John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P2

20 de Abril de 2018 Silvio Dutra Artigos 18


John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

A partir disso, apresentamos uma consideração daquilo de onde a expressão é tomada. A gravura comum de anéis, ou selos, ou pedras, geralmente se pensa ser aludida. Pode ser também que o apóstolo tenha se referido a alguma representação da glória de Deus gravando entre as instituições de Moisés. Agora, pouco havia antigamente que mais gloriosamente representava Deus do que a gravura de seu nome em uma lâmina de ouro, para ser usada na frente da mitra do sumo sacerdote; à vista de que o grande conquistador do Oriente, Alexandre Magno, caiu diante dele. A menção a esta lâmina, nós temos em Êxodo 28:36: "Farás também uma lâmina de ouro puro e nela gravarás à maneira de gravuras de sinetes: Santidade a Jeová.” Aqui estava o nome de Deus que denota sua essência e caráter, para representar a sua santidade e glória para o seu povo. E Arão deveria usar este nome gravado de Deus na sua testa, para que ele carregasse a iniquidade das coisas sagradas e presentes dos filhos de Israel; o que só poderia ser feito somente por aquele que era o próprio Jeová. E assim, também, quando Deus promete enviar o Filho como a pedra angular da igreja, ele promete gravar sobre ele os sete olhos do Senhor, Zacarias 3:9 , ou a perfeição de sua sabedoria e poder, para expressar a igreja nele. Tendo havido, então, essa representação da presença de Deus, pelo caráter ou gravura de seu nome glorioso sobre a lâmina de ouro, que o sumo sacerdote usaria para que ele pudesse carregar as iniquidades; o apóstolo permite que os hebreus saibam que, em Cristo, o Filho é a verdadeira realização do que foi tipificado assim, o Pai, tendo realmente comunicado a ele sua natureza, denotado por esse nome, pelo qual ele conseguiu realmente carregar nossas iniquidades e, de forma mais gloriosa representa a pessoa de seu Pai para nós. E, com submissão a melhores julgamentos, eu concebo ser o desígnio do apóstolo nessa descrição da pessoa de Jesus Cristo. Agradou ao Espírito Santo usar aqui esses termos e expressões, para lembrar aos hebreus, como eles foram instruídos no passado, embora obscurecidas, nas coisas que agora lhes exibiam, e que nada era agora pregado ou declarado, mas o que, em suas instituições típicas, eles tinham antes de dar o seu consentimento. Nós fomos um pouco longos em nossa explicação desta descrição da pessoa do Filho de Deus; contudo, como supomos, não mais do que a natureza das coisas tratadas e a maneira de sua expressão necessariamente nos obrigou a fazer. Portanto, devemos permanecer um pouco aqui antes de prosseguir com as palavras que se seguem a este versículo e tomar algumas observações, daquilo que foi falado para nossa direção e refrigério em nossa passagem. Todas as perfeições gloriosas da natureza de Deus pertencem e habitam na pessoa do Filho. Se não fosse assim, ele não poderia representar gloriosamente a pessoa do Pai; nem pela contemplação dele poderia ser levado a um conhecimento com a pessoa do Pai. Isto é o que o apóstolo aqui nos ensina, como na explicação das palavras que manifestamos. Agora, porque a confirmação dessa alusão depende das provas e dos testemunhos dados e da natureza divina de Cristo, que eu, em outros lugares, insisti na vindicado das exceções, não vou retomar a essa tarefa, especialmente considerando que a mesma verdade novamente nos ocorrerá.
II. Toda a manifestação da natureza de Deus para nós, e todas as comunicações da graça, são imediatamente por e através da pessoa do Filho. Ele o representa para nós; e através dele é tudo o que nos é comunicado a partir da plenitude da Divindade transmitida. Existem diversas instâncias de sinal em que Deus se revela e se comunica de sua própria plenitude infinita para com as suas criaturas, e em todas elas o faz imediatamente pelo Filho: - 1. Na criação de todas as coisas; 2. Na sua regra providencial e disposição; 3. Na revelação de sua vontade e instituição de ordenanças; 4. Na comunicação de seu Espírito e graça: em nenhum dos quais é a pessoa do Pai, de qualquer outra forma imediatamente representada para nós do que em e pela pessoa do Filho. 