em Êxodo 40: 1. Deus, com essa promessa de sua presença, foi o início de todo seu descanso e movimento, o guia e diretor de todos os seus compromissos; de modo que se mudaram, agiram, descansaram, procederam, de acordo com sua vontade e conselho. Ele os guiou pelo olho e os guiou pelo seu conselho. Às vezes, talvez, eles estariam para a frente, eles estariam atuando, agindo, fazendo, seus corações estando cheios de desejos, e eles estando impacientes pela demora. Se não for conforme a sua mente, ele fará com que uma nuvem permaneça em seu tabernáculo, ou suas assembleias e encontros, - uma nuvem que os escureça e os distraia em suas consultas, para que não possam tomar um passo à frente. Embora os seus desejos sejam excelentes, as suas intenções sejam boas, a nuvem estará sobre eles, e eles não conhecerão o seu caminho. Às vezes, talvez, eles são pesados, temerosos, preguiçosos; - há um leão no caminho, - gigantes estão na terra; as dificuldades e as perplexidades estão no caminho diante deles em tais e tais empreendimentos, - eles não têm coração para isso; o caminho é longo e perigoso, melhor retornar do que avançar. Deus quer que eles passem e se envolvam? A nuvem se separará e os percorrerá, - eles verão até agora em seu caminho para sair com alegria. Somente, observe isso, que quando a nuvem foi movida, eles sabiam que deveriam seguir o caminho em que estavam, e viajaram em conformidade; mas eles não sabiam para onde deveriam ir, nem qual seria o fim de sua jornada. E, portanto, é dito que, quando eles viajaram, a arca foi diante deles, para procurar um lugar de repouso para eles, Números 10:33. Foi seguido, para ver onde o pilar ou a nuvem de direção permaneceria, e lá eles descansavam, onde quer que fosse. Quando Deus dá ao povo uma direção tão grande quanto eles veem que é seu dever prosseguir, e confiar nele ao fazê-lo, embora eles não vejam o fim, nem sabem qual será o seu lugar de descanso, ainda assim é uma promessa da presença de Deus com eles. Suponho que em sua reunião você teve a nuvem removida, quanto aos seus compromissos em algumas empresas, sobre o qual você deve confiar em que a presença da Arca de Deus, o Senhor Jesus Cristo, irá encontrar um lugar de repouso que, ainda não aparece para você. Que experiência completa temos tido desse tipo de processo entre nós! Na última assembleia do parlamento, quantos não tinham menos intenções reais de trabalhar para Deus do que agora! Deus viu que não seria para a vantagem das pessoas que eles deveriam prosseguir; daí a nuvem descansava naquela assembleia, que eles não podiam ver como dar um passo em frente. Ele ainda estava presente conosco; mas foi por uma nuvem escura, que não podíamos viajar para o nosso descanso. Nem é a vontade ou o conselho do homem, mas de Deus, que deve ser examinado nessas coisas. Agora esperamos que a nuvem esteja em alta, e estamos viajando para o nosso descanso. O grande anjo de sua presença nos encontrará no descanso da boa providência de Deus. Isto, então, está na presença especial de Deus, - ele está conosco para nos dar direção em todos os nossos empreendimentos; - para tirar a escuridão, perplexidades, dificuldades de nossos conselhos; ou para nos fazer descansar e cessar de tudo o que pode entrar em nossos corações, o que não é conforme a sua mente. O Senhor nos dê cada vez mais a sua presença! Não posso ficar para mostrar-lhe as várias maneiras pelas quais Deus agora comunica direção a um povo; - como ele inclina seus corações insensivelmente, ainda que poderosamente; conserta a inclinação de seus espíritos efetivamente, seus corações estão em sua mão como os rios da água, que ele gira como lhe agrada; fornece-lhes raciocínios e consultas além da própria sabedoria; propõe ocasiões, convites, provocações; dá-lhes espírito e coragem além de suas condições e temperamentos naturais; amplia-os em oração ou os fecha; faz paredes, por um lado, e abre caminhos por outro; com inúmeras formas e meios, como, em sua infinita sabedoria, tem o prazer de se tornar eficaz para sua orientação. Basta que, no uso dos meios, através da paciência e aguardando, serão direcionados para o que lhe agrada. Ele também está com eles. 2. O segundo uso deste pilar era, para dar-lhes proteção