John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

Um rio continuamente alimentado por uma fonte viva poderia tão logo terminar seus fluxos antes de chegar ao oceano, como uma parada poderia ser colocada no curso e no progresso da graça antes que ela terminasse em glória. Pois "a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito.", Prov 4.18. Assim também o caminho deles é como a luz da manhã, na maneira pela qual eles são conduzidos pelo Espírito Santo: uma vez que apareça, mesmo que às vezes seja obscurecido, não falhará até que chegue à sua perfeição. E assim como a sabedoria, a paciência, a fidelidade e o poder exercidos pelo Espírito Santo de Deus são inexprimíveis, são constantemente admirados por todos os que têm interesse neles, conforme descrito pelo salmista, no Sl 66.8-9; 31.19.
Quem está lá que fez qualquer observação diligente de seu próprio coração e caminhos, e quais foram as obras da graça de Deus e em relação a ele para trazê-lo à estatura e medida a que ele chegou, isso não é para admirar o cuidado atento e as poderosas obras do Espírito de Deus nisto? Se o princípio de nossa santidade é fraco e enfermo em nós, isto todavia, está em nós, e não no Espírito Santo.
Em alguns, o crescimento é tão pequeno, é muitas vezes imperceptível para eles. O Espírito preserva e valoriza mesmo isso, de modo que não seja dominado pelas corrupções e tentações. Entre todas as gloriosas obras de Deus, ao lado da redenção de Jesus Cristo, minha alma mais admira isso sobre o Espírito: Sua preservação da semente e princípio da santidade em nós, como uma centelha de fogo vivo no meio do oceano, contra todas as corrupções e tentações com as quais é impugnada. Muitas brechas são feitas em nosso curso de obediência pela incursão dos pecados reais; o Espírito cura e conserta as mesmas, curando nossas apostasias e consertando nossas decadências. E ele move a graça que é recebida por novos suprimentos constantes. Aquele que não observa diligentemente os caminhos e meios pelos quais a graça é preservada e promovida, falta-lhe muito do conforto e alegria de uma vida espiritual; e não é uma pequena parte do nosso pecado e insensatez quando somos negligentes nisso. Sem dúvida, todos os crentes estão convencidos disso em alguma medida, não apenas dos testemunhos dados na Escritura, mas também de sua própria experiência. Não há nada de que eles possam mais distintamente aprender do que a natureza e o curso de suas orações, com o funcionamento de seus corações, mentes e afeições nelas. Deixe as pessoas profanas ridicularizá-lo o quanto elas queiram, é o Espírito de Deus, como um Espírito de graça, que permite aos crentes orar e fazer intercessão de acordo com a mente de Deus. E nisto, porque ele é o Espírito de súplicas, ele expressa o que ele trabalha neles como o Espírito de santificação. Ensinando-nos a orar, ele nos ensina o que e como ele trabalha em nós; e se considerarmos com sabedoria que ele trabalha em nossos corações pela oração, podemos entender muito de sua ação em nossos corações pela graça. Diz-se que "aquele que busca os corações" (isto é, o próprio Deus) "conhece a mente do Espírito", nas intercessões que faz em nós, Rom 8.27. Existem operações secretas e poderosas do Espírito em oração que são discerníveis apenas para o grande Buscador de corações.
Mas, devemos também inquirir e observar, tanto quanto possamos, ao que ele nos guia e orienta - que é claramente o seu trabalho em nós. Não creio que o Espírito faça súplicas em nós por uma revelação imediata, sobrenatural e divina, como inspirou os profetas da antiguidade; eles frequentemente não entendiam as coisas que eles diziam, mas investigavam diligentemente sobre elas depois. Mas eu digo (deixe o orgulhoso mundo carnal desprezá-lo o quanto eles queiram, e por sua conta e risco) que o Espírito de Deus, nas orações dos crentes, graciosamente move suas almas e mentes em desejos e pedidos que, a respeito de seu assunto, estão muito acima de suas invenções naturais. Aquele que não experimentou isso, é um estranho maior a essas coisas do que, por fim, será a seu favor. Por uma observância diligente disso, podemos saber de que tipo e natureza é a obra do Espírito Santo que está em nós e como ela é levada adiante.
