John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

“1 Por isso, santos irmãos, que participais da vocação celestial, considerai atentamente o Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa confissão, Jesus,
2 o qual é fiel àquele que o constituiu, como também o era Moisés em toda a casa de Deus.”
A natureza geral de toda esta epístola, como na primeira parte de nossa exposição foi declarada, é exortatória. E, portanto, as doutrinas propostas e insistidas nela são constantemente aprimoradas para pressionar e impor as exortações pretendidas; como tal é o fim e uso de todos os princípios nas doutrinas que são práticas, especialmente daquilo que nos é ensinado na Escritura, que é uma sabedoria e um conhecimento de viver para Deus.
Portanto, nosso apóstolo, tendo nos capítulos precedentes, manifestado a excelência de Cristo (que foi o autor do evangelho), tanto em sua pessoa como em sua obra, e tanto absoluta quanto comparativamente com os anjos, os ministros mais gloriosos empregados na dispensação da vontade de Deus para a igreja de antigamente, com algum respeito a Josué, o capitão do povo, sob cuja liderança entraram em Canaã, - na entrada deste capítulo ele familiariza os hebreus com o que ele insistiu nessas coisas , a saber, que pela consideração deles eles poderiam prevalecer com constância e perseverança na fé e adoração a Deus, por ele declarado e revelado. Este é o desenho de seu discurso neste capítulo. Mas, como é o seu modo ao longo desta epístola, ele não insinuou logo sua intenção no primeiro verso, mas acrescenta uma nova imposição à sua exortação, até o final do sexto verso. De lá, ele prossegue novamente para a sua exortação geral, com um suprimento de novas razões, argumentos e inferências.
Existem, portanto, três partes gerais deste capítulo: 1. Uma exortação à constância e perseverança na profissão do evangelho. E aí são observáveis, (1) os meios para cumprir o dever exortado, versos 1, 8, 9, 12, 13; (2) A natureza disto, versos 6, 14; (3) As coisas que são contrárias a isso, versículos 12, 15; (4.) Os benefícios disso, verso 14; (5.) O perigo de sua negligência, versos 8-11, 15-19. 2. Uma nova aplicação da exortação, tirada da fidelidade de Cristo no cumprimento do ofício que lhe foi confiado, versos 2-6: onde ocorre, (1) A própria razão, ou a fidelidade de Cristo, afirmada; (2) A maneira de sua proposta, comparando-o e preferindo-o acima de Moisés. E aí o apóstolo [1.] Previne uma objeção que ainda possa permanecer em nome do estado judaico da igreja sobre a conta de Moisés, o principal revelador dela; e [2.] estabelece uma concessão da fidelidade de Moisés em sua confiança e emprego; com [3.] uma comparação dele com o Senhor Jesus Cristo quanto à dignidade de sua pessoa e obra; e [4] os desempenhos de sua vinda. 3. Razões especiais relacionadas ao seu argumento geral, extraídas dos testemunhos expressos das Escrituras, versículo 7-11, e as relações de Deus com os outros que falham no dever exortado; que ele persegue em geral no próximo capítulo. O todo, portanto, deste capítulo é uma exortação patética, pressionada com muitas razões convincentes, para a constância e perseverança na fé e obediência do evangelho.
Epouraniou, “coisas acima dos céus”.
Esta palavra é quase peculiar ao nosso apóstolo, sendo usada frequentemente por ele nesta e em suas outras epístolas, e duas vezes além disso em todo o Novo Testamento, Mateus 18:35; João 3:12 Veja 1 Coríntios 15: 40,48,49; Efésios 1: 3,20, 2: 6, 3:10, 6:12; Filipenses 2:10; 2 Timóteo 4:18; Hebreus 6: 4, 8: 5, 9:23, 11:16, 12:22.
E como ele usa esta palavra frequentemente, opondo-a a epigaiov, “coisas terrenas”, Colossenses 3.1,2, assim ele expressa a mesma coisa em outras palavras da mesma significação: Filipenses 3:14, anw klesews, “chamamento celestial”; é epouraniou.