e defesa em seus caminhos; então Êxodo 14: 19,20,24. Isso os protegeu dos egípcios; - e daí Deus perturbou seus inimigos com aa coluna; isto é, com a sua presença especial. Este uso disso é insistido, em Isaías 4: 5,6. A nuvem, que era como a fumaça do dia, e como o fogo de noite, era também uma sombra, um lugar de refúgio e uma cobertura; em uma palavra, uma proteção ou uma defesa. E esta é uma segunda coisa que está na presença especial de Deus, - ele os protegerá ou os defenderá com quem ele está tão presente. Ele é seu lugar de habitação, Salmo 90: 1, então, quando neste mundo eles não têm nenhum; seu refúgio no tempo da angústia: então Isaías 25: 4, 26: 1, 31: 4. Promessas e instâncias para tornar isso bom abundam; - são conhecidas de todos; o tempo faltaria para eu insistir nelas. Eu posso examinar todas as causas, meios e formas dos medos, perigos, ruínas de um povo e mostrar-lhe como é fornecida uma defesa contra todos eles. Os seus medos são de si mesmos, por causa da sua insensatez, fraqueza e divisão? Ou de amigos fingidos, por causa de sua inveja e deserção? Ou de inimigos abertos, por causa de seu poder, crueldade, malícia e vingança? Uma defesa é fornecida em cada conta. Cura, chuva, tempestades, adversidade, prosperidade, - todos são fornecidos contra, onde Deus está presente, Isaías 32: 1,2. E se qualquer pessoa no mundo tem experiência desta verdade, nós a temos nesse dia. O Senhor não estava conosco, que não nos havia destruído? Inimigos, amigos, no exterior, em casa, nossas próprias loucuras, - tudo, algum deles, tinha feito o trabalho, o próprio Senhor não estava conosco. Apenas observe , que a presença de Deus, em relação a esses efeitos, pode, às vezes, em alguns detalhes, ser eclipsada, e os efeitos por algum tempo se enredam, embora não haja uma violação total entre ele e seu povo. Com que frequência os israelitas tentavam coisas sem sua direção! Com que frequência ele invadiu, a sua aflição e tristeza! Ainda, para o principal, ele não os abandonou, até que o grande trabalho que eles pretendiam fosse realizado, Neemias 9:19. Não é cada emaranhamento, cada decepção, cada derrota, que argumenta a partida de Deus, quanto à sua presença especial. Pode ser bom para nós às vezes estar em tal condição; e então a deserção que o envolve, é da presença de Deus. Agora estamos crescidos para isso, que, se tudo supera imediatamente a nossa imaginação, alguns dizem, Deus se foi deles; - não porque seja assim, mas porque eles o teriam assim. Mas é misericordioso Aquele com quem temos que lidar e não expulsará o povo para sempre. [2.] O povo com quem Deus era, teve a glória de Jeová como uma promessa de sua presença com eles. Isso apareceu apenas em épocas extraordinárias; - então ele o fez quando deu a lei, Êxodo 24:16; assim também na construção do tabernáculo. Quando a nuvem estava no tabernáculo, a glória do Senhor o preenchia. Apareceu novamente a todas as pessoas, Levítico 9:23. Não vou agora perguntar o que era esta representação visível da majestade de Deus; - basta, no que diz respeito ao propósito em mãos, que, quando Deus dá a sua presença a um povo em épocas extraordinárias, ele oferece-lhes manifestações extraordinárias de sua glória. Assim, na visão de Ezequiel sobre as terríveis rodas da providência, a glória do Senhor é dita aparecer no templo; e como sua presença especial se afastou do templo e da cidade, então a glória, em vários graus, partiu também, capítulo 10: 10,18,19, 11: 23. As aparências eminentes e gloriosas com e para um povo em épocas extraordinárias são , então, outra coisa que acompanha a presença providencial especial de Deus com eles. Quando eles estão em uma perda total em seus conselhos, em uma posição em seus movimentos, decepcionados em suas companhias, pressionados em todos os lados acima da medida, ou chamados para algum trabalho extraordinário, de modo que sua direção e proteção ordinária não os carrega nem os suporta, - então Deus os aliviará por uma aparência especial de sua glória. "No monte, o Senhor será visto". Isso dará um alívio quando tudo estiver em perigo. E nisso reside a evidência mais discriminatória de provas especiais. As aparências gloriosas em grandes distúrbios são enormes testemunhos da