Como, em geral, o Espírito Santo nos ensina e nos capacita a orar? É por estas três coisas:
1. Ao nos dar uma visão espiritual das promessas de Deus e da graça da aliança, pela qual sabemos o que pedir de uma visão espiritual da misericórdia e graça que Deus preparou para nós. Ao nos familiarizar e nos dar uma experiência de nossos desejos, com um profundo senso deles, de tal forma que não podemos suportá-lo sem alívio. Criando e estimulando desejos na nova criatura para sua própria preservação, aumento e melhoria. E correspondendo a essas coisas, consiste toda a obra de santificação do Espírito em nós; pois é sua comunicação eficaz para nós da graça e misericórdia preparada nas promessas da aliança, através de Jesus Cristo. Por meio disso, ele fornece nossos desejos espirituais e coloca a nova criatura em vida e vigor. Portanto, nossas orações são um extrato e uma cópia da obra do Espírito Santo em nós, dada a nós pelo próprio Espírito. E, portanto, por quem ele é desprezado como um Espírito de súplica, ele é desprezado como um Espírito de santificação também.
Agora, considere, o que é que você mais trabalha em suas orações? Não é que a carne, o poder, todo o interesse do pecado em você possa ser enfraquecido, subjugado e finalmente destruído? Não é que todas as graças do Espírito sejam renovadas, aumentadas e fortalecidas diariamente, para que você esteja mais preparado para todos os deveres de obediência? E o que é tudo isto senão, para que a santidade possa ser gradualmente progressiva em suas almas, para que possa ser realizada por novos suprimentos e acréscimos de graça, até que chegue à perfeição?
Será dito por alguns, talvez, que por sua melhor observação, eles não encontram em si mesmos ou em outros, que a obra da santificação é constantemente progressiva, ou que a santidade cresce e prospera deste modo onde quer que seja encontrada na sinceridade. Por si mesmos, eles encontraram graça mais vigorosa, ativa e florescente em seus dias anteriores do que recentemente; suas correntes eram mais frescas e mais fortes na fonte de sua conversão do que desde que encontraram seu curso. Daí vêm essas queixas entre muitas pessoas sobre sua magreza, sua fraqueza, sua morte, sua esterilidade. Tampouco muitos dos santos nas Escrituras estavam sem essas queixas. E muitos podem clamar: "Ah, se fosse o mesmo que em nossos dias passados, nos dias de nossa juventude!" Reclamações desta natureza abundam em todos os lugares. Alguns estão prontos a concluir disto, que ou a santidade sincera não é tão crescente e progressiva como pretendida, ou que de fato não têm interesse nela. O mesmo pode ser dito por uma observação diligente de outros, tanto igrejas quanto professantes individualmente. Que evidência eles dão que o trabalho de santidade está prosperando neles? A graça não aparece e em vez disso, está retrogradando e em constante decadência? Vou considerar e remover essa objeção, tanto quanto for necessário, de modo que a verdade que afirmamos não sofra com isso e fiquemos com uma teoria vazia; e também que aqueles que não cumprem plenamente a santidade não sejam totalmente desencorajados. Farei isso nas regras e observações que se seguem.
1. Uma coisa é considerar que graça ou santidade é adequada em sua própria natureza, e qual é o modo comum ou regular de proceder do Espírito na obra de santificação, de acordo com o teor do pacto da graça. Outra coisa é considerar o que ocasionalmente pode cair por indisposição e irregularidade, ou por qualquer outra obstrução à interposição naquelas pessoas nas quais o trabalho é realizado. Sob a primeira consideração, o trabalho é próspero e progressivo; na segunda, a regra está sujeita a várias exceções. Uma criança que tenha um princípio de vida, uma boa constituição natural e comida adequada, crescerá e prosperará; mas se aquela criança tem obstruções internas, ou enfermidades e distúrbios, ou quedas e contusões, pode ser fraca e enferma. Quando somos regenerados, somos como recém-nascidos e, ordinariamente, se temos o leite genuíno da Palavra, nós cresceremos com isso. Mas se dermos lugar a tentações, corrupções, negligências ou conformidade com o mundo, será de admirar se estivermos sem vida e enfraquecidos? É suficiente para confirmar a verdade do que afirmamos, que todos aqueles em quem há um princípio de vida espiritual, que é nascido de Deus, e em quem a obra de santificação começou - se não for gradualmente realizada nele, se ele não prospera em graça e santidade, se não for de força em força - normalmente, é por causa de sua própria negligência pecaminosa e pela condescendência com as concupiscências carnais, ou por seu amor ao presente mundo.