1. Na criação de todas as coisas, Deus lhes deu o seu ser e lhes foi transmitido a sua bondade, e manifestou a sua natureza àqueles que eram capazes de uma santa apreensão disso. Agora, tudo isso Deus fez imediatamente pelo Filho; não como um instrumento subordinado, mas como o principal eficiente, sendo seu próprio poder e sabedoria. Isto manifestou-se na nossa explicação das últimas palavras do versículo anterior. Em testemunho expresso, veja João 1: 3; Colossenses 1:16; 1 Coríntios 8: 6. O Filho, como o poder e a sabedoria do Pai, fez todas as coisas; de modo que nessa obra a glória do Pai resplandece nele, e não de outra forma. Por ele havia uma comunicação de ser, de bondade e de existência para a criação. 2. Na regra providencial e disposição de todas as coisas criadas, Deus se manifesta ainda a suas criaturas, e comunica-se ainda de sua bondade a elas. Que isso também seja feito em e pelo Filho, devemos evidenciar ainda mais na explicação das próximas palavras deste versículo. 3. O assunto é ainda mais simples quanto à revelação de sua vontade, e a instituição de ordenanças do primeiro ao último. É concedido que, após a entrada do pecado, Deus não revelou graciosamente nem se comunicou com nenhuma das suas criaturas, senão por seu Filho. Isso pode ser plenamente demonstrado pela consideração da primeira promessa, o fundamento de todas as futuras revelações e instituições, com indução de todas as instâncias que se seguem. Mas considerando que todas as revelações e instituições provenientes da primeira promessa são concluídas e terminadas no evangelho, basta mostrar que o que afirmamos é verdadeiro com referências peculiares. Os testemunhos que lhe são conferidos são inúmeros. Esta é a substância e o fim do evangelho: - revelar o Pai por e no Filho para nós; para declarar que só através dele podemos ser feitos participantes de sua graça e bondade, e que, de nenhuma outra maneira, podemos ter conhecimento ou comunhão com ele. Veja João 1: 18. Todo o fim do evangelho é dar-nos "o conhecimento da glória de Deus na face de Jesus Cristo", 2 Coríntios 4: 6; isto é, a glória do Deus invisível, a quem ninguém viu em nenhum momento, 1 Timóteo 6:16; 1 João 4:12. Isso deve ser comunicado a nós, mas como isso deve ser feito? Absolutamente e imediatamente, como é a glória do Pai? Não, mas como "resplandece diante de Jesus Cristo", ou como está em sua pessoa manifestada e representada para nós; pois ele é, como o mesmo apóstolo diz no mesmo lugar, 2 Coríntios 4: 4, "a imagem de Deus". E aqui também, quanto à comunicação da graça e do Espírito, a Escritura o expressa, e os crentes são diariamente instruídos nisso. Veja Colossenses 1:19; João 1:16; especialmente 1 João 5: 11,14. Agora, os motivos desta ordem das coisas são: 1. No que essencial no Pai e no Filho. Isto nosso Salvador expressa, em João 10:38: "O Pai está em mim e eu nele". As mesmas propriedades essenciais e a natureza em cada uma das pessoas, em virtude disso, as pessoas também são ditas uma na outra. A pessoa do Filho está na pessoa do Pai, não como tal, não dentro ou por sua própria personalidade, mas pela união de sua natureza e propriedades essenciais, que não são iguais, como são as pessoas, mas o mesmo em um e noutro. E esta, do Pai, no Filho e do Filho nele, nosso Salvador afirma ser manifestado pelas obras que ele fez, sendo forjado pelo poder do Pai, ainda assim como nele e não como no Pai imediatamente. Veja para o mesmo propósito capítulo 14:10, 11 e capítulo 17:21. 2. O Pai sendo assim no Filho, e o Filho no Pai, pelo qual todas as propriedades gloriosas de um brilham no outro, a ordem e a economia da Santíssima Trindade em subsistência e operação exigem que a manifestação e comunicação do Pai para nós seja através e pelo Filho; pois, como o Pai é a origem e a fonte de toda a Trindade quanto à subsistência, a operação não funciona, senão pelo Filho, que, tendo a natureza divina comunicada a ele pela geração eterna, são comunicados os efeitos do divino poder, sabedoria e bens, por operação temporária. E assim ele se torna "o brilho da glória de seu Pai e a imagem expressa de sua pessoa", ou seja, recebendo sua natureza gloriosa dele, o todo e o tudo, e expressando-o em suas obras de natureza e graça para suas criaturas. 