As cantigas de roda-várias cirandas

14 de Agosto de 2014 professor Cirandas 842

As cantigas de roda, também conhecidas como cirandas são brincadeiras que consistem na formação de uma roda, com a participação de crianças, que cantam músicas de caráter folclórico, seguindo coreografias.
São muito executadas em escolas, parques e outros espaços frequentados por crianças.
As músicas e coreografias são criadas por anônimos, que adaptam músicas e melodias.
As letras das músicas são simples e trazem temas do universo infantil.

Alguns exemplos de cantigas de roda:

Capelinha de melão
Capelinha de melão
É de São João
É de cravo, é de rosa,
É de manjericão
São João está dormindo
Não acorda, não
Acordai, acordai,
Acordai, João!

Caranguejo
Caranguejo não é peixe
Caranguejo peixe é
Caranguejo não é peixe
Na vazante da maré.
Palma, palma, palma,
Pé, pé, pé
Caranguejo só é peixe, na vazante da maré!

Atirei o pau no gato
Atirei o pau no gato, tô
mas o gato, tô tô
não morreu, reu, reu
dona Chica, cá cá
admirou-se, se se
do berrô, do berrô, que o gato deu, Miau!

Ciranda cirandinha
Ciranda, cirandinha, vamos todos cirandar, vamos dar a meia-volta, volta e meia vamos dar
O anel que tu me deste era vidro e se quebrou
O amor que tu me tinhas era pouco e se acabou
Por isso, D. Fulano entre dentro dessa roda
Diga um verso bem bonito, diga adeus e vá-se embora
A ciranda tem tres filhas
Todas tres por batizar
A mais velha delas todas
Ciranda se vai chamar

Escravos de Jó
Escravos de Jó
Jogavam caxangá
Tira, bota, deixa o Zé Pereira ficar.
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá.

Peixe vivo
Como pode o peixo vivo
Viver fora da água fria
Como pode o peixe vivo
Viver fora da água fria
Como poderei viver
Como poderei viver
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Os pastores desta aldeia
Ja me fazem zombaria
Os pastores desta aldeia
Ja me fazem zombaria
Por me verem assim chorando
Por me verem assim chorando
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia

Fui no Itororó
Fui na fonte do Itororó
Beber água e não achei.
Achei linda morena
Que no Itororó deixei.

Aproveite minha gente
Que uma noite não é nada.
Se não dormir agora
Dormirá de madrugada.

Ó Mariazinha!
Ó Mariazinha!
Entre nesta roda
E dançara sozinha.

Sozinha eu não danço
Nem devo dançar
Porque tenho o boto
Para ser meu par.

A canoa virou
A Canoa virou
Pois deixaram ela virar
Foi por causa da (nome da pessoa)
Que não soube remar

Se eu fosse um peixinho
E soubesse nadar
Eu tirava a (nome da pessoa)
Do fundo do mar

Siri pra cá
Siri pra lá
(Nome da Pessoa) é bela
E quer casar

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
"Adoraria" há 3 horas

Eu adoraria mesmo era saber! Se realmente não sentes mesmo nada? Se não...
joaodasneves Poesias 7


"Teolenny" há 14 horas

Tu um dia foste meu amor. Eu te amei como nunca tinha amado. Onde juntos ...
joaodasneves Acrósticos 6


"Como chamar-te amiga" há 15 horas

Tudo foi tão bonito, era tudo carinho e paixão. E hoje estas tão longe ...
joaodasneves Poesias 7


Sodoma e Gomorra Estão Aqui há 15 horas

Nos dias de Sodoma e Gomorra ainda havia muitos lugares na Terra para os qu...
kuryos Artigos 8


Traços Mudados há 20 horas

O tempo passou, e eu nem percebi... Meus Deus, o que mudou? Envelheci. ...
a_j_cardiais Poesias 43


Queimando os Últimos Cartuchos há 20 horas

Sinto que estou queimando os últimos cartuchos... Estou chegando ao fim....
a_j_cardiais Poesias 32