John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

Portanto, para declarar a natureza desta revelação, devemos observar ainda mais, - 4. Que Jesus Cristo em sua natureza divina, como ele era a Palavra eterna e a Sabedoria do Pai, não por uma comunicação voluntária, mas geração eterna, teve uma onisciência de toda a natureza e vontade de Deus, como o próprio Pai tem, porque é o mesmo com o Pai, sendo a vontade e a sabedoria iguais. Este é o abençoado sumperic rhsiv, ou em cada pessoa, um no outro, em virtude de sua unicidade na mesma natureza. Assim, como Deus, ele tinha uma onisciência absoluta. Além disso, o mistério do evangelho, o conselho e pacto eterno sobre a redenção dos eleitos em seu sangue e a adoração de Deus por seus redimidos, sendo transacionados entre o Pai e o Filho desde toda a eternidade, lhe eram conhecidos como o Filho, em virtude de suas próprias transações pessoais com o Pai no eterno conselho e pacto dele. 5. O Senhor Jesus Cristo descarregou o seu ofício e o trabalho de revelar a vontade do Pai e por sua natureza humana, aquela natureza em que "habitou entre nós", João 1:14; pois, apesar de a pessoa de Cristo, Deus e homem, foi nosso mediador, Atos 20:28, João 1: 14,18, contudo sua natureza humana era aquela em que ele descarregava os deveres de seu ofício, e o "quot principal" de todos suas ações mediadoras, 1 Timóteo 2: 5. 6. Esta natureza humana de Cristo, como ela estava nele "nascido de uma mulher, nascido sob a lei", Gálatas 4: 4, foi, desde o momento da sua união com a pessoa do Filho de Deus, uma coisa "sagrada", Lucas 1:35, "santo, inofensivo, imaculado, separado dos pecadores ", e radicalmente preenchido com toda a perfeição da habitual graça e sabedoria que era ou poderia ser necessária para a execução de todo esse dever que, como homem , ele devia a Deus, Lucas 2: 40,49,52; João 8:46; 1 Pedro 2:22. Mas, além disso, este mobiliário com graça habitual, para a realização de toda santa obediência a Deus, como um homem nascido sob a lei, havia uma doação peculiar com o Espírito, além dos limites de todas as medidas compreensíveis, que Ele deveria receber como o grande profeta da igreja, em quem o Pai falaria e daria a última revelação de si mesmo. Esta comunicação do Espírito para ele foi o fundamento de sua suficiência para a execução de seu oficio profético, Isaías 11: 2,3, 48:16, 61: 1-3; Daniel 9:24. Quanto à realidade e ao ser deste dom do Espírito, ele o recebeu do útero; de onde, em sua infância, dele foi dito ter crescido com sabedoria, com a qual ele confundiu os doutores da lei ao espanto, versículo 47. E com seus anos esses dons aumentaram nele: "E crescia Jesus em sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos homens.", versículo 52. Mas a comunicação completa deste Espírito, com referência especial ao cumprimento de seu ofício público, com a garantia visível do Espírito Santo descendo sobre ele em forma de pomba, foi feito participante de seu batismo, Mateus 3:16; quando também recebeu seu primeiro testemunho público do céu, versículo 17; que, novamente repetido, recebeu o comando adicional de ouvi-lo, Mateus 17: 5, - projetando o profeta que deveria ser ouvido sob pena de extermínio total, Deuteronômio 18: 18,19. E, portanto, ele disse que era "cheio do Espírito Santo", Lucas 4: 1, e selado a esta obra pelo sinal anunciado de Deus, João 1: 33. Isto foi o fundamento do discurso do Pai no Filho como encarnado. Ele falou nele pelo seu Espírito; assim fez nos profetas dos tempos antigos, 2 Pedro 1:21. E aqui, em geral, a profecia de Cristo e a deles concordaram. Resta, então, mostrar em que sua preeminência acima deles consistiu, de modo que a "palavra falada" por ele seja principalmente e eminentemente atendida; que é o argumento daquilo que o apóstolo tem em mãos neste lugar. 