LINDAURA

12 de Junho de 2013 ROOSEVELT Contos 1278

LINDAURA

Minha velha e cansada pessoa estava no Missionário numa tarde de terça feira dia do Orixá Ogun. O Missionário era um pequeno zoológico que durante um período de tempo muito alegrou o povo de Campos. Recordo-me do rosto de muitas pessoas que passaram por lá. Uma delas foi uma mulher nos seus trinta três anos. A mulher passeava tranquilamente pelas ruelas entre as jaulas e quartinhos onde estavam os animais. Ela não me viu, mas, quando olhei para seus olhos eu vi neles a seguinte pergunta: “Onde está Deus?” Confesso; esse velho cansado não suportou e chorou por um instante. Por acidente uma lágrima caiu na grama verde do lugar e minha pessoa adormeceu:
- Como é seu nome, minha filha?
- Lindaura.
- Você está procurando Deus?
- É, sim, senhor. Minha vida acabou desde o dia que meu noivo foi embora sem me deixar recados.
- Eu ouvi dizer que Deus andou em muitos lugares e se apresenta de muitas maneiras. Será muito difícil reconhecer Deus quanto mais acha-lo. Disse eu a jovem.
- Mas, o moço num pode me dizer como começar a procura-lo?
- Sei sim senhora. Feche os olhos. Lindaura fechou os olhos e adormeceu com o toque de minha mão.

