John Owen (1616-1683)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

Nosso apóstolo trata expressamente deste assunto, 1 Coríntios 10.
Considerar o estado do povo, em sua libertação do Egito e morada no deserto, ele remete as coisas relativas a eles a duas cabeças; 1. As obras milagrosas de Deus para com eles e as maravilhosas relações com eles; 2. Seus pecados e abortos, com as punições que lhes aconteceram. Tendo mencionado os do primeiro tipo, ele acrescenta “Agora, estes foram todos escritos para serem nossos exemplos”. versículo 6, - tipos representando o lidar espiritual de Deus conosco. E tendo considerado o outro, ele encerra seu relato deles com “Estas coisas lhes sobrevieram como exemplos e foram escritas para advertência nossa, de nós outros sobre quem os fins dos séculos têm chegado.”, verso 11. “Eles e suas ações foram nossos tipos.” "Um tipo", tem muitas significações. Neste uso, significa uma expressão grosseira e imperfeita de qualquer coisa, a fim de uma declaração completa, clara e exata dela. Assim, eles eram nossos tipos, em que a questão de nossa fé, obediência, recompensas e punições eram delineados neles. Esses tipos ou exemplos eram principalmente estes três: 1. Tais como foram diretamente instituídos e designados para esse fim, que deveriam significar e representar algo em particular no Senhor Jesus Cristo e em seu reino. É verdade que Deus não instituiu qualquer coisa entre o povo de antigamente, mas o que teve seu uso e serviço presentes entre eles; mas seu uso atual não compreendia seu fim principal. E aqui os tipos e sacramentos diferem. Nossos sacramentos não têm uso, senão com respeito ao seu fim espiritual e significado. Nós não batizamos ninguém para lavar o corpo, nem dar a eles a ceia do Senhor para alimentá-lo. Mas os tipos tinham seu uso nas coisas temporais, assim como seu significado das coisas espirituais. Assim, os sacrifícios serviram para a libertação do povo da sentença da lei, como era a regra de sua política ou governo civil, bem como para prefigurar o sacrifício do corpo de Cristo. Agora aqueles tipos que tinham uma solene, direta, instituição afirmada, eram materialmente pessoas, como investidas de certos ofícios na igreja, ou coisas. (1) Pessoas. Então o Senhor levantou e designou Moisés, Arão, Josué, Davi, Salomão e outros, para tipificar e representar o Senhor Jesus Cristo na igreja. E eles devem ser considerados em uma capacidade tríplice: - [1.] Meramente pessoal, como aqueles homens individuais; para qual preocupação todo o seu bem moral e mal pertenciam. Nesse sentido, o que eles fizeram ou agiram não tinha respeito a Cristo, nem deve ser considerado como o exemplo de todos os outros homens registrados nas Escrituras. [2.] Quanto aos ofícios que eles exerceram na igreja e entre o povo, como eram profetas, capitães, reis ou sacerdotes. A esse respeito, eles tiveram seu uso atual na adoração de Deus e no governo daquele povo de acordo com a lei. Mas aqui, [3]. No cumprimento de seus ofícios e deveres presentes, eles foram designados por Deus para representar de uma forma de prefiguração o Senhor Jesus Cristo e seus ofícios, que estava por vir. Eles eram uma transcrição da ideia divina na mente e vontade de Deus, concernente à plenitude de poder e graça que deveria estar em Cristo, expressa por partes e obscuramente através deles, assim como em razão de sua imperfeição. (2) Esses tipos consistiam em coisas, como eram os sacrifícios e outras instituições de culto entre o povo. Que este foi o desígnio e o fim de todo o serviço divino Mosaico que devemos manifestar em nosso progresso. Portanto, este não é o lugar para insistir particularmente neles. 