Quando criança, ela cultivava em si um desespero e uma solidão comovente. Como refugio, imaginava uma vida que não a pertencia. E de repente, no meio do seu vazio, alguém a aninhou nos próprios braços e a preencheu, para que nunca mais se sentisse vazia. Ela imaginou que a vida inteira sempre esteve ali.