ação de Deus. Posso agora insistir em algumas das instâncias que poderiam ser dadas a este tipo de lidar conosco na Inglaterra, na busca da causa que temos à mão, isso nos faria envergonhados de toda a nossa indignidade, medos carnais e incredulidades. Esta é a segunda prova da presença de Deus: ele está com um povo para dirigi-los, para proteger, para manifestar a sua glória entre eles, - a sua glória no equilíbrio dos problemas da providência de um em relação a outro, - para que todos reconheçam a verdade de que o Senhor está entre eles. "Abençoado é o povo que está em tal caso; sim é abençoado o povo cujo Deus é o Senhor." O que você teria mais? Aqui está a facilidade de todos os cuidados, um remédio para todas as feridas, a segurança no meio de problemas, - descanso e paz, e lugares de residência seguros, embora o assírio esteja na terra. Assim, você vê o que é essa grande preocupação de qualquer pessoa. (2.) Consideremos agora a posse dessa benção, - sobre o que é para ser obtido ou apreciado. Agora, isto é, nosso respeito com Deus. Isso, então, é o próximo a ser considerado: o que é para um povo, - o que é para você e para nós, permanecer com Deus, como podemos em todos os nossos assuntos desfrutar da sua presença nos caminhos que foram descritos. Agora, é necessário algo aqui exigido anteriormente, - algo em que consiste. [1.] Para que possamos permanecer com Deus, é indispensável que possamos ter paz com ele em Jesus Cristo. Se nunca estivermos com ele, não podemos ficar com ele; ninguém pode ficar onde ele nunca está. A aceitação de nossas pessoas está no fundo da aceitação de nossos deveres. Como a presença especial de Deus com qualquer um, está em e por Cristo, e não de outra forma, também é nosso respeito com Deus em e através dele. "Deus conosco" é o nome de Cristo: o nosso ser com Deus está naquele que é a nossa paz. Dois não podem caminhar juntos, a menos que estejam em acordo, Amós 3: 3. Agora, porque isso não deve ser esperado de todos os indivíduos de uma nação, mas isso deve ser tratado, - que os governantes sejam como para ter esse interesse. Eu não dispenso de uma participação no governo, daqueles que não compartilham em Cristo, se legalmente chamados a isso; mas eu digo, quando Deus dá governadores a quem ele pretende fazer uma benção para um povo, eles serão os que são abençoados por ele em Cristo. E, se alguma vez, o governo desta nação, nesta presente constituição, - suponha que seja mais exatamente enquadrado e equilibrado, nas várias partes dela, para a promoção do bem público, - seja transferido às mãos de homens que não estão interessados em Deus por Cristo, embora a constituição possa ser absolutamente boa, ainda assim o governo não será abençoado, e a nação será arruinada; porque Deus e a sua glória partiram, Miquéias 5: 5,6. É Cristo a nossa paz, mesmo em problemas externos. Eles são "sete pastores debaixo dele", e "oito homens principais" em acordo com ele, que devem ser nosso alívio. É verdade, para algumas ações ou obras particulares, um homem perverso pode ser ungido particularmente - como Jeú e Jeroboão o filho de Joás; mas você não tem nenhum exemplo de que Deus tenha estado com um povo, para abençoá-los, de fato, em um curso de providência especial, quando os homens perversos, por seu próprio consentimento, eram seus governantes, - onde a união e a relação entre eles e o povo são consideráveis. Eu confesso a você, eu nunca penso no estado da Inglaterra, mas meu coração pulsa por essa coisa, ou seja, que aqueles que têm, e devem ter uma participação tão grande no governo desta comunidade, não devem ser levantados do corpo do povo, que é profano, e cheio de inimizade contra o remanescente fiel. Deus não anulou os homens, contrariamente aos seus próprios princípios internos e luxúrias, quão logo a ruína e a desolação entraram nessa mão! E deixe-me dizer que Deus, em sua soberana providência, tendo chamado tantos neste momento para o lugar do governo e da autoridade, que, de fato (como acreditamos), amam o Senhor Jesus com sinceridade, isto me parece visar como seu dever, considerar todas as formas e meios, pelos quais o poder dessas nações pode ser, em épocas sucessivas, passado à competência de homens do espírito e da