O meu subordinado comeu o meu cu.

01 de Agosto de 2014 Natali Contos 10223



Não
costumo inventar contos eróticos partindo da imaginação, sempre escrevo com
ricos detalhes os acontecimentos reais que se passam na minha vida, e o conto
abaixo é a ultima realidade que aconteceu comigo e um de meus funcionários no
dia 08/07/2014.



Pelo
ditado popular é sempre o chefe que come o cu do subordinado, mas comigo foi ao
contrário.



Sou
gerente de um departamento na empresa onde trabalho e há cinco mulheres e dois
homens que são meus subordinados.



Um dos
homens tem 34 anos, casado, uma pessoa normal, o outro é um garoto de 22 anos,
tem voz afeminada, jeitos e trejeitos de gay e as mulheres são; digamos: boas,
não é o que se pode se chamar de gostosas.



Há alguns
meses atrás esse meu funcionário de 22 anos me flagrou na sauna masculina dando
o cu para um homem na sala de TV, ficou meio abismado, disse que já desconfiava
coisa e tal, mas que agora tinha certeza e desde esse dia começamos a partilhar
as nossas aventuras, com a promessa de sigilo absoluto entre ambos.



Ele contou
que dá o cu muitas vezes para um suposto namorado, eu também conto as vezes em
que eu dou o meu cu e assim por diante, ficamos mais amigos do que chefe e
empregado.



Ele é um
garoto muito educado, muito responsável pelo seu trabalho, bastante
trabalhador, proativo e nunca precisei repreendê-lo no dia a dia.



Eu sempre
uso calcinha fio dental por baixo da cueca e nas oportunidades em que ficamos
longe da vista dos outros funcionários eu baixo um pouco um dos lados da minha
calça e mostro a cor da calcinha que estou usando, disfarçadamente ele apalpa o
seu pau por cima da calça e fica meio que desorientado.



Muitas
vezes vamos a uma sala onde tem um estoque de mercadorias, ele me abraça por
trás, esfregava o seu pau na minha bunda, eu chupo bastante o pau dele, muitas
vezes ele goza na minha boca, etc.



Algumas
vezes ele vai à minha sala, fica de pé ao lado da minha cadeira, eu apalpo o
pau dele por cima da calça e quando está duro ele abre o zíper, coloca o pau
para fora e fica vigiando a porta de entrada e mesmo sentado na minha cadeira
eu abaixo um pouco e chupo o pau dele, as divisórias são de vidro canelado
impedindo que o resto da equipe possa ver com clareza o que se passa na minha
sala e também é possível ver se alguém possa estar se dirigindo para a minha
sala.



Algumas
noites após o expediente ele sempre me visita no quarto onde durmo me dá uns
abraços por trás esfrega o pau na minha bunda, eu chupo o pau dele até gozar na
minha boca e nunca passou disso, mesmo eu implorando para ele me comer e sempre
ele dá a desculpa dizendo que qualquer um dia poderemos marcar para ele me
comer e esse dia nunca chegava e eu morria de tesão pela vontade de sentir o
pau dele entrando no meu cu.



O pau dele
não era o que possa se dizer: “Nossa! Que colosso, que grande, que grosso!” é
de um tamanho médio, gostosinho, fica duro com muita facilidade e demora a
amolecer, mesmo depois que goza.



Outra
noite que ele foi até o meu quarto, nessa noite eu estava com uma mini camisola
cor Pink transparente e com uma calcinha fio dental preta.



Estávamos
em pé, ele me abraçou por trás e como de costume esfregou o pau na minha bunda,
em dado momento ele levantou a camisola, afastou a calcinha para o lado e
colocou a cabeça do pau na entradinha do meu cu e ficou pincelando, eu abaixei
o corpo sobre uma mesa, empinei a bunda o máximo que deu e nada de ele
penetrar, implorei para ele meter, tentava empurrar a bunda contra o pau dele,
mas, ele se afastava um pouco.



Bem
devagar ele acertou a cabeça do pau no meu cu, eu empinei mais ainda a bunda e
dei uma empurrada para trás na esperança de ajudar a penetração, ele deu uma
forçada e a cabeça do seu pau entrou, ele ficou um pouco parado e eu fui nas
estrelas de tanta felicidade porque finamente estava sentindo ele dentro de
mim, eu desejava muito isso e implorei para ele meter tudo, mas ele ficou
parado fazendo carinho nas minhas costas.



