John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

III. A revelação gradual de si mesmo de Deus, sua mente e vontade, para a igreja, foi um fruto de infinita sabedoria e cuidado para com seus eleitos. "Estas são partes de seus caminhos", diz Jó; "Mas o trovão do seu poder, quem o entenderá?", Jó 26:14. Embora todos os seus caminhos e dispensações sejam ordenados em sabedoria infinita, ainda assim podemos permanecer na costa do oceano e admirar sua glória e grandeza. Pouco é que podemos compreender. No entanto, o que pode ser para a nossa instrução, o que pode promover a nossa fé e obediência, não está escondido de nós. E estas coisas nos são evidentes nesta descoberta gradual de si mesmo e de sua vontade: - 1. Que ele não preenchesse os seus vasos. Ele deu-lhes luz, pois eles podiam suportar. Embora não conheçamos perfeitamente qual era a condição deles, ainda assim, sabemos que, como nenhuma geração precisava de mais luz do que tinham, para o cumprimento do dever que Deus exigia deles, então mais luz teria sido incapaz de um ou outro que era seu dever em suas respectivas gerações. 2. Ele os manteve em uma dependência contínua sobre si mesmo, e à espera de seu governo e direção dele; que, como ele tendia à sua glória, por isso era extremamente adequado à sua segurança, mantendo-os em um quadro humilde. 3. Ele deu assim a luz e o conhecimento de si mesmo como o grande trabalho que ele tinha que realizar, que estava nos depósitos da sua vontade infinitamente sábia, como o fim e a questão de todas as revelações, ou seja, a criação de Cristo no mundo, no caminho em que ele viria, e para os fins que ele deveria provocar, - pode não ser evitado. Ele deu luz o suficiente para os crentes para que pudessem recebê-lo, e não tanto como para impedir os pecadores obstinados de crucificá-lo. 4. Ele fez este trabalho para que a preeminência inteira e, em última análise, para revelá-lo, pudesse ser reservada para Ele, em quem todas as coisas deveriam ser reunidas para uma cabeça. Todos os privilégios deveriam ser guardados para ele; que foi feito principalmente por esta revelação gradual da mente de Deus. 5. E houve um cuidado suave conjugado com essa sabedoria infinita. Nenhum de seus eleitos em qualquer época foi deixado sem essa luz e instruções que eram necessárias para eles em suas gerações; e isso foi dado a eles para que eles pudessem ter novo consolo e apoio, como suas ocasiões exigiam. Enquanto a igreja dos antigos estava sob essa dispensação, eles ainda estavam ouvindo quando eles deveriam ouvir novas novidades do céu para ensinar e refrigerar; e se alguma dificuldade lhes ocorresse em algum tempo, eles estavam certos de não lhes faltar o alívio necessário. E isso era necessário antes que a mão final fosse colocada sobre o trabalho. E isso revela o estado lamentável dos judeus presentes. Eles concedem que a revelação da vontade de Deus não é aperfeiçoada; e, no entanto, apesar de todas as suas misérias, escuridões e angústias, eles não se atrevem a fingir ter ouvido uma palavra do céu esses dois mil anos, isto é, desde os dias de Malaquias; e, no entanto, eles trabalham para manter o véu em seus olhos. Podemos ver, portanto, a perfeição absoluta da revelação da vontade de Deus por Cristo e seus apóstolos, quanto a todos os fins e propósitos, para o qual Deus sempre fez ou sempre se revelará neste mundo, ou sua mente e vontade. Este foi o último caminho e significado que Deus jamais projetou para a descoberta de si mesmo, quanto à adoração e obediência que ele requer, de modo que a pessoa por quem ele realizou este trabalho torna indispensável que seja também absolutamente perfeito, do qual nada pode ser tomado, ao qual nada deve ser adicionado, sob a pena do extermínio que ameaçou àqueles que não atenderem à voz desse Profeta. Volte agora para as palavras do nosso apóstolo. Tendo declarado o Filho ser o revelador imediato do evangelho, em busca do seu desígnio, ele declara sua glória e excelência, tanto o que ele teve em si mesmo antes de seu ofício de mediador quanto o que ele recebeu sobre a sua investidura no mesmos, duas coisas no final deste versículo ele atribui a ele: - 1. Que ele foi nomeado herdeiro de tudo; 2. Que por ele os mundos foram feitos: em que consiste a primeira amplificação de sua proposição a respeito do revelador do evangelho, em duas partes, ambos reconhecidos pelos judeus, e ambos conduzindo diretamente ao seu propósito em mãos.
