Mortos em Cristo para o Pecado

03 de Junho de 2014 Silvio Dutra Artigos 713

Jesus morreu por causa dos nossos pecados, e é pela Sua morte que somos justificados, de maneira que não faz qualquer sentido permanecer na prática do pecado, sendo vencidos por pecados, depois de termos sido justificados, porque isto corresponde a agir contra o propósito eterno de Deus relativo à nossa salvação, e contra a própria nova natureza que recebemos do alto, quando formos regenerados pelo Espírito Santo no dia da nossa conversão a Cristo.A morte de Jesus na cruz é considerada por Deus como sendo a morte do próprio cristão, porque foi uma morte substitutiva.Afinal aquela morte estava destinada a nós pecadores.Jesus não tinha pecado, havia guardado perfeitamente toda a Lei, e portanto não era digno de morrer.Então, pôde carregar sobre Si os nossos pecados, colocando-se no nosso lugar.Foram os nossos pecados a verdadeira causa da Sua morte, e não simplesmente a perseguição que sofreu por parte dos principais sacerdotes, escribas e fariseus.Como Ele morreu por causa do pecado e para nos livrar da prática do pecado, como poderia ser admitido o raciocínio  já que Ele justifica pecadores, que não há portanto nenhum mal em viver na prática do pecado, porque afinal a graça nos perdoará?Esta forma de pensar é induzida pelo fato de o pecado ser tão comum na sociedade, e tão inerente à velha natureza terrena, que ainda trazemos conosco enquanto vivermos neste mundo, que parece a muitos que Deus não se importa com a prática do pecado.Não podemos esquecer no entanto que não há um só pecado em nenhum dos seres que vivem no céu. E que Adão e Eva foram criados perfeitos sem qualquer pecado.Então a vinda de Jesus a este mundo, encarnando num corpo como o nosso para morrer no nosso lugar, teve por propósito principal nos livrar da prática do pecado.Isto equivale a dizer que a vontade de Deus em relação a Seus filhos é que sejam verdadeiramente santos, e que se santifiquem cada vez mais, através do processo da santificação pelo Espírito, mediante aplicação da Sua Palavra, como Jesus intercedeu em favor dos cristãos em Jo 17.17.Nós já fomos limpos pela Palavra do Senhor na nossa conversão, e com ela, recebemos uma expressiva santificação pela Palavra que foi implantada em nós, mas importa que nossos pés espirituais sejam continuamente purificados das contaminações que recebemos por termos que viver e andar neste mundo de trevas espirituais; além da necessidade que temos de prosseguir no crescimento na graça e no conhecimento de Jesus.Deste modo, Deus considera todo cristão morto para o pecado, e é assim, portanto, que cada cristão deve considerar a Si mesmo, para que esteja em acordo com a visão de Deus relativamente a ele, conforme Paulo afirma em Romanos 6.2.Os que foram batizados em Cristo, não propriamente nas águas do batismo, mas no próprio Cristo, pela comunhão espiritual com Ele, foram batizados também na Sua morte, como Paulo afirma em Rom 6.3.Na verdade, quando somos justificados, passamos a ser identificados com tudo que há em Cristo, porque o Pai planejou que fôssemos co-herdeiros com Ele em todas as coisas, inclusive nos Seus sofrimentos.Por isso temos uma cruz, porque Ele também teve a Sua.Temos aflições neste mundo, porque Ele também padeceu terríveis sofrimentos e perseguições por causa da justiça do evangelho.Mas assim como Ele tem um trono no céu, nós também teremos um trono.Assim como Ele ressuscitou, também seremos ressuscitados.Enfim, somos chamados a participar juntamente com Ele de todas as coisas que Lhe pertencem.Assim, a vida que temos neste mundo deve ser a que Ele viveu, isto é, uma vida no poder do Espírito Santo, e mortificando o pecado de nossa natureza terrena, para que Deus possa ser glorificado, como Paulo diz no verso 4 de Rom 6.Fomos batizados tanto na semelhança da morte quanto da ressurreição de Jesus.Então é morrendo para o pecado, pelo ato de carregar voluntariamente a nossa cruz, que poderemos experimentar também o poder da vida ressurrecta que Ele experimentou depois da morte, como se vê no verso 5 de Rom 6.O