2. Havia tais coisas e ações que tinham apenas uma ordenação providencial para esse propósito - coisas que ocasionalmente caíam, e portanto não eram capazes de uma instituição solene, mas eram quanto aos seus eventos assim guiadas pela providência de Deus como aquela eles podem prefigurar e representar algo que depois iria acontecer. Por exemplo, Jeremias 31:15, define a lamentação de Raquel - isto é, as mulheres da tribo de Benjamim, sobre o cativeiro da terra: “Assim diz o SENHOR: Ouviu-se um clamor em Ramá, pranto e grande lamento; era Raquel chorando por seus filhos e inconsolável por causa deles, porque já não existem.” É evidente em Jeremias 40: 1 que após a destruição de Jerusalém pelos babilônios, Nebuzaradã reuniu o povo que estava para entrar no cativeiro em Ramá. Lá as mulheres, considerando quantos de seus filhos foram mortos, e o resto agora devendo ser levado embora, fraquejaram em lamentação indescritível. E isso foi ordenado, na providência de Deus, para prefigurar a tristeza das mulheres de Belém pela destruição de seus filhos por Herodes, quando ele buscou a vida de nosso Salvador; como as palavras são aplicadas, em Mateus 2: 17,18. E podemos distinguir coisas deste tipo em duas maneiras: (1) Tais como ter recebido uma aplicação particular às coisas do Novo Testamento, ou coisas espirituais pertencentes à graça e reino de Cristo, pelo próprio Espírito Santo nos escritos do Evangelho. Assim, todo o negócio de Rebeca ao conceber Jacó e Esaú, em seu nascimento, o oráculo de Deus a respeito deles, a preferência de um acima do outro, é declarada pelo nosso apóstolo ter sido ordenado na providência de Deus para ensinar sua soberania na escolha e rejeitando a quem lhe agrada, Romanos 9. Assim, ele trata amplamente o que aconteceu àquele povo no deserto, aplicando-o às igrejas do evangelho, 1 Coríntios 10; e outras instâncias desse tipo podem ser insistidas, sendo quase inumeráveis. (2) Esta aplicação infalível de uma coisa e temporada a outra, não se estende à menor parte daqueles exemplos de ensino que estão registrados no Antigo Testamento. Muitas outras coisas foram ordenadas pela providência de Deus para nos serem instrutivas, e podem, pelo exemplo dos apóstolos, ser aplicadas da mesma maneira; pois concernente a todas elas temos esta regra geral, que elas foram ordenadas na providência de Deus para este fim, para que elas possam ser exemplos, documentos e meios de instrução para nós. Mais uma vez, somos sucedidos no mesmo lugar no pacto com aqueles que estavam originalmente preocupados com elas, e assim podemos esperar dispensações respondentes de Deus para conosco; e todas elas foram escritas por nossa causa. 3. Há coisas que caíram do passado que se encontram para ilustrar as coisas presentes, de uma proporção ou similitude entre elas. E assim, onde um lugar da Escritura trata diretamente de uma coisa, ela pode, na interpretação dela, ser aplicada para ilustrar outra que tem alguma semelhança com ela. Essas exposições, que os judeus chamam de µyrdm, e dizem que são feitas ldmrdk, “Parabólico” ou “místico”, em que seus mestres são abundantes. Nós os chamamos de alegorias; assim também nosso apóstolo expressamente, Gálatas 4: 21-26. Tendo declarado como os dois pactos, o da Lei e o evangélico, eram representados pelas duas esposas de Abraão, Agar e Sara; e os dois tipos de pessoas, propriamente aquelas que são vistas para justiça pela lei e crentes, por seus filhos, Ismael e Isaque; ele acrescenta que essas coisas são uma alegoria. Crisóstomo supõe que Paulo usa essa expressão, de uma alegoria, em um sentido amplo, para qualquer tipo ou figura, vendo que as coisas que ele menciona eram expressas como tipos uma da outra. Mas a verdade é que ele não chama as próprias coisas de uma alegoria, pois elas tinham uma realidade, a história delas era verdadeira; mas a exposição e aplicação que ele faz da Escritura naquele lugar é alegórica, isto é, o que foi falado de uma coisa que ele expõe de outra, por causa de sua proporção de uma para outra, ou a semelhança entre elas. Ora, isto não surge, portanto, de que o mesmo lugar da Escritura, ou as mesmas palavras em qualquer parte, tenham um sentido diverso, um sentido literal e aquilo que é místico ou alegórico; pois as palavras que não têm um sentido determinado não têm sentido algum: mas as coisas mencionadas em qualquer lugar, mantendo uma proporção para outras coisas, havendo uma semelhança entre elas, as palavras pelas quais