8. As preeminências da profecia de Cristo acima da de Moisés e de todos os outros profetas eram de dois tipos: 1. (1.) Tal surgiu de sua pessoa que era profeta; (2.) Tal como acompanhou a natureza e o modo da revelação feita a ele. (1.) Eles surgem da infinita excelência de sua pessoa acima da de Moisés. Isto é o que o apóstolo do fim deste versículo insiste até o final do capítulo, fazendo seu discurso sobre ele a base de suas exortações. Devo, portanto, remeter a consideração para o seu devido lugar. (2.) Havia várias excelências que assistiram à própria revelação feita a ele, ou sua profecia como tal; porque, - [1.] Não recebendo o Espírito por medida, João 3:34, como todos fizeram, ele lhe deu inteiramente uma compreensão de toda a vontade e mente de Deus, quanto a tudo o que ele teria revelado de si mesmo , com o mistério da nossa salvação e com toda a obediência e adoração que, neste mundo, exigiria da sua igreja. "Agradou ao Pai que nele haja toda plenitude", Colossenses 1:19, isto é, da "graça e verdade", João 1:17: não lhe concedendo irradiação transitória por eles, mas uma permanência constante com eles em sua plenitude, todos os "tesouros da sabedoria e do conhecimento" que estão escondidos nele, Colossenses 2: 3, como seu lar e lugar adequado; que o fez "deleitar-se no temor do Senhor", Isaías 11: 3. Todos os mistérios do conselho entre o Pai e a Palavra eterna para a salvação dos eleitos, com todo o caminho pelo qual se cumpriria, por meio de seu próprio sangue, lhe eram conhecidos; como também foram todos os limites, toda a extensão da adoração que sua igreja devia render a Deus, com a ajuda do Espírito que lhes seria concedido para esse fim e propósito. Por isso, a única razão pela qual ele não revelou imediatamente a seus discípulos o conselho inteiro de Deus, não porque todos os tesouros dele não estavam comprometidos com ele, mas porque não podiam suportar outra comunicação senão a gradual que ele usou para eles, João 16:12. Mas ele mesmo habitava no meio desses tesouros, olhando para o fundo deles. Todos os outros profetas, mesmo o próprio Moisés, recebendo suas revelações por irradiações transitórias de suas mentes, não tinham nenhum tesouro de verdade que habitasse neles, mas apreendiam apenas aquele particular em que foram iluminados, e que não claramente nem em sua plenitude e perfeição, mas em uma medida compatível a eles, 1 Pedro 1:11, 12. Portanto, diz-se do Espírito que "repousa sobre ele", Isaías 11: 2,3; e "permanece sobre ele", João 1:32; que apenas em um ato transitório afetou as mentes de outros profetas, e por um movimento real, que não tinham uma fonte habitual em si mesmos, fez com que eles falassem ou escrevessem a vontade de Deus, como um instrumento de música dá um som de acordo para a habilidade daquele que o toca, e somente quando é usado. Assim, - [2.] Os profetas que receberam suas revelações como se fossem por número e história do Espírito Santo, quando eles falaram ou escreveram o que, em particular, em qualquer época que receberam dele, não puderam adicionar uma palavra ou sílaba da mesma infalibilidade e autoridade com o que receberam assim. Mas o Senhor Jesus Cristo tendo todos os tesouros da sabedoria, do conhecimento e da verdade escondidos e guardados nele, fez em todos os momentos, com todos os meios, com igual infalibilidade e autoridade, dando a mente e a vontade de Deus, como quisesse, no que ele falou, tendo toda a sua autoridade, falando sobre isso, e não da consonância com qualquer coisa revelada de outra forma. [3.] Os profetas dos antigos eram tão pouco instrutivos em receber e revelar a vontade de Deus, sendo apenas servos na sua casa, Hebreus 3: 6, para o bem dos outros, 1 Pedro 1: 11,12, que não vieram ao fundo das coisas reveladas por si mesmos; e, portanto, leram e estudaram diligentemente os livros daqueles que escreveram antes de seu tempo, Daniel 9: 2; e meditaram sobre as coisas que o Espírito proferiu por si mesmos, para obter um entendimento delas,1 Pedro 1: 10-12. Mas o Senhor Jesus, o Senhor em sua própria casa, teve uma compreensão absolutamente perfeita de todos os mistérios que lhe foram revelados e por ele aquela sabedoria divina que sempre habitava nele. [4.] A diferença não era menos entre eles em relação às revelações feitas a eles e por