As Tribulações dos Santos e os Livramentos Divinos – P1
Por Charles H. Spurgeon (1834-1892)
Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

“Elevo a Deus a minha voz ... O teu povo, tu o conduziste, como rebanho, pelas mãos de Moisés e de Arão.” (Salmos 77: 1; 20)
Este salmo descreve a condição de um filho de Deus sob profunda depressão de espírito. Ele está muito provado e curvado, e ainda, ao mesmo tempo, o santo finalmente obtém a vitória e, antes que o salmo termine, as nuvens são todas removidas do céu e o coração se alegra à luz do amor divino. É conhecido por todo crente que a experiência de um cristão é muito variável. Nós somos como o nosso próprio clima estranho nesta terra. Os ventos do sul sopram e tudo é quente e agradável, mas em poucas horas o vento norte vem, ou o vento leste cortante - e logo o chão está coberto de neve ou de geada branca dura - e ainda, talvez, em outro ou dois dias haverá uma tempestade! Alguns crentes têm todos os climas espirituais em uma semana. Sendo um pouco excitáveis, talvez naturalmente, eles rapidamente levantam asas e voam alto, mas então, quando um planar alto é frequentemente seguido por uma grande queda, esses mesmos crentes logo suspiram e clamam das profundezas e duvidam se são o povo de Deus afinal! Nem devo dizer que isto é comum a pessoas meramente excitáveis. Alguns dos mais nobres heróis do exército cristão tiveram uma experiência muito sombria. Se você ler a vida de Martinho Lutero, de quem podemos dizer que nunca o mais valente soldado lutou sob a bandeira da cruz como ele, você o encontrará sujeito aos mais terríveis exercícios. Ele era forte em seu Deus, mas era muito fraco em si mesmo - sujeito a tentações ferozes - tentações que provavelmente poucos de nós já conheceram porque não somos homens de seu molde gigantesco, e Deus não permite que as provações cheguem. sobre nós que somos apenas adequados para ele. Muitas vezes ele parecia estar nos portões do inferno, mas então, novamente, o homem parecia como se tivesse olhado para o céu e vivido em comunhão perpétua com o seu Deus! A descrição de John Bunyan do progresso do peregrino para o céu nos levaria a esperar que houvesse mudanças, pois ao mesmo tempo encontramos o peregrino abrigado com segurança no Palácio Belo - tudo ao seu redor é impregnado pelo odor das flores e da canção de pássaros - no dia seguinte ele desce para o Vale da Humilhação. Mesmo lá ele tem um conflito ou dois, mas um pouco mais adiante ele chega ao Vale das Sombras da Morte e lá ele tem que lutar por cada passo, enquanto a escuridão o envolve e o adversário das almas sai ao seu encontro! Estamos subindo e descendo todo o caminho para o céu! Como os filhos de Israel, nosso caminho para Canaã é um deserto, e embora, abençoado seja Deus, a graça do céu fez o deserto se regozijar e florescer como uma rosa, ainda há serpentes ardentes nele e é um deserto , depois de tudo.
Não obstante tudo o que Deus faz por nós enquanto estamos nele, esse estado neste mundo atual é um estado de escravidão. “Nós que estamos neste corpo gememos, sobrecarregados” – suspirando pelo tempo de retorno ao lar, quando chegaremos ao nosso próprio país e descansaremos para sempre e sempre!
Agora, neste momento, não tentarei descrever todo o conflito espiritual com o erro; se eu não for capaz de descrever isso - (e quem é?) - posso pelo menos falar com uma medida de segurança da experiência espiritual de alguns servos de Deus, pois não irei mais fundo do que eu tenho ido em mim mesmo, e se fizer isso, poderei falar com alguma medida de segurança.