uma é expressa são aplicadas à outra. No uso dessas exposições alegóricas ou aplicações de coisas em um lugar para outro, várias coisas são sabiamente e diligentemente consideradas; como, - 1. Que haja uma devida proporção em geral entre as coisas que são uma delas como se fossem substituídas na outra. Alegorias forçadas e tensas da Escritura são um grande abuso da palavra. Tivemos alguns que torceram as Escrituras para alegorias monstruosas, corrompendo toda a verdade do sentido literal. Este foi o caminho de Orígenes no passado em muitas de suas exposições; e alguns recentemente tomaram muita liberdade em procedimento similar. Tome um exemplo no do profeta Oseias, Oseias 11: 1: “Do Egito chamei meu filho”. As palavras são diretamente ditas do povo de Israel, como a passagem anterior evidencia: “Quando Israel era uma criança, então amei-o e chamei meu filho do Egito.” Mas essas palavras são aplicadas pelo evangelista ao Senhor Jesus Cristo, Mateus 2:15; e isso por causa da justa proporção que havia entre Deus lidando com aquele povo e com ele, depois que ele foi levado para o Egito. 2. Que haja uma significação destinada nelas. Isto é, embora as palavras sejam primeiramente e principalmente faladas de uma coisa, ainda assim o Espírito Santo pretendeu significar e ensinar para onde elas devem ser aplicadas. Uma intenção do aplicativo está incluída nelas. Assim, estas palavras do profeta, “Do Egito chamei meu filho”, fizeram primeiro e apropriadamente expressar o trato de Deus com o povo de Israel; mas havia também uma intenção incluída nelas de tipificar seu futuro lidando com seu único Filho, Cristo Jesus. A descoberta disso é uma questão de grande habilidade e sabedoria; e a grande sobriedade deve ser usada em tais aplicações e alusões. 3. Que o primeiro sentido original das palavras seja sagradamente observado. Alguns não permitem que as palavras da Escritura sejam o primeiro sentido natural, mas aparentam que suas alegorias são diretamente destinadas a elas; que é para tornar suas exposições venenosas e iníquas. Eu adicionei essas coisas porque eu acho muitas pessoas prontas para alegorizar sobre as Escrituras sem qualquer devida consideração da analogia da fé, ou da proporção de coisas comparadas umas às outras, ou qualquer consideração a elas. O primeiro sentido genuíno das palavras que eles usam. Isto é claramente corromper a palavra de Deus; e, no entanto, aqueles que fazem uso de tais alusões pervertidas podem agradar às fantasias de algumas pessoas, e tornam-se desprezíveis para os criteriosos. Mas, em geral, essas coisas são assim. Todas as coisas no Antigo Testamento, tanto o que foi dito quanto o que foi feito, têm uma intenção especial para com o Senhor Jesus Cristo e o evangelho; e, portanto, de várias maneiras, podemos receber instruções deles. Como suas instituições são nossas instruções mais do que as deles, vemos mais da mente de Deus nelas do que eles; assim, suas misericórdias são nossos encorajamentos e suas punições, nossos exemplos. E isso procede, 1. Da maneira que Deus, em infinita sabedoria, atribuiu à abertura e desdobramento do mistério do seu amor, e à dispensação da aliança da graça. O caminho, sabemos, pelo qual Deus se agradou de manifestar os conselhos de sua vontade neste assunto foi gradual. Os principais graus e etapas de seu procedimento aqui foram declarados no primeiro verso desta epístola. A luz ainda aumentou, desde o início da primeira promessa, passando por todas as novas revelações, profecias, promessas, instituições de adoração, até que a plenitude do tempo chegou e todas as coisas foram completadas em Cristo; pois Deus desde o princípio projetou a perfeição de todas as suas obras para a sua igreja para estar nele. Nele, todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento deveriam ser depositados, Colossenses 2: 3; e todas as coisas deveriam ser reunidas em uma cabeça nele, Efésios 1:10. Nele, Deus projetou dar a imagem expressa de sua sabedoria, amor e graça, sim, de todas as gloriosas propriedades de sua natureza. Pois como ele é em si