O autor do livro de 2 Samuel continua concluindo a narrativa relativa ao reinado de Davi no 23º capítulo e registra as últimas palavras proferidas por ele próximo da sua morte (v. 1 a 7), e os nomes dos valentes que estiveram a seu serviço, enquanto ele vivia (v. 8 a 39).As últimas palavras proferidas por Davi são extraordinárias e comprovam que ele havia sido realmente exaltado e ungido por Deus, e foi inspirado pelo Espírito Santo para ser o mavioso salmista de Israel, sendo conhecido em todas as partes do mundo em todos os séculos, pelos Salmos que escreveu debaixo desta inspiração (v. 1).Ele não tinha o Espírito de Deus apenas no seu coração, guardando comunhão com Ele, mas permitiu que Ele usasse a sua língua, para proferir a Sua Palavra através da Sua boca (v. 2).Davi regeu a todos que foram colocados debaixo do seu governo pelo Senhor, com o temor de Deus, porque o fizera com justiça (v. 3), tal como faria Neemias, depois dele (Ne 5.15).Deus mesmo, a quem Davi chama de a Rocha de Israel (v. 3), havia lhe falado que aqueles que governam deste modo, são como a luz da manhã, quando sai o sol, como uma manhã sem nuvens, cujo esplendor, depois da chuva, faz brotar da terra a erva (v. 4).Assim, é descrito o caráter de todos os justos que reinarão juntamente com Cristo, porque, falando ainda pelo Espírito, Davi aplica estas palavras à sua casa, dizendo: “Pois não é assim a minha casa para com Deus? Porque estabeleceu comigo um pacto eterno, em tudo bem ordenado e seguro; pois não fará ele prosperar toda a minha salvação e todo o meu desejo?”.Esta certeza da salvação eterna, para todos os que estão na casa de Davi, por sua associação com Cristo, que pertence a esta casa, e é Senhor sobre ela, pois não foi estabelecida pelo homem, mas pelo próprio Deus, é devido ao pacto, que nas palavras do Espírito, pela boca de Davi, é “em tudo bem ordenado e seguro”.Este é o caráter da aliança da graça, e é por ser uma aliança eterna que ela prosperará e jamais frustrará o desejo de qualquer um que tiver colocado no Senhor a Sua confiança, participando da aliança eterna, que foi prometida a Davi.Na verdade, não há outra esperança de salvação senão por meio das condições da aliança prometida a Davi. Tanto que aqueles que permanecerem na condição de filhos de Belial, por não estarem assim aliançados com Deus, serão lançados fora, sem uma só exceção, como espinhos, porque não podem ser tocados com as mãos, isto é, não se permitem serem transformados e educados na justiça por Deus.Por isso, quem os tocar se armará de ferro e da haste de uma lança, e a fogo serão totalmente queimados no seu lugar (v. 6,7).As pessoas ímpias estão sujeitas não apenas ao braço da justiça dos magistrados terrenos, como também serão sujeitados ao braço forte do juízo eterno do Senhor, que os queimará num fogo eterno, que jamais se apagará.Os filhos de pais piedosos nem sempre são tão santos e devotados quanto deveriam ser, tal como se deu com o próprio Davi, que a par de todo o seu amor e esforço para santificar os seus filhos, teve entre eles Amnom e Absalão, que eram ímpios.Isto nos revela que é a corrupção e não a graça, que corre no sangue.Por isso, a casa de Davi é típica da Igreja de Cristo, que é a casa dEle (Hb 3.3).Cristo não é fiel a toda a sua casa, na condição de um servo, como fora Moisés em relação a Israel, mas como Senhor e Rei, assim como o fora Davi sobre a sua casa terrena.O Senhor da casa espiritual de Davi é Cristo, e não o próprio Davi, porque este foi impedido de continuar o seu reinado pela morte, e regia apenas sobre Israel, mas Cristo, que vive e reina para sempre, reina sobre toda a Sua casa, e sobre todos aqueles que lhes foram dados pelo Pai, em todas as nações.Deus fez uma aliança com a cabeça da Igreja, o Filho de Davi, de que preservará a Ele uma semente sobre a qual as portas do inferno não prevalecerão, ou seja, nunca poderão predominar sobre a Sua casa.E esta segurança é garantida por Deus e realizada na Rocha segura que é Cristo, que é o autor e consumador da nossa fé e salvação.Desta forma, é nEle que se cumprem todas as promessas da aliança da graça feita com Davi.A aliança que Deus fez com um rei terreno apontava para a aliança que Ele fizera antes que houvesse mundo, no céu, com Aquele que reinará para sempre.Por isso as promessas da aliança eterna são chamadas de fiéis misericórdias prometidas a Davi:“Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei uma aliança perpétua, dando-vos as fiéis misericórdias prometidas a Davi.” (Is 55.3).É maravilhoso saber que as últimas palavras que Davi falou pelo Espírito, apontaram para esta aliança segura e eterna.Deus fez uma aliança conosco em Jesus Cristo, e nós aprendemos das Suas palavras pela boca de Davi que é uma aliança perpétua.Perpétua em si mesma e na forma do seu caráter, manutenção, continuação e confirmação.Deus diz também pela boca de Davi que é bem ordenada e segura (v. 5).Esta aliança está bem ordenada por Deus em todas as coisas que dizem respeito a ela.Esta ordenação perfeita trabalhará em meio às imperfeições dos cristãos e os aperfeiçoará progressivamente, para a glória de Deus, de modo que se a obra não for completada na terra, ela o será no céu.E para isso a aliança possui um Mediador e um Consolador para promover a santidade e o conforto dos cristãos. Está ordenado também QUE TODA TRANSGRESSÃO NA ALIANÇA NÃO LANÇARÁ FORA A QUALQUER DOS ALIANÇADOS.Por isso Jesus afirma que não lançará fora de modo nenhum, a qualquer que vier a Ele.Assim, a