eles; pois, embora a substância da vontade e da mente de Deus em relação à salvação pelo Messias tenha sido conhecida de todos eles, ainda assim foi tão obscura para Moisés e os profetas que se seguiram, que eles ficaram longe da luz desse mistério para João o Batista, que não se levantou com uma apreensão clara e distinta ao menor dos verdadeiros discípulos de Cristo, Mateus 11:11; de onde a doutrina da lei por Moisés, para instruir a igreja nesse mistério por seus tipos e sombras, não pode ser igualada a essa graça e verdade que foram trazidas por Jesus Cristo, João 1: 17,18. Veja Efésios 3: 8-11; Colossenses 1: 26,27; Tito 2:11; 2 Timóteo 1: 9,10. Nestas e outras coisas da mesma importância, o Pai falou no Filho a preeminência acima dele falando em Moisés e os profetas. Por isso, o apóstolo coloca esta consideração na cabeça de seus argumentos, para comparar e observar as coisas reveladas por ele; pois mesmo todas essas coisas têm influência em seu argumento atual, embora o principal enfoque dele seja posto na excelência de sua pessoa; do que em geral depois. 9. Ainda devemos observar que os judeus, com quem o apóstolo teve que lidar, tiveram uma expectativa de um novo sinal e revelação final da vontade de Deus, feita pelo Messias nos últimos dias; isto é, do seu estado de igreja sob a lei. Alguns deles, de fato, imaginaram que o grande profeta prometido, em Deuteronômio 18, teria sido distinto do Messias, João 1:20,21; mas a expectativa geral da igreja para a revelação completa da vontade de Deus foi sobre o Messias, João 4:25. Do mesmo jeito eram seus doutores da lei mais antigos, que retém qualquer coisa da tradição de seus pais, afirmando que a lei de Moisés era alterável pelo Messias e que em algumas coisas deveria ser assim. Maimonides é o líder na opinião da eternidade da lei; cujos argumentos são respondidos pelo autor de Sepher Ikharim, lib. 3. cap. 13., e alguns deles por Nachmanides. Por isso, é estabelecido como um princípio em Neve Shalom; - "O reinado do Messias será exaltado acima de Abraão, ser exaltado acima de Moisés, sim e dos anjos ministradores". E é para a excelência da revelação que ele é feito por ele, que ele é tão exaltado acima de Moisés. De onde o próprio Maimonides reconhece, Tractat. De Regibus, que, na vinda do Messias, - "coisas escondidas e profundas" (isto é, do conselho de Deus) "devem ser reveladas" (ou "abertas") "para todos." E essa persuasão eles construíram na promessa de uma nova aliança a ser feita com eles, não como a aliança feita com seus pais, em Jeremias 31: 31-34. Daí o autor antes mencionado conclui que foi o julgamento dos doutores antigos que eles deveriam receber uma nova aliança da boca de Deus; e toda a sua adoração sendo anexada e subserviente à aliança que foi feita com eles no Horebe, após a remoção daquela aliança, houve, necessariamente, um novo tipo de adoração, subserviente a ela. De todas essas observações, podemos evidentemente perceber em que a força do argumento do apóstolo repousa, que ele insiste na mesma entrada de seu discurso, antes insinuando-o de seus próprios princípios que os pressiona abertamente com a razão, o que ele fez depois. Eles reconheceram que o Messias deveria vir; que ele deveria ser de maneira especial o Filho de Deus (como devemos mostrar); que nele Deus finalmente revelaria sua mente e vontade para eles; e que esta revelação, em muitas contas, seria muito mais excelente do que a antiga feita por Moisés e pelos profetas; - e que tudo foi realizado no ministério de Jesus Cristo, e isso em si mesmos nos últimos dias de sua igreja, de acordo com o que há muito antes previu, ele afirma e prova; de onde foi fácil para eles reunirem a necessidade de aderir à sua doutrina e instituições, apesar de quaisquer argumentos contrários. Mas, além disso, o apóstolo nestas palavras abriu a fonte de onde todos os seus argumentos subsequentes fluem, fixando o que trouxe a vida e a imortalidade para a luz pelo evangelho; e daí leva ocasião para entrar na parte dogmática da epístola, na descrição da pessoa de Cristo, do