Primeiro, então, façamos a observação de que o filho de Deus pode passar por grandes provações espirituais. Mas, em segundo lugar, pedir-lhe-emos que considere a conduta do filho de Deus quando na condição - muito diferente daquela do homem mundano. E, em terceiro lugar, citaremos as fontes de conforto que aliviam os santos nesse espírito e nos aliviarão também. Primeiro, então-
I. UM VERDADEIRO FILHO DE DEUS PODE PASSAR POR DEPRESSÃO MENTAL E TRIBULAÇÕES ESPIRITUAIS. Nenhuma provação superficial, como a que é comum aos homens, mas provações realmente esmagadoras parecem vir àqueles que são os favoritos do céu, que inclinam suas cabeças no seio de Jesus e estão entre os mais graciosos dos escolhidos do Senhor. A provação de Asafe não foi fácil - foi um grande pesar que veio sobre ele. De algumas palavras no salmo, alguém poderia pensar que foi uma doença pessoal sob a qual ele estava sofrendo. Mas, por outras palavras, parece ser uma profunda aflição que atingiu a sua família e aqueles a quem ele amava. Isso fez com que ele ficasse deprimido em espírito e pesado de alma em um grau muito solene, pois declarou que sua ferida corria durante a noite e não cessava. Ele reclamou que seu espírito estava sobrecarregado. Portanto, não conclua que você não é filho de Deus, porque as alegrias que você já teve se foram! Estou muito feliz quando estou com jovens cristãos cheios de sua primeira alegria - e eu sinceramente oro para que isto dure bastante antes que essas alegrias sejam atenuadas, mas, ao mesmo tempo, pode ser prudente deixá-los saber que essas alegrias deveriam partir, não haverá prova alguma de que o amor de Deus também se foi! Devemos sempre ter cuidado por viver por sentimento. Isto é agradável no verão, mas é um modo ruim de viver no inverno da alma. Nós andamos pela fé, não pela vista, nem ainda pelo sentimento, pois lembramos que nossos sentimentos são frequentemente de um caráter muito misto - e o que pensamos ser a santa alegria pode ser, em parte, excitação de ânimo - pode não ser completamente aquela alegria do Senhor que é a nossa força. Não; eu suplico-lhe, não baseie sua evidência da posse de salvação em sua alegria, porque se você fizer isso, você estará em triste problema quando sua alegria variar ou voar. Construa sua esperança em algo melhor do que prazeres não substanciais, ou seja, na obra de fé acabada, como o pobre publicano, tinha clamado, mesmo em suas melhores estruturas: “Deus seja misericordioso comigo, pecador! Deus seja misericordioso comigo, pecador.” Pois aqui e nos portões do céu você terá que passar por uma cruz chorando, talvez muitas vezes - e se o Senhor o amar mais do que a outros, você terá mais provações do que eles - estranhas provações virão até você! Portanto, não o considere como se alguma coisa estranha tivesse acontecido com você. Alguns dos melhores do povo de Deus podem passar pelos problemas mais profundos. E observe, em seguida, que isso pode não ser apenas muito profundo, mas muito frequente. Parece ter sido assim com Asafe. Ele descreve a si mesmo como sendo de dia e de noite atormentado com o seu problema. Não era uma nuvem transitória - era uma tempestade pesada que pairava sobre seu espírito. Por 40 dias e noites os céus pareciam derramar suas torrentes e sua alma não sentia descanso. Não se preocupe se você, às vezes, entra nessa condição. Eu oro para que você não entre, mas se você fizer isso, eu digo para estar em guarda para não se condenar! Você se lembra de como os santos amigos de Jó, quando o viram em cima de um monturo raspando-se com um caco de cerâmica, começaram a dizer-lhe que ele devia ser um hipócrita, ou senão ele não estaria lá? Como ele poderia ser o que ele professava ser e ainda estar lá? Isso é exatamente o que o diabo dirá a você! Se você está em profundas provações e também está num monturo, ele dirá isso - e talvez alguns de seus amigos cristãos digam o mesmo. Será muito pouco generoso e não como Cristo se o fizerem. Pior de tudo, talvez você próprio pense o mesmo. Mas deixe a advertência desta noite ajudar a guardá-lo de tal tentação. Não é nenhuma evidência de que Deus não tem amor por você se Ele o castiga, pois lembre-se de quem foi que disse - que não era outro senão um grande servo de Deus: “Durante todo o dia fui atormentado e castigado todas as manhãs. ”E Aquele que ainda era maior, até mesmo seu abençoado Senhor e Mestre, era o “Homem das Dores” e que conhecia a tristeza. Portanto, não permita, por sua própria alma, uma insinuação quanto ao amor de Deus ser mostrado em sua felicidade, ou Seu ódio se manifestando em sua depressão de espírito! Não permita que isso cruze sua mente!