condição semelhantes. Não devo interpor naquilo que é tão falado por alguns, sobre o reinado dos santos. Tenho certeza de que os meios usados e tentados por alguns, para estabelecer tal governo e domínio, não se tornaram homens sóbrios, muito menos santos de Cristo. No entanto, isso devo dizer, e, ao dizer isso, ouço dizer: "Ouve-me, Asa, e todo Judá e Benjamim." Se Deus deixasse sempre de chamar santos - isto é, homens interessados pessoalmente em Cristo - para lugares de autoridade principal nessa nação, ou entregar o poder a outras mãos, e quando aqueles chamados ao poder, deixam de o exercer em subserviência ao reino de Cristo, para a verdadeira vantagem espiritual de seu povo, haverá um fim da glória e felicidade da Inglaterra. Eu digo: Ouve isto, todos vocês, povo! Isso eu entreguei há muito tempo, e muitas vezes neste lugar; - isso digo ainda, e nesta persuasão espero viver e morrer. O Senhor o guie nesta coisa; no entanto, vivemos da boa providência de nosso Deus, que até então cuidou de nós. Isto, então, eu digo, é pré-requisitado, como qualificação de qualquer pessoa para a realização deste dever de permanecer com Deus. É o conselho do salmista, Salmo 2: 11,12. Que esse princípio seja sempre de propriedade de você; por ele honrar a Cristo no mundo. Dê-lhe a preeminência; é a vontade do Pai que ele deveria ter tudo em tudo. Não espere a presença de Deus, senão sobre esta conta. Preste testemunho aqui contra o mundo dos homens profanos, que desprezam essas coisas. Vendo, então, que não se pode esperar que esta qualificação seja difundida universalmente, até agora, através do corpo do povo, que os governantes se preocupem com a não causa da partida de Deus de nós. [2.] O que é, agora, para que tais pessoas permaneçam com Deus, para que possam esperar confortavelmente a continuação de sua presença com eles? - O que é tudo o que eles precisam ou desejam. Nomeio algumas coisas que são obrigatoriamente necessárias para isso. 1º. Para que perguntem a Deus, peçam conselho à sua mão, olhem para ele por direção em todos os seus assuntos. Ele está presente com eles para dar-lhes direção: - não procurá-lo em sua mão, é extremamente desprezá-lo. Deve surgir de uma dessas duas apreensões; - que ele não se preocupa conosco, ou ele não sabe como nos direcionar. Quando ele deu direção pela nuvem no tabernáculo, as pessoas sendo reprovadas por seus medos carnais e incredulidade no retorno dos espiões, alguns deles precisariam subir instantaneamente no monte e lutarem com os cananeus; mas, diz o Espírito Santo, a "morada da arca no campo". Eles foram sem a direção de Deus e prosperaram em conformidade. Com que desprezo Deus fala da sabedoria e dos conselhos dos filhos dos homens, quando eles se aderiram a eles! Como ele faz dele a sua glória, transformar todas as suas consultas em loucura, e fazê-las errar em seus caminhos como um homem bêbado! Como ele lhes pede para tomarem conselho juntamente, quando ele pretende destruí-los! Que exemplos podem ser dados de todos os governantes bons e prósperos do passado, quanto à sua direção de Deus! Que promessas de um sucesso e uma questão abençoada ao fazê-lo, estão lá! As palavras do meu texto serão suficientes como um exemplo em todos os tipos. Mas você vai dizer: Como perguntaremos a Deus? As nações tiveram seus oráculos, pelos quais se enganaram. O povo de Deus teve seus Urim e Tumim, seus profetas e oráculo. "Traga aqui o éfode, e pergunte a Deus", foi a palavra com eles. Mas, infelizmente! O que é tudo isso para a vantagem que temos de procurar o conselho de Deus e tomar direção dele? Temos um Sumo Sacerdote sempre presente conosco, por quem podemos perguntar. Nosso sumo sacerdote é o anjo da presença de Deus, o poderoso conselheiro, o poder e a sabedoria eterna do próprio Deus. E onde ele está? Ele aparece na presença de Deus para nós, no lugar sagrado não feito com as mãos, tendo feito um caminho novo e vivo para que possamos entrar no véu, para perguntar ao oráculo. O que teríamos mais? Ele é nosso capitão, nosso líder, nosso sumo sacerdote, urim e tumim, nosso oráculo, nossa arca, sobre quem a nuvem de direção repousa e permanece para sempre. Você, então, estará com Deus? Pegue a direção dele por Cristo em todas as suas