John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra
Neste primeiro capítulo, o apóstolo fixa e aprimora a principal consideração que ele pretende insistir em toda a epístola, - para prevalecer com os hebreus para a constância e a perseverança na doutrina do evangelho. E isso é tirado do autor imediato disso, o Messias prometido, o Filho de Deus. Ele, portanto, neste capítulo, o descreve em geral; e de duas maneiras, - 1. Absolutamente, declarando o que ele é em sua pessoa e ofícios, como também o que ele fez para a igreja; e 2. Comparativamente, com respeito a outras revelações ministeriais da mente e da vontade de Deus, insistindo especialmente em sua excelência e preeminência acima dos anjos, como veremos na explicação das várias partes e versos dele.
Versículos 1 e 2.
“1 Havendo Deus, outrora, falado, muitas vezes e de muitas maneiras, aos pais, pelos profetas,
2 nestes últimos dias, nos falou pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de todas as coisas, pelo qual também fez o universo.” (Hebreus 1.1,2)
Muitas dessas palavras sendo interpretadas de forma variada, seu verdadeiro sentido gramatical e importância deve ser considerado antes de abrirmos o significado do todo e o objetivo do apóstolo nelas; de onde também devemos prosseguir em toda a epístola.
Polumerwv. "Em todas as partes", ou "por muitas partes", "diversamente", "em diversas ocasiões". A palavra corretamente é, "por muitas partes", "completamente", "por várias partes em várias vezes", como nossa tradução intima.
Kaipolutropwv. "Em todas as formas", "muitas maneiras", ou "maneiras diversas".
Palai. "Desde o início", "anteriormente", "nos tempos passados".
Toiv patrasin. "Com nossos pais", "para os pais."
Toiv profhtaiv. "Nos profetas".
Epepca twn twn hmerw n toutwn. "E naqueles, últimos dias.", "nestes últimos dias".
En Uiw, "por seu Filho", "no Filho".
O apóstolo que pretende uma comparação entre a lei mosaica e o evangelho, refere-se a duas cabeças, primeiramente, sua revelação e instituição, de onde surgiu a obrigação de observância de um e outro. e, em segundo lugar, toda a sua natureza, uso e eficácia. O primeiro que ele aborda nessas palavras, e afirmando que, em que eles concordaram, estabelece claramente os vários casos em que a diferença entre eles consistem; ambos necessários para completar a comparação pretendida.
Aquilo em que eles concordam é a principal causa eficiente de sua revelação, ou o principal autor de quem eram. Este é Deus. Ele foi o autor da lei e do evangelho. Ele falou no passado "nos profetas", falou nos últimos dias "no Filho". Nenhum deles era de homens; não princípios diferentes - ambos têm a mesma origem divina. Veja 2 Timóteo 3:16; 2 Pedro 1: 20,21. Aqui, ambos concordam.
Sua diferença a este respeito, ou seja, na sua revelação, ele se refere a quatro cabeças, todas claramente expressas, salvo que alguns ramos da antítese por parte do evangelho sejam incluídos apenas nas expressões opostas que se relacionam com a lei.