Filho de Deus e da sua excelência, em quem Deus lhes falou, para que considerassem com quem deveriam tratar; em que ele prossegue até o final deste capítulo. Mas antes de prosseguirmos, ficaremos aqui um pouco, para considerar algumas coisas que podem ser um refúgio para os crentes na sua passagem, na consideração das verdades espirituais que, para o uso da igreja em geral, nos são expostas nas palavras que consideramos. E a primeira é a seguinte: I. A revelação da vontade de Deus, quanto a todas as coisas relativas à sua adoração, a nossa fé e obediência, é peculiar e em uma maneira de eminência do Pai. Isto é o que o apóstolo afirma em parte, como a cabeça e a fonte de seu discurso completo. E isso agora será um pouco mais clareado e confirmado; para o qual podemos observar, - 1. Que todo o mistério de sua vontade, antes da revelação dele, estava oculto em Deus; isto é, o Pai, Efésios 3: 9. Estava escondido dos olhos dos homens e dos anjos, em sua eterna sabedoria e conselho, Colossenses 1: 26,27. O Filho, de fato, quem é, e desde a eternidade estava, "no seio do Pai", João 1:18, "como um com ele", seu eterno deleite e sabedoria, Provérbios 8: 29,30, foi participando dele neste conselho, versículo 31; como também o seu Espírito eterno, que busca e conhece todas as "coisas profundas de Deus" 1 Coríntios 2: 10,11. Mas, no entanto, a ascensão e a origem deste mistério estavam no Pai; pois a ordem de agir na Trindade abençoada segue a ordem de subsistência. Como o Pai, portanto, é a fonte da Trindade quanto à subsistência, assim também quanto à operação. Ele "tem vida em si mesmo" e "dá ao Filho ter vida em si mesmo", João 5:26. E ele faz isso comunicando-lhe a sua subsistência pela geração eterna. E daí diz o Filho: "Como meu Pai trabalha, então eu trabalho", versículo 17. E o que ele vê o Pai fazer, o Filho também faz, versículo 19; não por imitação ou repetição de obras semelhantes, mas na mesma obra em ordem de natureza, a vontade e a sabedoria do Pai prosseguem. Assim também é em relação ao Espírito Santo, cuja ordem de subsistência denota a de sua operação. 2. Que a revelação do mistério da vontade de Deus, tão escondida no conselho da sua vontade desde a eternidade, sempre foi feita e dada na perseguição e na realização do propósito do Pai, ou aquele propósito eterno da vontade de Deus que é a propósito, da eminência atribuída ao Pai: Efésios 1: 8,9, "que Deus derramou abundantemente sobre nós em toda a sabedoria e prudência, desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo." É o Pai de quem fala: Versículo 3, "Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo". Agora, ele abunda em nós, em sabedoria e prudência, ou manifesta abundantemente a sua infinita sabedoria no seu trato conosco, pela revelação do mistério de sua vontade. E isso ele almeja "o bom prazer que ele propôs em si mesmo", ou o propósito de sua vontade que teve sua base apenas em seu bom prazer. Este é o propósito da eleição, como é declarado, versículos 3-5; e este propósito é peculiarmente atribuído a ele, João 17: 6; 2 Tessalonicenses 2:13. Para a realização deste propósito, ou a condução dos predestinados até o fim proposto por ele, pelos meios ordenados, para o louvor da graça gloriosa de Deus, é toda a revelação da vontade de Deus, primeira e última, feita. Ele falou em seu Filho, e falou nele para manifestar seu nome (ele mesmo e vontade) aos homens que ele lhe deu; Pois diz o Filho, "Manifestei o teu nome aos homens que me deste do mundo. Eram teus, tu mos confiaste, e eles têm guardado a tua palavra.", João 17: 6. E, portanto, Paulo nos diz que, na pregação do evangelho, "suportou todas as coisas por causa dos eleitos", 2 Timóteo 2:10; sabendo que foi por sua salvação que o mistério dele foi revelado do seio do Pai, como Deus também havia ensinado antes dele, Atos 18:10. Veja Romanos 11: 7, 8:28, etc. 3. Este propósito de Deus se comunicou com o Senhor Jesus Cristo, ou com o Filho, e tornando-se "o conselho da paz entre ambos", Zacarias 6:13, ele se alegra por fazer o trabalho que lhe