Calor

16 de Agosto de 2011 Jeff V. Pavanin Cartas 75

Dallas, 03 de Maio de 1823

Aos nossos amigos e espectadores

Meus caros,

Eu sei que o incidente de sábado à noite agradou a nenhum de vocês. Eu, como diretor do estabelecimento e do grupo circense, venho por meio desta carta desculpar-me em nome de todos os artistas e funcionários do Freaky Sweetie Show. Sabemos que todos ficaram desapontados com os acontecimentos desta semana, já que a mulher barbada e o príncipe de quatro pernas pediram as contas antes de se apresentarem a vocês. Sinto muito por isso. Porém, ainda não sou capaz de controlar meus funcionários da maneira que quero. Eles têm total liberdade para ir e vir quando bem entenderem. Eu somente pago seus salários, e para recebê-los eles precisam estar sob minha responsabilidade. Certamente fico feliz também em informar-lhes que o salário de nenhum deles será pago devido ao incidente.

O domador dos leões pediu-me para explicar como as feras escaparam de suas jaulas. Bom, naquele dia fatídico o calor reinava por dentro de nossa lona circense, já que o anão do fogo treinava seu número para o espetáculo a ser apresentado logo mais. Os leões de Mr. Starkan não suportam o calor. É certo que são de origem africana, mas... Simplesmente não sabemos o porquê dessa baixa tolerância às altas temperaturas. Acontece que nesta mesma noite a mulher de nosso digníssimo domador pariu seu primeiro filho dentro de um de nossos aposentos, fato esse que fez com que ele se esquecesse de trancar as grades de segurança nas jaulas dos animais. A pressa em ver seu pequenino foi maior que a preocupação com seus leões. Enfim, assim se deu o início de nosso caos particular.

Não podemos nos esquecer dos danos que causamos a todos. Com a fuga dos leões, todos os artistas que estavam dentro dos bastidores entraram em pânico profundo. Os leões de Mr. Starkan são muito temidos por aqueles que não sabem como domar uma fera. O fogo iniciado pelo anão desgovernado alastrou-se por toda a lona e pelas cortinas que os separava do público. Felizmente nenhum de vocês saiu ferido. De resto, prometo pagar os vestidos e quepes queimados e manchados naquela noite. Uma quantia em dinheiro será depositada no banco da cidade para que vocês possam recuperar todo o prejuízo. É lógico que o dinheiro não apagará a vergonha que sinto. Por esse e por outros aspectos, sinto que devo fechar a companhia.

Os artistas continuam a viver suas vidas fora do circo e todos os animais foram doados aos zoológicos do país. Enquanto a mim... Vocês não precisam se preocupar comigo.

Sinceras desculpas,
Phill Lockheart

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
"Vi em ti" há 1 hora

Em ti eu vi o sol, o mar senti o vento aprendi a viver, soltei o sentime...
joaodasneves Poesias 4


"Tenho" há 1 hora

Tenho amor para dar Paixão para receber Sei perdoar, mas não posso esq...
joaodasneves Poesias 4


"Queria ser o mar" há 1 hora

Queria tanto ser o mar Te abraçar com as minhas ondas Te desejar na arei...
joaodasneves Poesias 5


"Coração chora" há 6 horas

Ouço vento, as trovoadas estão-se a aproximar raios de sol a queimar a m...
joaodasneves Poesias 4


Dor e Reflexão há 1 dia

A dor que nos vem, e que achamos que é do nada, às vezes é do além. ...
a_j_cardiais Poesias 44


Crônica Sobre as Crônicas Que Pretendo Escrever há 1 dia

Esse título ficou “pomposo”, porque não encontrei meios de reduzi-lo....
a_j_cardiais Crônicas 53