John Owen - Hebreus 1 – Versos 6 e 7 – P1

25 de Abril de 2018 Silvio Dutra Artigos 57


John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

“6 E, novamente, ao introduzir o Primogênito no mundo, diz: E todos os anjos de Deus o adorem.
7 Ainda, quanto aos anjos, diz: Aquele que a seus anjos faz ventos, e a seus ministros, labareda de fogo;” (Hebreus 1.6,7)
Este é o segundo argumento usado pelo apóstolo para confirmar sua afirmação da preferência do Filho acima dos anjos, e é retirado do comando de Deus dado a eles para adorá-lo; pois sem controvérsia, aquele que deve ser adorado é maior do que aqueles cujo dever é adorá-lo. Nas palavras que devemos considerar: 1. O prefácio do apóstolo; 2. Sua prova. E por último, devemos pesar, - (1.) O sentido disso; (2.) A adequação dele para o presente propósito. Seu prefácio, ou a maneira de produzir esse segundo depoimento, é o seguinte: "E, novamente, ao introduzir o Primogênito no mundo, diz:" Quais palavras foram expostas a uma variedade de interpretações. Não é claro em que sentido Cristo é chamado de "tokov", o primogênito. Devemos também perguntar o que é a introdução do primogênito aqui pretendida, como e quando executada; como também o que é o mundo em que ele foi introduzido. As dificuldades em relação a tudo o que deve ser considerado separadamente. 1. Palin, "novamente", pode se juntar com eijsagagh e, em seguida, o sentido das palavras deve ser executado como acima indicado, ou seja, "Quando ele trouxe de novo o primogênito para o mundo". E é evidente que a maioria dos expositores, tanto antigos quanto modernos, adotam esse sentido. Assim como Crisóstomo, Theodoret, Ambrósio (Ecumenius, Thomas, Lyra, Cajetan, Ribera, Cameron, Gomarus, Estius, Lapide, Mede, com muitos outros). Mas sobre o que isso traz de novo, ou o segundo introduzindo o primogênito refere-se à sua encarnação, afirmando, com bastante clareza, que ele foi trazido antes para o mundo, quando todas as coisas foram feitas por ele. 2. Outros referem-se à ressurreição, que foi como se fosse uma segunda chegada de Cristo para o mundo, como Davi foi trazido para o seu reino novamente depois de ter sido expulso pela conspiração e rebelião de Absalão. 3. Outros referem-se à sua saída na efetiva pregação do evangelho após sua ascensão, pelo qual ele foi trazido de outra maneira e com outro poder além daquele em que ele apareceu nos dias da sua carne. 4. Alguns supõem que o reino pessoal de Cristo na Terra por mil anos com os seus santos se destina nestas palavras, quando Deus o reencontrará com glória no mundo. 5. Outros de novo, e eles mais, atribuem a realização do que aqui é afirmado ao julgamento geral e à segunda vinda de Cristo na glória do Pai, com todos os santos anjos que o acompanham, para julgar os vivos e os mortos. 6. Alguns dos socinianos os encaminham para a ascensão triunfante de Cristo ao céu após a sua ressurreição, tendo, como eles afirmaram, uma vez antes, foi inscrito na mente e na vontade de Deus. Agora, todas essas afirmações sobre a entrada de Cristo no mundo têm uma verdade nelas, se absolutamente consideradas; mas se alguma delas esteja aqui destinada pelo apóstolo, devemos indagar por um exame do fundamento comum que todos os autores prosseguem, com as razões dadas para sua confirmação. Agora, isso é o que observamos antes, ou seja, que na construção das palavras, palin, "novamente", é para se juntar com