corpo do pecado deve ser desfeito, a saber, o nosso velho modo de vida, e tudo aquilo que pertence à carne, ao diabo e a tudo que  se opõe à vontade de Deus, que a Bíblia chama de  mundo, de maneira que sabendo que o nosso velho homem foi crucificado juntamente com Cristo, não devemos viver mais servindo ao pecado, como se lê no verso 6 de Rom 6.A justificação do pecado aconteceu exatamente por causa do fato de estarmos mortos em relação ao nosso velho homem.Jesus veio para que tenhamos vida abundante, espiritual e eterna.O diabo  veio para roubar, matar e destruir.Então esta morte não é o grande alvo da vida cristã, porque vem chegando o dia em que já não existirá mais morte, nem mortificação do pecado, senão a nova vida que obtivemos em Cristo.Então o propósito de mortificar o pecado é para que tenhamos, a verdadeira vida celestial, espiritual e divina.O alvo do evangelho é trocar a tristeza pela alegria.Dar-nos uma grinalda em vez de cinzas.Trocar o espírito angustiado pelo louvor, conforme vemos em Isaías 61.2,3.Mas nada disso é possível, se não passarmos antes pela mortificação da carne, com as suas paixões, através da cruz, como lemos em Rom 6.8.Era precisamente isto que o Espírito Santo  pretendeu ensinar através de Paulo neste sexto capítulo de Romanos.Assim como Cristo morreu e ressuscitou e já não pode morrer mais, de igual modo nós, ainda que morramos fisicamente, viveremos para sempre com Ele em espírito.E isto é verdadeiro tanto em relação à morte espiritual por causa do pecado, quanto à morte física, porque se morrermos para o pecado pelo despojamento do velho homem, com a crucificação das obras da carne, nós viveremos espiritualmente, porque acharemos a vida poderosa do Espírito do outro lado da cruz, e o nosso corpo será ressuscitado por ocasião da segunda vinda do Senhor.De maneira que em Cristo temos vida e não morte.O que morre é o pecado. A velha criatura.Mas a nova criatura vive, e viverá eternamente por causa de Jesus.É àquela mesma justiça evangélica à qual nos referimos anteriormente, no comentário do terceiro capítulo, que devemos nos consagrar depois de justificados.Devemos saber que estamos numa nova dispensação, a saber, a da graça, a do Espírito, a da justiça evangélica, a do tempo da paciência de Deus, que  tem colocado à nossa disposição todos os dons e graças necessários para a nossa santificação.Deste modo, o cristão que não estiver se consagrando a Deus pela santificação de sua vida, está vivendo de modo contrário à Sua vontade.Isto não é apenas uma questão doutrinária, mas uma verdade que se demonstra nas Escrituras e na vida.Aqueles que se consagrarem a Deus experimentarão o poder santificador da Palavra e do Espírito Santo, porque o próprio Deus efetuará neles tanto o querer quanto o realizar para o desenvolvimento da salvação deles, em crescimento espiritual.O fato de não se estar mais debaixo de uma Antiga Aliança, a da Lei de Moisés, e de se estar debaixo de uma Nova Aliança, a da graça, não é nenhum salvo conduto que estamos recebendo da parte de Deus para permanecermos no pecado, como Paulo afirma no verso 15; sob a alegação de que afinal o sangue de Jesus cobrirá todo e qualquer pecado que pratiquemos, ainda que deliberadamente.Aqueles que entristecem e apagam o Espírito Santo deliberadamente, não podem contar com o Seu consolo e companhia, enquanto endurecidos pelo pecado.Apesar de Paulo não detalhar todas as consequências de uma desobediência voluntária de cristãos, neste capítulo, ele colocou tudo de forma resumida em Rom 6.16:“Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça?”Os homens que permanecem escravizados ao pecado, por não terem sido libertados por meio da conversão a Jesus, caminham inexoravelmente para a morte espiritual, porque este é o pagamento que o pecado lhes dará ao final da sua jornada nesta vida; mas os que obedecem o evangelho e creem em Jesus para ser o seu Salvador e Senhor, são justificados, por isso diz o apóstolo: "da obediência para a justiça".Por isso ele se apressou em esclarecer que no caso de autênticos cristãos, é de se esperar que obedeçam