John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P3

20 de Abril de 2018 Silvio Dutra Artigos 19


John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

E, portanto, seguirá, com seu poder e autoridade para mudar as instituições mosaicas, então sua verdade e fidelidade na revelação da vontade de Deus por ele feita; que era seu dever abraçar e cumprir. As várias passagens deste versículo são todas unidas pelo apóstolo, e usadas para o mesmo propósito geral; mas eles mesmos são de sentidos tão distintos e importantes, considerados absolutamente e separados. E, a partir dessas últimas palavras, podemos aprender: -
I. Nosso Senhor Jesus Cristo, como O Filho de Deus, tem o peso de toda a criação em sua mão, e dispõe dela por seu poder e sabedoria.
II. Tal é a natureza e condição do universo, que não pode subsistir um momento, nem qualquer coisa nele pode agir regularmente para o fim designado, sem o apoio contínuo, orientação, influência e disposição do Filho de Deus. Podemos considerar brevemente a soma de ambos juntos, para manifestar o poder e o cuidado de Cristo sobre nós, como também a condição fraca e dependente de toda a criação em si mesma. As coisas desta criação não podem mais se sustentar, agir e dispor-se, do que elas poderiam primeiro se libertar do nada. O maior não pode conservar-se por seu poder, ou grandeza, ou ordem; nem pelo menos pela distância da oposição. Se não houvesse uma mão poderosa sob todos eles, todos se afundariam em confusão e nada; se um poder eficaz não os influenciasse, eles se tornariam em um montão desprezível. É verdade, Deus tem na criação de todas as coisas implantadas em cada partícula da criação uma inclinação e disposição natural especial, segundo a qual está pronta para agir, se mover ou trabalhar regularmente; mas ele não colocou essa natureza e poder absolutamente neles, e independentemente de seu próprio poder e operação. O sol é dotado de uma natureza para produzir todos os efeitos gloriosos da luz e do calor que contemplamos ou concebemos, o fogo queima, o vento que sopra e todas as criaturas também da mesma maneira; mas ainda assim não poderia o sol, nem o fogo, nem o vento preservar-se em seu ser, nem manter os princípios de suas operações, se o Filho de Deus, por uma constante, contínua emanação individual de seu poder eterno, não mantê-los e preservá-los; e nem poderiam produzir qualquer efeito por todas as suas ações, se não trabalhasse neles e por eles. E assim é com os filhos dos homens, com todos os agentes, seja natural e necessário, ou livre e procedendo em suas operações por eleição e escolha. Por isso, Paulo nos diz que "em Deus vivemos, nos movemos e existimos", Atos 17:28. Ele havia afirmado antes que ele "fez de um só sangue todas as nações", versículo 26; isto é, todos os homens de um, que ele criou pela primeira vez. A que ele acrescenta, para que possamos saber que ele não nos deixou tão apegados a nós mesmos naquele primeiro fundamento, que temos qualquer poder ou habilidade, a ser feito, sem ele, que nele, isto é, em seu poder, cuidado, providência e em virtude de sua efetiva influência, - nossas vidas são apoiadas e continuadas, que somos movidos e habilitados para fazer tudo o que fazemos, seja ele nunca tão pequeno, onde há algum efeito de vida ou movimento. Então Daniel diz a Belssazar que sua "respiração" e "todos os seus caminhos" estavam na mão de Deus, Daniel 5:23; - sua respiração, na sustentação e continuação de seu ser; e seus caminhos, na sua efetiva orientação e disposição deles. Pedro fala com o mesmo propósito em geral sobre o tecido dos céus, da terra e do mar, 2 Pedro 3: 5. Agora, o que assim se fala de Deus em geral é por Paulo, particularmente aplicado ao Filho: Colossenses 1:16, 17: " pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste." Ele não só fez todas as coisas, como declaramos, e isso para si e para a própria glória , mas também ele continua na cabeça delas; de modo que, por ele e pelo seu poder, elas