Popular

25 de Novembro de 2011 Ariano Contos 971

Ele achava que “escrever” era isso: amontoar um monte de palavras belas e, também, difíceis — muito queridas, por venderem boa ilusão de inteligência.

Costurava um monte de pedacinhos de boniteza palavreada. Vomitava muita “flor com amor” e, ainda, cuspia “paradigmas”, “obséquios”, “incólumes” e outras letrinhas complexas de efeito.

Sentido, nexo, coesão ou coerência eram apenas mais alguns possíveis remendos funcionais de seu tecido verborrágico frankensteiniano.

Para sua sorte — ou mais profundo azar —, a audiência estava à sua altura.

Era muito popular.



- - -
www.homensqueamam.blogger.com.br
[email protected]

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
LUTA ARMADA há 19 horas

LUTA ARMADA Aqueles tidos como imprescindíveis Pelo afã de lutar toda...
ricardoc Sonetos 5


Paz Celestial há 1 dia

Paz na alma é muito mais Do que paz de mente... pois passa desta par...
kuryos Artigos 13


Poema Rosa Para um Dia de Sol há 2 dias

A Rosa Emília A Rosa que an...
a_j_cardiais Poesias 61


Poema Suado há 2 dias

Estou num deserto de inspiração... Nada passa por aqui... Nem ladrão. ...
a_j_cardiais Poesias 50


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 3 há 2 dias

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 22


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 2 há 2 dias

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 16