mesmo, ou em sua pessoa divina, “a imagem do Deus invisível”, Colossenses 1:15, “o brilho da glória e a imagem expressa de sua pessoa”, Hebreus 1: 3, assim ele deveria representá-lo para a igreja; porque temos o “conhecimento da glória de Deus na face de Jesus Cristo”, 2 Coríntios 4: 6. Nele, esta é sua pessoa, seu ofício, sua obra, sua igreja, Deus expressou perfeitamente a eterna ideia de sua mente a respeito de todo o efeito de seu amor e graça. Daqui ele imprimiu, em várias parcelas, por profecias, promessas, instituições de culto, ações, milagres, julgamentos, algumas representações parciais e obscuras do que deve ser realizado depois na pessoa e reino de Cristo. Portanto, essas coisas se tornaram tipos, isto é, transcrições da grande ideia na mente de Deus sobre Cristo e sua igreja, em várias épocas, em diversas instâncias, realizadas entre as pessoas de antigamente, para representar o que depois seria concluído nele. Isto o apóstolo Pedro declara plenamente, em 1 Pedro 1: 9-12, “obtendo o fim da vossa fé: a salvação da vossa alma. Foi a respeito desta salvação que os profetas indagaram e inquiriram, os quais profetizaram acerca da graça a vós outros destinada, investigando, atentamente, qual a ocasião ou quais as circunstâncias oportunas, indicadas pelo Espírito de Cristo, que neles estava, ao dar de antemão testemunho sobre os sofrimentos referentes a Cristo e sobre as glórias que os seguiriam. A eles foi revelado que, não para si mesmos, mas para vós outros, ministravam as coisas que, agora, vos foram anunciadas por aqueles que, pelo Espírito Santo enviado do céu, vos pregaram o evangelho, coisas essas que anjos anelam perscrutar.” Os profetas foram aqueles que revelaram a mente e a vontade de Deus para a igreja do Velho Testamento; mas as coisas que eles declararam, embora tivessem um uso atual na igreja, ainda que principalmente eles respeitassem ao Senhor Jesus Cristo, e às coisas que depois deveriam acontecer. E aqui foram instruídos por aquele Espírito de Cristo com o qual foram inspirados, a saber, que as coisas que declararam, e assim toda a obra de sua profecia em que ministravam, pertenceram principalmente aos tempos do evangelho. Portanto, são todos eles para nossa instrução. 2. Isso faz parte do privilégio que Deus reservou para aquela igreja que deveria ser plantada e erguida imediatamente por seu Filho. Tendo considerado a fé dos santos sob o Antigo Testamento, o que efetuou e o que eles obtiveram com isso, o apóstolo acrescenta que “Deus havia providenciado algo melhor para nós, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados”, Hebreus 11: 40. Nem eles mesmos, nem qualquer coisa que lhes sucedeu, foi aperfeiçoada sem nós. Não teve o seu pleno fim nem o seu pleno uso, sendo ordenado no conselho de Deus para nosso benefício. Neste privilégio fez Deus reserva para a igreja do Novo Testamento, que como deveria desfrutar daquela perfeita revelação da sua vontade em Cristo que a igreja do Antigo Testamento não recebeu, então o que foi então revelado não teve seu fim perfeito. Veja daqui que uso nós devemos fazer das Escrituras do Velho Testamento. Eles são todos nossos, com todas as coisas contidas neles. Os pecados do povo são registrados nelas para nossa advertência, sua obediência para nosso exemplo, e Deus está lidando com eles na conta de um e outro para nossa direção e encorajamento em crer. Não devemos olhar para qualquer parte deles como histórias nuas de coisas que são passadas, mas como coisas direta e peculiarmente ordenadas, no sábio e santo conselho de Deus, para nosso uso e vantagem. Exemplos especiais encontraremos muitos, no final da epístola. Considere também o que se espera de nós acima daqueles que viviam sob o Antigo Testamento. Onde muito é dado muito é requerido. Agora temos não apenas as ajudas da luz do evangelho, as quais não foram confiadas a eles no passado, mas também quaisquer meios ou vantagens que tivessem, eles são entregues a nós, sim, seus próprios pecados e punições são nossas instruções. Como Deus em sua graça e sabedoria nos concedeu