Esta frase do discurso é, portanto, a mesma e peculiar ao nosso apóstolo. E ambas as expressões denotam Deus, o autor deste chamado, que é o Senhor, Jó 31:28, Deus acima; Teontwn, "Deus sobre todos", Efésios 4: 6; epouraniou, “celestial”, Mateus 18:35. Metocoi, “participantes”; “companheiros”; “consortes”. Para o mesmo propósito, a versão Siríaca,, "Dryriq] j] aD]", “que são chamados com um chamado santo", omitindo a força desta palavra, destinada a expressar seu interesse comum no mesmo chamado. O significado dessa palavra foi declarado no capítulo 2:14. O assunto pretendido é totalmente expresso pelo mesmo apóstolo, Efésios 4: 4 - “Um só corpo e um só Espírito, como também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação”, isto é, participantes e companheiros da mesma vocação celestial. Katanohsate, “considere”, “medite”. Katanohsate é propriamente - definir a mente diligentemente para marcar e considerar, de modo a entender a coisa considerada; de onde é frequentemente apresentado (como por Cícero) por “intelligo” e “perspicio”, “para entender” e “perceber”. Veja Romanos 4:19, onde é aplicado a Abraão. “Considere diligentemente”. O “apostolon”, - “o apóstolo”, “embaixador”. Ele é tão somente; aquele que foi "enviado por Deus", isto é, na obra de revelá-lo pelo evangelho. E por uma perífrase, ele frequentemente se descreve, chamando seu pai tolanta, "aquele que o enviou". E arquiereu, “sumo sacerdote”, da nossa confissão, Jesus. Confessar é coincidente na significação de professar ou fazer profissão. E isto tem obtido no uso comum; de onde são declaradas as doutrinas que os homens professam, ou fazem profissão de, sua confissão ou a confissão de sua fé. Assim, nosso apóstolo chama isso de kalhan, “aquela boa confissão”, 1 Timóteo 6: 12,13; e absolutamente do que “profissão”, capítulo 4:14 desta epístola; e do que o capítulo 10, 23, “a profissão da esperança”. E deve ser observado que esta palavra também é peculiar ao nosso apóstolo, e por ele frequentemente usada. É uma profissão pública ou conjunta.
Atos 2:36, - “Deus fez dele tanto Senhor como Cristo”; o mesmo com Hebreus 1: 2, - ele “fez”, “designou”, “projetou” "exaltou" ele. A quem Deus levanta ou eleva, ele faz para algum trabalho e serviço; e a quem ele nomeou para qualquer serviço, nisso ele o exalta.
“Como Moisés em toda a sua casa”. Estas palavras, “em toda a sua casa”, podem ser referidas à expressão anterior concernente a Cristo: “Fiel ao que o designou em toda a sua casa, como foi Moisés. (Nota do tradutor: No original não aparece “fiel” referindo-se a Moisés, o que se subentende do contexto pelo uso dessa palavra em relação a Jesus.).
Mas quanto ao assunto em si, ambos são destinados, e as mesmas palavras são usadas para Moisés em outro lugar: Números 12: 7.
O apóstolo nestes dois versos entra na aplicação da doutrina que ele havia declarado e confirmado nos dois capítulos anteriores. Assim, de acordo com seu método constante nesta epístola, ele abre caminho para o que ele tinha a oferecer da mesma natureza e importância. A primeira palavra respeita àquilo que foi dito antes, "portanto", ou "vendo as coisas como eu tenho manifestado", - a saber, que aquele de quem eu falo para você é tão excelente e tão altamente exaltado acima de tudo, e que enquanto ele foi humilhado por um tempo, foi indescritivelmente para o benefício e vantagem da igreja, - não pode ser senão seu dever considerá-lo; isto é, tanto o que ele é em si mesmo como o que ele é para nós. Seu desígnio é pressioná-los em sua exortação geral para a constância e perseverança na profissão do evangelho; mas ele não expressa isto nestes versos, insistindo apenas em um dever intermediário, subserviente àquele principalmente pretendido. Agora, esta é a consideração diligente de Jesus Cristo, com o que ele havia entregue a respeito dele, e o que ele ainda estava para declarar a eles. E isto ele urge como o único caminho pelo qual eles poderiam prevalecer e serem ajudados para a estabilidade visada. Essa é a conexão de seu discurso e a intenção de sua inferência; donde observamos que,