empresas; então, faça isso, e não apenas em palavras ou profissões. Espero não precisar ficar para lhe dar instruções sobre como esse dever deve ser realizado. A "unção" ensinará você, e sua "irmandade", espero, "é com o Pai e com o seu Filho Jesus Cristo." Agora, somente tome estas poucas palavras com você: - (1.) Consagre todos os seus desejos para a Sua glória. Não estabeleça seu coração sobre nada, senão com esta reserva expressa, - Se é consistente e conveniente para a glória de Cristo e seu reino. Não fique cansado de seus próprios desejos violentos; mas coloque todos os seus objetivos e projetos a Seus pés sempre, tornando-se como crianças desmamadas diante dele. (2.) Tenha diante dele um senso real de sua própria fraqueza e insensatez, tanto solidariamente quanto em conjunto, se não for dirigido por ele, que em sua piedade e compaixão ele possa aliviá-lo. (3.) Guarde seu coração nessa integridade, para que possa sempre pressioná-lo e exortá-lo com seu próprio interesse em todos os seus assuntos. Isso é uma coisa que ninguém, exceto os justos, podem fazer de maneira correta. (4). Na verdade, pergunte por fé e oração, qual é a sua vontade e mente; - faça isso de forma solidária e conjunta; - faça isso em particular, publicamente; - faça-o todos os dias, e em dias separados para esse fim. Ele certamente será encontrado por você. Você sabe como foi fácil exemplificar todas essas coisas por testemunhos; mas o tempo não permitirá. Se, ao invés de estas coisas, você se sustentar nas asas de sua própria sabedoria e artifícios, embora você possa parecer por uma temporada ter alcançado um lance justo e um voo, você será enredado e levado no meio do seu curso com vergonha e tristeza: porque o Senhor não estará com você. 2. Outra coisa em que devemos estar com Deus, é confiando nele para proteção. "Oh, confie no Senhor para sempre, pois no Senhor Deus há força eterna. Este homem fez o Senhor seu refúgio. Aquele que confia no Senhor será como o monte de Sião, que nunca será removido. Entregue seus caminhos para o Senhor, lance seu fardo sobre ele; fique quieto e veja a salvação dele. Que coisas gloriosas são faladas sobre isso de confiar no Senhor para a proteção que todos vocês conhecem. Seria infinito insistir em comandos e promessas para esse propósito; e destacar um ou dois serviria apenas para enfraquecer a causa em questão, visto que aqui todas as Escrituras testemunham. Eu só vou mostrar o que é fazer isto, em alguns detalhes. (1.) É fortalecer e encorajar seus corações em assuntos difíceis, uma questão confortável de que você não consegue conjeturas de causas visíveis, por conta do engajamento de Deus para o seu bem. Para omitir as instâncias de Asa, Josafá e muitos outros, tome esse sinal de Davi em sua grande angústia em Ziclague, 1 Samuel 30:1. Você conhece a história: - sua habitação foi queimada e estragada, suas esposas e filhos se tornaram cativantes, seu povo consultando para apedrejá-lo, de modo que ele estava muito angustiado; o inimigo numeroso e sem o alcance dele; - todos os meios para aliviar sua condição, e trazê-la para uma questão confortável, eram muitos remotos. Mas que curso ele tomou agora? Ele desanimou? Ele cedeu? Ele descansou em seu próprio conselho e força? Não, diz o Espírito Santo; "Mas Davi se encorajou no Senhor, seu Deus." Você tem algum caso que esteja diante de você, que seja bom e honesto, mas ainda terrível, difícil, enredado? Seu coração está sempre pronto para desmaiar quando você pensa nisso; - Está quase além da sua imaginação para criar uma condição confortável. Em tal ocasião, se você estiver com Deus, ele estará com você; - se você confia tanto nele como para encorajar seu coração no conhecimento de sua sabedoria, bondade, poder, que ele possa descobrir e conseguir um final confortável e glorioso - isso é confiar nele para proteção. No Salmo 46: 1 esta doutrina é entregue no máximo. (2.) Confiar em Deus para proteção, é esperar por meio de desânimo e desapontamento para uma questão desejada dos assuntos que comprometemos com ele. "Aquele que crê não se apressará", Isaías 28:16. Isso o Senhor pede, Habacuque 2: 3,4. Os homens terão seus desejos precisamente realizados este ano, este mês, nesta semana, ou eles não