Na beira da lagoa do Missionário os patos lavavam os bicos e as pessoas se deleitavam nas obras do Criador. Um pato gordinho se aproxima de Lindaura e lhe diz: “O Pai andou pelas as bandas do Riacho Fundo; por que você não vai lá?” Lindaura agradeceu ao amigo pato dizendo-lhe que ele era muito bonitinho e foi para o Riacho Fundo. A caminhada até o povoado foi cansativa, Lindaura precisou descansar. Logo na entrada do lugarejo havia uma pequena casa onde vivia uma velha solitária.
- A menina tá pálida num quer beber um pouco de água não?
- Obrigado senhora. Aqui é o Riacho Fundo?
- É moça, chamamos esse lugar de Riacho Fundo.
- E por quê? Não vejo nenhum riacho.
- As pessoas acharam esse nome bonito. O que a menina procura aqui?
- Procuro por Deus. Um senhor de idade me disse que ele andou por aqui.
- Ah, minha menina, isso foi há muito tempo atrás. Agora Ele deve estar para as bandas do Canine. Se você se apressar o encontrará lá no alto da serra. Lindaura seguiu na direção da Serra do Canine. A jornada foi muito pesada. No pé da serra estava um lavrador plantando feijão.
- Moço, o senhor tem visto Deus?
- Tem uns quinze dias que ele passou por aqui.
- Então ele num tá mais lá não?
- Bem moça, é o que eu sei. O homem tornou a trabalhar na enxada. A moça se despede e segue seu destino ao alto da Serra do Canine. Na metade do caminho, Lindaura escuta o cântico de um rouxinol. A beleza era tão grande que a menina para de andar e senta sobre uma pedra. “Há no mundo coisa mais bela?” Essa fala saía de dentro de uma gruta. “O que?” Perguntou a moça à voz que saia da gruta. “Eu digo, a beleza do canto desse pássaro”. Falou novamente a voz da gruta. “Por que você não sai pra cá; estou à procura de Deus”. Disse a menina Lindaura.
- Deus?
- Sim, Deus.
- Atualmente, poucas pessoas tem essa preocupação. Via de regra as pessoas procuram solução.
- Solução? Como assim?
- As pessoas querem resolver seus problemas e dizem que procuram por Deus.
- Entendi. A menina Lindaura parou por um momento, e pensou consigo: “Será que procuro Deus, ou uma solução como os outros?” Essa reflexão deixou a moça constrangida. A voz que saía do interior da gruta disse.
- Ele conhece os corações de todos, quem sabe ele saiba que você procura por ele mesmo? Lindaura rumou para mais alto na serra. No topo da grande Serra do Canine a menina viu a imensidão do vale de Campos de Rio Real. Tobias Barreto estava lá embaixo. A visão era esplendida e a natureza fervilhava por todo canto. A moça decide sentar e esperar um pouco mais, afinal, o lugar era de arrebatar o coração. Um camaleão matreiro passa correndo defronte a moça e para olhando para ela balançando a cabeça. O bichinho mudava de cor constantemente até que ele resolve falar alguma coisa.
- Dona mulher, está todo mundo sabendo que você está procurando por ele. Será que você vai acha-lo?
- Sei não. Parece tão difícil encontrar Deus. O mundo está cheio de templos dedicados a Ele, mas, estão tão cheios que a gente mal ouve a voz de nosso coração.
- Deve ter sido por isso que Elias foi à montanha. Disse o camaleão.
- Como você sabe disso?
- Moça toda a natureza sabe que Deus virou moda. Agora é o costume as pessoas resolverem seus problemas com Deus. Acho que ele se retirou; deve ter tirado uma férias.
- Mas, você sabe quando ele volta? O camaleão tornou a ficar verde, balançou o rabo e disse: “Sei não”. A moça chorou porque ela queria apenas uma palavra com Deus sobre sua dor.
- Então eu vou descer a serra.
- O camaleão se apiedou da menina e disse: “Desça pelo lado que aponta para o leste; alguns irmãos meus viram as pegadas dele no caminho”. Muito agradecida a menina tomou a direção do leste. O sol estava quente; o sertão de Campos é zangado no verão. A moça desceu até um poço de água para matar sua sede. “Que água fria e limpa!” Admirou-se a moça com a pureza da água da serra. Uns peixinhos que nadavam no tanque pulavam de alegria no frescor do líquido regenerador. Um peixinho muito miúdo chama a moça pelo nome convidando-a para banhar-se com eles. A moça disse-lhes que era muito constrangedor despir-se defronte aos pequenos rapazes. Um peixe do tamanho de um palmo protestou dizendo que isso era assédio sexual. Segundo ele, a moça deveria ficar de fora da água; ela poderia apenas lavar o rosto. A moça enche as mãos de água e lava cuidadosamente seu rosto para refresca-lo. O sol, o calor, e a água fria fizeram a menina cair na grama desacordada. “Lindaura teve um treco”. Pensou o cardume de peixes.
- Lindaura!
- Sim.
- Você está melhor?
- Estou. Nem sei o que houve.
- Foi a insolação.
- E o senhor quem é?
- Eu sou um pescador.
- Ah, então você pode me dizer onde está Deus!
- Calma! Essa pergunta é muito complicada e você andou por esses sertões sem se alimentar. Venha comer alguma coisa. Havia a beira do tanque uma fogueira e peixes assados. O homem era baixinho; tinha os cabelos crespos, e sua barba era rala. Sua aparência era comum – um homem da roça. Os dois comeram calados, aqui e ali havia um dedo de prosa.
- Sabe seu pescador tenho procurado Deus pelo sertão. Tem sido difícil encontra-lo.
- Moça, o sertão tem de tudo, mas, parece que Deus se esqueceu dele. Os homens por essas bandas são como os carcarás quando veem a carniça. A maldade faz o sertão mais seco que já é. Há muito tempo atrás não tinha fome no sertão, e nem tinha gado. Foi o gado e com ele as cercas que fizeram o sertão ser uma terra de muita tristeza.
- Por que, moço fome num lugar tão lindo como esse?
- A feiura e a beleza, às vezes, dependem da bondade e da malvadeza. Quem não pode ficar foi para a cidade morar na periferia e fazer bicos para viver, os que ficaram por aqui foram esquecidos como um bicho que se embrenhou no mato.
- Meu noivo me deixou no altar, e agora estou perdida sem entender o que me aconteceu.
- Ah, ele deve ter enrabichado por outra. Esses rapazes de hoje!
- Num diga assim, moço! Eu gostava tanto dele que sai pelo mundo afora procurando de Deus uma resposta.
- Sabe moça, acho que Ele anda tão ocupado que num vai dar atenção a um fricote de mulher não. Paciência!
- Num diga assim não moço, pois, estou com o coração partido.
- Está bom, desculpe. Gostou do peixe?
- Ah, sim estava uma delícia. Seu pescador mora a onde?
- Bem ali! O homem apontou para uma casinha de barro cravada na pedra da serra. O pescador se despediu da menina e foi fazer alguma coisa. A moça, no entanto, continuou caminhando para o leste. A serra majestosa do Canine é cheia de mistérios. Muitos guerreiros cariris morreram por causa dela na época de Belchior Dias Moreira. A Serra do Canine era um lugar de vida e de morte. Lindaura seguiu seu rumo até que encontrou no lado leste um ferreiro.
- Boa tarde, moço!
- Oh, boa tarde mocinha! O que é que uma dama como você faz nesse sertão?
- Moço, eu estou a procurar por Deus.
- Deus? O homem se apavorou com a pergunta da moça.
- Sim, Deus! Tem algum problema em alguém procurar por Deus?
- Não senhora! É que aqui só aparece caçador, ladrão de gado, ou o povo que vem tomar cachaça e tomar banho nos tanques.
- É, mas, eu não. Eu quero encontrar Deus. No Riacho Fundo uma velha disse que ele estava por aqui. O amigo pode me dizer? O homem tirou o chapéu da cabeça, coçou a testa e disse: “Para achar Ele desça a serra que ele deve estar na casa de Antenor”.
- Antenor? Mas, como achar essa casa?
- Num se preocupe. Lá embaixo, logo no pé da serra vão te dizer. Vá rápido por que está escurecendo! A moça foi rápido, mas, não tão rápido. Antes de sair da serra, o tempo escureceu. “E agora meu Deus, o que vou fazer nesse breu?” A noite trouxe a chuva, a chuva trouxe o raio, e o raio o ribombar dos trovões. A menina Lindaura estava com medo.
- Psiu!
- O que? Quem?
- Aqui?
- Onde?
- Aqui! Uns vagalumes iluminaram a copa de uma árvore frondosa. Era um pé de umbuzeiro. A moça correu para o umbuzeiro e ali ficou até a chuva passar. O vento soprou e a moça ficou toda molhada.
- Desculpe pobre criatura, mas, eu estava todo encharcado.
- Não tem problema. Disse a menina!
- Uma moça há essa hora pelos matos; isso num me cheira bem. A árvore frutífera resmungou.
- É por que meu noivo me deixou no altar e eu virei a cabeça. O amigo sabe onde anda Deus?