Sua diferença, primeiro, diz respeito à maneira de sua revelação, e isso em dois detalhes: 1. A revelação da vontade de Deus, sob a lei, foi distribuída por "partes e modos diferentes", que sob o evangelho de uma só vez, ou em uma dispensação de graça e verdade. 2. Que "de maneiras diferentes", somente desse jeito, pelo Espírito que habita no Senhor Jesus Cristo em sua plenitude, e por ele se comunicou com seus apóstolos. Em segundo lugar, os tempos e as ocasiões da sua revelação. A lei da lei foi revelada "antigamente, nos tempos passados", e o evangelho "nestes últimos dias". Em terceiro lugar, as pessoas a quem a revelação foi feita. A lei foi para os "pais", e o evangelho para "nós". Em quarto lugar, e principalmente, as pessoas por quem essas revelações foram feitas. A lei foi pelos "profetas", e o evangelho pelo "Filho". Deus falou então nos profetas; agora ele falou no Filho. Toda a ênfase do argumento do apóstolo que se encontrava nesta última instância, omitindo o julgamento de todos os outros detalhes, ele entra na descrição adicional desse revelador imediato do evangelho em quem Deus falou, o Filho, e estabelece em geral, 1. A autoridade que lhe foi confiada, - Deus o fez "herdeiro de tudo"; 2. O fundamento e a justiça de atribuir esse grande poder e confiança para ele, nestas palavras: "Por quem também ele fez o mundo": pelo que ele abre o caminho para a declaração posterior de suas excelências divinas e incomparáveis, em que ele é exaltado muito acima de tudo que foi empregado na revelação ou administração da lei de Moisés, e o culto sagrado instituído assim. Todos esses detalhes devem ser abertos separadamente, para que vejamos a intenção do apóstolo e a força de seu argumento no todo; e alguns deles devem necessariamente ser um pouco insistidos em grande parte, por causa de sua influência no discurso que se seguiu. Aquilo em que a lei e o evangelho concordam é que Deus foi o autor desses dois. Sobre isso, não havia diferença quanto à maioria daqueles com quem o apóstolo tratava. Isso ele dá por certo. Pois os judeus professos não aderiram às instituições mosaicas porque Deus era seu autor, nem assim quanto ao evangelho; mas porque a lei foi dada por Deus por Moisés de maneira a nunca ser mudada ou revogada.
Isto o apóstolo, estabelece como princípio reconhecido, que a lei e o evangelho receberam a sua origem do próprio Deus; provando também, como veremos no progresso do nosso discurso, para a convicção dos outros, que tal revelação como a do evangelho foi predita e esperada, e que isso foi em particular, que foi pregado para eles. Agora, Deus sendo aqui falado em distinção do Filho expressamente, e do Espírito Santo por implicação evidente, sendo ele por quem ele falou nos profetas, esse nome não é tomado, provavelmente, para denotar principalmente a essência ou o ser da Deidade de cada pessoa participando da mesma natureza, mas denotando principalmente uma determinada pessoa, e a natureza divina apenas como subsistente nessa pessoa. Esta é a pessoa do Pai; como em outros lugares, a pessoa do Filho é tão significada por esse nome, Atos 20:28; João 1: 1; Romanos 9: 5; 2 Timóteo 3:16; 1 João 3:16, 5:20; - como também a pessoa do Espírito Santo, Atos 5: 3,4; 1 Coríntios 12: 6,11; Colossenses 2: 2. Para que Deus, o Pai, pelo caminho da eminência, fosse o autor peculiar da lei e do evangelho. E essa observação é necessária desde então, mesmo porque ele imediatamente atribui propriedades e excelências divinas a outra pessoa, evidentemente distinguido daquele a quem ele pretende denotar pelo nome de Deus neste lugar; o que ele não podia fazer, esse nome expressava, principalmente, como usado por ele, a natureza divina absolutamente, mas somente como é subsistente na pessoa do Pai. A partir deste ponto de acordo, o apóstolo prossegue para as instâncias da diferença