eisagagh, "introduzir”, e assim ser processado: "Quando ele trouxe de novo" (ou "uma segunda vez") "o primogênito", que deve apontar para uma segunda vinda de Cristo, de um tipo ou outro. - (1.) A maioria das traduções antigas reconhecem esta transposição das palavras. Então, o siríaco, lendo assim: "E novamente, quando ele entra", então o latim vulgar; e o árabe, omitindo o termo "novamente", como não projetando nada novo, mas simplesmente denotando um novo testemunho. E são seguidos por Valla, Erasmus, Beza e os melhores tradutores modernos. (2.) Tais trajetos não são incomuns, e que neste lugar tem uma elegância peculiar; porque a palavra palin, "novamente", sendo usada na cabeça do testemunho que precede, essa transposição aumenta a elegância das palavras; e que houve uma causa para isso, veremos depois. (3.) O apóstolo tendo imediatamente usado a palavra palin, "novamente", como sua nota de produzir um segundo testemunho, e colocá-lo aqui na entrada de um terceiro, deve ser usado de forma equivocada, se a trajetória proposta não for permitida. 2. Eles negam que os anjos adoraram Cristo na primeira vinda ao mundo, isto é, que eles são gravados para ter feito; e, portanto, deve ser sua segunda vinda a que se destina, quando ele virá em glória, com todos os seus santos anjos abertamente adorando-o e executando seus comandos. Esta razão é especialmente adequada para a quinta opinião antes mencionada, referindo as palavras à Vinda de Cristo no dia geral do julgamento, e é inutilizável para qualquer um dos demais. Mas ainda assim, isso não é satisfatório; porque a questão é, não se seja registrado em qualquer lugar que os anjos adorassem Cristo em sua primeira entrada no mundo, mas se o Senhor Jesus Cristo, em sua encarnação, não foi colocado naquela condição em que era o dever de todos os anjos de Deus para adorá-lo. Agora, sendo pelo menos interpretativamente um comando de Deus, e os anjos expressamente sempre fazendo a sua vontade, a coisa em si é certa, embora não seja registrada nenhuma instância particular. Além disso, a participação dos anjos em seu nascimento, a proclamação de sua natividade e a celebração da glória de Deus nessa conta, parecem ter sido um desempenho desse dever pelo qual eles receberam o comando. E isso é permitido por aqueles dos antigos que supõem que a segunda introdução de Cristo ao mundo foi sobre a sua natividade. 3. Eles dizem que esta introdução do primogênito no mundo denota uma apresentação gloriosa dele em seu domínio e gozo de sua herança. Mas (1.) Isso prova não que as palavras devem respeitar a vinda de Cristo até julgamento, para o qual se insiste nesta razão; porque ele certamente foi proclamado com poder para ser o Filho, o Senhor e o Herdeiro de tudo, sobre a sua ressurreição, e pela primeira pregação do evangelho E, (2). Nem tal coisa, de fato, pode deduzir-se com razão das palavras. A expressão não significa mais que uma introdução ao mundo, uma verdadeira entrada, sem qualquer indicação do caminho ou da maneira dela. 4. É argumentado em favor da mesma opinião, a partir do salmo de onde essas palavras são tomadas, que é um reinado glorioso de Cristo e sua vinda ao juízo que são estabelecidos nele, e não a sua vinda e morada no estado de humilhação. E, por isso, Cameron afirma, provar indubitavelmente que é a vinda de Cristo ao julgamento que se pretende. Mas a verdade é que a consideração do escopo do salmo