subsistem, - são preservadas em seu estado e condição presentes, guardadas da dissolução, na sua existência singular e em uma consistência entre elas. E a razão disso é tomada, primeiro, da limitada, condição finita e dependente da criação, e a necessidade absoluta de que deveria ser assim. É absolutamente impossível e repugnante à própria natureza e ao ser de Deus, que ele deve criar ou produzir qualquer coisa sem ele, que deve ter uma autossubsistência ou uma autossuficiência, ou ser independente de si mesmo. Todas estas são propriedades naturais e essenciais da natureza divina. Onde estão, existe Deus; para que nenhuma criatura possa ser tomada por eles. Quando denominamos uma criatura, nós denominamos o que tem um ser derivado e dependente. E o que não pode subsistir em si mesmo não pode agir de modo nenhum. Em segundo lugar, a eficácia energética da providência de Deus, unida com sua infinita sabedoria ao cuidar das obras de suas próprias mãos, os produtos de seu poder, exige que seja assim. Ele ainda trabalha. Ele não criou o mundo para deixá-lo em um evento incerto, - ficar de pé e ver o que seria dele, ver se ele retornaria ao seu primitivo nada, ou como seria ser jogado para cima e para baixo pelas qualidades adversas e contrárias que foram implantadas nas várias partes dele; mas o mesmo poder e sabedoria que o produziu ainda o acompanha, penetrando poderosamente em cada parcela e partícula. Para imaginar uma providência em Deus, sem uma operação contínua e enérgica; ou uma sabedoria sem um constante cuidado, inspeção e fiscalização das obras de suas mãos; não é ter apreensões do Deus vivo, mas erigir um ídolo em nossa própria imaginação. Terceiro, esta obra é peculiarmente atribuída ao Filho, não só como ele é o eterno poder e sabedoria de Deus, mas também porque, por sua interposição, como criador, rei e por seu trabalho de mediação, ele preservou o mundo de uma dissolução imediata sobre a primeira entrada do pecado e da desordem, para que possa continuar, por assim dizer, o grande estágio para as obras poderosas da graça, da sabedoria e do amor de Deus, para ser forjado na sua restaruação. Por isso, o cuidado da continuação da criação e da eliminação dele é delegado a ele, como aquele que se comprometeu a produzir e consumar a glória de Deus nele, apesar da grande violação feita sobre ele pelo pecado de anjos e homens. Esta é a substância do discurso do apóstolo, em Colossenses 1: 15-20. Tendo afirmado que ele era a imagem de Deus, no sentido antes aberto e declarado, e por ter feito todas as coisas, ele afirma que todas as coisas também têm sua subsistência presente nele e por seu poder, e deve ter assim, até o trabalho de restauração de todas as coisas até que a glória de Deus seja totalmente recuperada e estabelecida para sempre. 1. Podemos ver daqui a vaidade de esperar qualquer coisa das criaturas, mas apenas o que o Senhor Jesus Cristo tem prazer em nos comunicar por elas. Os que não podem sustentar, mover ou agir, por qualquer poder, virtude ou força própria, são muito improváveis, por si próprios, para dar qualquer assistência, alívio ou ajuda aos outros. Todos permanecem e existem separadamente, e consistem juntos, em ordem e operação, pela palavra do poder de Cristo; e o que ele irá comunicar por eles, que eles vão render, e nada mais. Em si, são cisternas quebradas que não manterão água; o que dEle cai para eles pode ser derivado para nós, e não mais. Os que descansam sobre eles ou descansam neles, sem a consideração de sua constante dependência de Cristo, acharão todas as suas esperanças decepcionadas e todas as suas ações desaparecerão em nada. 2. Aprenda, portanto, também a completa e absoluta autossuficiência plenária e a soberania do Filho, nosso Salvador. Mostramos a universalidade de seu reino e do seu poder moral sobre toda a criação; mas isto não é tudo. Um rei tem uma regra moral sobre os seus súditos em seu reino: mas ele não dá, de forma real e física, o seu ser e existência; ele não