3. Porquanto, na dispensação e conselho da graça, Deus determinou que toda comunicação de si mesmo sobre nós será feita pelo Filho como encarnado. Este é todo o evangelho dado para testemunhar. De modo que esta verdade tem o seu fundamento na própria subsistência das pessoas da Deidade, é confirmada pela ordem, operação e disposição voluntária na aliança da graça. E isso nos descobre, primeiro, a necessidade de chegar a Deus por Cristo. De Deus é dito em si mesmo "em escuridão espessa", como também habitar "na luz", a que nenhuma criatura pode se aproximar; que expressões, embora pareçam contrárias, ainda nos ensinam o mesmo, ou seja, a distância infinita da natureza divina de nossas apreensões e concepções, "nenhum homem tem visto Deus em nenhum momento". Mas este Deus, invisível, eterno, incompreensível glorioso, implantou vários caracteres de suas excelências e que deixaram passos de suas propriedades abençoadas sobre as coisas que ele fez; para que, pela consideração e contemplação deles, possamos chegar a algum conhecimento dele, o que poderia nos encorajar a temer e servir a ele, e a fazê-lo o nosso melhor fim. Mas essas expressões de Deus em todas as outras coisas, além de seu Filho, Jesus Cristo, são todas parciais, revelando apenas algo dele, e não tudo o que é necessário saber, para que possamos viver aqui e apreciá-lo a seguir; e obscuro, não nos conduzindo a nenhum conhecimento estável e perfeito sobre ele. E, portanto, é que aqueles que tentaram vir a Deus pela luz daquela manifestação que ele fez de si mesmo de outro modo por Cristo Jesus, desnudaram todos e falharam em sua glória. Mas agora, o Senhor Jesus Cristo sendo "o brilho da sua glória", em quem a sua glória resplandece da espessa escuridão, que a sua natureza está enrolada em nós e irradia a luz inacessível que ele habita; e "a imagem expressa de sua pessoa", representando todas as perfeições de sua pessoa completamente e claramente para nós, - só nele podemos alcançar um conhecimento salvador dele. Por este motivo, ele diz a Filipe, João 14: 9: "Aquele que me viu, tem visto o Pai", razão pela qual a afirmação, tomada da relação mútua do Pai e do Filho, e sua expressão de sua mente e glória, ele afirma nos próximos versos. Ele, então, é o único meio e caminho para chegar ao conhecimento e ao gozo de Deus, porque em e por ele só ele está plenamente e perfeitamente expresso para nós. E, portanto, este, em segundo lugar, é o nosso excelente guia e direção em todos os nossos esforços por um acesso aceitável a ele. Nós chegaríamos a esse conhecimento com a natureza, propriedades e excelências do Pai, que as criaturas pobres, fracas e finitas são capazes de alcançar neste mundo, o que é suficiente para amá-lo, temê-lo, servi-lo e vem ao prazer dele? Conheceríamos seu amor e graça? Admiramos a sabedoria e a santidade? - Trabalhemos para chegar a um conhecimento íntimo e próximo de seu Filho Jesus Cristo, em quem todas estas coisas habitam em sua plenitude, e por quem elas são reveladas para nós; procuremos o Pai no Filho, de quem nenhuma das propriedades da natureza divina pode ser apreendida ou entendida com justiça, e em quem estão todos expostos à nossa fé e contemplação espiritual. Esta é a nossa sabedoria, para permanecer em Cristo, para o aprender; e nele devemos aprender, ver e conhecer o Pai também.
