Popular

25 de Novembro de 2011 Ariano Contos 944

Ele achava que “escrever” era isso: amontoar um monte de palavras belas e, também, difíceis — muito queridas, por venderem boa ilusão de inteligência.

Costurava um monte de pedacinhos de boniteza palavreada. Vomitava muita “flor com amor” e, ainda, cuspia “paradigmas”, “obséquios”, “incólumes” e outras letrinhas complexas de efeito.

Sentido, nexo, coesão ou coerência eram apenas mais alguns possíveis remendos funcionais de seu tecido verborrágico frankensteiniano.

Para sua sorte — ou mais profundo azar —, a audiência estava à sua altura.

Era muito popular.



- - -
www.homensqueamam.blogger.com.br
[email protected]

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Minha essência é a eternidade. há 2 horas

Manhã cinza dia tão estranho e ruim, Paira no ar uma sensação de fraca...
elisergio Sonetos 5


LAMPEJOS há 2 horas

LAMPEJOS Eu pouco a pouco volto à realidade. Ao acordar, lamento antes...
ricardoc Sonetos 5


Deixe Esse Amor Crescer há 18 horas

Deixe esse amor crescer... Ele está brotando em um coração árido. De...
a_j_cardiais Sonetos 33


Ás palavras não são mais meu legado. há 19 horas

Fiz-me silenciar por que te perdi! Tu me revogara a licença concedida, D...
elisergio Sonetos 7


Não há o que comemorar. há 19 horas

Não há de fato o que comemorar! A virgem do sertão não é independente...
elisergio Sonetos 6


A vida depois daqui! há 19 horas

Ver que a morte não é o fim, é o início! Disse-me com amor chamando de...
elisergio Sonetos 7