Aquele Jesus, que em sua auto-humilhação, e que por um tempo deixou a sua glória celestial, fazendo-se por conta de sua encarnação menor do que os anjos, para a obra da redenção dos pecadores, retornou à sua antiga glória, e agora ainda maior pelo trabalho que fizera e pela honra recebida do Pai, apresentando-se à sua direita, muito mais superior e excelente do que todos os anjos, e a todo o somatório de criaturas morais, quer tanto nos céus, quanto na terra.