que havia entre a lei e o evangelho quanto à sua revelação de Deus. Primeiro consideraremos o que diz respeito aos tempos de entrega, sendo que outras das outras instâncias estão regulamentadas. Para a primeira, ou a revelação da vontade de Deus sob o Antigo Testamento. Deus falou palai, "anteriormente" ou "no passado". Um certo espaço de tempo é denotado nesta palavra que recebeu tanto seu começo como seu fim, ambos que podemos indagar depois. Pegue a palavra de forma absoluta, e compreende todo o espaço do tempo desde a entrega da primeira promessa até esse fim que foi dado a todas as revelações de uso público sob o Antigo Testamento. Considere-se como relativo aos judeus, e a ascensão do tempo que expressa é a entrega da lei por Moisés no deserto. E isso é o que o apóstolo tem em vista. Ele não teve nenhuma disputa com os judeus sobre a primeira promessa, e o serviço de Deus no mundo construído sobre ela, nem sobre seus privilégios como eram os filhos de Abraão; mas apenas sobre o então privilegiado e reivindicado pela lei de Moisés. A data adequada, então, e o limite deste palai, "antigo", é de dar a lei de Moisés, e nela a constituição da igreja judaica e adoração, até o fim da profecia pública nos dias de Malaquias. Daqui até os dias de João Batista, Deus não concedeu nenhuma revelação extraordinária de sua vontade, quanto ao uso permanente de toda a igreja. Para que esta dispensação de Deus falando nos profetas continuasse para o espaço de vinte e um jubileus, ou aproximadamente onze séculos. Que já cessou por muito tempo o apóstolo intima nesta palavra, e que agradavelmente os princípios confessados dos judeus; segundo o qual ele confirmou o seu próprio da vinda do Messias, pela revitalização do dom da profecia, como foi anunciado, em Joel 2: 28,29. E, possivelmente, pensemos um pouco em seus pensamentos nesta matéria; pois, como observamos e provamos antes, o apóstolo se compromete com eles segundo seus próprios princípios reconhecidos. Os judeus, então, geralmente concedem, até hoje, que a profecia para o uso público da igreja não foi concedida sob o segundo templo depois dos dias de Malaquias, e não deve ser esperada até a vinda de Elias. Os delírios que foram colocados sobre eles por impostores agora trabalham tudo o que podem ocultar; e eles são, por experiência, feitos incrédulos em relação a tais pretendentes, como em épocas anteriores em que foram levados a muita miséria. Agora, como sua maneira é pressionar todas as suas conjecturas, sejam elas verdadeiras ou falsas, em algum lugar, palavra ou letra da Escritura, também fizeram essa afirmação. Observando ou supondo a falta de coisas diversas no segundo templo, eles fingem que querem ser intimidados, Ageu 1: 7,8, onde Deus, prometendo glorificar-se nesse templo, a palavra d; b] K; a, "Eu vou glorificar", está escrita de forma defeituosa, sem h, como o Keri observa. Essa letra, sendo a nota numeral relativa a cinco, significa, como eles dizem, a falta de cinco coisas naquela casa. O primeiro deles era, "a arca e os querubins", o segundo, o óleo da unção; o terceiro, a madeira da disposição ou o fogo perpétuo; o quarto, o Urim e Tumim, e o quinto, o Espírito Santo, ou Espírito de profecia. Eles não estão, de fato, todos de acordo com essa enumeração. O Talmud amly, Joma, cap. v., os compõe um pouco o contrário: - 1. A arca, com o propiciatório e os querubins; 2. O fogo do céu, que responde ao terceiro, ou madeira de disposição, na ordem anterior; 3. A Majestade divina, na sala do óleo da unção: 4. O Espírito Santo; 5. Urim e Tumim. Mas, como esse argumento é ridículo, tanto em geral quanto em conclusões de falta de letras ou redundância na escrita e, em particular, em relação a esta palavra, que em outros lugares é escrita como aqui, como Números 24:11, 1 Samuel 2:30, Isaías 66: 5; de modo que a própria