Após a descrição da pessoa, o apóstolo volta a uma afirmação do poder de Cristo, o Filho de Deus, e ali faz a sua transição do ofício de rei e profeta para o seu oficio sacerdotal; em tudo o que ele pretende depois para ampliar seu discurso. Ele mostrou antes que por ele os mundos foram criados; para além disso, como uma evidência adicional de seu poder glorioso e de sua continuação para agir adequadamente para esse começo de seu exercício, ele acrescenta que ele também sustenta ou governa e dispõe de todas as coisas assim feitas por ele. Na explicação dessas palavras, duas coisas devem ser investigadas; - primeiro, como, ou em que sentido, de Cristo é dito "defender" ou governar "todas as coisas"; em segundo lugar, como ele faz isso com "a palavra do seu poder". Ferwn é traduzido pelos expositores em um duplo sentido , e, consequentemente, 1. Alguns o traduzem "mantendo, apoiando, suportando, sustentando". E estes supõem que exprima esse poder divino infinito que é exercido na conservação da criação, evitando que se afundem em seu original de confusão e nada. Aqui, nosso Salvador disse: "Meu Pai trabalha até agora", (ou "ainda") "e eu trabalho", isto é, na sustentação providencial de todas as coisas feitas no início. "E isso", diz Crisóstomo neste lugar, "é uma obra maior do que a da criação". Pelo primeiro, todas as coisas foram trazidas do nada; por estes últimos eles são preservados desse retorno a nada que sua própria natureza, não capaz de existir sem depender de sua Primeira Causa, e seu conflito perpétuo os precipitaria. 2. Alguns tomam a palavra para expressar sua decisão, governando e eliminando todas as coisas feitas por ele, e (o que é suposto) sustentado; e assim pode denotar a adição desse poder sobre todas as coisas que é dado ao Filho como mediador; ou então essa regra providencial sobre tudo o que ele tem com seu Pai, que parece ser destinado, por causa do caminho expresso em que ele exerce essa regra, ou seja, "pela palavra de seu poder". O uso da palavra ferw não é tão óbvio neste último sentido como no primeiro; como na providência que é exercida na defesa e na decisão ou eliminação de todas as coisas, então todas as regras e o governo é uma questão de peso e fardo. E daquele que governa os outros é dito suportá-los ou carregá-los. Então, Moisés expressou o seu domínio do povo no deserto, Números 11: 11,12: "Disse Moisés ao SENHOR: Por que fizeste mal a teu servo, e por que não achei favor aos teus olhos, visto que puseste sobre mim a carga de todo este povo? Concebi eu, porventura, todo este povo? Dei-o eu à luz, para que me digas: Leva-o ao teu colo, como a ama leva a criança que mama, à terra que, sob juramento, prometeste a seus pais?" E, portanto, "suportar ou carregar", é ayvin. "Um príncipe ou governante", isto é, aquele que carrega o peso do povo, que os sustenta e os governa. Suportar, então, ou sustentar, e governar e dispor, podem estar ambos bem destinados nesta palavra; como ambos são expressos na profecia de Cristo, Isaías 9: 6, "A regra" (ou "governo") "estará em seu ombro", - para que, juntamente com seu poder e governo, possa sustentar e suportar o peso do seu povo. Somente, enquanto isso é feito entre os homens com muito trabalho, ele faz isso por uma facilidade inexprimível, pela palavra de seu poder. E isso é seguro, para levar a expressão em seu sentido mais abrangente. Mas, enquanto a frase do discurso em si não é usada em outro lugar no Novo Testamento, nem é aplicada a qualquer propósito em outro lugar (embora uma vez que feromenov seja tomado para "actus" ou "agitatus", 2 Pedro 1:21), podemos indagar qual era a palavra entre os hebreus que o apóstolo tencionava expressar, pelo que antes tinham sido instruídos no mesmo assunto. 1. Pode ser que ele pretendesse Kelkæm, "sustentar, suportar ", como Malaquias 3: 2. Significa também "alimentar, nutrir e apreciar, 1 Reis 4: 7; Rute 4:15; Zacarias 11:16. ferwn te panta, isto é, "sustentando e acalentando todas as coisas". Mas esta palavra não tem respeito a uma regra ou disposição. E, neste sentido, como o trabalho da criação é atribuído eminentemente ao Pai, que é dito que faz todas as coisas pelo Filho, de modo que a preservação e apreciação de todas as coisas é especificamente atribuída ao Filho. E isso não é inadequado para a analogia da fé; pois foi o poder de Deus que foi grandemente exaltado e é visivelmente visto na obra da criação, como o apóstolo declara, Romanos 1:20, embora esse poder fosse acompanhado também de infinito sabedoria; e é a sabedoria de Deus que se manifesta mais eminentemente na preservação