Vencendo o Mal com o Bem

03 de Junho de 2014 Silvio Dutra Artigos 726

Os primeiros sete versículos do sexto capítulo de II Reis descrevem o milagre da flutuação de um machado de ferro, que havia caído no rio Jordão quando os profetas que habitavam juntamente com Eliseu, provavelmente em Gilgal (2.1; 4.38), decidiram pedir-lhe permissão para ampliarem a edificação do local em que moravam, porque não havia espaço suficiente para acomodá-los, possivelmente em razão de muitos terem se agregado aos primeiros profetas, que se reuniam desde os dias de Elias, e que passaram a seguir também a Eliseu.

Nós temos esta associação de profetas desde os dias em que Samuel havia inaugurado uma casa de profetas em Ramá, sua cidade natal na tribo de Efraim, e elas se espalharam por outras regiões de Israel, como Gilgal, Betel e Jericó.Assim, o próprio Elias não surgiu do nada, porque há cerca de trezentos anos Deus vinha chamando e reunindo estes homens para se consagrarem a Ele, para estudarem e ensinarem a Sua Palavra, porque o ministério sacerdotal, em grande parte havia se corrompido, impedindo que realizassem a sua função oficial e vitalícia, de juntamente com os levitas ensinarem a lei em todo Israel.Não podemos esquecer que este ministério dos sacerdotes e levitas era hereditário, e sabemos que a graça e a fidelidade não correm no sangue, e que o serviço ao Senhor deve ser verdadeiro e voluntário, então deveria ser feito necessariamente por um atendimento à chamada do Senhor, por parte daqueles que desejavam consagrar as suas vidas a Ele.É aqui que vemos a necessidade do ministério dos profetas do Velho Testamento.É por isso que quando o ministério regular e oficial das Igrejas falha em sua missão de pregar o evangelho a toda criatura, pessoas leigas são despertadas e levantadas pelo Senhor para cumprirem a função que eles deixaram de cumprir.Quando aqueles profetas foram cortar árvores no Jordão, para fazerem as vigas da casa, o machado de um deles se desprendeu do cabo e caiu na água, e ao lamentar o fato junto ao profeta Eliseu, porque havia pedido aquele machado emprestado, e não somente para não prejudicar o proprietário, como também para evitar que o grupo de profetas fosse acusado de imprudência e negligência, o Senhor permitiu que um milagre, feito pelas mãos de Eliseu acabasse com o possível prejuízo e constrangimento, porque o profeta cortou um pedaço de madeira e o lançou no local onde o machado havia afundado, e certamente sem que houvesse necessidade de um segundo milagre, a saber, que a madeira afundasse, a parte de ferro do machado, contrariando os princípios da física flutuou e pôde ser apanhado com as mãos pelo profeta, que o havia extraviado.Todas estas maravilhas tinham não somente um fim útil para a solução de problemas reais, como também para engrandecer Eliseu diante dos seus discípulos, de modo que fosse respeitado por eles, por verem que o Senhor era com ele, e assim, dessem crédito às suas palavras e continuassem apoiando o seu ministério, e aprendendo dele as coisas relativas ao reino de Deus.De igual modo, o ministério de Jesus e dos apóstolos foi confirmado por Deus com sinais e prodígios, para que todos os que lhes acompanhavam, e os que viriam depois deles, dessem crédito a tudo o que fizeram e disseram, e que ficou registrado para nosso ensino na Bíblia.A madeira que foi lançada à água por Eliseu era uma sinalização divina para que o ferro subisse e flutuasse, e de igual modo a graça de Deus revelada em Jesus é o sinal enviado por Ele para elevar o coração de ferro e de pedra que estava afundado no lodaçal deste mundo e do pecado, fazendo com que os afetos naturais terrenos pudessem ser elevados ao plano celestial.Os demais versículos deste capítulo descrevem como Deus pôde transformar em bem o mal que foi intentado pelo rei da Síria contra o profeta Eliseu, por causa do desvendamento dos seus projetos de guerra, que ele fazia ao rei de Israel, porque toda a nação israelita pôde ser beneficiada em razão da bondade e humanidade que o profeta demonstrou para com os soldados sírios, que foi interpretada pelo reio da Síria como um ato de grande demonstração de misericórdia, bondade e perdão para com os sírios por parte do exército de Israel.O rei da Síria vinha sendo impedido por vezes sucessivas de instalar pontos de comando em territórios de Israel, porque toda vez que planejava enviar tropas para guarnecerem determinadas áreas, o profeta Eliseu comunicava os planos do rei sírio ao de Israel, e este se antecipava enviando tropas para aquele lugar, e frustrava assim os planos da Síria.Quando o rei da Síria ficou sabendo que isto era devido à obra de Eliseu  e não por causa de traição de algum dos soldados da própria Síria, ele