Esse é o Filho, em quem o Pai nos falou; e como tal, como o revelador do evangelho, "Deus e homem". O Filho, como Deus, tem um domínio natural sobre todos. Para isso, ele não pode ser mais nomeado do que ele pode ser por ser Deus. Com relação a ele, tem sua natureza divina, no mesmo tem todos os atributos e perfeições, com todas as coisas que, necessariamente, em qualquer suposição atendem, como domínio supremo. Nem esta declinação dele respeita meramente à natureza humana; pois, embora o Senhor Jesus Cristo tenha realizado todos os atos de seu ofício mediador na natureza humana, ainda não os fez como homem, mas como Deus e homem em uma só pessoa, João 1:14, Atos 20:28. E, portanto, para ele, como tal, os privilégios pertencem aos quais ele é investido por conta de ser o mediador. Nada, de fato, pode ser adicionado a ele como Deus, mas pode haver para aquele que é Deus, em respeito de sua condescendência para desempenhar um cargo em outra natureza que ele assumiu.
Klhronomon, "o herdeiro". Pantom “de todas as coisas”. Absolutamente, "um herdeiro", "quem entra no direito, no lugar e título do que é falecido, como se ele fosse a mesma pessoa." Mas, no entanto, o nome de um herdeiro não é retido na lei para aquele que assim sucede a uma pessoa falecida; em cujo sentido não pode ter lugar aqui. Compreende um possuidor, um administrador e um legatário. Esse sentido da palavra tira o significado que deve ser suposto na sua aplicação ao Filho, se considerasse tal herdeiro como Abraão pensava que Eliezer seria para ele, Gênesis 15: 3,4, - um que suceda em o direito e bens do falecido; pois o Pai não morre, nem renuncia a seu próprio título ou domínio. Nem o título e direito dado ao Filho como mediador é o mesmo com o de Deus absolutamente considerado. Isto é eterno, natural, coexistente com o ser de todas as coisas; esse novo, criado por doação, por cuja criação e estabelecimento o outro não é de todo recusado. Pois, enquanto se afirma que "o Pai não julga a ninguém, mas entregou todo o juízo ao Filho", João 5: 22,27,30, não diz respeito ao título e ao governo, mas à administração atual. No último sentido da palavra, pois denota qualquer possuidor legítimo por concessão de outro, é devidamente atribuído ao Filho. E há três coisas pretendidas nesta palavra: - (1.) Título, domínio, senhorio. "Haeres est qui horus;" pois daí é a palavra, e não de "aere", como Isidore supõe. O herdeiro é o senhor do que ele é herdeiro. Assim, o apóstolo, em Gálatas 4: 1, afirma que "o herdeiro é o senhor de tudo". E neste sentido Cristo é chamado de rwOkB], "primogênito", Salmo 89:27 "Fá-lo-ei, por isso, meu primogênito, o mais elevado entre os reis da terra.", "princeps, dominus, caput familiae" - "o príncipe, o senhor e chefe da família", que tem direito à herança e distribui porções para outros. Por isso, rwOkB é usado para tudo o que excede, e tem a preeminência em seu próprio tipo, Jó 28:11; Isaías 14:30; Ezequiel 47:12. Então, Colossenses 1:15. (2.) Posse. Cristo é possuidor real daquilo a que ele tem título. Como ele é rwOkB, então ele é vrewOy, - um possuidor que vem à sua posse pela rendição ou concessão de outro. Deus em relação ao seu domínio é chamado hgeqo, o possuidor absoluto do céu e da terra, Gênesis 14:22. Cristo como mediador é vrewOy, um possuidor por concessão. E havia uma conveniência de que aquele que era o Filho deveria ser herdeiro. Então, Crisóstomo e Teófilo afirmam que as palavras denotam "a propriedade de sua filiação e a imutabilidade de seu senhorio". Não