de todas as coisas, embora essa sabedoria seja também exercida no poder infinito. Pelo menos, na contemplação das obras da criação, somos liderados, pela maravilha do poder infinito pelo qual foram forjadas, para a consideração da sabedoria que as acompanhou; e o que, nas obras de providência, se apresenta pela primeira vez em nossas mentes é a sabedoria infinita em que todas as coisas estão dispostas, o que nos leva também à admiração do poder que elas expressam. Agora, é costume que a Escritura atribua as coisas em que o poder é mais eminente para o Pai, como aquelas em que a sabedoria é mais conspícua para o Filho, que é a Sabedoria eterna do Pai. E esse sentido não é inadequado para o texto.
3. Há ainda outra palavra, que eu suponho que o apóstolo teve um objetivo principal para expressar, e isso é bkero bkær; é apropriadamente "andar, ser carregado, ser levado para fora", e com frequência, embora metaforicamente, usado em relação a Deus mesmo: como em Deuteronômio 33:26, bkero ?yimæç; , "Andando nos céus", "nas nuvens", Isaías 19: 1; "Nas asas do vento", Salmos 18:10 e Salmos 68: 5; pelo qual a sua majestade, autoridade e governo são somados para nós. E, portanto, também a palavra significa "administrar, dispor, governar ou presidir as coisas". Assim, na visão de Ezequiel sobre a gloriosa providência de Deus ao governar toda a criação, ela é representada por uma carruagem (hb; k; rm) dos querubins (?ybiWrK). Os"querubins", com suas rodas, fizeram essa carruagem, sobre a qual estava sentado o Deus de Israel, na sua disposição e decisão de todas as coisas. E as próprias palavras têm essa afinidade na significação que é frequentemente vista entre as raízes hebraicas, diferindo apenas na transposição de uma letra. E a descrição daquele que se sentou acima da carruagem da providência, Ezequiel 1, é a mesma coisa com a de João, Apocalipse 4. Agora, Deus naquela visão é colocado como dominante, governando influenciando todas as segundas causas, quanto à produção ordenada de seus efeitos, pela comunicação da vida, movimento e orientação para eles. E embora nesta administração divina de todas as coisas seja terrível considerar, os anéis das rodas sendo altos e terríveis, capítulo 1:18, e as criaturas vivas "correram como a aparência de um relâmpago", versículo 14; como também cheios de olhos, sendo a aparência das rodas transversais, ou as rodas dentro das rodas, versículo 16, que se diziam estar rolando, capítulo 10:13; contudo, é realizada em uma ordem indescritível, sem a menor confusão, capítulo 1:17, e com uma facilidade maravilhosa de movimentos, - por uma mera indicação da mente e vontade daquele que guia o todo; e isso porque havia um espírito vivo e poderoso passando por todos, criaturas vivas e rodas, que os movia rapidamente, regularmente e efetivamente, como ele quisesse; isto é, o poder energético da Providência divina, animando, guiando e descartando o todo como lhe pareceu bom. Agora, tudo isso é excelentemente expressado pelo apóstolo nessas palavras. Pois, como o poder que está nAquele que se assenta sobre a carruagem, influenciando e dando existência, vida, movimento e orientação para todas as coisas, é claramente expresso por ferwn ta panta, mantendo e descartando todas as coisas, - isto é, lk; Al [æ bkero; assim é o exercício e a emissão do mesmo pelo espírito da vida em todas as coisas, para guiá-las com certeza e regularmente, por estas palavras, "pela palavra de seu poder", ambos denotando a facilidade indizível do poder onipotente em suas operações. E Kimchi, no sexto de Isaías, afirma que a visão que o profeta teve era "a glória de Deus, aquela glória que Ezequiel viu na semelhança de um homem", que encontramos aplicada ao Senhor Jesus Cristo, João 12: 41. Somente acrescentarei que, na visão de Ezequiel, a voz das criaturas vivas , em seu movimento, era como a voz yDævæ, "omnipotentis", "praepotentis", "sibi sufficientis", "do Todo-Poderoso", "poderoso", "todo" ou "autossuficiente", que também é totalmente expressa neste apóstolo, "suportando, mantendo, sustentando todas as coisas". Nossa próxima consulta é