Conto de terror- O policial -final-

02 de Setembro de 2014 professor Contos 706

Um calafrio percorreu a minha espinha quando lembrei do homem que esbarrou em mim quando saiu do elevador.

Uma tontura ainda mais forte se abateu sobre mim e tirei a camisa apressadamente jogando a peça diretamente no lixo.

Não dormi muito bem naquela noite.

Felizmente, o dia seguinte era um sábado e eu poderia ficar até mais tarde na cama, porém logo cedo naquela manhã de sábado ouvi a campainha tocar.

- Quem poderia ser? – imaginei meio irritado por ter que levantar da minha cama quentinha.

Olhei pelo olho mágico e havia um policial do lado de fora.

- O que está acontecendo? – perguntei sem abrir a porta

- Sinto muito incomodá-lo senhor! - disse ele educadamente. – Eu queria lhe fazer algumas perguntas, pois houve um assassinato ontem a noite no apartamento ao lado do seu.

- Desculpe oficial, eu não vi, nem ouvi nada. – menti para ele lembrando do homem que saiu apressadamente do elevador.

- Mas você pode ser capaz de nos ajudar. – continuou o policial. – Você não viu alguém suspeito? Pode abrir ao menos a porta para conversarmos?

- Eu não estava em casa ontem a noite. Desculpe! Eu não posso ajudar – menti novamente

- Tudo bem senhor. – respondeu o policial. – Obrigado pelo seu tempo.
Continuei espiando pelo olho mágico vendo o policial se afastar em direção ao elevador.

Nos dias seguintes fiquei muito nervoso! Meu vizinho foi assassinado! Este bairro era mesmo muito perigoso e eu decidi que me mudaria neste mesmo momento.

Porém um sentimento de culpa me dominava. Eu havia mentido para o policial, pois eu tinha visto o provável assassino.

Mesmo que eu não tivesse visto o seu rosto, talvez pudesse ajudar de alguma forma, dizer o horário que eu vi ele... Qualquer coisa.

Procurei na tv alguma noticia sobre o assassinato, mas não encontrei nada. Nem na tv, jornais ou internet...

Em uma manha, eu estava indo trabalhar, saindo do meu apartamento e pensando se a policia tinha conseguido descobrir o assassino quando senti um cheiro horrível! Tive vontade de vomitar e o cheiro parecia vir de um apartamento ao lado do meu.
Fui direito reclamar com o sindico e quando perguntei se o assassinato tinha sido resolvido ele, para minha surpresa, disse que não tinha havido qualquer crime no edifício.

Então o convenci a ir até o meu andar averiguar o cheiro forte. Arrombamos a porta do apartamento ao lado do meu e para nosso horror encontramos meu vizinho morto, deitado em uma poça de sangue.

O cheiro era insuportável e ele estava deitado lá por vários dias...



fim



lenda urbana japonesa

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Mancha de Batom há 2 horas

Você se foi... Agora só resta a mancha de batom num copo, que me faz...
a_j_cardiais Poesias 42


Poesia Impura há 2 horas

Não deixe a poesia pura. Deixe um pouco de gordura e algum resquício de...
a_j_cardiais Poesias 38


REMEXENDO OS GUARDADOS há 15 horas

Entre as páginas amareladas Dum velho romance de amor Guardei a carta pe...
madalao Poesias 11


CLAMOR ( rondel) há 15 horas

Justiça! Vivo clamando aos quatro ventos. Silêncio! Porque resposta eu n...
madalao Rondel 6


OH HOMEM! (rondel) há 15 horas

Oh homem! Teus calores me agitam, E meu corpo fica em estado convulsivo. ...
madalao Poesias 7


E AGORA? (rondel) há 15 horas

E agora? Que podemos fazer? Remediar é coisa que não adianta. O mal f...
madalao Rondel 8