observação da falta de todas estas cinco coisas na segunda casa é muito questionável, e parece ser inventada para dar conta do confessado cessar da profecia, pelo qual sua igreja foi plantada, nutrida e mantida, e agora , por sua vontade, significava estar próximo da expiração. Pois, embora eu conceda que eles possam oferecer sacrifícios com outro fogo do que o que foi traduzido da chama descendente do céu, embora Nadabe e Abiú foram destruídos por isso, porque a lei desse fogo atendeu à sua entrega, daí em que pela cessação providencial, era tão lícito usar outro fogo em sacrifício como era antes da sua entrega; ainda quanto à arca, Urim e Tumim, o assunto é mais questionável, e quanto ao óleo da unção está fora de questão, porque é legítimo que o sumo sacerdote o faça a qualquer momento, foi restabelecido sem dúvida no tempo da reforma de Esdras. E Josefo nos diz que Deus deixou de responder por Urim e Tumim duzentos anos antes de escrever, livro 3 capítulo 8; o que prova que eles tinham. Certamente é certo que, em seu primeiro retorno de Babilônia, eles não tinham o Urim e Tumim, Esdras 2:63, - não havia sacerdote com Urim e Tumim; no entanto, não parece que, depois disso, essa joia, seja lá o que for, não foi citada nas profecias de Ageu e Zacarias, segundo as quais a restauração do templo e o culto que lhes pertence foram realizados até a perfeição, especialmente considerando a visão de Zacarias sobre roupas o apóstolo com as vestes de seu ofício, capítulo 3; depois do que parece que eles foram feitos e em uso, como Josefo nos mostra, livro 11, capítulo 8, tratando da reverência feita por Alexandre o Grande ao nome de Deus gravado na lâmina de ouro na testa do sumo sacerdote. E Maimonides, Tractat. Sanhed. cap. 10, sec. 10, diz expressamente que todas as oito vestes do sumo sacerdote foram feitas sob o segundo templo, e particularmente o Urim e Tumim. No entanto, como ele diz, eles não perguntaram a Deus por eles, porque o Espírito Santo não estava nos sacerdotes. Da arca teremos ocasião de tratar depois, e de seu esconderijo fictício por Jeremias ou Josias, como os judeus afirmam. Isso podemos observar pelo presente, que, como é certo que foi levado pelos babilônios, entre outros vasos de ouro pertencentes ao templo, entre os que foram tirados nos dias de Jeoiaquim, 2 Crônicas 36: 7 ; ou aqueles levados com Joaquim seu filho, versículo 10; ou quando tudo o que restava, grande e pequeno, foi levado nos dias de Zedequias, versículo 18: assim pode ser suposto ser restaurado por Ciro, de quem se diz que ele devolveu "os vasos da casa do SENHOR, que Nabucodonozor trouxe de Jerusalém", Esdras 1: 7. E é incerto para que fim foi a solene entrada anual do sumo sacerdote no lugar santíssimo, observada a própria destruição da segunda casa, se nem a arca nem o propiciatório estivessem lá. Nem esta é acusada pelo que afirma Tácito, Hist. lib. v., que quando Pompeu entrou no templo, ele encontrou “nullas Deum efígies, vácuo sedem e inania arcana”, pois ele escreveu sobre os judeus com negligência vergonhosa, então ele apenas diz que eles não tinham imagens que eram tão usadas por outras nações, - nem a cabeça de um burro, que ele próprio, muitas linhas antes, afirmou ser consagrada no seu santuário. Por qualquer coisa, então, parece o contrário, a arca pode estar na segunda casa, e ser levada de lá para Roma com o livro da lei, que Josefo menciona expressamente. E, portanto, o mesmo Abarbanel, em seu comentário sobre Joel, nos diz que Israel, no cativeiro, fora de sua própria terra, perdeu-se por causa de três excelentes dons: profecias, milagres e conhecimento divino. Salmo 74: 9; Tudo o que ele concedeu foi restaurado pelo Messias, sem mencionar as outras coisas antes recitadas. E confessam isso abertamente em Sota Distinc. que "Após a morte dos últimos profetas, Ageu, Zacarias