-seu idiota. eu não
sabia quem era a garota, eu estava indo ver a Tereza para ela me informar quem
era a garota. eu sei que você  a ama eu
não a mataria de propósito!


ele arregalou os olhos e
quando  estava prestes a me dizer de
todas s maneiras que não a amava,eu olhei para 
janela como se não estivesse  vendo-o
e falei:


-por falar nisso cadê Tereza. soube que ela passou no hospital.

Ele me olha e
diz:


-é ela esteve lá. eu
tive que me passar por médico. a garota conseguiu ver a cor de  meus olhos.não os castanhos que uso nos meus
disfarces viu eles azuis e pior,me hipnotizou. mas não durou muito porque eu
piscava durante o processo e ela se desligava de mim. como se nem soubesse o
que estava fazendo e eu...


só para provocar um
pouco eu continuei a suas palavras:


-e você percebeu. que
ela não te ama, nem sequer a ponto de deixar que você também a hipnotize. não é
mesmo?


ele veio pra cima de mim
com tamanha velocidade que me surpreendeu:


-você  a de arrepender-se de suas palavras.



ao terminar de dizer
isso começou a largar meu pescoço e só então percebo que ele estava me
segurando contra a parede a uns quinze centímetros do chão apenas pela minha
garganta. eu parto pra cima dele ate o encostar na parede enchendo-o de socos.
seu nariz começa a sangrar mesmo, sabendo que tanto ele como eu não sentimos
nada eu o ataco apenas por raiva...


-parem. - é Tereza. ela chega gritando e jogando cada um pro lado - se vocês
querem se matar essa não é hora e nem lugar. mas acho que as duas crianças
sabem que não podem se matar. não é mesmo?


meu ombro esta deslocado
percebo isso quando vou escorá-lo na parede para me erguer do chão. começo a me
erguer usando o outro braço. já de pé estico meu braço e o estendo pra Tereza
para que me ajude a colocá-lo no lugar, ela o vira desvira estrala puxa e
empurra por uns cinco minutos. enquanto isso eu observo ades se encolher contra
o chão e terminar de vomitar sangue, limpar o nariz, me xingar em murmúrios e
se levantar do chão com cara deprimente,.“tack” meu braço estala e Tereza vem a
minha frente dizendo:


-da próxima vez vou
arremessar você de cabeça na parede!


-eu não vou sentir nada
e você sabe. mas  o apaixonado aí
talvez  sinta. não é ades?


o encaro com cara de
zombeteiro. ades porem bufa e finge que não ouve nada do que eu disse.


-caro Alexander!ou devo
dizer ellington?


-diga como preferir
filho de lúcifer!


-não zombe de mim Alexander.


-ok. paremos de destruir a casa e conversemos?

continua...