"Antes vocês estavam separados de Deus e eram Seus inimigos, separados dele por seus pensamentos e más ações." (Colossenses 1:21)Todos os pecados do homem, comparativamente falando, são senão “pequenas partículas do raio solar” quando comparados com este gigante pecado de inimizade contra Deus. Um homem pode ser dado a indulgências carnais; ele pode pecar contra o seu semelhante, pode roubar, saquear, oprimir, mesmo matar o seu semelhante. Mas visto em uma luz espiritual, o que são estes pecados comparados com o terrível, com o pecado condenável de inimizade contra a grande e gloriosa  Majestade do Céu?Este é um pecado que perdura além da sepultura!Muitos pecados, embora não suas consequências, morrem com o corpo do homem, porque são pecados corporais.Mas este é um pecado que vai para a eternidade com ele, e inflama como um poderoso vulcão desde as profundezas do abismo! Sim, é o próprio pecado dos demônios, que, portanto, liga o homem culpado a eles nas mesmas cadeias eternas, e o designa para o mesmo lugar de tormento!Oh a indizível inimizade do coração contra o Deus vivo! O próprio pensamento é espantoso!Quão completamente arruinado, então, quão totalmente perdido deve ser o estado e a situação deste homem, que vive e morre quando ele vem ao mundo . . .  não transformado,  não renovado,  não regenerado!Não vou me alongar mais sobre este assunto sombrio, nesta triste exposição da maldade e miséria humana, embora seja necessário, devemos conhecê-lo por nós mesmos, que devemos ter um gosto deste cálice amargo na nossa própria experiência mais dolorosa, para que possamos conhecer a doçura do cálice da salvação, quando apresentado aos nossos lábios pela graça livre e soberana.Nada além do grande poder de Deus jamais poderá transformar esse inimigo que vive dentro de nós em um amigo!"E a vós outros também que, outrora, éreis estranhos e inimigos no entendimento pelas vossas obras malignas, agora, porém, vos reconciliou no corpo da sua carne, mediante a sua morte, para apresentar-vos perante ele santos, inculpáveis e irrepreensíveis," (Colossenses 1:21,22)Texto de J.C. Philphot, traduzido por Silvio Dutra.