aguardarão mais. Estes, diz Deus, são homens orgulhosos; seus corações são levantados neles; eles não confiam em mim para proteção. Os homens adoram confiar em Deus (como professam) pelo que eles têm em suas mãos, na posse, ou o que está em uma visão fácil; coloque seus desejos de longe, leve a sua realização para atrás das nuvens fora de suas vistas, interponha dificuldades e perplexidades, - e seus corações estão instantaneamente doentes, - eles não podem esperar por Deus; eles não confiam nele, nem sempre o fizeram. Você teria a presença de Deus com você? Aprenda a esperar quietamente a salvação que você espera dele. Então, de fato, ele é glorificado, quando ele é confiado em uma tempestade, quando ele é esperado por longas perplexidades e angústias. A falta disso arruinou os israelitas na região selvagem. Seu trabalho foi longo, suas dificuldades e muitos emaranhados; - teriam um fim imediato de seus problemas. O que! mais dificuldades! mais dificuldades! Então, vamos escolher um capitão, e descer novamente para o Egito. Nós sabemos o pior disso; mas onde isso terminará, não sabemos. Isso colocou suas carcaças no deserto e privou-os de aproveitar a boa terra. (3.) É para entregar seus assuntos ao Senhor com submissão à sua vontade, quanto à sua questão e realização. A confiança se refere à proteção, mas não prescreve eventos específicos. Devemos entregar nossos assuntos a Deus com pensamentos de sua infinita sabedoria, soberania e bondade, com resoluções sobre o fato de que o produto de sua vontade é o que será bom, será o melhor para nós, embora não devesse atender a nossos desejos presentes. É verdade, o salmista diz: "Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e o mais ele fará", Salmo 37: 5. E assim ele deve ser e será, em todos os casos que sejam particularmente insistidos pelo salmista, em que sua própria glória é particularmente comprometida. Mas isso não se prescreve, em todos os casos, que devemos clamar: "Dá-me filhos, ou eu morro". A regra é conhecida; permaneçamos neste quadro, e teremos o que desejamos, ou o que é melhor para nós. Mas eu não devo permanecer nessas coisas. Veja o Salmo 37: 3-5, 73: 23-26. E estas são algumas das maneiras pelas quais nós permanecemos com Deus, quanto a nossa confiança em relação à proteção especial. 3. Uma terceira coisa sobre a qual eu deveria consertar é uma propriedade universal do povo sobre os interesses de Deus no mundo. Sua presença com eles é, sua propriedade de seus interesses; e certamente ele espera que eles permaneçam com ele na posse do grande interesse de Deus no mundo que é seu povo, como investido com os privilégios que eles adquiriram por Cristo. Deuteronômio 32: 9, "A porção do Senhor é o seu povo". Isto é o que o Senhor se manteve particularmente consigo mesmo; a vinha que escolheu de todas as florestas do mundo; o punhado que ele tomou para si mesmo - seus filhos e filhas - sua família. Ele espera que você deva cumprir, se você quer que ele o respeite; sim, é certo, pois seu respeito e consideração serão para eles e para o interesse deles como seu povo, assim o seu respeito e consideração serão para você e seu interesse como povo desta nação. Mas antes falei com você e, portanto, embora seja uma questão da maior importância, não insistir mais nela. E estas são algumas das condições da presença especial de Deus com você. Condições legais! a sua performance é a sua glória, o seu descanso, a sua benignidade; - não a sua escravidão, e não o seu fardo. Nem um dever exige que Deus, por esta razão, exija de você, mas também é sua recompensa. Ó termos abençoados de paz e de acordo! Bendito seja o grande pacificador! Amaldiçoados sejam os quebradores desse acordo abençoado! É tudo isso, de fato, necessário, para que possamos ter a presença especial de Deus conosco para sempre? O quão inexcusáveis devemos ser se negligenciarmos esses termos! - como será a nossa ruína! Eis que eu pretendo a vida e a morte hoje em dia; a vida ou a morte dessas nações. Oh escolha a vida! Vendo que pode ser tido em termos tão fáceis, tão abençoados; termos em que, ao fazer o bem aos outros, vocês também farão o bem às suas próprias almas; vocês darão paz à nação, e terão paz e descanso em suas próprias almas.
