Autobiografia de si mesmo

23 de Agosto de 2011 Raphael Lugo Sanches Biografias 4719

Costumo dizer que sou de origem palavresca. Vim de dois substantivos: Márcia e Luís. Sou um terceiro. E por falta de um quarto substantivo – Amor – tornei-me o elo entre os dois primeiros. Assim, além de substantivo, sou pronome de ligação.

Sou poeta por falta de escolha mesmo, às vezes até atribuo ao Karma essa desescolha lingüística, esse olhar turvo sobre as coisas, esse modo torvo de ver e ser na Vida.

Já faz 24 anos que vim para a Terra, desde então carrego essa estranheza no olhar que me permite escrever poemas. Escrevo mais por descompromisso com mim mesmo que por dom de ofício. Me esforço para errar ao máximo e fazer do erro minha melhor virtude. Sei que quase nem nunca ignoro pouco. E que a linguagem é uma fonte de erros. E que poesia é um erro perfeito.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
O CAMELO QUE DECLAMA NO ZOOLÓGICO DE RECIFE há 2 horas

O poeta quando escreve seu trabalho inspirado faz a narração dos fato...
carlosale Cordel 6


A madrugada… há 12 horas

A madrugada e eu temos um romance a longo prazo… Nos entendemos e nos cu...
anjoeros Poesias 14


Vou tatuar a tua boca... há 12 horas

Quero tatuar na tua boca Meu beijo mais safado, mas também apaixonado, ...
anjoeros Poesias 8


Quero te pegar para mim...Capítulo 3 há 12 horas

Capítulo 3: Eu te quero pra mim e não vou abrir mão... Toco a campain...
anjoeros Prosa Poética 9


Quero te pegar para mim...Capítulo 2 há 12 horas

Capítulo 2: A expectativa mata... Meio dia. Nossa, nem acreditei quando...
anjoeros Prosa Poética 7


Quero te pegar para mim...Capítulo 1 há 12 horas

Capítulo 1: Decisão tomada, arrependimentos posteriores... Mais uma no...
anjoeros Prosa Poética 9