que ele fosse assim herdeiro de tudo como ele era unigênito "o único filho" do Pai, João 1:14; mas era consoante que aquele que era eternamente unigênito, e tinha naquela conta é um domínio absoluto sobre todos com o Pai, tornando-se o mais importante possível, e os sacerdotes devem ter uma herança delegada de todos e ser ditos para serem "A cabeça geral para a igreja", Efésios 1:22. (3.) Que ele tem tanto o título como a possessão por concessão do Pai. Cristo, então, em virtude de uma concessão do Pai, é feito Senhor por um novo título, e tem posse dele de acordo com seu título. Ele é klhronomov, "o herdeiro". 3. Pantwn, "de todos". Este é o objeto da herança de Cristo, sua herança. A palavra pode ser tomada no gênero masculino, e denota todas as pessoas, todas aquelas de quem ele havia falado antes, todos os reveladores da vontade de Deus sob o Antigo Testamento. O Filho era o Senhor sobre todos eles; que é verdade. Mas a palavra no gênero neutro denota todas as coisas absolutamente; e assim é neste lugar para ser entendido: porque, - (1.) É assim usada em outro lugar com o mesmo propósito: 1 Coríntios 15:27, "Ele submeteu todas as coisas a ele". Então, em Romanos 9: 5, "Quem é Deus sobre todos" (2.) Este sentido se adequa ao argumento do apóstolo, e acrescenta uma força dupla à sua intenção e desígnio. Porque, - [1.] O autor do evangelho ser herdeiro e senhor de todas as coisas, a disposição soberana de todos os ritos e ordenanças de adoração sobre a qual os judeus contendem deve estar na mão dele, para mudá-los e alterá-los como ele desejasse. [2.] Ele era o herdeiro e o senhor de todas as coisas, era fácil para eles concluir que, se eles pretendessem ser feitos participantes de qualquer bem no céu ou na terra, de maneira amorosa e misericordiosa, deve ser por um interesse por ele; o que, sem uma obediência constante ao seu evangelho não pode ser alcançado. (3.) As próximas palavras mostram esse sentido: "Por quem também fez os mundos". Provavelmente eles representam uma razão da justiça dessa grande confiança feita ao Filho. Ele fez tudo, e foi conhecido que ele deveria ser o Senhor de todos. No entanto, a força da conexão das palavras, tountwn, o "tudo" anterior, para o aiwnion, ou os "tempos eternos" ou “mundo” seguinte. (4.) A herança dada responde à promessa feita a Abraão, que era que ele deveria ser "herdeiro do mundo", Romanos 4:13, isto é, em sua semente, Gálatas 3:16; como também o pedido feito por Cristo com essa promessa, Salmos 2: 8: ambos que o estendem ao mundo inteiro, os fins da terra. (5.) O original e o surgimento desta herança de Cristo nos dará sua verdadeira extensão, que deve ser mais especialmente considerada. Sobre a criação do homem, Deus lhe deu um domínio sobre todas as coisas neste mundo inferior, Gênesis 1 : 28,29. Ele o tornou seu herdeiro, e substituto na terra. E quanto às outras criaturas às quais seu poder e autoridade não se estenderam imediatamente, como o sol, a lua e as estrelas, todas as hostes inanimadas do mundo superior, foram ordenados por Ele que os fez servir para o bem, Gênesis 1:14; Deuteronômio 4:19; de modo que até mesmo eles pertenceram à sua herança, sendo feitos para servi-lo em sua sujeição a Deus. Além disso, além desta parte inferior de seu domínio, Deus criou, para a sua glória, anjos no céu acima; de quem teremos a ocasião de tratar. Estes constituíram outro ramo do reino providencial de Deus, o todo administrado no mundo superior e inferior, sendo um do outro independente e reunidos em nada