Aplicação 2. Veja esta presença de Deus como sua principal preocupação. Isto é o que o profeta pede nas palavras do texto. Então, o salmista: "Há muitos que dizem: Quem nos mostrará algum bem? Senhor, levanta a luz do teu semblante sobre nós.", Salmo 4: 1. Os outros homens façam as perguntas que quiserem; procurem o bem, para descansar, pela paz no que melhor lhes pareça; concorde com isso, que a luz do semblante de Deus, uma promessa de sua presença com você, é a única coisa que você deve inquirir. Lembro-me, desde o início desses últimos dias maravilhosos, com que frequência nos pensamos completamente arruinados: - Se tais alterações vierem, estamos destruídos; se tais homens morrem, caírem, se opuserem, há pouca esperança de continuar o trabalho em que nos comprometemos; se tais sacudidas, tais divisões nos dominarem, nossa ruína está próxima; se rompemos com essas nações estrangeiras, qual a esperança que resta? Mas, infelizmente! descobrimos pela experiência, que nossos assuntos não se voltaram nessas coisas; nossa prosperidade não foi construída sobre nenhum desses princípios. Tantas deserções como temíamos, aconteceram; tais alterações, tais divisões nos vieram, - às vezes, quase fomos reduzidos ao número de Gideão; tais violações com nações estrangeiras se seguiram: uma parte que estava conosco partiu e perguntou: o que você fará agora? e então outra parte partiu e nos perguntou: o que você fará agora? E logo que qualquer um caia, instantaneamente eles esperam, e predizem a destruição daqueles a que se referem; como se fossem Deus, e não homem; ou como se Deus fosse obrigado a segui-los com sua presença em todas as suas paixões, em todas as suas perambulações. Deveria ser mais desejável para mim do que a própria vida, ver todos aqueles pelo menos, que ficaram presos à causa de Deus nas suas maiores dificuldades e provações, e depois, quando deixou de ter prosseguido nos caminhos comuns de nações, uniram-se novamente no mesmo interesse comum, - para ver suas paixões e os preconceitos sendo curados, e suas pessoas retornando à sua antiga utilidade. Mas esse é o resultado de todo este discurso; - Não é isso ou aquilo, ou qualquer coisa, mas a presença de Deus sozinha com um povo, a vida deles, a preservação, a proteção deles e a prosperidade. Se a nossa força tivesse ficado em qualquer outra coisa neste mundo, nossa luz teria saído há muito tempo, e partido de nós: mas, portanto, é que não somos consumidos. Agora, se você é tão cuidadoso em não perder esses e aqueles amigos, esse e aquele partido da nação, - não para provocar essa ou aquela pessoa sem causa; oh, que peso deve ter sobre seus corações e almas, para que não provoque que o Senhor se afaste de vocês! que você cuide da continuidade de sua presença com você! Esta é a sua vida, a sua segurança, o seu sucesso, a sua paz. Aprenda a conquistá-lo, valorize-o.
Aplicação 3. Enquanto você tem alguma promessa da presença de Deus com você, não se sinta muito movido nem incomodado por qualquer dificuldade com a qual possa se encontrar; não se mova com nenhum terror, mas santifique o Senhor dos Exércitos em seu coração, e faça dele seu temor e seu tremor, e ele será um refúgio e um esconderijo para você. Alguns fingem visões de Deus e eles profetizam sua ruína e destruição; sim, eles têm tempos limitados, à vergonha de seus prognósticos. Alguns estão cheios de vingança, e eles ameaçam a sua ruína, e se levantam contra você. Alguns estão preocupados com os seus procedimentos, - que eles não estão em caminhos iguais que possam ser desejados; como se fosse um trabalho e caminho de ontem; como se não tivéssemos sido convertidos e expulsos de cadeias antigas e caminhos acima de dez anos atrás; e como se os antigos caminhos não estivessem tão desgastados para o interesse de uma multidão profana, que ainda é impossível manter o ônus correto neles, cuja orientação a você é confiada. Alguns dizem que você nunca será capaz de passar com a carga da sua empresa; como se Deus nunca tivesse dito: "O ouro e a prata são meus." Estas coisas devem estar ocupadas ou distraí-los? A questão do negócio em questão depende da opinião desses homens? Será que o fim estará de acordo com seus artifícios? Essas coisas, de fato, têm alguma influência na determinação dessa controvérsia? Essa consideração não será orientada para seus corações e espíritos, quando todas essas ondas se juntarem sobre você? Sim, mas o caso inteiro deve ser ordenado e cairá, de acordo com a presença de Deus conosco ou de outra forma . "Se Deus estiver conosco, quem pode ser contra nós?" Como você pode triunfar contra todas as oposições.