mais luz e vantagem do que a eles, assim em sua justiça espera de nós mais frutos de santidade, para o seu louvor e glória. Há ainda outra observação que as palavras em sendo abertas nos permitirão, surgindo da ocasião, que o apóstolo pressiona sobre a consideração deles naquela palavra “hoje”. E é isso, - Observação 11. Épocas especiais de graça para a obediência devem ser observadas e aplicadas de maneira especial. Para esse fim são dadas, e são feitas especiais, para que possam ser aplicadas de maneira peculiar. Deus nada faz em vão, muito menos nas coisas da graça, do evangelho do reino de seu Filho. Quando ele dá um dia especial ao lavrador e ao vinhedo, é para um trabalho especial. "Hoje, se ouvirdes a sua voz." Podemos, portanto, perguntar, primeiro, o que é necessário para uma época tão especial; e então o que é necessário para uma devida observância e aplicação do mesmo. E vou me referir a todos, por uma devida analogia até aqueles dias especiais referidos no texto. 1. Porque o primeiro, tal dia ou ocasião consiste em uma concordância de várias coisas: (1.) Em uma dispensação peculiar dos meios da graça; e aqui duas coisas são requeridas: - [1.] Alguns efeitos especiais da providência, da sabedoria divina e do poder, abrindo caminho para isto, trazendo disto, ou preservando isto no mundo. Existe, sempre houve uma forte oposição em todos os tempos contra a pregação e dispensação do evangelho. É aquilo em que os portões do inferno se engajam, embora em uma obra em que jamais devem prevalecer absolutamente, Mateus 16:18. Assim como foi com Cristo, assim é com sua palavra. O mundo se uniu para impedi-lo, ou para expulsá-lo, Atos 4: 25-27. Por isso, trata do seu passado com todas as suas preocupações. De que maneiras e meios, em que várias pretensões isso é feito, não preciso declarar aqui, como é geralmente conhecido. Agora, quando Deus, por meio de alguns atos especiais e notáveis de sua providência, deve poderosamente remover, vencer ou de qualquer maneira desviar essa oposição, e assim abrir caminho para a pregação ou dispensação dela, ele coloca uma especialidade naquela época. E sem isso, o evangelho nunca teria feito uma entrada no reino de Satanás, nem se entretido em nenhuma nação do mundo. O caso diante de nós nos dá uma instância. O dia mencionado no texto foi o que as pessoas desfrutaram no deserto, quando a adoração de Deus foi primeiro revelada a elas e estabelecida entre elas. Por que meios isso foi produzido é resumido no profeta Isaías, Isaías 51: 15,16: “Pois eu sou o SENHOR, teu Deus, que agito o mar, de modo que bramem as suas ondas – o SENHOR dos Exércitos é o meu nome. Ponho as minhas palavras na tua boca e te protejo com a sombra da minha mão, para que eu estenda novos céus, funde nova terra e diga a Sião: Tu és o meu povo.” O que Deus fez quando trouxe o povo para fora do Egito foi tão grande, que parecia ser a criação de um novo mundo, onde os céus foram plantados e os alicerces da terra foram colocados. E qual foi o fim disso, qual foi o desígnio de Deus nisso? Era tudo para colocar suas palavras na boca de seu povo, para erguer Sião ou um estado de igreja entre eles, para levá-los a uma relação de aliança consigo mesmo por sua adoração. Isso fez com que o dia e a ocasião especiais deles. As obras semelhantes, para o mesmo fim, a qualquer momento constituem a mesma época. Quando Deus tem prazer em revelar seu braço em favor do evangelho, quando seu poder e sabedoria são evidenciados em vários casos para trazê-lo a qualquer lugar, ou a continuação de sua pregação contra oposições, invenções e tentativas de sua expulsão ou opressão, então ele dá um dia especial, uma temporada para aqueles que o apreciam. [2.] Consiste em uma comunicação eminente dos dons do Espírito Santo àqueles por meio dos quais os mistérios do evangelho devem ser dispensados, e quer quanto ao aumento de seu número ou de suas habilidades, com prontidão para e diligência em seu trabalho. Quando Deus “dá a palavra, grande é o exército dos que a publicam”, Salmo 68:12. A palavra é do gênero