e Malaquias, o Espírito Santo foi tirado de Israel." É, então, confessado "que Deus deixou de falar com a igreja nos profetas, quanto à sua oralidade ensinando e escrevendo, depois dos dias de Malaquias; que a temporada da falta de visão, embora continuasse quatrocentos anos e mais, é chamado por Ageu, capítulo 2: 6, “Pois assim diz o SENHOR dos Exércitos: Ainda uma vez, dentro em pouco, farei abalar o céu, a terra, o mar e a terra seca”, “dentro em pouco”, em referência à continuação de é desde os dias de Moisés; pelo que os judeus podem ver que há muito tempo que passaram todas as razões da expectativa de sua restauração, toda profecia deixando-os o dobro do tempo que sua igreja apreciou, que não pode ser chamado "um pouco de tempo", em comparação. Para retornar. Este foi o palai, estes tempos em que Deus falou nos profetas: o que determina uma instância a mais na comparação, a saber, "os pais", a quem falou pelos profetas; que foram todos os fiéis da igreja judaica, desde os dias da doação da lei até a cessação da profecia nos dias de Malaquias. Em resposta a esta primeira instância, por parte do evangelho, a revelação é afirmada e feita nestes últimos dias, "falou nestes últimos dias", a verdadeira indicação de qual tempo também descobrirá quem foram as pessoas a quem foi feito, o "nos falou." A maioria dos expositores supõem que essa expressão, "os últimos dias", é uma perífrase para os tempos do evangelho. Mas não parece que eles sejam chamados assim; nem foram conhecidos por esse nome entre os judeus, de cujo princípio o apóstolo prossegue. Algumas temporadas, de fato, sob o evangelho, em referência a algumas igrejas, são chamadas "dos últimos dias", 1 Timóteo 4: 1, 2 2 Timóteo 3: 1; mas o tempo todo do evangelho absolutamente não é assim chamado em nenhum lugar. Isto é os últimos dias da igreja do estado judaico, que foram então desenhados em seu período e abolição, que são aqui e outros lugares chamados "os últimos dias"" ou "a última hora", 2 Pedro 3: 3 ; 1 João 2:18; Judas 1:18. Porque, - 1. Como observamos antes, o apóstolo dá por certo que o estado da igreja judaica ainda continuou, e prova que estava atraindo seu período, cap. 8, tendo sua estação atual na paciência e tolerância de Deus somente, sem qualquer necessidade quanto à sua adoração ou preservação no mundo. E a seguir, a leitura das palavras em algumas cópias, antes de ser dito, dá testemunho, "no final" (ou "extremidade") desses dia", que, como o provado, não pode se relacionar com os tempos do evangelho. 2. O ministério pessoal do Filho, enquanto ele estava sobre a terra nos dias da sua carne, está aqui eminentemente, embora não apenas pretendido; pois, como Deus falou nos profetas, então, nos últimos dias, falou no Filho ; isto é, ele pessoalmente presente com a igreja, como os profetas também estavam em suas várias gerações, capítulo 2: 3. Agora, quanto ao seu ministério pessoal, ele foi enviado para "as ovelhas perdidas da casa de Israel", Mateus 15:24 (a quem também em seus dias ele enviou seus apóstolos, Mateus 10: 5,6); e, portanto, é dito ter sido "um ministro da circuncisão para a verdade de Deus", Romanos 15: 8, sendo, em última instância, enviado à mesma vinha a que os profetas foram enviados antes, Mateus 21:37. As palavras que utilizaram, "Antes de tudo, ele enviou a eles seu Filho", são exegéticas delas: "Ele falou pelo Filho nos últimos dias". 