confirma e age com prazer; mas cada um deles fica sobre o mesmo ou um fundo igual consigo mesmo. Ele pode, de fato, com a permissão de Deus, tirar a vida de qualquer um deles, e assim pôr fim a todas as suas atuações e operações neste mundo; mas ele não pode dar-lhes vida ou continuar suas vidas em seu prazer um só momento, ou criá-los tanto como para mover um dedo. Mas com o Senhor Jesus Cristo é de outra forma. Ele não apenas governa toda a eleição, operando-a de acordo com a regra e a lei de seu próprio conselho e prazer, mas também todos eles têm seus seres, naturezas, inclinações e vidas dele; pelo seu poder eles continuaram com eles, e todas as suas ações são influenciadas por isso. E isso, como argumenta uma suficiência em si mesmo, então também uma soberania absoluta sobre todas as outras coisas. E isso deve nos ensinar nossa constante dependência dele e nossa sujeição universal a ele. 3. E isso revela abundantemente a vaidade e loucura daqueles que fazem uso da criação em oposição ao Senhor Jesus Cristo e seu interesse peculiar neste mundo. Seu próprio poder é o próprio fundamento em que eles se colocam em sua oposição a ele, e todas as coisas que eles usam contra ele consistem nisso. Eles mantêm suas vidas absolutamente no prazer daquele a quem se opõem; e eles agem contra ele, sem cujos contínuos apoios e influências eles não podem viver nem agir um momento: qual é a maior loucura, a mais desprezível imaginável.
Procedo agora com nosso apóstolo em sua descrição da pessoa e ofícios do Messias. O início da epístola, como foi declarado, contém uma proposição sumária das coisas que o apóstolo pretende insistir separadamente no todo; e todos estes se relacionam com a pessoa e os ofícios do Messias, o principal assunto desta epístola. Tendo, portanto, declarado primeiro que ele era o grande profeta do Novo Testamento; e, em segundo lugar, o Senhor, governante e governador de todas as coisas, como também manifestou a ele a equidade da concessão dessa soberania universal a ele, da excelência de sua pessoa por conta de sua natureza divina e suas operações na obras de criação e providência; ele prossegue para terminar e fechar sua proposição geral do argumento da epístola por uma breve indicação de seu ofício sacerdotal, com o que ele fez ali e o que se seguiu sobre isso, nas palavras restantes deste verso. E esta ordem e método do apóstolo são obrigados pela natureza das próprias coisas de que ele trata; para o trabalho de purgar os pecados, que como sacerdote ele atribui a Ele, não pode ser declarado sem uma manifestação anterior de sua natureza divina. Pois é uma obra daquele que é Deus e homem; pois, como Deus leva a ser sua propriedade para apagar nossos pecados, então ele não poderia ter feito isso "sozinho" se não fosse homem também. E isso é afirmado nas próximas palavras: "depois de ter feito a purificação dos pecados".
Há duas coisas que o apóstolo aqui expressa sobre o Messias; e uma, que é o fundamento das duas, ele primeiro expressa o que ele fez, - ele "purgou nossos pecados"; em segundo lugar, ele fez isso "sozinho". O que ele supõe, como o fundamento de ambos, é que ele era o grande sumo sacerdote da igreja. Esta questão de purgar os pecados pertencia apenas ao sacerdote. Então, o apóstolo tacitamente entra em uma comparação de Cristo com Aarão, o sumo sacerdote, como tinha feito antes com todos os reveladores proféticos da vontade de Deus; e como ele não nomeou nenhum deles em particular, não mais ele aqui se refere a Aarão: senão depois, quando ele vem mais em grande parte para insistir novamente no mesmo assunto, e ele faz expressamente menção ao nome dele, como também ao de Moisés. Em ambas as coisas aqui atribuídas a ele como o grande sumo sacerdote de sua igreja ele o prefere acima de Aarão: - Primeiro, na medida em que ele "purgou nossos pecados", isto é, realmente e eficazmente diante de Deus e na consciência do pecador, e que "para sempre", enquanto a purgação dos pecados sobre os quais Aarão foi empregado era em si mesma, típica, externa e representativa daquilo que era verdadeiro e real: ambos os quais o apóstolo prova em grande parte depois. Em segundo lugar, na medida em que o fez "por si mesmo", ou a oferta de si mesmo; ao contrário de qualquer oferta deste tipo feita por Aarão, ele fez isso pela oferta do sangue de touros e cabras, como deve ser declarado.
