Cabelos castanhos

14 de Junho de 2011 Ariano Contos 1204

A tímida e gentil moça não achou seu lugar enquanto menina: nem lá, nem cá; nem branco, nem preto; pois jamais fora simples ou convencional. Demorou muitos anos para perceber o valor e a beleza de suas particularidades incomuns demais.

No entanto, finalmente encontrou-se feliz num caminho terceiro. Seus cabelos castanhos, de um tom natural que cheirava a casca de árvore com detalhes dourados, podiam ser tudo: só dependiam do tanto de luz — ou de escuridão. Eram ora a discrição elegante de cabelos escuros, ora o brilho charmoso de cabelos claros. Igualmente preciosos em sua cor terrena nativa.

Ela sorriu para si mesma.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
"Minha humilde casinha" há 1 dia

Tenho na minha casa Quatro cadeiras e um colchão Uma mesa, e roupas pelo...
joaodasneves Poesias 15


Se Poema For Oração há 2 dias

Senhor, este poeta perdido vem Vos fazer um pedido: dai-me Vossa paz. ...
a_j_cardiais Poesias 54


"Bailei com a solidão" há 2 dias

"Bailei com a solidão" A beira do mar espero a Solidão E escuto ja o ...
joaodasneves Acrósticos 13


Perseverar Até o Fim – Parte 1 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 14


Perseverar Até o Fim – Parte 2 há 2 dias

Por Charles H. Spurgeon (1834-1892) Traduzido, Adaptado e Editado por Si...
kuryos Artigos 10


Separação há 2 dias

Pensei que separação fosse fácil... Que fosse só deixar seu amor, e ...
a_j_cardiais Poesias 51