I. Todas as doutrinas do evangelho, especialmente as que dizem respeito à pessoa e aos ofícios de Cristo, devem ser aperfeiçoadas para a prática em fé e obediência. Este curso do nosso apóstolo insiste em: ter antes estabelecido a doutrina da pessoa e ofícios de Cristo, aqui ele se aplica ao seu dever e estabelecimento na profissão da verdade. Essas coisas não nos são reveladas apenas para serem conhecidas, mas para serem usadas praticamente até os fins de sua revelação. Somos assim chamados para conhecer a Cristo como a viver para ele na força da sua graça e para o louvor da sua glória. “Se sabeis estas coisas”, diz ele, “felizes sois se as fizerdes”, João 13:17. É nosso privilégio conhecê-las, um grande privilégio; mas é nossa bem-aventurança fazê-las. Quando os homens se contentam com a noção de coisas espirituais, sem se esforçarem para expressar seu poder e eficácia na conformidade prática de suas mentes e almas, isso prova sua ruína. Aquela palavra que nos é pregada deve habitar em nós. Veja o que é "aprender a Cristo" de uma maneira devida, Efésios 4: 20-24. Há uma profissão miserável, onde alguns pregam sem aplicação, e outros ouvem sem prática. Ouvir para que possamos aprender é apenas parte de nosso dever; na verdade, em si e para si não faz parte dela. Ouvir e aprender é bom, mas não para si, para o próprio bem, mas apenas para a prática do que ouvimos e aprendemos. O apóstolo nos fala de alguns que estão “sempre aprendendo, mas nunca são capazes de chegar ao conhecimento da verdade”, 2 Timóteo 3: 7; isto é, para um reconhecimento prático dela, de modo a ter uma impressão de seu poder e eficácia sobre suas almas. E tais são alguns que fazem questão de ouvir e aprender, de modo que dificilmente façam qualquer outra coisa. As verdades do evangelho são “remédio para alma” - para uma alma doente do pecado. Agora, de que serve obter um estoque de remédios e nunca tomá-los? Não é mais necessário coletar, a qualquer preço ou taxa, sermões, doutrinas, instruções, se não os aplicarmos, para que possam ter sua eficácia em nós e um trabalho adequado para conosco. Há em alguns uma hidropisia da audição; - o quanto mais eles ouvem, mais eles necessitam. Mas eles estão apenas satisfeitos com isso no presente e inchados para o futuro - não são realmente renovados nem fortalecidos. Mas toda verdade tem, como os hebreus expressam, "carne em sua boca", algo para nosso próprio alimento. Devemos olhar para sermões como Elias fez com os corvos, que "trouxeram-lhe pão e carne de manhã, e pão e carne à noite", 1 Reis 17: 6. Eles trazem comida para as nossas almas, se nos alimentarmos dela; se não, eles estão perdidos. Quando os israelitas reuniram o maná para comer, era um alimento precioso, “pão do céu, carne de anjos”, comestível e angelical, isto é, excelente e precioso; mas quando eles o guardaram, “gerou vermes e estragou”, Êxodo 16: 20. Quando Deus espalha as verdades entre os homens, se eles as reúnem para comer, elas são o pão do céu, a comida dos anjos; mas se o fizerem apenas para depositá-las para eles, em seus livros, ou nas noções de sua mente, eles produzirão os vermes do orgulho e da hipocrisia, e os farão ser um sabor ofensivo a Deus. Quando, então, qualquer verdade é proposta a você, aprenda o que é seu interesse nisto, e deixe-a ter seu próprio e perfeito trabalho em sua alma. Segundo, Na maneira de pressionar sua exortação, duas coisas acontecem: 1. Compelindo-os, nestas palavras, "irmãos santos". 2. Sua descrição deles por uma propriedade ou privilégio, "Participantes da chamada celestial." 