Considerando o tempo que tivemos e os meios de que desfrutamos, o que crescemos, que florescentes plantas muitos de nós poderíamos ter sido - em fé, amor, pureza, abnegação e conformidade universal com Cristo - que agora são fracos, murchando, infrutífero e sem leite, e dificilmente distinguido dos dos espinhos do mundo! É hora de nos livrarmos de todo peso e do pecado que tão facilmente nos assedia, Hebreus 12.1, para nos estimularmos, por todos os meios, a uma recuperação vigorosa de nossa primeira fé e amor, com um abundante crescimento neles, em vez de queixarmos que a obra da santidade não continua. E devemos fazer isso antes que nossas feridas se tornem incuráveis.
Uma coisa é ter santidade realmente prosperando em qualquer alma; e é outra para essa alma conhecê-la e ficar satisfeita com ela; estas duas coisas podem ser separadas. Há muitas razões para isto. Mas antes de nomeá-los, devo pressupor uma observação necessária - Esta regra é proposta para o alívio daqueles que estão perplexos sobre sua própria condição, e não sabem se a santidade está prosperando neles ou não; ou para aqueles que não se preocupam com isso, que podem, em algum momento, se quiserem, relatar como essas questões estão indo com eles e com que fundamento.
Pois se os homens satisfazem qualquer desejo predominante; se eles vivem em negligência de qualquer dever conhecido ou na prática de qualquer forma de engano; se eles permitirem que o mundo devore o melhor aumento de suas almas; se eles permitem que a formalidade coma o espírito, o vigor e a vida dos deveres sagrados; ou se qualquer um deles persistir de maneira notável - não tenho nada a oferecer-lhes para manifestar que a santidade pode prosperar neles, embora eles não a discirnam; pois, sem dúvida, isso não acontece. Nem eles devem ter esperança senão isto: que enquanto eles permanecerem em tal condição, a santidade irá decair mais e mais. Tais homens devem ser despertados violentamente, como homens caindo em uma letargia letal, para serem arrebatados como tições tirados do fogo, Zacarias 3.2, para serem avisados para recuperar sua primeira fé e amor, para se arrependerem e fazerem suas primeiras obras, Apocalipse 2.4-5 para que o seu fim não seja trevas e tristeza para todo o sempre.
“4 Tenho, porém, contra ti que abandonaste o teu primeiro amor.
5 Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras; e, se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas.” (Apocalipse 2.4,5).
Mas, quanto àqueles que caminham com Deus com humildade e sinceridade, pode haver várias razões pelas quais a santidade pode estar prosperando neles, e ainda assim eles não a discernem. Portanto, embora a santidade seja trabalhada dentro de nós mesmos, e somente lá, ainda pode haver épocas nas quais crentes sinceros e humildes possam ser obrigados a crer que há um aumento e crescimento da santidade neles, quando eles não a percebem de tal maneira para estar ciente disso; porque –
(1.) Por ser o assunto de tantas promessas do evangelho, é um objeto apropriado de nossa fé, ou algo que deve ser acreditado. As promessas são as explicações de Deus sobre a graça da aliança, tanto em relação à natureza quanto à maneira de operar. E estas promessas não abundam em nada mais do que nisto: que aqueles que participam da graça irão prosperar e crescer por ela.
Em seguida, serão declaradas as limitações com que essas promessas são limitadas e o que é exigido de nossa parte para que possamos tê-las cumpridas em relação a nós. Mas sua realização depende da fidelidade de Deus e não de nosso senso dela. Assim, quando não colocamos uma obstrução abertamente contra ela, como no caso mencionado acima, podemos, e devemos acreditar que elas estão cumpridas em relação a nós, mesmo que não estejamos continuamente conscientes disso. E,
(2.) É nosso dever crescer e prosperar em santidade; e devemos acreditar que Deus nos ajudará naquilo que ele requer de nós; e ele faz isso, qualquer que seja nosso sentido presente e apreensão dele.