feminino e denota as igrejas; a qual, no verso 27 desse salmo, é chamado de duas mulheres, as quais nós traduzimos como “congregações”, isto é, igrejas, no mesmo gênero: “Abençoa a Deus nas congregações”, - duas mãos, as igrejas ou congregações publicam “a palavra” ou “boas novas”, como a palavra significa E aqui há "um grande exército" para a igreja em sua obra e ordem como "estandartes;" isto é, como "exércitos com estandartes", Cantares de Salomão 6:10. Quando Deus “deu a palavra” (é uma profecia, dos tempos do evangelho), “grande era o número, como exércitos com bandeiras, não por armas, mas por ordem e terror para o mundo, "pregou" ou "publicou". Tal foi o dia em que nosso apóstolo chamou os hebreus à sua consideração. Não foi muito tempo depois da ascensão de Cristo quando os dons do Espírito foram derramados em multidões de todos os tipos, como foi predito: Atos 2: 16-18: “Isto é o que foi dito pelo profeta Joel; “E acontecerá, depois, que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos velhos sonharão, e vossos jovens terão visões." A extensão da comunicação do Espírito naquele tempo é enfaticamente expressa nestas palavras: "Eu derramarei o meu Espírito sobre toda a carne.” Como o ato de derramar denota abundância, liberdade, grandeza, então o objeto, ou “toda a carne”, significa a extensão disso, para todos os tipos de pessoas. E você sabe quão grandes e eminentes eram os dons que eram comunicados a muitos naqueles dias; para que esse trabalho fosse completo. Por este meio as igrejas eram muitas, cujo trabalho e dever é ser “os pilares da verdade”, isto é, segurá-la, e sustentá-la, Filipenses 2: 16. Quando, então, há qualquer época em que em qualquer proporção ou semelhança a esta dispensação, ou de uma maneira de alguma coisa extraordinária, Deus tenha o prazer de dar ou derramar os dons do seu Espírito sobre muitos, para a declaração e pregação da palavra da verdade, então ele constitui um dia ou ocasião assim especial como o que estamos investigando. (2) Quando Deus se agrada em dar avisos providenciais, para despertar e incitar os homens à consideração e à observância de suas palavras e ordenanças, isso faz com que tal período se torne um dia especial; porque o fim das providências extraordinárias é preparar os homens para receber a palavra, ou avisá-los de julgamentos iminentes pelo desprezo dela. Essa marca Deus colocou na ocasião referida aqui pelo apóstolo. Pois à menção do derramamento do Espírito, a dos sinais e juízos é unida: Atos 2: 19,20, “E eu mostrarei maravilhas no céu acima, e sinais na terra abaixo; sangue, e fogo, e vapor de fumaça: o sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha aquele grande e notável dia do Senhor.” As coisas de que se fala aqui eram aqueles sinais, prodígios e juízos, os quais Deus mostrou e exercitou no povo dos judeus antes da destruição de Jerusalém, - aqueles preditos por nosso Senhor Jesus Cristo, Mateus 24. E todos eles foram feitos durante o tempo em que eles desfrutaram da dispensação do evangelho antes descrita. E qual foi o fim deles? Era evidentemente para colocar uma marca de sinal e nota naquele dia e época de graça que era então concedida àquele povo; pois assim é acrescentado, verso 21: “E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo”, isto é, todo aquele que fizer uso dessas advertências por sinais, e maravilhas, e representações terríveis de indignação e ira se aproximando, de modo a atender à palavra dispensada em virtude da abundante efusão do Espírito antes mencionado, e obediência a ele (ou seja, fazer uso do dia concedido a eles), eles devem ser salvos quando outros negligentes, rebeldes e desobedientes, perecerão completamente. (3) Quando é uma época do cumprimento de profecias e promessas para a realização de alguma grande obra de Deus no estado exterior da igreja, quanto à sua adoração. O dia que o povo teve no deserto foi o tempo em que a grande promessa dada a Abraão, quatrocentos e trinta anos antes, deveria ter suas realizações típicas. Nesse momento, o estado exterior da igreja foi totalmente