decidiu acabar com a fonte dos seus problemas, enviando um grande exército, inclusive com carros e cavaleiros, não para guerrearem contra Israel, mas para sequestrarem o profeta.Talvez, por isso, estas tropas tenham sido poupadas por Deus, porque a intenção deles era a de se beneficiarem do profeta, tal como ele vinha beneficiando o rei de Israel, e não de matá-lo ou de desprezarem o seu ofício.E tendo se informado que Eliseu se encontrava em Dotã, cidade próxima de Samaria, o exército sírio cercou a cidade (v. 11 a 14).Nós aprendemos desta passagem a grande importância da vigilância espiritual, pela qual mantemos ininterrupta comunhão com Deus, e pela qual nos é possível receber com antecedência, instruções do Senhor relativas ao mal que se avizinha, de modo que possamos nos prevenir dele, tal como Israel pôde ser livrado pelas revelações dos movimentos do rei sírio, que eram feitas a Eliseu.    A visão daquele numeroso exército com carros e cavalos espantou sobremodo o moço de Eliseu, que veio lhe notificar o que tinha visto, e lhe perguntou o que eles poderiam fazer.E a resposta do profeta foi que ele nada temesse porque os que estavam ao seu lado  eram mais numerosos do que os que estavam com os sírios (v. 15, 16).Quem havia impelido o exército sírio contra Eliseu, senão as portas do inferno com o propósito de terminar com a carreira do profeta em Israel.Mas as portas do inferno não podem prevalecer contra as portas do céu, que liberaram um exército de anjos muito mais poderoso e numeroso do que os demônios que haviam incitado os sírios.Esta luta sobrenatural somente poderia ser combatida no mundo espiritual, e por isso havia carros e cavalos de fogo sobre e ao redor de todo o monte em que se encontrava Eliseu, o que foi testemunhado pelo próprio moço do profeta quando este orou ao Senhor pedindo-lhe que lhe abrisse os seus olhos espirituais para que pudesse ver aquele grande e poderoso exército celestial (v. 17).Mais do que defender um homem, Deus estava protegendo o ministério daquele homem, mais do que proteger um profeta, Deus estava protegendo a Sua própria obra e propósito, que estavam sendo cumpridos por Eliseu.Os sírios não estavam portanto lutando contra o homem, senão contra o próprio Deus, e por isso Ele dispôs o Seu exército celestial para lutar contra eles.E assim, quando Eliseu orou para que o Senhor cegasse todos os do exército sírio, que se encontravam em Dotã, Ele o fez prontamente (v. 18) porque o profeta agiu conforme a Sua própria instrução divina.O sírios estariam cumprindo indiretamente não o propósito do rei da Síria, mas o propósito do Rei e Deus de Israel, que transformaria o mal intentado pelo diabo numa bênção para o Seu próprio povo.Por isso, o profeta disse aos soldados que se encontravam agora cegos, que não era aquele o caminho, nem aquela a cidade em que eles deveriam se encontrar, pois o homem que buscavam seria encontrado por eles no lugar apropriado, isto é, Samaria, ainda que não soubessem disto porque o Senhor operou não somente a cegueira física neles como também a confusão mental, de maneira que se esqueceram que se encontravam em Dotã, e assim se deixaram conduzir por Eliseu até a presença do rei de Israel.E chegando em Samaria, Eliseu orou de novo ao Senhor pedindo-lhe que restituísse a visão aos sírios, e grande deve ter sido o espanto deles quando viram que estavam à mercê das tropas de Israel, e encurralados dentro das paredes da própria cidade dos seus inimigos.O rei de Israel pediu ao profeta para matá-los a sangue frio, mas como consentiria com isto o Deus de Israel, que não é covarde e que age por princípios?Isto na verdade contrariava totalmente os planos do Senhor para aquela ocasião, que era demonstrar às nações inimigas a bondade e a misericórdia que havia nos israelitas, e no seu Deus, de maneira que os sírios não foram apenas poupados por instrução do Senhor, como também ordenou que fosse dado de comer a eles, antes de serem devolvidos à sua própria terra.Com  isto o amor aos inimigos previsto na Lei estaria sendo posto em prática, e revelaria que a melhor maneira de se vencer um inimigo é torná-lo nosso amigo, ou então fazer com que ao menos ele deponha as armas que tem levantado contra nós, pela atitude pacificadora e bondosa que revelarmos em relação a ele.Com a bondade que foi manifestada aos soldados sírios pelo rei de Israel, ainda que a pedido do profeta Eliseu, o rei da Síria desistiu de invadir Israel, por um longo período, conforme se lê no verso 23.Nós vemos assim, que não está nas mãos do diabo a iniciativa de agir contra o povo de Deus, quando bem desejar porque isto está nas mãos de Deus, que corrige o Seu povo, ainda que permitindo que seja afligido pelo Inimigo, somente quando