3. Esta frase é usada de forma significativa no Antigo Testamento para denotar a últimos dias da igreja judaica. Então, por Jacó, Gênesis 49: 1, "eu vos farei saber o que vos há de acontecer nos dias vindouros." Os dias apontados por Jacó eram aqueles em que o Messias deveria vir, antes que Judá fosse totalmente privado de cetro e escriba. Mais uma vez, por Balaão, as mesmas palavras são usadas para significar o mesmo tempo, Números 24:14, onde são traduzidas "No final dos dias", como muitas cópias leem nesse lugar. E em todos os profetas, esta é a notação peculiar dessa época, Miqueias 4: 1, Isaías 2: 2, "Nos últimos" (ou "últimos") dias; e o curso dos dias que estavam correndo, como em Deuteronômio 31:29, "então, este mal vos alcançará nos últimos dias." E a promessa da conversão de alguns dos judeus por Davi, seu rei, é anexada à mesma ocasião, Oseias 3: 5. A partir desses lugares é a expressão aqui usada, denotando os últimos tempos da igreja judaica, os tempos imediatamente anteriores à sua rejeição e a sua última ruína. Em todos os lugares que mencionam os "últimos dias", os dias do Messias devem ser entendidos. Os dias do Messias e os dias do fim da igreja judaica são os mesmos. E essas palavras também são expressamente usadas por R. D. Kimchi, comentário. em Isaías 2: 2; que honestamente remete todas as palavras dessa profecia para o Messias. Não é por nada que o apóstolo tenha em mente os hebreus que a época que se apresentava eram os "últimos dias", dos quais muitas coisas foram anunciadas no Antigo Testamento. Muitos dos seus interesses estão no conhecimento disso: o que, dado que dão grande luz a toda a causa, como foi dito entre ele e eles, deve ser aberto e considerado. A soma é que o fim de sua igreja e estado sendo predito para ser uma desolação perpétua, Daniel 9:27, os últimos dias agora são sobre eles, eles podem entender o que eles deveriam em breve esperar e procurar. O objetivo dos judeus sendo um povo, uma igreja e um reino, era trazer o Messias, cuja vinda e trabalho devem, necessariamente, pôr fim à sua antiga condição. Agora, porque aqui está envolvida a demonstração mais infalível de que o Messias veio há muito tempo, o apóstolo menciona os últimos dias para intimar que, na necessidade, de ele ter vindo neles, vou abrir mais o seu desígnio neste assunto, mas com brevidade, tendo me prolongado nesta cabeça em nosso Prolegomena, e por causa daqueles, que por quaisquer dificuldades possam ser dissuadidos da consideração deles. "Deus, desde a fundação do mundo, prometeu produzir a "Semente da mulher ", para efetuar a redenção de seus eleitos na conquista de Satanás, e o fez, na separação de Abraão do resto do mundo, começando a formar um povo peculiar, de onde a Sementes da mulher brotaria. Que esta foi a causa e o fim de seu chamado e separação é evidente a partir daí, que, imediatamente, Deus assegura que "em sua semente todas as famílias da terra seriam abençoadas", Gênesis 12: 1-3, 22:18; que é tudo como se ele tivesse expressamente dito a ele: "Por isso, eu te escolhi e chamei para que, em ti, eu possa estabelecer uma base para produzir a semente prometida, por quem a maldição deve ser levada, e a benção da vida eterna trazida", como Gálatas 3: 13,14. Por esta causa, sua posteridade continuou em um estado de separação do resto do mundo, para que ele pudesse buscar uma semente piedosa para si mesmo, Números 23: 9; Malaquias 2:15: por isso, ele os elevou em um estado civil, régio e da igreja, para que ele pudesse tipificar e prefigurar os ofícios e os benefícios do Messias prometido, que deveria reunir a si as nações que deveriam ser abençoadas na semente de Abraão, Gênesis 49:10; Salmo 45; Oseias 3: 5; Ezequiel 34:23. E todos os seus sacrifícios não deixaram de dominar aquela grande expiação do pecado que ele deveria fazer em sua própria pessoa, como já provou. As coisas que estão assim dispostas, Deus prometeu-lhes que seu estado político civil, sua condição de nação e povo peculiar, deve ser continuado até a vinda do Messias, Gênesis 49:10; Ezequiel 21:27. E isso foi bom para eles, não obstante as grandes oposições daqueles impérios poderosos no meio de cujas mandíbulas devoradoras foram colocados, com algumas breves interdições da administração real de domínio entre