Alguns dos melhores servos de Deus, além disso, não só estiveram nas profundezas, e estiveram lá por muito tempo, mas quando em tal condição se recusaram a ser consolados. Leia o segundo verso - “Minha alma recusou ser consolada” - como se ele tivesse rejeitado tudo o que pudesse animá-lo! Um homem de Deus e também um poeta - um homem inspirado e que poderia alegrar os outros, como fez com as doces palavras que nos deixou no Livro dos Salmos - mas quando essas coisas doces foram trazidas diante dele, ele disse: “Guarde-as!” E você nunca soube, ó vocês cristãos amadurecidos - (eu sei que você tem) - o que é dizer de uma promessa, “Não. É muito precioso, mas tenho medo de me enganar se pensasse: "Isso é meu". Você descobriu que a palavra vem muito preciosamente para a sua alma quando você ouviu um sermão - e então à noite, quando você se jogou na sua cama, você disse - “Eu temo que não seria nada melhor do que presunção se eu fosse sugar toda a consolação daquilo.” Todo o tempo o conforto era seu, e você poderia tê-lo - os doces eram feitos de propósito para você - e ainda assim você não poderia pegá-los! Agora há algo de bom nisso. Uma santa ansiedade é algo desejável, e eu nunca pregaria a plena certeza da fé, de modo que, por um momento, falasse uma palavra contra aquela santa ansiedade! Minha alma sempre disse: “Não serei consolado até que Jesus me console” - expulsa a paz que muitos já falaram e disseram: “Não! Nenhuma paz jamais virá à minha alma, exceto a paz, a paz do Mestre - a paz de Seus próprios lábios pelo Seu próprio Espírito." E eu creio que isso é certo, mas às vezes essa ansiedade pode ser levada a um grau e estado incrédulo! Provamos para nós mesmos que não são justificáveis e nos condenamos quando Deus não nos condena! E embora sejamos os preciosos filhos de Deus, comparáveis ao ouro fino, consideramos ser como os vasos de barro, o trabalho das mãos dos homens. É muito fácil escrever coisas amargas contra você mesmo quando as nuvens da escuridão pairam sobre sua alma. Este bom homem fez isso - ele se recusou a ser consolado. Quando isso ocorre, não é de todo surpreendente se a dor da alma que é causada no homem deve quebrar seu sono. Observe como ele diz: "Você mantém meus olhos acordados". As pálpebras, aqueles guardas dos olhos foram feitos para manter sua posição. Os olhos ainda estariam abertos. Não havia descanso para o homem. E quem pode descansar quando não sabe que é uma alma salva? Deixe-me duvidar se sou filho de Deus e ouso descansar? Frequentemente me surpreendo com a facilidade com que alguns homens falam de suas dúvidas e medos. Não sabe se você está salvo ou não, e ainda vai dormir? Talvez você possa acordar na morte! Um inimigo para Deus, ou com medo de que você seja, e ainda encontra descanso? Meus queridos irmãos e irmãs, não vou condenar suas dúvidas, mas devo condená-los se puderem ficar à vontade enquanto estiverem debaixo delas, pois certamente isso é da primeira importância - “Sou Seu ou não sou?” “Eu sou realmente regenerado, ou é tudo fingimento? Eu sou feito para parecer viver, enquanto eu estou morto? Ou eu sou realmente um desses que Deus fez para ser uma nova criação em Cristo Jesus?” Agora, quando um homem fica realmente perturbado com isso, e essa é a questão, e ele tem medo de que a misericórdia de Deus e a promessa de Deus não sejam para ele, e que ele pereça - quando um homem está nesse estado, ele não pode descansar - ele deve então sentir que até que essa briga acabe e que este problema seja decidido, ele não encontrará descanso para as solas dos pés. Além disso, em tais circunstâncias, às vezes pode ocorrer que o bom homem não possa contar sua história a ninguém; assim é aqui - “estou tão perturbado que não posso falar” - não o digo a ninguém - uma dor muito grande para ser aliviada. Ele poderia sussurrar isso aos pés do Redentor, “Meu Senhor, tenha piedade do Teu servo”, mas ele não pode vir e contar aos outros porque não sabe que qualquer outro já passou pelo mesmo. Ele teme que seu curso seja singular e tão surpreendente que, se ele mencionasse, seus irmãos e irmãs o abandonariam! Além disso, talvez ele tenha começado a mencionar isso para alguns e eles, sem entendê-lo, deram-lhe uma resposta tão dura que ele encolheu completamente e partiu deles. Há muitos gados gordos que empurram e empurram com chifres os magros do rebanho de Deus, e isto é mal, quando fazemos isto. Aquele que é perturbado em espírito e abatido é muitas vezes como um cordeiro desprezado por aqueles que estão à vontade. Ele pode ser o melhor homem de toda a companhia e, no entanto, se ele contasse sua experiência, eles o considerariam o pior. Ele pode ser o melhor em toda a igreja e, no entanto, tal pode ser o tumulto de sua alma; às vezes, para narrar sua experiência, muitos que não devem ser comparados a ele por um momento lutariam totalmente contra ele! Ele tem uma dor dentro dele que ele não pode dizer.