1. No primeiro, duas coisas também são observáveis: (1) A própria denominação que ele faz uso, "Irmãos". (2) O adjunto dessa denominação, "Santos". (1.) Este termo de relação, "irmãos", é usado de diversas formas nas Escrituras; às vezes naturalmente, e mais estritamente, para filhos do mesmo pai ou mãe, Gênesis 42:13; ou mais em grande parte para parentes próximos (e entre os hebreus os descendentes do mesmo avô são quase sempre assim chamados; de onde vem aquela expressão dos irmãos de nosso Senhor Jesus Cristo, que eram descendentes de seu avô segundo a carne, Gênesis 13: 8, 24:27; Mateus 12:46, 13:55; Marcos 3:31; João 2:12, 7: 3, 5, 10; Atos 1:14,): ou, em analogia, para todos os ramos de uma ação comum, embora uma nação inteira, sim, embora de muitas nações. Todos os hebreus eram irmãos, Deuteronômio 15:12; e diz-se que os edomitas são seus irmãos, por causa da descendência de Abraão, Deuteronômio 23: 7. E neste sentido, em outro lugar, nosso apóstolo chama todos os judeus seus irmãos; isto é, seus parentes segundo a carne, Romanos 9: 3. Às vezes é usado civilmente, e que, [1] Na mera conta da coabitação, Gênesis 19: 7; [2.] De combinação em alguma sociedade. 1º. Para o mal, Gênesis 49: 5; 2º. Para o bem, Esdras 3: 2. E às vezes expressa uma profissão conjunta da mesma religião; em que conta os judeus se chamavam irmãos em todo o mundo, Atos 28:21. Por fim, é também uma expressão de cognição espiritual, fundada sobre a do nosso Salvador: “Todos sois irmãos ..... e um é vosso Pai que está nos céus” (Mateus 23: 8,9). E aqui há uma alusão à primeira e adequada significação da palavra. Que os homens sejam irmãos, correta e estritamente, é necessário que eles tenham um pai, sejam de uma família e estejam igualmente interessados nos privilégios e vantagens dos mesmos. Este é o vínculo mais próximo da aliança que há ou pode existir entre iguais, o fundamento mais firme do amor. E assim é com aqueles que são espiritualmente irmãos, como depois aparecerá. Agora, embora o apóstolo permanecesse na relação intimada com os hebreus em um relato natural, contudo ele os chama aqui principalmente no último sentido, como espiritualmente interessados na mesma família de Deus; embora eu esteja apto a pensar que no uso dessa expressão para os judeus o apóstolo também tinha respeito àquela irmandade que eles tinham entre si antes em sua antiga igreja-estado. Por isso, Pedro, escrevendo a alguns deles, diz-lhes que as mesmas aflições que eles sofreram cairiam sobre toda a irmandade deles no mundo”, 1 Pedro 5: 9; isto é, todos os judeus crentes. E enquanto eles tinham um especial amor mútuo por conta disso, nosso apóstolo os adverte que eles não deveriam pensar que essa relação ou amor deveria cessar após a sua conversão a Cristo, Hebreus 13: 1 - “Deixe aquele amor fraternal continuar, o qual tem estado entre vós.” Mas principalmente eu suponho que ele diz respeito à nova relação deles em Cristo; que ainda aparece do complemento desta palavra anexada, “santo”. (2) “Santo”. Este é o epíteto usual com o qual nosso apóstolo adorna os crentes, Romanos 1: 7; 1 Coríntios 1: 2; 2 Coríntios 1: 1; Efésios 1: 1; Filipenses 1: 1. E em muitos lugares ele junta seu chamado com eles, que aqui ele associa a ele. E isso é peculiar a Paulo. O que ele quer dizer com agioi, “santo”, ele declara, onde ele denomina as mesmas pessoas agiasmenoi, “santificados”, 1 Coríntios 1: 2; Efésios 5:26; 1 Coríntios 6:11; 1 Tessalonicenses 5:23; João 17:19. Ele os considerava santos, não no relato de uma separação externa, já que antigamente todas as pessoas eram santas, mas também de santificação e pureza reais e internas. Ele julgou que os hebreus professos estavam interessados, como sendo “chamados por um santo chamado”. E pode ser que, no presente uso dessa expressão, ele tenha respeito pelo que antes tinha afirmado dos crentes, a saber, sendo eles "santificado", ou feitos santos por Cristo, capítulo 2:11; considerando que dali ele infere sua relação com Cristo como seus irmãos, verso 12, e assim tornando-se irmão um do outro, todos eles adelfofhv, "uma irmandade", ou "fraternidade", 1 Pedro 5: 9. E por essa expressão “irmãos santos”, o apóstolo manifesta sua alta consideração ou respeito a eles, olhando para eles como pessoas santificadas pelo Espírito e pela palavra de Cristo, e com um querido afeto por eles como seus irmãos. Por este tratamento também deles, ele dá uma grande evidência de sua sinceridade em lidar com eles; porque não temem que ele imponha algo sobre aqueles a quem ele honrou como santos, e amou como irmãos. E assim ele suaviza seu caminho para a exortação subsequente. 