incumbia para a sua realização, Provérbios 8: 30,31, Salmos 40: 7,8, tornou-se peculiarmente o cuidado e a obra do Pai para ver aquela herança que lhe foi prometida sobre o seu empreendimento, Isaías 53: 10-12, e que deve ser dada a ele. Isto é feito pela revelação da vontade de Deus aos homens em relação à sua obediência e salvação; pela qual são feitos a porção, a semente, a parcela e a herança de Cristo. Para este fim, o Senhor, esse é o Pai, que disse ao Senhor Filho: "Sente-se à minha mão direita", Salmos 110: 1, "O SENHOR enviará de Sião o cetro do seu poder, dizendo: Domina entre os teus inimigos.", verso 2; e que, por isso, para declarar o seu governo até sobre os seus inimigos, e para fazer o seu povo, os que lhe foram dados, dispostos e obedientes, verso 3. A herança dada pelo Pai a Cristo sendo totalmente posse de outro, tornou-se dele para tirá-la da mão do usurpador, e entregá-la a ele, cujo direito era seu; e isso ele fez e faz pela revelação de sua mente na pregação da palavra, Efésios 1: 12,13. E a partir dessas considerações é isso, - 4. Toda a revelação e dispensação da vontade de Deus na e pela palavra é, como foi dito, apropriado eminentemente ao Pai. A vida eterna (o conselho, o propósito, os caminhos, os meios) foi com o Pai, e nos foi manifestado pela palavra da verdade, 1 João 1: 1,2. E é o Pai, - que é, sua vontade, mente, propósito, graça, amor, - que o Filho declara, João 1:18; em cujo trabalho ele não fala senão o que ele ouviu e foi ensinado pelo Pai, João 8:28. E, portanto, ele diz: "Minha doutrina não é minha" (isto é, principalmente e originalmente), "mas daquele que me enviou", João 7:16. E o evangelho é chamado de "O evangelho da glória do Deus bendito" 1 Timóteo 1:11; que é uma perífrase para a pessoa do Pai, que é "o Pai da glória", Efésios 1: 17. E também podemos declarar que a grande obra de fazer esse evangelho eficaz nas mentes dos homens pertence peculiarmente ao Pai, o que ele cumpre com o seu Espírito, 2 Coríntios 3:18, 4: 6; mas esse não é o nosso negócio atual. Assim, a revelação de eventos que devem acontecer com a igreja até o fim do mundo, que Cristo significou por seu anjo a João, primeiro lhe foi dada pelo Pai, Apocalipse 1: 1. E, portanto, embora todas as declarações de Deus e sua vontade, desde a fundação do mundo, foram feitas pelo Filho, a segunda pessoa da Trindade, e seu Espírito falando nos profetas, 1 Pedro 1: 11,12, mas como não era por ele imediatamente, não era absolutamente assim, senão como o grande anjo e mensageiro da aliança, pela vontade e nomeação do Pai. E, portanto, os próprios dispensadores do evangelho são ditos presenuein, para tratar como embaixadores sobre o negócio de Cristo com os homens, em nome de Deus, o Pai. diz o apóstolo; - "Como se Deus" (o Pai) "exortasse em e por nós," 2 Coríntios 5:20; A ele, todo este trabalho se relaciona principalmente. E a partir da apropriação deste trabalho originalmente e principalmente ao Pai, há três coisas que nos são particularmente intimadas: - 1. A autoridade deve ser considerada nele. O Pai é a origem de todo poder e autoridade; dele "toda a família no céu e na terra é nomeada", Efésios 3:15. Ele é o Pai de toda a família, de quem o próprio Cristo recebe todo seu poder e autoridade como mediador, Mateus 28:18; que, quando sua obra for cumprida, ele a entregará de novo na sua mão, 1 Coríntios 15:28. Ele o enviou ao mundo, colocou-o sobre sua casa, deu-lhe comando para o seu trabalho. O próprio nome e título do Pai traz autoridade junto com ele, Malaquias 1: 6. E, na disposição da igreja, em relação a esse poder paterno, o Filho afirma que o Pai é maior do que ele, João 14:28; e ele considera o desprezo da palavra, na pregação dela por seu mensageiros um desprezo desta autoridade do Pai: "Quem vos der ouvidos ouve-me a mim; e quem vos rejeitar a mim me rejeita; quem, porém, me rejeitar rejeita aquele que me enviou." A revelação e a dispensação da mente e da vontade de Deus na palavra são para ser considerado como um ato supremo, autoridade soberana, exigindo toda sujeição da alma e da consciência no recebimento dela. É o Pai da família que fala nesta palavra; aquele que tem todo poder e autoridade essencialmente nele sobre as almas e as condições eternas daqueles a quem ele fala. E o que a santa reverência, a humildade e a sujeição universal da alma à palavra, que de uma maneira particular se requer, é fácil de ser apreendido. 