Um coração quebrado não é precisamente um coração preocupado, ou meramente triste, mas um coração que foi pisoteado, ferido. E maior será este quebrantamento, caso tenha sido produzido por pessoas amadas e queridas.
Posso encontrar-me triste pelas preocupações que tenha em relação ao comportamento de uma pessoa amada que esteja vivendo de modo contrário à vontade de Deus, todavia, tal pessoa, ainda que me entristeça, não chega a quebrar o meu coração, porque não há, neste caso, a intenção de me ferir ou prejudicar.
Então, não temos nisto um exemplo de um coração quebrantado ou quebrado, mas de um coração simplesmente entristecido.
Mas, quando as atitudes ou ações de tal pessoa têm o propósito deliberado de me ferir, por palavras, atos ou omissões que me são dirigidos com a intenção de machucar, humilhar e magoar, então o coração poderá ser partido em centenas de pedaços que somente o amor e o poder de Deus poderão juntar e sarar.
Todavia, um coração quebrantado é de grande utilidade para Deus, conforme afirmado pela própria Bíblia, e, talvez daí, seja permitido por Ele que experimentemos tantas frustrações, desilusões e dissabores neste mundo.

Isaías 61:1 O Espírito do SENHOR Deus está sobre mim, porque o SENHOR me ungiu para pregar boas-novas aos quebrantados, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a proclamar libertação aos cativos e a pôr em liberdade os algemados;

Salmos 51:17 Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado; coração compungido e contrito, não o desprezarás, ó Deus.

Salmos 34:18 Perto está o SENHOR dos que têm o coração quebrantado e salva os de espírito oprimido.

Salmos 147:3 sara os de coração quebrantado e lhes pensa as feridas.

Para nos curar de um ego orgulhoso, egoísta e inchado, Deus permite que primeiro sejamos quebrados, para que Ele possa realizar a cura que nos libertará do nosso endurecimento natural, que nos impede de perdoar e amar aqueles que nos têm ferido, até mesmo com atos de maldade, voluntários ou inconscientes, inspirados ou não por demônios.
Como ajudaríamos ou compreenderíamos a grande massa de pessoas feridas que se encontra vencida por mágoas, amarguras, tristezas e ressentimentos, caso nós mesmos não tivéssemos o nosso coração quebrado especialmente por aqueles a quem amamos?
Como saberíamos quão duro e difícil é permanecer numa atitude de paz, alegria e amor, uma vez que tenhamos sido feridos de maneira injusta e maldosa?
Como saberíamos que na verdade é impossível ser libertados por nossa própria capacidade e poder de tais sentimentos de amargura, tristeza e ressentimento?
Como aprenderíamos que a vitória é alcançada, somente quando recorremos à graça de Deus, nos humilhando debaixo da Sua vontade, e lhe pedindo que nos dê um coração amoroso e verdadeiramente perdoador tal como o dEle, para que sejamos sarados das profundas feridas que quebraram o nosso coração?
Nosso Senhor em seu grande amor pela humanidade, conheceu no mais alto grau, o que é sofrer ingratidão, perseguição e até mesmo a maldade dos homens, e isto da própria nação de Israel que Ele tanto amava.
O apóstolo Paulo também experimentou este quebrantamento, conforme ele mesmo expressou em suas epístolas, e como podemos observar no relato do livro de Atos.
Todavia, eles não se deixaram vencer por amarguras, mágoas e ressentimentos. Ao contrário, permitiram que Deus lhes desse graça para suportarem muitas tristezas, ao mesmo tempo que lhes revestia de poder para amarem ainda mais aqueles que os feriam.
Um coração que foi realmente quebrado poderá receber graça da parte de Deus para ser sarado. E melhor ainda, ser convertido a Ele, porque o ego inchado terá dado lugar a uma cerviz amolecida e a um espírito quebrantado que buscará e aceitará o socorro divino.
Não se deve desprezar portanto as muitas feridas que se tenha sofrido ao longo da vida. Estas feridas são preciosas para Deus, porque por meio delas pode fazer uma nova pessoa, transformada pelo Seu amor, e cheia de bondade e perdão, tal como eles existem no próprio coração de Deus.
Oremos então pelo bem dos que nos amaldiçoam e perseguem. Amemos os nossos inimigos e aqueles que sendo amigos agem no entanto, em relação a nós como se fossem nossos inimigos. Porque é assim fazendo que Deus nos concede a Sua graça para que possamos viver de fato sempre alegres no espírito, com paz em nossos corações, em nossas mentes e almas, e cheios do Seu próprio amor divino.