rejeita bastante a opinião que se busca manter por ela; porque (1) Versículo 1, segundo o reinado do Senhor, os judeus e os gentios, a terra e a multidão das ilhas, são chamados a se alegrar nele; isto é, a receber, deleitar-se e se alegrar na salvação trazida pelo Senhor Jesus Cristo para a humanidade, que não é a obra do último dia. (2.) Os idólatras são dissuadidos de sua idolatria e exortados a adorá-lo, versículo 7, - um dever que lhes incumbe antes do dia do julgamento. (3.) A igreja é exortada por seu reinado a abster-se do pecado e é prometida libertação dos ímpios e opressores. Todas as coisas, como são inadequadas para a sua vinda no dia do juízo, para que eles expressamente pertençam à criação de seu reino neste mundo. E, por este meio, parece que essa opinião que reivindica uma segunda vinda de Cristo ao mundo a ser pretendida nessas palavras, é inconsistente com o alcance do lugar de onde o testemunho é tomado e, consequentemente, do desígnio do próprio apóstolo. As outras conjecturas mencionadas serão facilmente removidas do caminho. Àqueles dos antigos, atribuindo esta introdução de Cristo ao mundo à sua encarnação, dizemos que é verdade; mas então, isso foi o primeiro a entrar, e sendo suposto ser destinado a este lugar, as palavras não podem ser feitas de outra forma, mas que palin, "novamente", deve ser estimado apenas uma indicação da citação de um novo testemunho. Nem a ressurreição do Senhor Jesus Cristo pode ser atribuída como a ocasião da realização desta palavra, que não foi, de fato, para introduzi-lo no mundo, mas sim uma entrada em sua saída dele; nem ele na sua morte deixou o mundo completamente, pois, embora sua alma estivesse separada de seu corpo, seu corpo não estava separado de sua pessoa, e ali continuou na terra. A vinda de Cristo para reinar aqui na Terra, mil anos é, se não uma opinião sem fundamento, ainda tão duvidoso e incerto como para não ser admitido um lugar na analogia da fé para regular nossa interpretação da Escritura em lugares que possam admitir de alguma maneira outra aplicação. O produto dos Socinianos, que o Senhor Jesus Cristo, durante o tempo de seus quarenta dias de jejum, foi levado para o céu, - o que eles colocaram como fundamento para a interpretação deste lugar -, em outros lugares eu mostrei ser irracional, antibíblico, mahometano e depreciativo para a honra de nossa Senhor Jesus, como ele é o eterno Filho de Deus. A partir do que foi falado, é evidente que a interpretação proposta pode ser permitida, como é na maioria das traduções antigas e modernas. E, ao que já foi dito, só acrescentarei que essa intenção nas palavras que foi analisada estaria tão longe de promover o desígnio do apóstolo, que o enfraqueceria demais e o prejudicaria; pois o assunto que ele tinha em mãos era provar a preeminência do Senhor Jesus Cristo acima dos anjos, não absolutamente, mas como ele era o revelador do evangelho; e se não fosse assim, e provou ser assim por este testemunho, enquanto ele estava empregado naquele trabalho no mundo, não é nada para o propósito dele. Tendo esclarecido essa dificuldade e mostrado que nenhuma segunda vinda de Cristo se destina nesta palavra, mas apenas um novo testemunho com o mesmo propósito com os anteriores produzidos, a intenção do apóstolo em sua expressão pode ser mais aberta, considerando o que esse mundo é em que o Pai trouxe o Filho, com como e quando ele fez isso.