2. Há também amor. Na economia da Santíssima Trindade sobre a obra de nossa salvação, o que é eminentemente e de maneira especial atribuída ao Pai é o amor, como afirmado em grande parte em outros lugares, 1 João 4: 8,10,16. "Deus", esse é o Pai, diz João, "é amor". E como ele exerce essa propriedade de sua natureza na obra de nossa salvação por Cristo, ele mostra em geral. Então, João 3:16; Romanos 5: 7,8. Para ser amor, cheio de amor, ser a fonte especial de todos os frutos do amor, é peculiar a ele como o Pai. E do amor é que ele faz a revelação de sua vontade da qual falamos, Deuteronômio 7: 8, 33: 3; Salmo 147: 19,20; 2 Coríntios 5: 18,19. Foi por amor infinito, misericórdia e compaixão, que Deus revelaria a sua mente e vontade aos pecadores. Ele poderia sempre ter trancado os tesouros de sua sabedoria e prudência em seu próprio seio eterno. Ele poderia ter deixado todos os filhos dos homens para aquela escuridão triste, onde o pecado se lançou e os manteve sob as correntes e poder, com os anjos que pecaram diante dele, para o julgamento do grande dia. Mas foi do amor infinito que ele fez essa condescendência, para revelar-se e sua vontade para nós. Esta mistura de autoridade e amor, que é a fonte da revelação da vontade de Deus para nós, exige toda prontidão, disposição e alegria, no recebimento e submissão a ela. Além disso também, - 3. Há cuidado eminentemente visto nele. O grande cuidado da igreja é diante do Pai. Ele é o agricultor que cuida da videira e da vinha, João 15: 1,2. E, portanto, nosso Salvador, que tinha cuidado delegado de seu povo, encomenda-os ao Pai, João 17, quanto a quem o cuidado deles pertencia principalmente e originalmente. O cuidado é próprio de um pai como tal; a Deus como pai. O cuidado é inseparável do amor paterno. E isso também deve ser considerado na revelação da vontade de Deus. Quais as orientações a partir dessas considerações podem ser tomadas para o uso de ambas que dispensam a palavra, e daqueles cujo dever é atender à dispensação dela, só deve ser marcado em nossa passagem. Para os dispensadores da palavra, deixe-os, - 1. Ter atenção para não realizar esse trabalho com negligência, o qual que tem sua fonte na autoridade, amor e cuidado de Deus. Veja 1 Timóteo 4: 13-16. 2. Saber em quem procurar apoio, ajuda, habilidade e encorajamento em seu trabalho, Efésios 6: 19,20. 3. Não se desencorajem, seja qual for a oposição em que se encontrem no cumprimento de seus deveres, considerando o trabalho que eles têm em mãos, 1 Coríntios 4:15, 16. 4. Saber como eles deveriam dispensar a palavra, para responder à fonte de onde vem, isto é, com autoridade, amor e cuidado com as almas dos homens. E, 5. Considerar a quem eles devem dar conta do trabalho que eles são chamados a cumprir e que lhes foi confiado, Hebreus 13: 17. E para aqueles a quem a palavra é pregada, que eles considerem, - 1. Com a reverência e o temor piedoso que devem atender à sua pregação, vendo que é um efeito e uma questão apropriados da autoridade de Deus, Hebreus 12:28. E, 2. Como eles "escapariam se negligenciassem tão grande salvação", declarando-lhes o amor e os cuidados de Deus, Hebreus 2: 3. E, 3. Com qual santidade e sujeição espiritual da alma a Deus, eles devem estar familiarizados com todas as ordenanças de adoração que são designadas por ele, Hebreus 12: 28,29. Mais observações, passaremos mais brevemente. "Deus falou neles".
II. A autoridade de Deus falando pelo escritor das Escrituras é o único fundamento de nossos atendimentos a eles, e ao que está contido neles, com fé divina e sobrenatural. Ele falou neles; ele continua a falar por eles; e, portanto, é a sua palavra a ser recebida, 2 Pedro 1: 20,21.