Enquanto
estiver neste mundo nem mesmo a genuína a Igreja invisível de Cristo será
perfeita, não porque Cristo não seja perfeito, ou que o trabalho do Espírito
Santo não seja perfeito, mas porque enquanto estivermos aqui, ainda estamos
sujeitos à nossa natureza terrena que é imperfeita por causa do pecado.



Deste
modo, não se achará na Terra, como nunca se achou dantes, a congregação
perfeita.



Agora,
uma coisa é ser imperfeito em nossa natureza terrena, e outra muito diferente
vivermos em erros doutrinários, e de prática cristã.



Estes
erros têm crescido a tal ponto em nossos dias de apostasia da sã doutrina, que
somos levados a refletir sobre a importância de se discernir se a nossa
congregação se encontra na condição de uma Laodiceia que não atendeu à
exortação do Senhor ao arrependimento, e que sendo vomitada de Sua boca, perdeu
a luz do candeeiro que deveria ser, e assim, este foi removido pelo Senhor -
deixando de ser aos Seus olhos uma igreja verdadeira.



Quantas
congregações experimentaram esta condição apontada ao longo da história do
Cristianismo, e não poucas se encontram na referida condição em nossos dias!



Quando
o culto de adoração a Deus descamba para o paganismo e mundanismo, quando as
vidas dos cristãos que se congregam perdem o sal e a luz, por uma obstinada
carnalidade, enfim, quando a chaga se torna purulenta a ponto de ser incurável,
como poderia o Senhor chamar a este conjunto de pessoas que se reúnem
regularmente, de Sua Igreja?



Temos a
ordenança bíblica de congregarmos com um grupo de irmãos para o culto de
adoração a Deus.



Mas
haveria alguma obediência a esta ordenança quando congregamos nas condições
retrocitadas?



No
passado, quando alguém se convertia, costumávamos orientá-lo a procurar a
igreja evangélica mais próxima de sua residência, ou aquela para a qual o
Senhor lhe direcionasse.



Hoje,
ficamos com a segunda parte do aconselhamento, e abandonamos a primeira, porque
nem toda congregação prega e vive o genuíno evangelho de Cristo.



Esta é
uma nova realidade que tem se apresentado diante de todos nós.



Não
devemos orientar qualquer pessoa a permanecer isolada de seus irmãos na fé, ou
de não procurar uma congregação para não correr o risco de se colocar em
comunhão com uma igreja apóstata, mas necessário se faz ponderar, que há certas
associações que em vez de trazerem algum benefício à nossa fé, podem até mesmo
contribuir para nos desviar da verdade.