conforme a maneira pela qual o Filho assim mantém e sustenta todas as coisas. Ele faz "pela palavra de seu poder". Às vezes denota qualquer matéria ou coisa, seja boa ou má, como Mateus 5:11, 12:36, 18:16; Marcos 9:32; Lucas 1:37, 2:15, 18:34; - uma palavra de bênção pela Providência, Mateus 4: 4; - qualquer palavra falada, Mateus 26:75, 27:14; Lucas 9:45; - da promessa, Lucas 1:38; - a palavra de Deus, a palavra de profecia, Lucas 3: 2; Romanos 10:17; Efésios 5:26, 6:17; 1 Pedro 1:25; - um comando autoritário, Lucas 5: 5. Nesta epístola, ela é usada de maneira variada. O que neste lugar é denotado por ele, com o seu complemento de Deus, o mundo, o poder divino, executando os conselhos da vontade e da sabedoria de Deus, ou a eficácia da providência de Deus, pela qual ele trabalha e efetua todas as coisas de acordo com o conselho de sua vontade. Veja Gênesis 1: 3; Salmo 147: 15,18, 148: 8; Isaías 30:31. Daí o mesmo que Paulo expressa por um deles, Hebreus 11: 3, "pela fé sabemos que os mundos foram feitos pela palavra de Deus". Agora, esta eficácia da Providência divina é chamada de Deus, para intimar que, como os governantes cumprem a sua vontade por uma palavra de comando, sobre as coisas sujeitas ao seu agrado, Mateus 8: 9, então Deus cumpre toda sua mente e será em todas as coisas pelo seu poder. E, portanto, "de seu poder", é aqui adicionado por meio de diferença e distinção, para mostrar qual é a palavra que o apóstolo pretende. Não é "Deus" a palavra essencial de Deus, que é a pessoa mencionada; nem a palavra dada por ele na revelação de si mesmo, sua mente e vontade; mas uma palavra eficaz e operativa, ou seja, a colocação de seu poder divino, com facilidade e autoridade, cumprindo sua vontade e propósito em e por todas as coisas. Isto na visão de Ezequiel é a comunicação de um espírito de vida para os querubins e as rodas, para agir e movê-los como parece bom para Aquele por quem são guiados; pois, como é muito provável que o apóstolo nestas palavras, estabelecendo o poder divino do Filho ao governar toda a criação, tenha a intenção de lembrar os hebreus de que o Senhor Jesus Cristo, o Filho, é ele que foi representado na forma de um homem para Ezequiel, governando e eliminando todas as coisas, e o YDævæ, "o Todo-Poderoso", cuja voz foi ouvida entre as rodas, por isso é certo que o mesmo se destina nos dois lugares. E essa expressão de "sustentar" (ou "descartar") "todas as coisas pela palavra de seu poder", declara plenamente a gloriosa providência expressada emblematicamente nessa visão. O Filho está sobre todas as coisas feitas por ele mesmo, como em um trono sobre os querubins e as rodas, influencia toda a criação com o seu poder, comunicando-se, respectivamente, com a subsistência, a vida e o movimento, atuando, governando e eliminando todos de acordo com o conselho por sua própria vontade. Isto é, então, o que o apóstolo atribui ao Filho, para estabelecer a dignidade de sua pessoa, para que os hebreus possam considerar todas as coisas antes de abandonarem sua doutrina. Ele é um participante essencialmente da natureza de Deus, "sendo o brilho da glória e a imagem expressa da pessoa de seu Pai", que exerce e manifesta o seu poder divino tanto na criação de todas as coisas, como também no suporte, governo e disposição de todos, depois que eles são feitos por ele.


Leia também
VÊNUS VETUSTA há 1 hora

VÊNUS VETUSTA O Tempo tudo nos muda, Deteriora, envelhece... Nunca a ...
ricardoc Acrósticos 4


SÓ PARA DIZER BOM DIA. há 6 horas

Fiz ao nascer da alva, Sob a luz que o sol irradia, Estes versos vindos d...
madalao Poesias 7


DEIXA-ME NO TEU VENTRE há 6 horas

Deixa-me, no teu ventre, eu ficar, Neste ninho de amor tão quentinho. L...
madalao Poesias 7


Equação do Amor há 2 dias

Corre pra mim... Talvez eu ainda não saiba o que é o amor; Não tenha ...
a_j_cardiais Poesias 52


Qual é a Nossa Parte? há 2 dias

O conceito arminiano de que devemos fazer a nossa parte para que Deus pos...
kuryos Artigos 12


"Lagrimas" há 2 dias

Um silêncio triste e profundo Uma lágrima caiu Na tarde fria, e escura ...
joaodasneves Poesias 12