além de sua dependência e sujeição ao próprio Deus. Por isso, eles não ficaram na condição de sua criação, mas esse tipo ou raça deles pode falhar e perecer sem nenhum impedimento do outro. Então isto também aconteceu. O homem poderia ter persistido em sua honra e dignidade, não obstante a queda e a apostasia de alguns dos anjos. Quando ele caiu de sua herança e domínio, toda a subordinação de todas as coisas a ele, e por ele a Deus, foi perdida, e todas as criaturas voltaram a uma dependência absoluta do governo de Deus, sem qualquer respeito à autoridade e à soberania delegadas ao homem. Mas, como a queda dos anjos não prejudicava a própria humanidade, não causaram a queda dos homens os anjos que persistiram na obediência, não sendo parte de sua herança. No entanto, pelo pecado, apostasia e punição, da parte dos anjos que não mantiveram o seu primeiro estado, manifestou-se como é possível que o restante deles pudesse pecar segundo a semelhança de sua transgressão. Coisas que estão sendo trazidas para esta condição, - um ramo do reino de Deus, sob a administração do homem, ou atribuído ao seu serviço, sendo expulso daquela ordem em que o colocou e o outro em uma possibilidade aberta de ser assim também – pareceu bom para o Senhor, em sua infinita sabedoria, erguer um reino desses dois membros desordenados de seu primeiro domínio e nomear um herdeiro comum, cabeça, governante e senhor para ambos. E este foi o Filho , como o apóstolo nos diz, Efésios 1:10: "de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos, todas as coisas, tanto as do céu como as da terra". Ele projetou trazer tudo em uma cabeça e governar nele, não é uma semelhança tirada da criação, em que somas menores são no fim trazidas para uma cabeça, como alguns têm imaginado; nem uma alusão aos oradores, que no final de suas longas argumentações resumem a questão em geral tratada de que o apóstolo faz uso; ambos os quais estão abaixo da majestade e de nenhuma maneira é adequado para ilustrar, o assunto que ele tem em mãos. Mas, como Crisóstomo adora o lugar, é como se ele tivesse dito: "Ele nomeou uma cabeça para todos eles", anjos e homens, com tudo o que na primeira constituição do governo divino estava subordinado a eles. Por isso, encontramos o objeto e a extensão da herança de Cristo expressada nesta palavra, que eu explicarei ainda mais naquele breve esquema do conceito integral de Cristo, que para a exposição dessas palavras deve ser subjugado. [4.] O caminho pelo qual Cristo o Filho veio à sua herança é expressado nesta palavra. Deus "nomeou" ou "colocou" isto nele. A palavra pode denotar aqueles atos especiais pelos quais ele entrou na posse total de sua herança, ou pode ser estendido a outros atos preparatórios que os antecederam. No primeiro sentido, a investidura gloriosa do Senhor Jesus Cristo na posse real completa de seu reino após a sua ressurreição, com a manifestação na sua ascensão, e símbolo de sua estabilidade em seu assentar-se à direita de Deus, é projetado. Por tudo isso Deus "o fez", ou colocou-o com solene investidura, herdeiro de todos. A concessão foi feita a ele em sua ressurreição, Mateus 28:18, e nela foi plenamente declarada aos outros, Romanos 1: 4; Atos 13:33: como havia de ser rei de Salomão, quando foi proclamado por Benaia, Zadoque e Natã, 1 Reis 1: 31-34. A solenização disso foi na sua ascensão, Salmos 68: 17,18, Efésios 4: 8-10; e tipificado pela cavalaria de Salomão sobre a mula de Davi em seu trono, todas as pessoas clamando, 1 Reis 1:39, "Viva o