2. Ele os descreve a partir de seu chamado celestial. Isso é comum com nosso apóstolo: "Chamados a ser santos" - "Santificados em Cristo Jesus". E esse chamado ou vocação que ele primeiro descreve sua qualidade; é “celestial” ou “supra celestial” ou, como em outros lugares, “o chamado que vem do alto”, e então lhes atribui um interesse. E ele o chama de “celestial” (1.) Da fonte e principal causa dele; isto é, Deus, o Pai, que está no céu. Como nossa eleição, assim nosso chamado é de uma maneira especial atribuído a ele, 1 Coríntios 1: 9; 1 Tessalonicenses 2:12; Romanos 8: 28-30; 1 Pedro 1: 1.5, 2: 9, 5:10; Filipenses 3:14; Gálatas 5: 8: pois ninguém pode vir ao Filho, a menos que o Pai o atraia. Os crentes, de fato, são chamados de “chamados em Jesus Cristo”, Romanos 1: 6, -, isto é, para ele, ou nele, não por ele; ou, por ele como executar do conselho de dispensar a graça do Pai, 2 Coríntios 5:20. (2) Em relação aos meios pelos quais este chamado é feito, que são espirituais e celestiais, a saber, a palavra e o Espírito, ambos de cima, João 16: 7-11: pois a palavra do evangelho é em muitos relatos celestiais ou do céu; de onde nosso apóstolo o chama “a voz daquele que fala do céu”, Hebreus 12:25. E Cristo, que é o autor disso, é chamado “o Senhor do céu”, 1 Coríntios 15:47; e que, nessa conta, aquele que estava no céu desceu do céu para revelar o evangelho, João 3:13, 6:38. E assim também o Espírito é derramado de cima, sendo dado de Cristo depois que ele foi ascendido ao céu, Atos 2:33. (3.) Do fim também; que é para o céu e as coisas celestiais, onde reside a esperança de nosso chamado, Efésios 1:18, 4: 4. Assim, a vocação eficaz de Deus acima, em sua graça e misericórdia por Jesus Cristo, é aqui pretendida. Aqui, o apóstolo designa uma participação desses hebreus; eles eram "participantes" disso, tinham interesse nele, - junto com ele eram assim chamados. E isto ele faz por várias razões: (1) Que ele possa manifestar onde seu grande privilégio consistiu, e que, como tal, eles deveriam valorizar. Eles estavam aptos a se gabar dos privilégios que desfrutavam em seu judaísmo, João 8:33, Romanos 2: 17,18; que também eram grandes, Romanos 3: 1,2, 9: 4, 5; mas eles não eram estimados em comparação com o que eles tinham agora obtido um interesse, pela graça de Jesus Cristo, em seu alto, santo, e chamamento celestial. Isso ele manifesta no exemplo de si mesmo, Filipenses 3: 4-9. O chamado de Abraão, que foi o fundamento de todos os seus privilégios em seu judaísmo, era apenas uma chamada terrena - na terra; mas isso é muito mais excelente, sendo celestial. (2) Para apresentar a graça de Deus para os judeus, e sua própria fé sobre eles, que eles não foram todos rejeitados por Deus, apesar da dureza e obstinação da maioria deles, como Romanos 11: 2,4, 5.E, por outro lado, ele insinua que eles não deveriam fazer um cerceamento deste privilégio, como aqueles com os quais foram confiados. Os gentios sendo co-herdeiros com eles, eram "participantes" com os outros nesta chamada "celestial", como Efésios 3: 6. (3) Ele declara sua própria comunhão com eles nesse grande privilégio, pelo qual eles podem entender seu íntimo interesse em seu estado e condição. (4) Ele se importa com o dever de seu privilégio. Sendo participantes deste chamado em Cristo, deve ser seu dever diligentemente “considerá-lo”; sobre o qual ele os exorta. Mas podemos fazer algumas observações sobre as palavras já desdobradas. Os dispensadores do evangelho devem usar a sagrada prudência para conquistar as mentes e afeições daqueles a quem devem instruir. Por isso, trata Paulo com esses hebreus. Ele se importa com eles aqui quanto à sua relação mútua; chama-os irmãos; atribui-lhes os privilégios de santidade e participação de