Aplicação 4. Respeite, então, seus pensamentos sobre as coisas que estão em uma tendência para a confirmação da presença especial de Providência de Deus com você. Você já ouviu falar sobre o mandato, os meios pelos quais é adquirida e retida: essas coisas que falei em geral antes. Além da sua própria dependência de Deus e do comportamento com a sua providência, as coisas que lhe incumbem são tais como respeito ou pessoas. (1.) Para as pessoas, é aquilo que eu tenho feito antes, e o que devo fazer enquanto tenho a vida e a oportunidade de falar com você, ou qualquer preocupação com o governo desta nação, em público ou em particular; porque eu sei que é sua vida, sua paz, seu dever; - e isto é, que o fim e o objetivo de todas as suas consultas sejam a proteção, o encorajamento, a liberdade da semente de Jacó, o remanescente fiel, as pessoas escondidas, - aqueles a quem Deus possui, aceitou, abençoou, deu a sua presença e está entre eles. Eu não imploro por sua exaltação, promoção, preferência, - Eu não sei o que; mas carregue como seu dever, cuide-se de que não sejam pisados debaixo dos pés, nem engolidos, nem expostos à raiva e ao desprezo dos homens da terra. Não é esse ou aquele partido dos quais eu falo, mas a geração dos que buscam o rosto de Deus; cuja causa é, sozinha, e não [de] qualquer outro homem, ou quadro de coisas, isto é, através do poderoso poder de Deus, triunfante nestas nações. Eles são para Deus como a menina de seus olhos; e deixe sua segurança ser também para você, e você não falhará da presença de Deus. (2.) Para as coisas, elas são, [1.] As coisas de Deus; ou, [2.] Homens: de cada uma palavra. [1.] Para as coisas de Deus, ou a profissão pública de religião na terra, meu tempo está muito gasto para entrar em um discurso sério sobre o assunto. Algumas coisas já foram feitas, o que, quando a inveja, a ira e o desapontamento deixarão de operar, todo o povo de Deus nesta nação terá motivo para se alegrar. Não se julgue mal, se eu me importar com você, parte da nação em especial: o exemplo dos santos nos permite uma consideração especial para aqueles de nossa própria nação, nossos parentes na carne. É para o País de Gales que falo, onde a infelicidade de quase todos os homens que correm para os extremos prejudicou o avanço do evangelho e o progresso de quando tivemos um excelente terreno para a expectativa de coisas melhores. Alguns ainda são zelosos das tradições de seus pais; e nada, quase, os satisfará, senão o seu antigo caminho de leitores mendigos em todas as paróquias. Outros, mais uma vez, talvez por um bom zelo, apressaram as pessoas com violência além de seus princípios, e, às vezes, pode ser, além da verdade; e, como disse Jacó, o excesso na condução do gado fará com que os jovens fiquem exauridos. Entre as reclamações de um lado e do outro, receio entre um zelo e uma formalidade equivocados - todo o trabalho é quase lançado no chão; - o negócio de Sião, como tal, é escasso por qualquer cuidado. O bom Senhor guia-o um pouco para seu alívio, para que aqueles que são piedosos possam ser encorajados e aqueles que precisam de instrução possam não ser negligenciados. [2.] As coisas do homem, ou as justas administrações da justiça em coisas relacionadas com esta peregrinação atual. Essas rodas, também, você deve definir. Muitos detalhes estão diante de você, mais se apresentarão; - tempos difíceis sempre produziram boas leis; - Sua sabedoria será, assegurar uma boa execução, que não só as gerações vindouras, mas a presente, possam comer do fruto de seus esforços e trabalho.



Leia também
Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P3 há menos de 1 hora

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por S...
kuryos Artigos 4


Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P2 há menos de 1 hora

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio...
kuryos Artigos 5


Hebreus 2 - Versos 5 a 9 – P1 há menos de 1 hora

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por S...
kuryos Artigos 6


"Mil vezes maldita" há 6 horas

Maldita, mil vezes maldita solidão Todas as noites invades meu coracão ...
joaodasneves Mensagens 4


"Deixem passar" há 6 horas

Deixem passar quem vai na sua estrada Deixem passar, quem quer andar Quem...
joaodasneves Poesias 6


"Se tu fosses" há 6 horas

Se tu fosses a minha mais bela flor Prometo todas as manhas regala com meu...
joaodasneves Poesias 6