Quando perdi minha virgindade com meu Professor

02 de Dezembro de 2011 Alex Sandro Fagundes Contos 91212

Na sala de aula, com meus colegas, olhava atenda ao professor dando seus ensinamentos adquiridos depois de anos de experiencia, e aquilo de certa forma me chamava atenção. Tenho 17 anos, e meu nome é Carol, por algum motivo estranho me apaixonei por meu Professor, não era amor, era apenas uma tara. E tenho certeza que ele sabe disto, pois durante 6 meses dou indiretas a ele, mas ele nunca me deu bola, até certo dia desses. Todo mundo ia saindo da sala, quando ele pediu eu ficasse, pois queria conversar comigo, minha amiga deu uma risadinha, ela sabia o que eu sentia por ele. Muito discretamente ele me convidou para jantarmos, disse em um tom muito carinhoso, e é claro que eu aceitei, não antes de ele me alertar a não contar a ninguém. Dois dias depois estava eu na frente do restaurante combinado, do outro lado da cidade, toda produzida para parecer mais velha, ele parou com o carro na frente do restaurante, abriu o vidro e pediu para que eu entrasse, não entendi muito bem, mas entrei sem perguntar. Quando sentei e coloquei o sinto, ele me perguntou se eu estava com fome. Disse, que na verdade não. Andamos de carro durante alguns interminavéis minutos, já estava ficando nervosa quando reparei que ele estava entrando em um motel, logo disse que não era isto que eu queria, mas ele muito carinhoso, disse que não iriamos fazer nada de mais. “apenas vamos conversar!” disse ele. No fundo, eu queria mesmo, mais que apenas conversar, então não relutei e acabei cedendo. Estava muito timida, ele quase me empurrou para dentro do quarto, não sabia ao certo o que fazer, mas ele foi logo me beijando, e aos poucos começou a passar as mãos em mim. Eu estava gostando, então foi sendo levada pelo momento, deitei na cama e comecei a tirar a roupa, ficava imaginando a inveja das minha amigas quando eu contasse, e é claro que eu iria contar. Ele tirou toda a roupa e deitou em cima de mim, começou a me beija e me apertar. Por um certo momento, lembrei-me da voz da minha mãe, falando sobre a importância de usar proteção, mas há essa hora ele já havia penetrado em em meu corpo. Durou alguns minutos, e posso dizer que não foi a melhor experiência da minha vida, em certo ponto ele chegou a me machucar um pouco, mas aguentei calada. terminamos, e no carro ele não falou uma palavra, tentei puxar assunto, mas ele fingia que não me ouvia. No fundo eu sabia porque, ele já havia conseguido o que queria, e não precisa mais ser carinhoso. Que fique bem claro, que eu perdi minha virgindade com meu Professor em um motel, não foi a melhor sensação do mundo, mas mesmo assim eu poderia me gabar para minhas amigas do colégio. Mas alguns meses depois eu acabei descobrindo o improvável, eu estava com AIDS. Sim meus amigos leitores, aquele Professor, que tirou minha virgindade, decretou como seria o resto da minha vida.

Obs: Esta é uma história fictícia

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
ETERNAL (rondó) há 1 hora

ETERNAL (rondó) Não o poeta, sim a poesia Em cada verso haveria- De ...
ricardoc Poesias 5


Sintomático há 6 horas

Divagando pela favela, penso nela olhando a aquarela do sol se pondo. ...
a_j_cardiais Sonetos 26


"Minha humilde casinha" há 2 dias

Tenho na minha casa Quatro cadeiras e um colchão Uma mesa, e roupas pelo...
joaodasneves Poesias 18


Se Poema For Oração há 2 dias

Senhor, este poeta perdido vem Vos fazer um pedido: dai-me Vossa paz. ...
a_j_cardiais Poesias 66


"Bailei com a solidão" há 2 dias

"Bailei com a solidão" A beira do mar espero a Solidão E escuto ja o ...
joaodasneves Acrósticos 16


Perseverar Até o Fim – Parte 1 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 31