um chamado celestial; tudo para assegurar-lhes seu amor, para remover seus preconceitos contra ele e para conquistar suas afeições. E, na verdade, ao lado de nosso próprio Senhor Jesus Cristo, ele é o padrão maior e exemplo de santa sabedoria, ternura, companheirismo e zelo, para todos os ministros do evangelho. A imagem de seu espírito, expressa em suas instruções dadas a seus dois amados filhos, Timóteo e Tito, testifica o suficiente para isso. Sim, tão grande era sua sabedoria e condescendência em lidar com seus ouvintes, que sedutores e falsos apóstolos tiraram ocasião dali, e sendo astuto ele os pegou com astúcia, 2 Coríntios 12:16. As palavras são uma objeção de seus adversários, não uma concessão dele. Ele mostra como, em todas as coisas, era terno para com eles e não os punia nem importunava. Aqui ele supõe uma resposta dos falsos apóstolos: “Eu de boa vontade me gastarei e ainda me deixarei gastar em prol da vossa alma. Se mais vos amo, serei menos amado? Pois seja assim, eu não vos fui pesado; porém, sendo astuto, vos prendi com dolo.” Esta é a resposta dele ao seu pedido, e não a qualquer concessão dele; pois ambas as palavras, panourgov e dolov, são tais que não admitem interpretação no bom sentido, de modo que o apóstolo deve atribuí-las a si mesmo. Mas em que consiste esse dolo e astúcia que eles lhe imputam? Foi nisto que, embora ele próprio os não os encarregasse, não os sobrecarregou; todavia, quando se foi, e os guardou para si mesmo, enviou-lhes aqueles que deveriam receber o suficiente para ele e para eles mesmos. A esta calúnia o apóstolo responde, 2 Coríntios 12: 17,18, mostrando a falsidade da mesma. "Eu", diz ele, "explorei algum de vós, pelos que eu vos enviei?" Foi isto que lhe foi imputado, o qual ele rejeita como falso e calunioso. E ele confirma o que ele diz em um exemplo especial: “Roguei a Tito e enviei com ele outro irmão; porventura, Tito vos explorou? Acaso, não temos andado no mesmo espírito? Não seguimos nas mesmas pisadas?” De modo que esta acusação é de toda forma falsa, e como tal pode e deve ser descartada. E este é o verdadeiro sentido deste lugar. Este não era o seu caminho. Mas isso ele sempre fez, e em todas as ocasiões, - ele testemunhou para eles sua grande afeição, sua disponibilidade para se gastar e ser gasto para eles, 2 Coríntios 12: 14,15. Sua agilidade em relação a eles - apreciá-los como uma ama que acaricia seus filhos, 1 Tessalonicenses 2: 7, ou como um pai, verso 11, - previa aquilo que nas coisas terrenas era devido a ele pela designação de Cristo, que ele não poderia sobrecarregá-los, 2 Coríntios 11: 9-11, Atos 20: 33-35; suportando todas as coisas por causa deles, 2 Timóteo 2:10, entre os quais muitos foram capazes de fazer o mais forte coração tremer. Seu cuidado, sofrimentos, dores de parto, vigilância, paciência, amor, compaixão, zelo, quem pode declarar ou admirar o suficiente! Por esses meios ele removeu ou tornou ineficaz o mau uso do Judaísmo, manteve uma consideração em seus ouvintes contra as insinuações de sedutores e falsos apóstolos, levantou sua atenção, preparou todos os caminhos para instrução, e os entregou a Cristo Jesus! Que causa temos para lamentar quando consideramos o orgulho, a cobiça, a ambição, a ira, a negligência, o egoísmo e o desprezo do teu rebanho, que se encontram entre muitos daqueles que se julgam dispensadores da tua palavra, almas dos homens são escandalizadas e cheias de ofensas contra os teus santos caminhos todos os dias! Os crentes estão todos relacionados um ao outro no elo mais próximo e mais estrito de uma relação igual. Eles são todos irmãos, “irmãos santos”. Assim, o Espírito Santo os chama na verdade; então o mundo se refere a eles com desprezo. Eles têm “um só pai”, Mateus 23: 8,9; um irmão mais velho, Romanos 8:29, que “não se envergonha de lhes chamar irmãos”, Hebreus 2:11; e têm “um só Espírito, e são chamados em uma só esperança de sua chamada, Efésios 4: 4, - que sendo um Espírito de adoção, Romanos 8:15, interessa a todos