Os trovões retornaram e com ele a chuva pesada. O umbuzeiro falava muito, mas, a moça nada podia ouvir, exceto, que a árvore dizia alguma coisa. Mas, o que? Depois do temporal, Lindaura viu o brilho de uma candeia a uma distância de uns duzentos metros para o leste. Ela seguiu o brilho da luz. Ao chegar ao lugar, percebeu que as pessoas rezavam com muito fervor. Uma verdadeira multidão de pessoas estava à porta da casa. Dentro dela uma senhora estava entre a vida e a morte. A criança atravessada em seu ventre não encontrava passagem, e a mulher agonizava. Dona Margarida, moradora antiga do Cancelão, dois dias antes, teve um sonho que um anjo vinha socorrer a parturiente. Quando ela sentiu o perfume de rosas de Lindaura era gritou: “Deus chegou!” O povo apavorado olhava para todo canto e nada de ver Deus. Margarida se levanta e caminha na direção de Lindaura.
- Minha filha Deus me disse que viria há dois dias atrás. Faz dois dias que lido com essa coitada e nada do menino nascer.
- Mas, eu não sou enfermeira, nada entendo disso!
- Mulher! Creia! Ele te mandou aqui! Lindaura pensou um pouco, depois disse: “Posso ver a mulher?”
- Claro, entre! Respondeu margarida. O calor era grande, o fedor também. Os lençóis sujos de sangue e o rosto pálido de uma mãe em agonia completavam o cenário do lugar. Enquanto Lindaura entra no quarto apertado, a ladainha continua: “Ave Maria cheia de graça...” O povo clamava pela salvação da mulher que respondia pelo nome de Dona Deusinha. Lindaura então, pergunta a Margarida: “Posso rezar?” “Claro minha filha!”

“Meu bom Deus te procurei o dia inteiro e já é noite alta, não te encontrei em lugar algum, agora me deparo com um sofrimento maior que o meu; o de uma mãe e seu filho entre a vida e a morte; Senhor meu Pai tem piedade”. As lagrimas de Lindaura molharam o ventre da moribunda que logo deu um grito e o povo se apavorou.
- Essa aí veio a mando do capeta! Está vendo não?
- Calma, Deuoclécio, Calma!
- Mas você num viu não? A mulher piorou! Alguns segundos depois a mãe recobra forças e faz seu último esforça; em seguida o povo ouve o choreo de uma menina. A criança era uma mulher. A alegria do povo o fez varar a noite até o dia clarear. Lindaura, então, chama Margarida e pergunta-lhe: “Sua pessoa é rezadeira, pode me dizer onde Deus se encontra?” Margarida com os olhos cheios de lágrimas diz: “Ele veio hoje, você não viu?”

Minha pessoa cansada de tanta história esperou Lindaura acordar e voltar para casa. Os patinhos continuaram se banhando na lagoa do Missionário, e eu tinha certeza que Lindaura sabia agora onde Deus está...

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
CIDADE DOS PATOS (cordel infantil) há 19 horas

Vivia na bela cidade dos patos Um velho pato que contava fatos De uma fam...
madalao Infantil 5


"Feliz...dia...de...São João" ... há 1 dia

Quem dera ir mais além, cantar mais alto Sobre esse chão salgado onde na...
joaodasneves Poesias 5


No Vento da Literatura há 1 dia

Gosto da poesia quando chega de surpresa... Pode não ter beleza, mas q...
a_j_cardiais Poesias 37


Bendito Amor Eterno há 2 dias

Quando pensamos que Jesus disse que todo aquele que lhe foi dado pelo Pai, ...
kuryos Artigos 14


"Vendo" há 2 dias

Hoje vendo um corpo sem alma, e um extrovertido coração partido, uma ...
joaodasneves Acrósticos 9


"Te amo vinho tinto" há 2 dias

Tu meu querido vinho tinto, és e serás a minha inspiração, Ter o cop...
joaodasneves Poesias 11