Descobrindo sentimentos - PARTE II

27 de Julho de 2014 Andressa Campos Contos 590

Finalmente o fim do expediente chegou...

Eu já havia arrumado toda a minha mesa e estava descendo as escadas, em direção à saída do prédio. Nosso elevador estava em reformas. 

Enquanto descia, pensava do dia que eu havia tido, até que fui desperta de meus pensamentos por alguém chamando meu nome: "Michelle, espera!". Era uma voz que eu não conhecia, então, parei e olhei. Percebi que se tratava do Murilo, vindo atrás de mim. Se demonstrava tão envergonhado quanto eu. 

Logo, o silêncio foi quebrado:

- Olha, sei que não temos intimidade nenhuma, mas o que você acha de sairmos para comemorar meu novo emprego e nossa amizade inicial? Eu percebi sua reação ao ler meu recado e confesso que fiquei feliz em saber que você gostou. - Ele disse.

Eu só consegui sorrir e concordar. Disse que estaria livre no final de semana. 

Ele percebendo que fiquei sem jeito, colocou a mão no bolso e me entregou um papel. 

Havia um número de telefone. 

Eu o peguei e ele me disse para o ligar para combinarmos direito. E saiu.

Cheguei em casa e fiquei pensando nesse encontro.

Passados alguns dias, estávamos no dia do encontro. 

Experimentei todas as minhas roupas e não me agradava com nenhuma. Até que me decidi por uma roupa básica, não queria que ele pensasse eu sou uma pessoa totalmente extravagante. 

Logo em seguida, ouvi a campainha. Eu já sabia que era o Murilo e fui à caminho da porta. 

Assim que ele me viu, percebi seu olhar sobre meu corpo e fiquei envergonhada, mas um pouco excitada. Só não demonstrei totalmente porque não queria ser o tipo de mulher a se entregar em um primeiro encontro. Dessa vez, eu queria fazer diferente. 

Fomos até um restaurante simples, mas muito aconchegante. 

Fizemos nossos pedidos e ele se ofereceu para me levar em casa. Eu aceitei e assim que chegamos, o chamei para entrar. 

Ele aceitou.

Eu fui fazer um café para tomarmos e estava preparando uns petiscos para acompanhar, até que sinto mãos em minha cintura e uma respiração quente em meu pescoço. Logo seguido de uma fala: "Nossa! Que cheiro gostoso". Eu não hesitei, e confesso que havia me arrepiado com aquela situação. Minha vontade era de virar e beijá-lo, mas antes que eu tomasse alguma iniciativa, fui virada bruscamente e sem perceber fui beijada.

Era um beijo quente, constante e muito gostoso. Meus planos haviam fugido do combinado, mas eu não fugi, me deixei levar pelo momento. O beijei com a mesma intensidade e pude sentir as mãos dele percorrendo desde o meu pescoço até minhas coxas. Estava totalmente envolvida...


E aí, estão gostando? Querem que eu continue? *-*


Leia também
LUTA ARMADA há 15 horas

LUTA ARMADA Aqueles tidos como imprescindíveis Pelo afã de lutar toda...
ricardoc Sonetos 5


Paz Celestial há 1 dia

Paz na alma é muito mais Do que paz de mente... pois passa desta par...
kuryos Artigos 12


Poema Rosa Para um Dia de Sol há 2 dias

A Rosa Emília A Rosa que an...
a_j_cardiais Poesias 61


Poema Suado há 2 dias

Estou num deserto de inspiração... Nada passa por aqui... Nem ladrão. ...
a_j_cardiais Poesias 50


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 3 há 2 dias

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 20


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 2 há 2 dias

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 15