eles na mesma família, Efésios 3: 14,15, pelo qual eles tornam-se "co-herdeiros com Cristo", Romanos 8:17. Os deveres de unidade, amor, utilidade e compaixão, que dependem dessa relação, são mais conhecidos do que praticados, e devem ser continuamente pressionados, Salmos 133: 1, Hebreus 13: 1. De fato, os pagãos falavam proverbialmente dos cristãos: “Vejam como eles se amam!” De um modo admirável. A observação contrária agora prevaleceu, para a vergonha e a mácula da profissão destes últimos dias. Que através de dissensões e divisões entre aqueles que têm interesse real no privilégio da filiação, o que através de um defeito visível e aberto a qualquer relação com Deus como pai, ou ao Senhor Jesus Cristo como um irmão mais velho, na maioria deles que são chamados cristãos, - nós perdemos a coisa pretendida, e o nome se tornou um termo de reprovação. Mas quando a iniquidade abunda, o amor esfria. Enquanto isso, seria bom que aqueles que são irmãos realmente pudessem viver como irmãos e amar como irmãos e concordar como irmãos. Os motivos para isso são grandes e muitos. Aquilo mencionado no negócio de Abraão e Ló parece-me de peso: Gênesis 13: 7, 8: “Houve contenda entre os pastores do gado de Abrão e os pastores do gado de Ló. Nesse tempo os cananeus e os ferezeus habitavam essa terra. Disse Abrão a Ló: Não haja contenda entre mim e ti e entre os meus pastores e os teus pastores, porque somos parentes chegados.” Abraão e Ló eram irmãos naturalmente, parentes próximos, porque Abraão era tio de Ló; e espiritualmente, como filhos de Deus. Uma diferença acontece entre os pastores deles, Abraão, como um homem sábio, teme que deva proceder a alguma distância e mudança entre eles. Então, ele leva em consideração o estado das coisas no lugar onde eles estavam. “O cananeu e o perizeu”, diz ele, “estão na terra”; - “A terra está cheia de homens profanos, inimigos de nós dois, que se regozijam em nossas divisões e aproveitam para reprovar a religião que professamos.” Isto prevaleceu com eles para continuar seu amor mútuo, e deveria fazê-lo com os outros. Mas nossa condição é triste, enquanto que a descrição que o Espírito Santo dá aos homens, enquanto não chamados, enquanto incrédulos, é adequada para aqueles que professam ser cristãos, veja Tito 3: 3. Todos os verdadeiros professantes do evangelho são santificados pelo Espírito Santo, e feitos verdadeiramente e realmente santos. Então Paulo aqui denomina aqueles hebreus, exercendo para eles o julgamento da caridade, declarando o que devem ser, e o que professaram a si mesmos. ser, o que ele acreditava que eles eram realmente membros vivos de Cristo. É verdade que alguns que professam a santidade podem não ser realmente santos. Mas, primeiro, se eles não professam isso para não serem convencidos por nenhum meio evangélico do contrário, eles não devem ser considerados professantes de forma alguma, Atos 8: 20-23; Filipenses 3: 18,19; 2 Timóteo 3: 5. Em segundo lugar, se a santidade que os homens professam em suas vidas não for real em seus corações, eles não terão direito aos privilégios que assistem à profissão, João 3: 5. Ninguém vem a um útil e salvador conhecimento de Jesus Cristo no evangelho, senão em virtude de um eficaz chamado celestial. Esses hebreus vieram a ser “irmãos santos”, filhos de Deus, unidos a Cristo, pela participação em um “chamado celestial". Somos "chamados das trevas para a sua maravilhosa luz", 1 Pedro 2: 9; e isto não somente com o chamado externo da palavra - que muitos são feitos participantes de quem nunca alcançou o conhecimento salvador de Cristo, Mateus 20:16, - mas com aquele chamado efetivo, que, sendo concedido na busca do propósito de Deus de eleição, Romanos 8:28, é acompanhado com o poder energético, vivificante do Espírito Santo, Efésios 2: 5, dando os olhos para ver, ouvidos para ouvir e um coração para obedecer a palavra, de acordo com a promessa do pacto, Jeremias 31: 33,34. E assim nenhum homem pode vir a Cristo a menos que o Pai o atraia, João 6: 44.