Ele tirou
a cabeça do pau do meu cu, instintivamente dei a ele uma camisinha que ele
colocou no seu pau, pediu para eu ficar de quatro na beirada da cama, segurou
na minha cintura, meteu até o talo enquanto falava: “como é gostoso comer cu de
chefe”, eu delirava e rebolava de tanta felicidade e gemia baixinho dizendo:
que pau gostoso, mete no cu do seu chefe que eu vou te dar um aumento de
salário, me fode, arregaça o cu do seu chefe e eu gemia sem parar.



Depois ele
pediu para eu ficar de frango assado, eu coloquei as pernas no ombro dele, ele
veio por cima e ficou um bom tempo metendo gostoso no meu cu, às vezes baixava
o corpo um pouco mais e me dava beijos de língua na minha boca.



Pediu para
ficar novamente de quatro e arregaçou o meu cu de todas as formas possíveis,
socava com força até que comecei a perceber que ele ia gozar, pois o pau dele
estava ficando mais grosso, ele estava acelerando as metidas, começou a gemer
com mais frequência, então peguei no meu pau e comecei a punhetar aguardando
ele gozar para eu gozar junto e quando ele exclamou: “ai! Vou gozar”, eu que já
estava no ponto exclamei também: “ai, ai ai, ui, ui! Mete tudo que eu já estou
gozando” e assim nós dois ficamos gemendo e ele socando com força até sair a
ultima gota de porra dos nossos paus.



Ele ficou
um bom tempo com o pau dentro de mim até ficar mole e sair devagar, tirou a
camisinha vestiu a calça, foi embora e eu fiquei delirando de felicidade, umas
duas horas mais tarde, lembrando-me do ocorrido, bati uma punheta gostosa até
gozar novamente e dormi bem gostoso.



Eu e o meu
diretor já havíamos conversado anteriormente sobre uma possível promoção no
cargo dele por ser um funcionário muito competente, no dia seguinte conversei
com o meu diretor sobre a promoção e então ficou acertado que no próximo mês
ele já seria promovido e teria um aumento de salário.



Chamei-o
até a minha sala, ele ficou de pé perto da minha cadeira, eu passei a mão no
pau dele por cima da calça e perguntei: “Gostou?”, ele balançou a cabeça
afirmativamente então lhe dei a noticia da sua promoção, ele esboçou um largo
sorriso e disse: “qualquer noite eu vou outra vez até o seu quarto”.



Agora sou
um chefe realizado, tenho um ótimo parceiro de trabalho que é muito eficiente e
não me incomoda e pelo visto acabei de ganhar um amante meio gay, mas que
também gosta de comer um cuzinho, só estou esperando ele aparecer novamente no
meu quarto para que possamos ter outros momentos de prazer e muita tesão, no
dia a dia continuamos com as nossas brincadeiras, as vezes vamos na sala de
estoque e eu chupo o pau dele até gozar na minha boca, as vezes ele fica de pé
ao lado da minha cadeira para eu mamar um pouco, [email protected]




Leia também
O CAMELO QUE DECLAMA NO ZOOLÓGICO DE RECIFE há 3 horas

O poeta quando escreve seu trabalho inspirado faz a narração dos fato...
carlosale Cordel 6


A madrugada… há 14 horas

A madrugada e eu temos um romance a longo prazo… Nos entendemos e nos cu...
anjoeros Poesias 14


Vou tatuar a tua boca... há 14 horas

Quero tatuar na tua boca Meu beijo mais safado, mas também apaixonado, ...
anjoeros Poesias 8


Quero te pegar para mim...Capítulo 3 há 14 horas

Capítulo 3: Eu te quero pra mim e não vou abrir mão... Toco a campain...
anjoeros Prosa Poética 9


Quero te pegar para mim...Capítulo 2 há 14 horas

Capítulo 2: A expectativa mata... Meio dia. Nossa, nem acreditei quando...
anjoeros Prosa Poética 7


Quero te pegar para mim...Capítulo 1 há 14 horas

Capítulo 1: Decisão tomada, arrependimentos posteriores... Mais uma no...
anjoeros Prosa Poética 10