Por Oijkoumenh, "o mundo", ou "terra habitável", com os que nele habitam, e nada mais se destina; pois, como a palavra não tem outra significação, então o salmista no lugar de onde o testemunho subsequente é tirado expõe-no por "a multidão de ilhas", ou as nações que se encontram no exterior. Este é o mundo concebido, aquela terra em que as criaturas racionais de Deus conversam aqui embaixo. A este foi o Senhor Jesus Cristo trazido pelo Pai. Já vimos anteriormente que alguns atribuíram isso a uma coisa em particular, alguns a outras; alguns para sua encarnação e natividade, alguns para sua ressurreição, alguns para sua missão do Espírito e propagação de seu reino que se seguiram. A opinião sobre sua vinda para reinar no mundo há mil anos, como também a de sua chegada ao julgamento geral, já excluímos. Dos outros, sou capaz de pensar que não é a ninguém em particular, exclusivo dos outros, que o apóstolo se refere ou designa. O que foi pretendido no Antigo Testamento nas promessas de sua chegada ao mundo, é o que aqui é expresso pela frase de introduzi-lo no mundo. Veja Malaquias 3: 1,2, "Eis que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; de repente, virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais, o Anjo da Aliança, a quem vós desejais; eis que ele vem, diz o SENHOR dos Exércitos. Mas quem poderá suportar o dia da sua vinda? E quem poderá subsistir quando ele aparecer? Porque ele é como o fogo do ourives e como a potassa dos lavandeiros." Agora, não era um ato especial, nem um dia específico que fosse projetado com aquela e promessas semelhantes; mas foi toda a obra de Deus em trazer o Messias, por sua concepção, natividade, unção com o Espírito, ressurreição, envio do Espírito Santo e pregação do evangelho, que é o sujeito dessas promessas. E sua realização é o que essas palavras expressam: "Quando ele trouxe o primogênito para o mundo", isto é, depois de ter mantido sua igreja, sob a administração do direito proferido por anjos na mão de Moisés, o mediador, na expectativa da vinda do Messias, quando ele o trouxe e o investe em sua obra para o cumprimento dela, ele diz: "Que todos os anjos de Deus o adorem". E aqui a maioria dos primeiros sentidos são compreendidos. E esta interpretação das palavras responde completamente à intenção do apóstolo na citação do testemunho que se segue, a saber, provar que, na execução de sua obra de revelar a vontade de Deus, ele era um com ele tal como, por razão da dignidade de sua pessoa, teve todos os cultos e honras religiosas que lhe são devidos pelos próprios anjos. Também este sentido é conduzido pelo salmo de onde o testemunho subsequente é tomado, Salmo 92. A exultação que o primeiro verso do salmo requer e chama pois não é diferente do que era, em nome de toda a criação, expressado em sua natividade, Lucas 2:14. E os quatro versículos seguintes são uma descrição alegórica da obra que o Senhor Jesus Cristo deve realizar e pela pregação do evangelho. Veja Malaquias 3: 1-4, 4: 1; Mateus 3:12; Lucas 2:17. E aí resulta a vergonha e a ruína que foi trazida sobre ídolos e idólatras, versículo 7; e a alegria de toda a igreja na presença de Cristo, versículo 8; participou do seu reino glorioso no céu, como consequência da realização de sua obra, versículo 9; que é proposto como motivo para a obediência, e uma questão de confiança e alegria para a igreja. E esta é a introdução do Filho no e para o mundo, descrita pelo salmista e pretendida pelo apóstolo. Permanece que perguntamos por que e em que sentido Cristo é chamado aqui de "tokov", "primogenitus" ou "o primeiro-nascido". A resposta comum é: "Não que nascesse depois dele" (da mesma forma), "mas que ninguém nasceu antes dele"; como já mostramos antes, concordaremos o bastante com o uso da palavra. E isso é aplicado tanto à geração eterna de sua pessoa divina como à concepção e natividade de sua natureza humana. Mas se supuséssemos que é à sua pessoa e geração eterna que se destinam, e com monogenhv, ou "unigênito", o que pode não ser permitido: porque Cristo é absolutamente chamado de "unigênito do Pai" em sua geração eterna, - sua essência sendo infinita, assumiu toda a natureza de filiação divina, de modo que é impossível que, com respeito