Faz tempo que não vejo o ‘além’… Faz tempo que não consigo mais visualizar possibilidades… Não sei o que me mantém aqui, não sei mesmo, talvez seja porque eu não quero decepcionar meus pais (mais ainda), nem meus amigos… Seria fraqueza demais… Mas nada que me rodeia me dá esperanças; nem a escola, nem a família, nem os amigos… Nada, não vejo mais graça em nada. Até vejo, mas é tão momentâneo..
Estou com um nó na garganta, como se alguém me apertasse.. As lágrimas escorrem, mas sem levar a dor que sinto, e ainda sim descem tão pesadas… Eu tenho tanta coisa pra fazer, muitas por obrigação, outras por capricho, e tantas outras obrigações caprichosas… Tantos sonhos, tantas promessas e eu sem nem saber pra quê tudo isso, sem nem saber como começar… E quando sei, nada me motiva, nem mesmo a conclusão do trabalho. Nada.