alterado; deveria ser reunido a partir de sua dispersão em famílias solteiras, em uma união nacional e ter novas ordenanças de culto erigidas nela. Isto fez deste um grande dia para a igreja. O dia em que a aplicação dessas coisas é feita pelo apóstolo, foi a época em que Deus faria essa grande alteração em toda a adoração da igreja, pela última revelação de sua mente e vontade no Filho. Este foi um grande dia e sinal. Assim também quando o tempo do cumprimento de qualquer profecia, ou previsão especial para a reforma da igreja, constitui tal época. Algo desta natureza parece ser expresso, em Apocalipse 14: 6-8: “Vi outro anjo voando pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para pregar aos que se assentam sobre a terra, e a cada nação, e tribo, e língua, e povo, dizendo, em grande voz: Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas. Seguiu-se outro anjo, o segundo, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia que tem dado a beber a todas as nações do vinho da fúria da sua prostituição.” O tempo se aproximando em que Babilônia deve ser destruída, e a igreja deve ser redimida de debaixo de sua tirania, como também ser libertada de sua poluição, e de beber mais do cálice de sua fornicação, - qual é a maior mudança ou alteração que o estado exterior é deixado detestável no mundo, - o evangelho eterno deve ser pregado com tal glória, beleza e eficácia, como se fosse entregue do meio do céu; e os homens terão um dia especial de arrependimento e voltando-se para Deus. E assim é também em ocasiões diversas, em que o Senhor Jesus Cristo lida com suas igrejas em um lugar ou outro em uma forma de "preludium", ou preparação para o que se seguirá em seu tempo designado entre todos eles. Estas e coisas semelhantes constituem uma ocasião e um dia tão especiais como os que inquirimos depois; e se tal dia não está agora em muitos lugares, não precisa de grande esforço mental ou de eminência de compreensão para determinar. 2. É declarado na proposição estabelecida que tal dia, tal época, é diligentemente atendido e aperfeiçoado. E as razões ou fundamentos aqui estão, - (1.) Porque Deus espera isso. Ele espera que nossas aplicações a ele em um caminho de obediência devam responder a ele em um modo de cuidado e ternura, que quando ele é sincero em suas relações conosco, devemos ser diligentes em nossa observância a ele. Toda circunstância que ele acrescenta às suas dispensações ordinárias deve ter seu peso conosco; e nesse dia eles são muitos. Veja Isaías 5: 1: “Agora, cantarei ao meu amado o cântico do meu amado a respeito da sua vinha. O meu amado teve uma vinha num outeiro fertilíssimo.” “Plantada em um solo fertilíssimo”. Isto é, mobiliado com todos os meios possíveis para torná-la frutífera): "e ele cercou-a" (protegeu-a por sua providência da incursão de inimigos), "e recolheu as suas pedras" (removeu tudo o que era nocivo); “E plantou-a como a mais seleta videira” (em sua ordem, decretos e instituições de culto), “e edificou uma torre no meio dela” (isto é, para sua defesa; a saber, a cidade forte de Jerusalém, no meio da terra, que foi edificada “como uma cidade que é compacta”, como uma grande torre, “para onde subiram as tribos, as tribos do SENHOR, ao testemunho de Israel”, Salmo 122 : 3,4), "e também fez um lagar lá" (o templo e altar, continuamente correndo com o sangue de sacrifícios): "e ele vigiou para que desse uvas." Suas expectativas respondem aos seus cuidados e dispensações em direção à sua igreja. Esse é o significado da palavra wqiywæ, - ele “vigiou”, ele “esperou”. Expectativa propriamente dita é de uma coisa futura e incerta - assim não é nada para Deus; sendo, portanto, atribuída a ele, significa apenas o que é justo e seguro, e o que em tais casos deve ser tal vinha deve produzir as uvas responsáveis por todos os atos de cuidado e graça de Deus em relação a ela; e podemos ver naquele lugar qual é o fim de frustrar tal expectativa. Tais são as relações de Deus com igrejas e pessoas no dia que descrevemos, e uma expectativa de tal fruto é acompanhada disso.