Como veremos que a purificação de nossos pecados por Cristo não consiste em dar um fundamento e causar fé por meio do qual nos purificamos, então o apóstolo não está comparando o Senhor Jesus Cristo nestas palavras com Moisés e os profetas, que não tinham nada a ver na obra de purgar o pecado, mas com Aarão, que por um ofício foi projetado para isso. Deixe-nos ver o que é aqui atribuído ao Senhor Jesus Cristo: Kaqarismomenov. Kaqarizw dito mais frequentemente purificação real, seja de impurezas externas, por cura e limpeza, como Marcos 1:40, 7:19, Lucas 5:12; ou das impurezas espirituais do pecado, pela graça santificadora, como Atos 15: 9, 2 Coríntios 7: 1, Efésios 5:26. Mas também é frequentemente usado no mesmo sentido com kaqairw e kaqairomai, "para purgar pela expiação", como Hebreus 9: 22,23. E na mesma variedade é kaqarismov também usado. Mas kaqarismon poihsai, "fazer uma purgação", ou purificação de nossos pecados, não pode ser tomado no primeiro sentido, para santificação real e inerente: - Primeiro, porque é falado como coisa já passada e aperfeiçoada "Tendo purgado nossos pecados", quando a purificação por santificação só é iniciada em alguns, nem todos em nenhum momento, e aperfeiçoada em nenhum neste mundo. Em segundo lugar, porque ele o fez de outro modo, "sozinho", sem o uso ou aplicação de qualquer outro meio para os que são purgados; quando a verdadeira santificação inerente é pelo "lavar da água pela palavra", Efésios 5:26; ou "regeneração e renovação do Espírito Santo", Tito 3: 5. E o brilho acima mencionado, que Cristo deve nos purificar de nossos pecados em sua morte, ao ocasionar a fé por meio da qual somos purificados, é excluído, como foi demonstrado antes, pelo contexto. Isso é atribuído à morte de Cristo, como feito de forma real e efetiva, o que foi normalmente feito nos velhos sacrifícios legais pelos sacerdotes; como é evidente a partir da antítese formulada naquela expressão, "por si mesmo". Mas este não era o caminho pelo qual os pecados eram purgados no passado pelos sacrifícios, ou seja, ao gerar uma persuasão nas mentes dos homens que deveriam ser úteis para esse propósito, - e, portanto, não existe tal coisa. Kaqarismov, "propitiatio", "expiação", "propiciação". Então, essa palavra é dada pelo LXX, Êxodo 29:36: - "o dia da expiação". Eles, na verdade, representam principalmente rpæK; por iJla skomai e ejxilaskomai, "para propiciar", "apaziguar", "para expiar", mas eles também fazem por kaqarizw, "para purgar", como Êxodo 29:37; 30:10. Assim também em outros autores, kaqarismov é usado para kaqarua, perikaqarma; isto é, "expiatio", "expiamentum", "piaculum", "expiação", "desvio de culpa". Então, Lucian: jJRi> yomen memenon? Esta purga, então, dos nossos pecados, que o apóstolo declarou ter sido efetuada antes da ascensão de Cristo e o seu sentar-se à direita, afim de Deus, não consiste na santificação e purificação dos crentes pelo Espírito, na aplicação do sangue de Cristo a eles, mas na expiação feita por ele no sacrifício de si mesmo, para que nossos pecados não sejam imputados a nós. E, portanto, ele é dito para purgar nossos pecados, e para não nos purificar de nossos pecados. E, onde quer que pecadores, sejam objeto de qualquer ato mediador de Cristo, aquele ato imediatamente respeita a Deus e não ao pecador, e pretende remover o pecado, de modo que não deve ser imputado. Então, capítulo 2:17 desta epístola: "Ele é um sumo sacerdote misericordioso", "para a redenção das transgressões sob a primeira aliança", isto é, pagar um preço por elas, que os transgressores possam ser libertos da sentença da lei. De modo