de coração à forma de doutrina à qual foram entregues em decorrência de terem sido tornados participantes de Cristo, porque devem ser santos assim como Ele é santo, como se lê em Rom 6.17.E uma vez que, foram libertados do pecado, não devem viver mais em servidão ao pecado, mas como servos da justiça evangélica, à qual foram submetidos por causa da justificação, como lemos no verso 18.Então ele falou no verso 19 sobre santificação em termos de usar os membros do corpo não mais para servir à impureza e à maldade, mas para servirem à justiça evangélica, com vistas à santificação.Antes da sua conversão, o cristão estava isento da disciplina da aliança, e da exigência da santificação, porque afinal estava debaixo da ira de Deus, por não ser justificado, como se lê no verso 20.Mas o fruto daquelas ações passadas, anteriores à conversão, são agora, motivo de vergonha, porque o fim delas culminaria na morte, como se afirma no verso  21.Deste modo, uma vez que foi libertado do poder do pecado, pela justificação, em Jesus Cristo, e tendo sido feito servo de Deus, o cristão deve ser diligente em seu viver visando ao fruto da santificação, e por fim à vida eterna, porque é preciso perseverar até o fim para a plena certeza da salvação, e santificar-se, porque sem santificação ninguém verá o Senhor.Se a paga que receberíamos do pecado seria com certeza a morte eterna, devemos considerar que a vida eterna é um dom gratuito por meio de Jesus Cristo, como se lê no verso 23.Então deveríamos nos aplicar às coisas que dizem respeito a esta vida, pela santificação, e não às que são relativas à  morte espiritual, e que se manifestam quando se vive na prática deliberada do pecado, negligenciando-se a necessidade da santificação da vida.Como muito da força do velho homem foi destruído na regeneração, isto comprova que ele está destinado a desaparecer totalmente pelo trabalho da santificação que consiste pelo seu lado negativo neste despojamento do velho homem, e pelo lado positivo no ato de revestir-se do próprio Cristo.O conhecimento e a vivência desta verdade é de crucial importância, especialmente nestes últimos dias de apostasia da Igreja, porque o Arrebatamento está às portas, e aqueles que não estiverem santificados, seguindo o exemplo das cinco virgens imprudentes da parábola, correm o risco de serem deixados para trás para enfrentarem a Grande Tribulação e entrarem no milênio sem o corpo glorificado que receberão todos os crentes que forem arrebatados pelo Senhor.Jesus e os apóstolos nos fazem sérias e repetidas advertências na Palavra para que nos preparemos em santificação para o encontro com o Senhor entre nuvens.Ainda que o fato de alguns não serem arrebatados não signifique a perda da salvação para aqueles que não estiverem se santificando, todavia será uma grande desonra e dano para eles não participarem juntamente com seus irmãos das Bodas do Cordeiro no céu.Quem em sã consciência gostaria de ver a sua obra sendo queimada pelo fogo da provação de Deus, por ter sido feita com restolho e madeira, e não com prata e ouro?Quem gostaria de deixar de ouvir no céu dos lábios do próprio Senhor o “Muito bem, servo bom e fiel; foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.”?“Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor,” (Heb 12.14)


Leia também
Traços Mudados há 4 horas

O tempo passou, e eu nem percebi... Meus Deus, o que mudou? Envelheci. ...
a_j_cardiais Poesias 24


Queimando os Últimos Cartuchos há 5 horas

Sinto que estou queimando os últimos cartuchos... Estou chegando ao fim....
a_j_cardiais Poesias 25


"Posso ser o poema" há 8 horas

Barcos que navegam, ao luar, as imensas ondas do mar até as nuvens lá n...
joaodasneves Poesias 6


"Vi em ti" há 16 horas

Em ti eu vi o sol, o mar senti o vento aprendi a viver, soltei o sentime...
joaodasneves Poesias 7


"Tenho" há 16 horas

Tenho amor para dar Paixão para receber Sei perdoar, mas não posso esq...
joaodasneves Poesias 10


"Queria ser o mar" há 16 horas

Queria tanto ser o mar Te abraçar com as minhas ondas Te desejar na arei...
joaodasneves Poesias 7