Por estas razões, na minha opinião, aquele que pode acreditar no crescimento da santidade em si mesmo, ainda que ele não tenha nenhuma experiência sensata, está em uma condição tão boa e talvez mais segura do que aquele que, através do funcionamento vigoroso da espiritualidade e afetos, está mais ciente disso. Pois é certo que tal pessoa, por qualquer negligência intencional ou indulgência de qualquer pecado, obstrui o crescimento da santidade - pois aquele que a obstrui não pode acreditar que a santidade viceja nele ou que é levada adiante, quaisquer que sejam talvez suas presunções; - e assim a vida de fé, da qual esta santidade faz parte, é em todos os sentidos uma vida segura. Além disso, tal pessoa não corre o risco de uma satisfação vaidosa mental e descuido por causa disso, como outros podem ser. Pois quando vivemos pela fé, e de modo algum pelos sentidos, 2 Cor 5.7 seremos humildes e temeremos sempre. Não encontrando em si a evidência do que ele mais deseja, um crente será continuamente cuidadoso para não afastá-lo dele. Mas as razões para essa dificuldade são:
[1]. O trabalho em si, como declarado antes, é secreto e misterioso. E, portanto, existe em alguns (espero em muitos), a realidade e a essência da santidade, que ainda não encontram nada disso em si mesmos, nem talvez em mais ninguém, mas somente em Jesus Cristo; aqueles que têm uma compreensão viva do temor do Senhor. E assim a santidade pode, da mesma maneira secreta, prosperar em seus graus naqueles que ainda não a percebem.
Não há nada em todo o nosso curso que devamos estar mais despertos do que a uma observação diligente do progresso e da decadência da graça. Pois, assim como o conhecimento deles tem a mesma importância para nós do que nossos deveres e consolações, eles são difíceis de discernir; nem serão tão verdadeiramente para nosso bem e vantagem sem nossa maior diligência e sabedoria espiritual em observá-los. Portanto, como observamos antes, é frequentemente comparado na Escritura ao crescimento de plantas e árvores (Oseias 14: 5-6, Isa 44.3-4).
Agora, sabemos que naqueles que são mais prósperos e florescentes, embora possamos perceber que são cultivados, não podemos discernir o seu crescimento. E assim o apóstolo nos diz que, como o homem exterior perece, assim o homem interior é renovado dia a dia, 2 Cor 4.16. O homem exterior perece pelas mesmas decadências naturais pelas quais tende continuamente à morte e à dissolução; e muitos de nós sabemos como esses decaimentos insensíveis dificilmente são discernidos, a menos que alguma doença grande e violenta nos assole. Sabemos que somos enfraquecidos pela idade e enfermidades, em vez de perceber quando ou como isso acontece. É assim também que o homem interior é renovado na graça. É por meios secretos e meios que o seu crescimento e decadência são dificilmente apreendidos. E, no entanto, alguém que é negligente nessa indagação, que anda indeciso com Deus, não sabe onde está ao longo do caminho, se está mais perto ou mais longe do fim de sua jornada do que antes. Anote esse homem como um cristão infrutífero e desperdiçado, que não se responsabiliza por seus aumentos e decaimentos na graça. Davi sabia que esse trabalho era de tão grande importância que ele não confiaria em si mesmo e nas assistências comuns para cumpri-lo; e assim, sinceramente pede a Deus que o empreenda por ele e o familiarize com ele, Salmo 139.23-24.
[2]. Pode haver algumas tentações desconcertantes que recaem sobre a mente de um crente, ou alguma corrupção pode se aproveitar para se apresentar por uma ocasião (talvez por uma temporada longa), que pode irritar muito a alma com suas sugestões, e assim incomodar, perturbar e inquietar tanto que não será capaz de fazer um julgamento correto sobre sua graça e progresso em santidade.
Um navio pode ser jogado de tal forma em uma tempestade no mar, que os marinheiros mais hábeis não possam ser capazes de discernir se estão fazendo algum progresso no rumo e na viagem pretendidos, mesmo enquanto são levados adiante com sucesso e velocidade. Assim também, a graça em seu exercício está principalmente engajada na oposição ao inimigo com o qual está em conflito; e assim, o seu crescimento de outras maneiras não é discernível.