Ele entende que o pecado deles demandam os Seus juízos, que serão exercidos visando-se sempre a um fim proveitoso e justo, e que dê glória ao Seu santo nome.Deste modo, o cerco que foi permitido pelo Senhor, a Ben-Hadade da Síria, levantar contra a cidade de Samaria, capital do Reino do Norte, foi certamente num período em que as iniquidades de Israel deveriam ser visitadas pelos Seus juízos (v. 24).E este cerco foi de tal dimensão, e durou tanto tempo, que até mesmo a cabeça de um jumento, que contém pouca carne era vendida por 80 siclos de prata, e estavam se alimentando de esterco de pombos, que estava sendo vendido em pequenas porções por 5 siclos de prata.Isto demonstra até que ponto havia chegado a escassez de alimentos e a grande elevação de custos, motivada pela inflação de a procura ser maior do que a oferta.Mas Deus interviria de tal modo, conforme veremos no capítulo seguinte, aumentando a oferta de alimentos com as próprias provisões do exército sírio, que haviam sido deixadas por eles para trás em sua fuga, para a sua própria terra, que tanto uma medida de farinha quanto duas medidas de cevada, estariam sendo vendidas por apenas um siclo.Mas até que isto acontecesse, conforme seria predito pelo próprio Eliseu, a fome chegou a um tal ponto extremo, por causa do cerco do exército sírio, que duas mulheres combinaram em se alimentarem dos corpos de seus próprios filhos, e uma delas chegou efetivamente a fazê-lo, e a outra negou-se a matar o seu no dia seguinte, conforme haviam combinado.A primeira, sentindo-se prejudicada e ludibriada apelou ao rei para que a acudisse. E ele disse que nada poderia fazer quando o próprio Deus se negava a ajudar a mulher em sua fome, revelando assim todo o ressentimento que ele estava abrigando contra o Senhor, por causa daquela dura condição que estava sendo imposta pelos sírios a Israel.Este ressentimento aumentaria muito mais quando ele soube do extremo ao qual aquelas mulheres haviam chegado, e ele se vestiu de saco não para se arrepender de seus pecados, que eram a verdadeira causa de todos aqueles juízos, mas para demonstrar o quanto lamentava e estava triste pela situação de miséria e humilhação a que estava sendo exposto o seu reinado por causa do juízo do Senhor, e então ele decidiu se vingar de Deus matando o seu profeta, e praguejou em nome do próprio Deus proclamando um anátema sobre si mesmo caso viesse a falhar naquilo que ele pretendia fazer contra Eliseu, que era decapitar o profeta (v. 31).Mas o Senhor revelou as intenções do rei de Israel a Eliseu, de modo que instruiu os anciãos, que se encontravam em sua companhia, em sua casa, que fechassem a porta na cara do mensageiro do rei, que vinha adiante dele, certamente, com o propósito de atrair Eliseu para fora de casa, para que o rei que vinha logo depois dele pudesse decapitá-lo (v. 32).Contudo, quando o mensageiro chegou à porta de Eliseu o rei caiu em si, talvez por ter-lhe sido abrandada a fúria e disse o seguinte: “Eis que este mal vem do Senhor; que mais, pois, esperaria eu dele?” (v. 33).Ele certamente viu que caso matasse o profeta (caso isto fosse evidentemente permitido pelo Senhor) o mal que já era grande contra ele, seria muito maior, porque sabia que aquele juízo estava vindo da parte de Deus, e ficaria sujeito a um juízo ainda maior, caso matasse o seu ungido.Com isto ele não se converteu e nem passou a ter o verdadeiro temor que é devido ao Senhor e que só pode ser demonstrado por aqueles que o amam verdadeiramente.Mas, tal como Acabe fizera, quando ouviu o juízo do Senhor contra ele, por ter se apoderado da vinha de Nabote, este rei de Israel também se humilhou externamente perante o Senhor, por temer o juízo que viria sobre ele, caso praticasse o mal que intentara realizar contra Eliseu.Assim, não somente conseguiu se livrar do juízo que temia, como achou favor e misericórdia diante do Senhor, conforme veremos no capítulo seguinte.


Leia também
ACONTECIMENTOS há 6 horas

ACONTECIMENTOS Em face das recentes desventuras, Que tenho atravessado...
ricardoc Sonetos 9


Cultivando Observações 2 há 15 horas

Vivo colhendo frutos, que a sociedade não se importa. Minha vida é uma ...
a_j_cardiais Poesias 26


Conflito Interno há 15 horas

Está tudo aí para eu escolher sobre o que escrever... Existe um vazio d...
a_j_cardiais Acrósticos 24


Grito Escandaloso há 15 horas

Tirem o martelo do meu caminho... Meu juízo é perfeito apesar do defeit...
a_j_cardiais Acrósticos 27


Bom dia! há 16 horas

"Um bom dia ajuda a motivar a vida das pessoas e acima de tudo, um bom dia ...
anjoeros Artigos 8


Tudo o que agora me desfaz. há 18 horas

Cheio de um pleno vazio sobrenatural! Uma saudade não tida em outros carn...
elisergio Sonetos 11