E agora vem um outro ponto, e isso, talvez, é a pior fase da depressão pela qual esse homem de Deus pode estar atravessando, a saber, que até mesmo aquilo que deveria consolá-lo, fará a sua dor ainda maior. Ele diz: “Eu me lembrei de Deus e fiquei perturbado”. Por que, irmãos e irmãs, nossos pensamentos de Deus são refrigerantes para nós, eles sempre deveriam ser! Assim como a carne boa deve nutrir o corpo (somente quando o corpo está doente, aquela boa carne se transforma em mal), então os pensamentos de Deus devem sempre deleitar nossa alma, e eu me alegro que eles façam a maior parte do tempo. Em nossa peregrinação não há nada que nos renda uma canção tão deleitável quanto o pensamento de nosso Deus, o Pai, o Salvador e o abençoado Espírito residente! Mas quando a alma está doente, e uma alma graciosa pode ficar doente dessa maneira, os próprios pensamentos de Deus se tornam um problema. Veja como é. Você pensará: "Ele é muito justo - como posso permanecer à vista dEle? Mas Ele é muito gracioso. Sim, e quão gracioso Ele tem sido para mim, e quão indignamente eu fiz qualquer retorno por essa graça! Ele é amoroso, ah e muito amoroso. Como posso esperar que eu provasse desse amor depois do retorno ruim que fiz?” E todos os atributos da vontade de Deus, nessas ocasiões, parecem negros contra você. De Sua própria fidelidade você sentirá. “Ah, se ele é fiel à sua promessa, que parte e quanto devo ter nessa promessa? Deve ser, afinal, uma mera ilusão minha que meu nome está escrito em Seu livro! Como pode ser que eu tenha uma parte entre os escolhidos por Ele?” Considerando que, quando a alma está reta, todo atributo de Deus é adorável, quando uma vez fica nas trevas, e se afasta do pé da cruz - se afasta de olhar com olhos lacrimejantes de um pobre pecador para o Salvador do pecador, simples e sozinho, todos os atributos de Deus parecem rolar com trovões e brilhar com relâmpagos em seu espírito! Eu sei o que isso significa. Eu me levantei e vi a tempestade voar sobre minha cabeça, nuvem sobre nuvem, mais negra e ainda mais negra, e meu espírito esmagado e totalmente quebrado, até que não restasse nenhuma esperança! Então eu vi uma fenda no meio da nuvem, e uma estrela solitária brilhando ali, a estrela de Belém e, olhando para cima, tudo parecia calmo debaixo da minha alma, mesmo naquele mar! Só então a tempestade parou ao ver aquela estrela e lá eu pareci ver o amor de Deus pelo mais culpado dos homens, à escória de pecadores e ao lixo - e descansando como uma criancinha, humilde, simples e solitária, sobre o que o Mestre fez pelos pecadores na cruz - alegria e paz voltaram! Mas muitos e muitos, e muitos filhos de Deus conheceram o que é ver toda esperança destruída, toda a experiência perdida e toda a graça murchada - isto é, aparentemente, porque na verdade não foi assim - porque afinal de contas, talvez nunca sejamos mais ricos do que quando pensamos que somos os mais pobres de todos, nunca tão bem vestidos como quando sabemos que estamos nus em nós mesmos, nunca tão perto de Deus como quando sentimos estar perto do inferno, se a graça de Deus não se interpõe!
Assim, eu lhe dei apenas um esboço muito breve das provações mentais e espirituais pelas quais um herdeiro do céu às vezes passa. Agora, em segundo lugar –