Se fosse perguntado como podemos discernir quando a graça é exercida e vicejamos em corrupções e tentações, digo que assim como grandes ventos e tempestades às vezes contribuem para a frutificação de árvores e plantas, também as corrupções e tentações contribuem para a fertilidade da graça e santidade.
O vento vem violentamente sobre a árvore, agita seus galhos, talvez quebre alguns deles, arranca suas gemas, afrouxa e sacode suas raízes, e ameaça jogar a árvore inteira no chão - mas por este meio a terra é aberta e solta em torno dela, e a árvore avança suas raízes mais profundamente na terra, pelo que recebe mais e mais fresca nutrição. Isso torna-a frutífera, embora talvez não dê frutos visivelmente até um bom tempo depois. Nos assaltos das tentações e corrupções, a alma está agonizada e desordenada; suas folhas de profissão são grandemente destruídas, e seu início de frutificação é grandemente quebrado e retardado. Mas, enquanto isso, secretamente e invisivelmente espalha suas raízes de humildade, auto-humilhação e luto, em um trabalho oculto e contínuo de fé e amor após aquela graça. A santidade aumenta realmente, e um caminho é feito para a futura frutificação visível: porque –
[3]. Deus, em sua infinita sabedoria, administra a nova criatura, ou a vida inteira da graça, pelo seu Espírito. Ele assim transforma seus fluxos, e assim renova e muda os tipos especiais de suas operações, que não podemos facilmente traçar seus caminhos nisto. E, portanto, muitas vezes podemos estar em uma perda sobre isso, não sabendo bem o que ele está fazendo conosco. Por exemplo, pode ser que o trabalho da graça e da santidade tenha sido grandemente exercido e evidenciado nas afeições que são renovadas por ele. Por isso, as pessoas têm uma grande experiência de prontidão, prazer e alegria nos deveres sagrados - especialmente aquelas afeições de ter comunicação imediata com Deus. Pois as afeições são (na maioria das vezes) rápidas e vigorosas na juventude de nossa profissão; e suas operações são sensíveis àqueles em quem florescem e cujos frutos são visíveis; estes fazem os jovens crentes parecerem sempre frescos e verdes nos caminhos da santidade. Mas pode ser que, depois de algum tempo, pareça bom para o soberano Provedor deste caso, transforme as correntes de graça e santidade em outro canal, por assim dizer. O Espírito vê que o exercício da humildade, tristeza piedosa, medo e diligente conflito com as tentações, talvez ataquem a verdadeira raiz da fé e do amor, e são mais necessários para eles. Portanto, ele ordenará suas dispensações para esses crentes - por aflições, tentações e ocasiões de vida no mundo - para que tenham novo trabalho a fazer; e toda a graça que eles têm se transforma em um novo exercício. Por esta vez, pode ser que eles não encontrem aquele vigor sensível em suas afeições espirituais, nem que deleitem-se em seus deveres espirituais, que encontraram antigamente. Isso às vezes os torna prontos para concluir que a graça decaiu neles, que as fontes da santidade estão secando, e eles não sabem onde estão nem o que são. E, no entanto, pode ser que o verdadeiro trabalho de santificação ainda esteja prosperando e sendo efetivamente realizado neles.
É reconhecido que pode haver, em muitos, grandes decaimentos em graça e santidade; que o trabalho de santificação recua neles, e isso pode ser universalmente e por um longo período. Muitos atos de graça são perdidos em tais pessoas, e as coisas que permanecem estão prontas para morrer. As Escrituras abundantemente testemunham isso, e nos dão exemplos disso. Quantas vezes Deus acusa seu povo de retrocesso, esterilidade e decaimento na fé e no amor! E a experiência dos dias em que vivemos confirma suficientemente a verdade disso. Não há decadência visível e aberta em muitos quanto a todo o espírito de santidade, a todos os seus deveres e frutos? Pode o melhor entre nós não contribuir com algo para evidenciar isso a partir de nossa própria experiência? O que diremos então? Não há santidade sincera onde tais decaimentos são encontrados? Deus me livre! Mas devemos perguntar as razões pelas quais isso acontece, visto que isso é contrário ao progresso gradual da santidade naqueles que são santificados, o que afirmamos. Eu respondo, duas coisas:
(1) Que estas decadências são ocasionais e sobrenaturais em relação à verdadeira natureza e constituição da nova criatura, e elas são uma perturbação da obra ordinária da graça. Elas são doenças em nosso estado espiritual. Você está morto e frio em deveres, atrasado em boas obras, descuidado de seu coração e pensamentos, viciado no mundo? - estas coisas não pertencem ao estado de santificação, mas são inimigas disso; elas são enfermidades e doenças na constituição espiritual das pessoas nas quais elas são encontradas.