eles, como, sendo predito, não contestou a promessa. Eles não perderam seu estado civil até que ele veio a quem faria "a reunião das nações". Depois disso, embora muitos dos indivíduos obtivessem misericórdia, ainda assim ser uma nação ou povo não era de uso peculiar, como para qualquer fim especial de Deus. Por isso, ele foi imediatamente destruído e exterminado irrecuperavelmente. Desde aquele dia, Deus de uma maneira maravilhosa explodiu e amaldiçoou todos os seus esforços, seja pela preservação do que eles tiveram, seja pela recuperação e restauração, quando perdidos. Nenhum meio poderia recuperá-los em um povo ou nação na conta antiga. O que pode ser a seguir em um novo, Deus sabe. Chegou o fim dos dias; e não era para os homens que se esforçassem para manter o que Deus, tendo cumprido o máximo de seu desígnio por e sobre, deixaria de lado. E esta temporada foi totalmente evidenciada em todo o mundo pela reunião do povo a Siló, ou a chegada das nações para participar da benção do crente Abraão, Miqueias 4: 1,2. Do seu estado de igreja, havia duas partes principais, - o próprio templo e o culto realizado nele. O primeiro deles (como foi o tabernáculo) foi configurado para caracterizar aquele em quem a plenitude da Divindade deveria habitar corporalmente; e o último a mesma pessoa, como ele próprio era o grande sumo sacerdote e o sacrifício. Ambos também deveriam continuar até a vinda do Messias; mas sem esforço depois. Daí foi a promessa da glória da segunda casa, construída após o cativeiro, e restaurada por Herodes, por causa da sua chegada a ela que foi significada por ela, Ageu 2: 9, Malaquias 3: 1. Ele viria enquanto aquele templo estava parado; depois do qual não deveria ser mais útil. E, portanto, Ezequiel descreve o terceiro templo espiritual para sucedê-lo. A condição de seus sacrifícios era a mesma. Portanto, Daniel, predizendo a vinda do Messias quatrocentos e noventa anos após o cativeiro, acrescenta que, após a sua morte, o sacrifício diário deve cessar para sempre, e ocorre uma total desolação em todas as coisas que foram usadas, para o fim cumprido, Daniel 9: 24-27. A nação, o estado, o templo, os sacrifícios, sendo separados, configurados e projetados para nenhum outro fim, senão para trazê-lo, ele viria enquanto eles estavam de pé e em uso; após o que não seriam permitidos a continuarem sobre a sua antiga base. Isto é o que o apóstolo apontou ao mencionar os últimos dias, para que eles possam considerar em que condição a igreja e o povo judeu encontravam-se então. Para descobrir a evidência desta demonstração, adiciono brevemente algumas considerações sobre os enredos miseráveis dos judeus na busca de evitar o argumento aqui sugerido pelo apóstolo. É uma tradição comum entre eles que todas as coisas foram feitas para o Messias; pelo que eles não pretendem, como alguns imaginaram, toda a antiga criação, mas todas as coisas de seu estado e adoração da igreja. Então, o Targum, Salmos 40: 8, na pessoa do Messias: "agrada-me fazer a tua vontade, ó Deus meu; dentro do meu coração, está a tua lei.", onde acrescentam: “que foi escrita por amor de mim". Por "a lei" eles entendem tudo. Todos dependeram do seu Messias, tudo foi escrito para ele. Eles veem pela experiência que houve uma coincidência de todas essas coisas nos últimos dias, quando Jesus chegou. Assim que ele fez o seu trabalho, mas o cetro e o escriba se afastaram de Judá; eles deixaram de ser uma igreja e uma nação. O templo, que o Senhor a quem procuraram anteriormente, foi destruído; seus sacrifícios, em que eles confiaram, cessaram; e as nações da terra foram reunidas na fé de Abraão. A partir desse momento, eles não foram mais um país, nem tiveram nenhuma distinção de tribos ou famílias, templo, sacerdócio ou sacrifício, nem qualquer esperança de recuperação de mérito em sua condição primitiva.