a isso, haja mais filhos de Deus, - mas prktotokov, ou "primogênito", é usado em relação aos outros; e, no entanto, como mostrei antes, não exige que aquele que seja assim deve ter outros irmãos no mesmo tipo de filiação. Mas porque isto é por alguns afirmado, a saber, que Cristo tem muitos irmãos no mesmo tipo de filiação, por meio do qual Ele é o Filho de Deus, e é por isso chamado de primogênito (que é uma afirmação muito depreciativa para a sua glória e honra), em nossa passagem, removi-a, como obstáculo, fora do caminho. Mas essas coisas não concordam nem com a verdade, nem com o desígnio do apóstolo neste lugar, nem com os princípios de quem elas são afirmadas. É reconhecido que Deus tem outros filhos além de Jesus Cristo, e que, com respeito a ele; porque nele somos adotados, o único caminho pelo qual qualquer um pode atingir o privilégio da filiação; mas que somos filhos de Deus com ou com o mesmo tipo de filiação com Jesus Cristo, é: 1. Falso. porque: - (1.) Cristo em sua filiação é por monogênese, o Filho de Deus "unigênito"; e, portanto, é impossível que Deus tenha mais filhos com o mesmo tipo com ele; pois, se ele tivesse, certamente o Senhor Jesus Cristo não poderia ser seu Filho "unigênito". (2.) O único meio de filiação, o único tipo de filiação, que os crentes compartilham é o da adoção; em qualquer outro tipo de filiação, eles não são participantes. Agora, se Cristo é o Filho de Deus neste tipo, ele deve, necessariamente antes da sua adoção, ser um membro de outra família, isto é, da família de Satanás e do mundo, como somos por natureza, e é daí que somos transplantados por adoção para a família de Deus; o que é blasfêmia para imaginar. Para que os crentes não possam ser filhos de Deus com esse tipo de filiação que é próprio de Cristo, ele é o unigênito do Pai; nem o Senhor Jesus Cristo pode ser o Filho de Deus com o mesmo tipo de filiação que os crentes são, que é apenas por adoção e sua transposição de uma família para outra. Para que seja para exaltar os crentes no mesmo tipo de filiação com Cristo, ou para detê-lo no mesmo grau com eles, é totalmente inconsistente com a analogia da fé e os princípios do evangelho. (3.) Se assim fosse, o Senhor Jesus Cristo e os crentes são filhos de Deus pelo mesmo tipo de filiação, apenas diferentes em graus (que também são imaginários, pois a razão formal do mesmo tipo de filiação não é capaz de variação por graus), qual é o grande assunto na condescendência mencionada pelo apóstolo, capítulo 2:11, de que "ele não se envergonha de chamá-los de irmãos", que ainda compara com a condescendência de Deus ao ser chamado de Deus, capítulo 11:16? 2. Esta presunção, como é falsa, é contrária ao desígnio do apóstolo; pois, afirmar que o Messias é o Filho de Deus do mesmo modo que os homens, não tende a prová-lo mais do que os anjos. 3. É contrário a outros princípios declarados dos autores desta afirmação. Em outro lugar afirmaram que o Senhor Jesus Cristo era o Filho de Deus em muitas contas; como primeiro e principalmente, porque ele foi concebido e nascido de uma virgem pelo poder de Deus; Agora, com certeza, todos os crentes não são participantes com ele neste tipo de filiação. Novamente, eles dizem que ele é o Filho de Deus porque Deus o ressuscitou dentre os mortos, para confirmar a doutrina que ensinou; o que não é assim com os crentes. Eles também dizem que ele é o Filho de Deus, e assim chamado, por conta de estar sentado à direita de Deus; que não é menos o privilégio peculiar do que o anterior. Para que esta seja apenas uma tentativa infeliz de aproveitar uma palavra para uma vantagem, que não produz nada na questão, senão problemas e perplexidade. Ou o Senhor Jesus Cristo (que é afirmado no último lugar) seja chamado de Filho de Deus e o primogênito, porque nele estava a santidade necessária na nova aliança; para ambos, todos os crentes sob o Antigo Testamento tinham essa santidade e semelhança a Deus em seus graus, e que a santidade consiste principalmente na regeneração, ou nascer de novo pela Palavra e pelo Espírito de um estado corrompido de morte e pecado, do qual o Senhor Jesus Cristo não era capaz. Sim, a verdade é que a santidade e a imagem de Deus em Cristo foram, no seu meio, o que