segurança da salvação não é colocada nas mãos dos cristãos, mas nas mãos do Mediador.E se diz que a aliança é segura, porque está assim bem ordenada por Deus.Ela foi planejada de tal modo a poder conduzir pecadores ao céu.Ela está tão bem estruturada, que qualquer um deles pode ter a certeza de que estará sendo aperfeiçoado na terra e a conclusão desta obra de aperfeiçoamento será concluída no céu.Uma das razões para que o aperfeiçoamento não seja concluído na terra, é para que se saiba que a aliança é de fato para pecadores, e não para quem se considera perfeitamente justo.Ainda que todos os aliançados sejam chamados agora a se empenharem na prática da justiça.As misericórdias prometidas aos aliançados é segura, e operarão de acordo com as condições estabelecidas em relação à necessidade de arrependimento e fé.A aplicação particular destas misericórdias para santificar os cristãos é segura.É segura porque é suficiente.Nada mais do que isto nos salvará, porque a base da salvação repousa na fidelidade de Deus em cumprir a promessa que Ele fez à casa de Davi, a todo aquele que for encontrado nela, por causa da sua fé no descendente, no Filho de Davi que é Cristo. É somente disto que a nossa salvação depende.Por isso, os que estão de fora da aliança, os filhos de Belial (v. 6,7), são como espinhos que não podem ser tocados, trabalhados pelas mãos de Deus, e esta será a razão de serem queimados para sempre, num fogo eterno que jamais se apagará.Os Valentes de DaviO texto de I Crôn 11.10-47, paralelo ao de II Samuel 23.8-39, esclarece melhor em sua introdução (v. 10), que a glória do reino de Davi pertencia ao Senhor, que o proveu de homens valorosos na guerra para firmarem o seu reino:“São estes os chefes dos valentes de Davi, que o apoiaram fortemente no seu reino, com todo o Israel, para o fazerem rei, conforme a palavra do Senhor, no tocante a Israel.” (I Crôn 11.10).Isto denota claramente que o mérito do reino não pertencia a Davi, mas ao Senhor que o elegera e capacitara a não somente a ele, mas aos muitos que o apoiariam para que o seu reino prevalecesse e fosse estabelecido.Três destes valentes foram tão maravilhosamente capacitados pelo Espírito de Deus, que nos fazem lembrar de Sansão.E não foi sem razão que eles foram honrados para serem contados à parte no pequeno grupo de apenas três homens, que foram considerados dignos de serem classificados como os maiores guerreiros do reino.Eram eles Josebe-Bassebete, que feriu a oitocentos homens com sua lança, numa mesma batalha (v. 8), e que era o principal dos três primeiros.O segundo em honra foi Eleazar, que feriu os filisteus de tal modo até o ponto de ficar com a mão apegada à espada (v, 9, 10).O terceiro valente entre os três primeiros em honra chamava-se Samá, que defendeu uma parte do território de Israel em Leí, do ataque dos filisteus, e quando todo o povo fugia por temor deles (v. 11, 12).Estes, como dissemos, eram contados à parte, mas além deles havia outros trinta, e deste segundo grupo o mais nobre era Abisai, irmão de Joabe (v. 19), mas se diz dele que nunca chegou a fazer parte do grupo seleto dos três primeiros em honra, pela sua bravura.Benaia, que era o comandante da guarda real, também figurava entre os trinta, e tal era a sua bravura que matou um leão e um gigante (v. 20, 21).Benaia chegou a ter  estatura e bravura, a ponto de ter obtido renome que o tornava digno de participar do grupo dos três primeiros (v. 22), mas não chegou a ser incluído neste grupo (v. 23).Ele seria encarregado mais tarde por Salomão, para matar Joabe, e isto bem demonstra a sua supremacia na arte de lutar na guerra, que era superior à do próprio general de todo o exército de Israel.Nos versos 13 a 27 é narrada uma façanha realizada pelos três primeiros em honra e bravura, quando Davi se encontrava na caverna de Adulão, na época em que fugia de Saul, pois somente pela expressão de um desejo de Davi de beber das águas da fonte, que estava junto da porta de Belém, próximo da qual havia uma guarnição de filisteus, estes três valentes expuseram as suas próprias vidas para trazerem água daquela fonte ao rei, mas este se recusou a bebê-la e a ofertou como libação ao Senhor, porque não beberia à custa do atendimento de um desejo caprichoso, uma vez que aqueles homens valorosos lhe foram dados pelo Senhor para lutarem pela causa da justiça e não para atenderem aos caprichos do rei.Nos versos 24 a 39 são relacionados os que figuravam entre os trinta mais honrados em bravura.Dos trinta e sete que haviam feito parte deste grupo (v. 39), são relacionados trinta, que era o número total dos que compunham o grupo.Urias (v. 39) é contado neste grupo e isto era uma agravante para o pecado de Davi com Bate-Seba. Asael, irmão de Joabe, que havia sido morto por Abner logo no início do reinado de Davi, é também contado (v. 24), mas Joabe, apesar de ser o general do exército, não recebeu sequer a honra de ter no seu nome listado entre os trinta primeiros, não por lhe faltar bravura, mas por não ter os demais requisitos necessários, como por exemplo a devoção ao Senhor e ser uma pessoa honrada.De igual modo, há muitos na Igreja de Cristo que ocupam posições e cargos elevados em relação à membresia, e isto por anos a fio, e no entanto, não têm os seus nomes relacionados sequer no livro da vida, e quando o têm, nem sempre são considerados dignos de terem os seus nomes destacados como honrados perante o Senhor, por falta da devida devoção e fidelidade a Ele e à Sua Palavra.