(2) Embora nossa santificação e crescimento em santidade seja uma obra do Espírito Santo, como a causa eficiente disso, ainda assim é também nossa próprio trabalho, por dever. Ele prescreveu para nós qual seria a nossa parte, o que ele espera de nós e requer de nós, para que a obra seja regularmente levada à perfeição, como declarado anteriormente. E há dois tipos de coisas que, se não as atendermos adequadamente, obstruirão e retardarão o progresso ordeiro da santidade; porque:
[1]. O poder e crescimento de qualquer luxúria ou corrupção, a partir do cumprimento de suas tentações, é inseparável da prevalência de qualquer pecado em nós; e está diretamente contra esse progresso. Se permitirmos ou aprovarmos qualquer coisa em nós; se nós satisfizermos qualquer ato de pecado, especialmente quando eles são conhecidos e se tornaram frequentes em qualquer tipo; se negligenciarmos o uso dos melhores meios para a constante mortificação do pecado - o que toda alma iluminada compreende ser necessário para este progresso ordenado na santidade - há, e haverá um aumento, uma decadência universal na santidade. E esse poder e crescimento não é apenas nessa corrupção particular que foi poupada e favorecida. Uma doença em qualquer um dos órgãos vitais ou partes principais do corpo, não enfraquece apenas a parte em que atua, mas todo o corpo; vicia toda a constituição pela simpatia de suas partes. Satisfazer qualquer luxúria particular, vicia toda a nossa saúde espiritual, e enfraquece a alma em todos os seus deveres de obediência.
[2]. Há algumas coisas exigidas de nós para atingir este objetivo, de que a santidade possa prosperar e ser realizada em nós. Estes incluem o uso constante de todas as ordenanças e meios designados para esse fim; uma devida observância de deveres ordenados em sua época; com prontidão para exercer toda graça especial em suas circunstâncias apropriadas. Agora, se negligenciarmos essas coisas, se andarmos de modo incerto com Deus, não atentando para os meios nem para nossos deveres, nem exercendo a graça como deveríamos, então não devemos nos perguntar se nos encontraremos decadentes e, de fato, prontos para morrer - Apocalipse 3.2.
Alguém se pergunta ao ver alguém que antes era de uma constituição sólida, que se tornou fraco e doentio, se negligenciou abertamente todos os meios de saúde e contraiu todo tipo de doenças por sua intemperança? É estranho que uma nação devesse estar doente e desmaiar de coração, que os cabelos grisalhos fossem aspergidos sobre ela, que ela fosse pobre e decadente, enquanto prevalecesse a luxúria e a negligência de todos os meios revigorantes? Não é mais estranho que um povo professante deva decair em sua santa obediência, enquanto eles permanecem na negligência que acabamos de descrever.
Tendo vindicado essa afirmação, acrescentarei um pouco mais de aperfeiçoamento a ela. Se a obra de santidade é um trabalho tão progressivo e próspero em sua própria natureza; e se o desígnio do Espírito Santo no uso de meios é produzir a santidade em nós e aumentá-la cada vez mais para uma medida perfeita; então nossa diligência é continuar com esse mesmo fim e propósito; pois nosso crescimento e prosperidade dependem disso.