rei Salomão!" Tudo foi selado e ratificado quando tomou posse de seu trono na mão direita do Pai; por tudo o que foi feito e declarado como Senhor e Cristo, Atos 2:36, 4:11, 5:30, 31. E tal peso faz a Escritura sobre esta investidura gloriosa de Cristo em sua herança, de que fala de todo o seu poder como primeiro concedido a ele, Romanos 14: 9; Filipenses 2: 7-10; e a razão disso é, porque ele realmente realizou esse trabalho e dever, mediante a consideração de que esse poder e autoridade foram eternamente concebidos e originalmente concedidos a ele. O próprio Deus cometeu todo o poder sobre todas as coisas e pessoas no céu e na terra, para ser exercido e administrado para os fins de sua mediação, declarando este ato, concessão e delegação por sua ressurreição, ascensão e assentar-se à sua mão direita, é o que esta palavra denota. Não vou negar, mas pode ter respeito para diversos coisas que precedem estas, e preparativas para elas; como, - (1.) O propósito eterno de Deus, ordenando-o antes da fundação do mundo para a sua obra e herança, 1 Pedro 1:20. (2.) A aliança que era antiga entre o Pai e o Filho para a realização da grande obra da redenção, e esta herança estava incluída no contrato, Provérbios 8: 30,31; Isaías 53: 10,11. (3.) As promessas feitas a ele em seus tipos, Abraão, Davi e Salomão, Gênesis 15; Salmo 72. (4.) As promessas deixadas em evidência no Antigo Testamento por seu apoio e garantia de sucesso, Salmo 2; Isaías 49, etc. (5.) A solene proclamação dele para ser o grande herdeiro e senhor de todos, na sua primeira chegada ao mundo, Lucas 2:11, 30-32. Mas é a consumação de tudo isso, seja o que for pretendido ou declarado nesses atos anteriores da vontade e da sabedoria de Deus, que se destina principalmente nesta expressão. Alguns supõem a importância, nesta matéria da herança de Cristo, por afirmarem que ele era o legítimo herdeiro da coroa e cetro de Israel. A herança prometida a Cristo não era um reino temporal de Israel, que ele nunca desfrutou, nem de qualquer outra coisa dependente disso. Se assim fosse, os judeus devem primeiro ter o domínio, antes que ele possa herdá-lo. E tal, de fato, foi o erro dos discípulos (como é dos judeus até hoje), que perguntaram, não se ele iria trazer o reino para si mesmo, mas se ele iria restaurá-lo para Israel. Nós abrimos as palavras: permanece que consideramos o sentido e a persuasão dos hebreus nesta matéria; 2. Mostrar a influência desta afirmação no argumento que o apóstolo tem em mãos; e 3. Anexar um breve esquema de todo o senhorio e reino de Cristo. Os testemunhos dados a esta herança, do Messias no Antigo Testamento, evidenciando suficientemente a fé da igreja guiada pelo seu governo, serão mencionados depois. No presente, só devo intimar a continuação desta persuasão entre os judeus, tanto quando o apóstolo lhes escreveu e depois.
Aquele que é o herdeiro e senhor de todas as coisas, espirituais, temporais, eclesiásticas, precisa ter poder sobre todas as instituições mosaicas, ser o senhor delas, que não estão em nada eximidas do seu governo. Aquilo que é a intenção das palavras, na interpretação dada a elas, é esta: - Deus, o Pai, na busca do propósito soberano da sua vontade, concedeu ao Filho como encarnado e mediador da nova aliança, de acordo com o conselho eterno entre ambos, um poder soberano e autoridade sobre todas as coisas no céu e na terra, com a posse de um proprietário absoluto, para dispor delas a seu favor, para o avanço de sua obra própria e peculiar, como chefe da igreja.