era requerido segundo a primeira aliança, uma santidade de perfeita inocência e perfeita justiça em obediência. Para que esta última invenção não tenha mais sucesso do que a anterior. Parece, então, que o Senhor Jesus Cristo não é chamado de "o primogênito", ou o "primogênito", com qualquer respeito aos outros, como deveria incluí-lo e eles no mesmo tipo de filiação. Para dar, portanto, um relato direto desta denominação de Cristo, podemos observar que, de fato, o Senhor Jesus Cristo nunca é absolutamente chamado de "primogênito" ou "primogênito" com respeito quer à sua geração eterna ou concepção e natividade de sua natureza humana. Em relação ao primeiro, ele é chamado de "Filho" e "Filho unigênito de Deus", mas em lugar algum "primogênito" ou "primogênito" e, no que diz respeito ao último, ele mesmo é chamado de "filho primogênito" da virgem, porque ela não tinha nenhum antes dele, mas não absolutamente "o primogênito" ou "primeiro-gerado", cujo título está aqui e em outro lugar atribuído a ele na Escritura. Não é, portanto, o próprio ser de ser o primogênito, mas a dignidade e o privilégio que o assistiram, que são projetados nesta denominação. Então, Colossenses 1:15, diz que era o primeiro nascido da criação, que não é mais, senão que ele tem poder e autoridade sobre todas as criaturas de Deus. A palavra que o apóstolo pretende expressar é a palavra hebraica bekore, que muitas vezes é usada no sentido agora defendido, ou seja, para denotar não o nascimento em primeiro lugar, mas o privilégio que pertence a isso. Então, o Salmo 89:27, diz que Deus fez de Davi seu bekore, seu "primogênito", que é exposto nas seguintes palavras: "Fá-lo-ei, por isso, meu primogênito, o mais elevado entre os reis da terra." Para que o Senhor Jesus Cristo sendo o primogênito seja o mesmo em que insistimos, de ser herdeiro de tudo, que era o privilégio do primogênito; e esse privilégio às vezes era transmitido a outros que não eram os primogênitos, embora o curso natural de sua natividade não pudesse ser mudado, Gênesis 21:10, 49: 3, 4, 8. O Senhor Jesus Cristo, então, com a nomeação do Pai, sendo-lhe confiada toda a herança do céu e da terra, e a autoridade para dispor dela, para que ele dê porções a todo o resto da família de Deus, é e é chamado de "primogênito". Continua agora, senão uma palavra a mais para ser considerada para a abertura desta introdução do testemunho que se seguiu, e isso é "legei", “ele diz”, isto é, o próprio Deus diz. São as suas palavras que serão produzidas. Qualquer coisa que seja dita na Escritura em seu nome, é o seu falar; e ele continua a falar até hoje. Ele fala na Escritura até o fim do mundo. Este é o fundamento da nossa fé, daquilo que ela se origina e daquilo que é resolvido: "Deus diz", e suponho que não precisamos interposição de igreja ou tradição para dar autoridade ou crédito ao que ele diz ou fala. Esta é, portanto, a soma dessas palavras do apóstolo: "Mais uma vez, em outro lugar, onde o Espírito Santo prega a criação do mundo e entre os homens, o Senhor e o Herdeiro de todos, para empreender sua obra, e para entrar em seu reino e glória, o Senhor fala com este propósito, que todos os anjos de Deus o adorem." Para manifestar este testemunho para ser apropriado para a confirmação da afirmação do apóstolo, são necessárias três coisas: 1. É o Filho que se destina e falou no lugar de onde as palavras são tomadas, e assim descritas como a pessoa a ser adorada. 2. Que são anjos os que são falados e comandados a adorá-lo. 3. Que, nessas suposições, as palavras demonstram a preeminência de Cristo acima dos anjos. Para os dois anteriores, com aqueles que reconhecem a autoridade divina desta epístola, basta em geral, dar-lhes satisfação, observar que o lugar é aplicado a Cristo, e esta passagem aos anjos ministradores, pelo mesmo Espírito que escreveu pela primeira vez aquela Escritura.


Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 21


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 13


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 11


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 14


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 12


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 11