que o Kaqarismomenov, que é o mesmo, é tanto quanto "Tendo feito expiação pelos nossos pecados". E isso, o apóstolo declarou, ao manifestar o caminho pelo qual ele o fez; isto é, "por si mesmo", isto é, pelo sacrifício e oferta de si mesmo, como capítulo 9:12, 14; Efésios 5: 2. O sumo sacerdote do passado fez expiação, e tipicamente purgou os pecados do povo, sacrificando animais de acordo com a designação da lei, Levítico 16; este sumo sacerdote, pelo sacrifício de si mesmo, Isaías 53:10; Hebreus 9:12. Da natureza dos sacrifícios propiciatórios ou expiatórios, devemos tratar em geral depois. Nós nos mantemos agora à proposição geral do apóstolo, expressando brevemente o oficio sacerdotal de Cristo, e a excelência dele, na medida em que ele realmente purgou nossos pecados, e isso pelo sacrifício de si mesmo. E isso foi dentro e por sua morte na cruz, com seus antecedentes de sofrimento preparatório. Alguns distinguem entre sua morte e a oblação de si mesmo. Isto, eles dizem, ele se apresentou no céu, quando, como sumo sacerdote de sua igreja, entrou no Santo dos Santos, não feito por mãos, para o qual sua morte não era mais que uma preparação.
Porque a morte do animal, eles dizem, não era o sacrifício, mas a oferta do seu sangue sobre o altar e a sua entrega no lugar santo. Mas isso derruba completamente todo o sacrifício de Cristo; que, de fato, é a coisa por eles visada. É verdade que o assassinato do animal não era todo o sacrifício, mas apenas uma parte essencial dele; como também era a oferta de seu sangue, e a aspersão dele no lugar santíssimo, no sacrifício de expiação, mas não em nenhum outro. E o motivo pelo qual todo o sacrifício não poderia consistir em nenhuma ação, surgiu apenas pela imperfeição das coisas e pessoas empregadas nesse trabalho. O sacerdote era uma coisa, o animal para ser sacrificado outra, o altar outra, o fogo no altar outra, o incenso adicionado outra, cada um deles limitado e projetado para o seu final peculiar; para que a expiação não pudesse ser feita por nenhum deles, nem o sacrifício consistiria neles. Mas agora, neste sacrifício de Cristo, todos estes se encontram em um, por causa de sua perfeição. Ele próprio era sacerdote, sacrifício, altar e incenso, como veremos em nosso progresso; e ele aperfeiçoou todo o seu sacrifício de uma vez, e por sua morte e apresentação do sangue, como o apóstolo evidentemente, declara, capítulo 9:12, 14. Assim, por si mesmo, Cristo purificou nossos pecados, fazendo expiação por eles pelo sacrifício de si mesmo na sua morte, para que nunca sejam mais imputados aos que creem. E esta parte deste versículo nos proporcionará também esta observação distinta: - Tão grande foi o trabalho de libertar-nos do pecado, que não poderia ser efetuado senão pelo autossacrifício do Filho de Deus. O nosso apóstolo faz com que seu desígnio, em vários lugares, demonstre que nenhuma dessas coisas de onde a humanidade geralmente fazia ou poderia, com alguma esperança ou probabilidade, esperar alívio neste caso, lhes seria dado em qualquer coisa. O melhor que os gentios poderiam alcançar, tudo o que eles tinham que confiar, era apenas na melhoria da luz e da razão naturais, com um comparecimento a essas sementes e princípios do bem e do mal que ainda são deixados na natureza depravada do homem. Sob a conduta e em obediência a estes, buscaram descanso, glória e imortalidade. Quão miseravelmente eles ficaram desapontados com seus objetivos e expectativas, e que piora todos os seus esforços, o apóstolo declara e prova em Romanos 1:18, até o fim. Os judeus, que se beneficiariam das revelações divinas, tendo perdido, em sua maior parte, a verdadeira importação espiritual delas, procuraram os mesmos fins pela lei e sua própria observação diligente. Eles "descansaram na lei", Romanos 2:17, a saber, que por ele eles devem obter a libertação do pecado e aceitação com Deus; e "seguiu depois disso", capítulo 9:31; isto é, para alcançar justiça e salvação por ela. E isso parecia ser