É requerido que nós demos toda a diligência ao aumento da graça, 2 Pedro 1.5-7, e que abundemos nela, 2 Cor 8.7: "abundante em toda a diligência". E não somente isso, mas que "mostremos a mesma diligência até o fim", Heb 6.11. Seja qual for a diligência que tenhamos usado para alcançar ou melhorar a santidade, devemos permanecer nela até o fim, ou então nos colocaremos em decadência e colocaremos nossa alma em perigo. Se nós afrouxarmos ou desistirmos de nosso dever, a obra de santificação não será levada a cabo em graça.
E assim isto é exigido de nós, isto é esperado de nós: que nossas vidas inteiras sejam gastas em um curso de cumprimento diligente com a obra progressiva da graça em nós. Há três razões pelas quais os homens podem, ou não, negligenciar este dever em que a vida de sua obediência e todos os seus confortos dependem:
(1) A presunção ou a infundada persuasão de que eles já são perfeitos. Alguns fingem isso em uma presunção orgulhosa e tola, destruidora de toda a natureza e dever de santidade ou obediência evangélica. Pois de nossa parte, isso consiste em nosso cumprimento voluntário da obra da graça, gradualmente levada à medida que nos foi designada. Se isto já foi alcançado, há um fim para toda a obediência evangélica, e os homens retornam novamente à lei, para sua ruína.
“12 Não que eu o tenha já recebido ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus.
13 Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão,
14 prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” (Filipenses 3.12-14).
É uma excelente descrição da natureza da nossa obediência que o apóstolo nos dá nessa passagem. Toda perfeição absoluta nesta vida é rejeitada como inatingível. O fim proposto é bem-aventurança e glória, com o eterno desfrute de Deus. E a maneira pela qual nós pressionamos em direção a ela, que compreende toda a nossa obediência, é através do seguimento contínuo e ininterrupto, pressionando, e alcançando - um progresso constante na e pela nossa diligência máxima.
(2). Uma suposição tola que, porque temos interesse em um estado de graça, não precisamos mais ficar tão preocupados com a santidade e a obediência exatas em todas as coisas como antigamente, quando nossas mentes pendiam em suspense sobre nossa condição.
Mas, na medida em que alguém tem essa apreensão ou persuasão prevalecente ou influenciando-o, ele tem motivo para questionar profundamente se ele ainda tem algo de graça ou santidade nele; porque esta persuasão não é dAquele que nos chamou. Não há mais mecanismo eficaz nas mãos de Satanás do que isso: ou nos manter longe da santidade, ou sufocá-la quando ela é alcançada. Nem podem surgir pensamentos nos corações dos homens que são mais opostos à natureza da graça; por essa razão, o apóstolo o rejeita com aborrecimento, em Rom 6.1-16:
“1 Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que seja a graça mais abundante?
2 De modo nenhum! Como viveremos ainda no pecado, nós os que para ele morremos?
3 Ou, porventura, ignorais que todos nós que fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte?
4 Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida.
5 Porque, se fomos unidos com ele na semelhança da sua morte, certamente, o seremos também na semelhança da sua ressurreição,
6 sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destruído, e não sirvamos o pecado como escravos;
7 porquanto quem morreu está justificado do pecado.
8 Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos,
9 sabedores de que, havendo Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte já não tem domínio sobre ele.
10 Pois, quanto a ter morrido, de uma vez para sempre morreu para o pecado; mas, quanto a viver, vive para Deus.
11 Assim também vós considerai-vos mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus.
12 Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de maneira que obedeçais às suas paixões;
13 nem ofereçais cada um os membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniquidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça.
14 Porque o pecado não terá domínio sobre vós; pois não estais debaixo da lei, e sim da graça.
15 E daí? Havemos de pecar porque não estamos debaixo da lei, e sim da graça? De modo nenhum!
16 Não sabeis que daquele a quem vos ofereceis como servos para obediência, desse mesmo a quem obedeceis sois servos, seja do pecado para a morte ou da obediência para a justiça?”
(3). Desgosto e desânimo que surgem da oposição. Alguns acham tão grande dificuldade e oposição à obra de santidade e seu progresso - vindo do poder das corrupções, das tentações e das circunstâncias da vida neste mundo - que eles estão prontos para desmaiar e desistir dessa diligência em seus deveres, e em lutar contra o pecado. Mas as Escrituras são tão abundantes em encorajamentos para esse tipo de pessoa, que não precisamos insistir nisso aqui.