Fatal

29 de Julho de 2014 marciana Contos 663

E lá estava eu, deitada em seu peito, curtindo cada momento como se fossem os últimos. 

Quando algo estranho aconteceu, você começou a pegar fogo, virou uma  fogueira. Você não me largava. Tentei me livrar de seus braços, mas você era mais forte que eu. 

E o fogo foi me queimando devagar. Aquilo doeu mais que mil e setecentos tiros. 

Então percebi que aquele não era você, era o príncipe Dunkelheit, ele havia me escolhido para ser sua princesa, e toda minha dor acabou quando ele me beijou. 

Eu não podia lutar contra ele. Sua boca se encaixava perfeitamente na minha, e mesmo que eu tentasse negar, eu o queria mais que tudo. 

E foi isso que me matou, o sorriso dele. 

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 13


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 10


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 10


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 11


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 10


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 8