um fundamento e uma base suficientes para que eles pudessem construir; por terem perdido o entendimento espiritual, o uso e o fim da lei, como se renovaram para eles na aliança de Horebe, eles voltaram para o uso primitivo e o fim dela após a sua primeira entrega em inocência, e tanto mais ainda assim, que faria as mesmas coisas pelos pecadores que teria feito para os homens se não tivessem pecado em Adão; isto é, lhes concedendo aceitação com Deus aqui e na vida eterna a seguir. Portanto, o apóstolo em muitos lugares se esforça por corrigir seu erro e provar que Deus não tinha tal desígnio ao dar-lhes a lei como aquilo que eles lhe impunham. E, primeiro, ele afirma e prova em geral, que a lei frustraria as suas expectativas, de que "segundo as obras da lei, nenhuma carne deveria ser justificada", Romanos 3:20; e que não lhes daria vida, Gálatas 3:21, ou justiça. E para que eles não se queixem de que, então, o próprio Deus os havia enganado, ao dar uma lei que não serviria para o que havia sido dada, ele declara, em segundo lugar, que confundiram o fim para o qual a lei foi entregue para eles; que era, não para que pudesse dar-lhes a vida, ou a justiça, mas para que pudesse revelar o pecado, a obediência exata e, por ambos, impulsioná-los a cuidar de alguma outra coisa que os salvasse de seus pecados e lhes permitisse ter uma justiça para a salvação. Além disso, ele, em terceiro lugar, lhes recorda de onde foi que a lei se tornou insuficiente para esses fins; e isso foi, porque se tornou "fraca através da carne", Romanos 8: 3. A lei foi capaz de continuar nossa aceitação com Deus naquela condição em que, a princípio, fomos criados; mas, depois disso, o homem pelo pecado se tornou carne, - tendo um princípio de inimizade contra Deus nele, produzindo os frutos do pecado continuamente, - e a lei se afastou, tão enfraquecida e insuficiente para ajudar e salvá-lo. E são estas coisas que o apóstolo expressa e insiste cuidadosamente em suas epístolas aos Romanos e aos Gálatas. Mas, em terceiro lugar, embora a lei e um esforço sério para a sua observação em geral não sirvam para nos salvar de nossos pecados, ainda assim havia instituições especiais da lei que foram designadas para esse fim e propósito, como, nomeadamente, os sacrifícios em particular, que foram projetados para fazer expiação para a libertação dos pecadores e para obter a reconciliação com Deus. Nesses, os judeus principalmente descansaram e confiaram. E, de fato, esperar justiça e justificação pelos sacrifícios mosaicos, como eles fizeram, era muito mais racional do que esperá-los pelas obras da lei moral, como alguns agora fazem; porque todas as boas obras, tudo o que for exigido na lei, e até agora são obras da lei. Pois nos sacrifícios havia uma suposição de pecado, e uma aparência de compensação a ser feita, para que o pecador fosse livre; mas na lei moral não há nada além de uma justiça absoluta, universal e exata necessária ou admitida, sem a menor provisão de alívio para aqueles que se acham perdidos. Mas, no entanto, o nosso apóstolo declara e prova que nem estes estavam disponíveis para o fim pretendido, como veremos em geral nos capítulos nono e décimo da epístola aos Hebreus.


Leia também
Equação do Amor há 2 horas

Corre pra mim... Talvez eu ainda não saiba o que é o amor; Não tenha ...
a_j_cardiais Poesias 31


Qual é a Nossa Parte? há 10 horas

O conceito arminiano de que devemos fazer a nossa parte para que Deus pos...
kuryos Artigos 5


"Lagrimas" há 13 horas

Um silêncio triste e profundo Uma lágrima caiu Na tarde fria, e escura ...
joaodasneves Poesias 6


Realidade, Deixe-me Sonhar há 13 horas

Ah, realidade, realidade... Você não respeita minha privacidade. Vo...
a_j_cardiais Poesias 36


"és nada" há 18 horas

Como me pude apaixonar De um alguém como tu Passado pouco tempo pude con...
joaodasneves Pensamentos 9


"Ela mora" há 18 horas

A minha unica paixão é a solidão, ela vive na minha casa, e mora bem ...
joaodasneves Pensamentos 10