Eu? Quem?

21 de Agosto de 2013 Elias Lima Contos 2044

Nasceu diferente.
Demais.

Via o mundo com muito sentimentalismo.

Desde criança já gostava mais das músicas tristes. Sua preferida era “Tears in Heaven” do Eric Clapton. Quando descobriu que o cantor havia feito a música para o seu filho que havia caído do apartamento, ficou ainda mais fã dela.

Tornou-se adolescente.
E para a sua agonia e desespero: continuava o mesmo.
Não entendia como e o porquê das coisas funcionarem de um modo tão injusto para a maioria das pessoas e sufocava-se em sua tristeza diária.

Antagonicamente aos garotos que saiam aos sábados para os torneios de futebol do bairro ele preferia ficar em casa tentando entender o mundo.


Tornou-se adulto.
A melancolia de todos os dias o enlouquecia.
Como sobreviver a tanta maldade e crueldade sem senti-las?
Estava cansado de sentir as dores do mundo.
Cansado.
A melancolia o tornava um pouco anti-social. E isso aumentava a sua angústia de ser ele mesmo.
A solidão já cortejava a insanidade todas as noites. E numa epifania dessas noites solitárias em seu quarto escuro, resolveu teatralizar o seu “eu”.
Decidiu criar um personagem para cada grupo que convivia, assim, não seria mais solitário.
Nunca mais.

E desde então, os seus personagens tem sido muito bem sucedidos. Representando muito bem cada um deles conforme lhe era demandado em cada circunstância, ele parecia satisfeito e feliz por ser tão admirado e amado.
Conseguiu o que sempre desejou: ser amado.


E ganhou destaque na faculdade, agora era líder da turma do curso de Psicologia que fazia. No mês seguinte, foi promovido a gerente executivo do banco em que trabalhava e no seu aniversário, muitas pessoas e muitos presentes o rodeavam. Muitos sorrisos a postos em seu apartamento em Jardim da Penha.

E não o enxergou.

Não sentiu felicidade alguma.
Um onda violenta carregando um imenso vazio devastador lhe invadiu a alma nesse instante.
Angústia. Desespero.
Saiu do apartamento sem avisar e foi até a Praia de Camburi tentar entender o porquê daquele desespero súbito.

Quem estava ganhando aqueles presentes?
A resposta veio rapidamente à mente lhe partindo ao meio.
Oh Deus, como sou miserável..

...


Agora, deitado num divã, tenta a todo custo nesses diálogos terapêuticos intermináveis encontrar o seu “eu” sozinho no palco, sem maquiagem, sem figurino ou falas decoradas. Agora ele se enfrenta e nessa luta constante, tenta não morrer em seu sentimentalismo nem ser igual aos outros.
Tenta e em vão, se curar de uma dor que só dói porque se vive.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
CIDADE DOS PATOS (cordel infantil) há 23 horas

Vivia na bela cidade dos patos Um velho pato que contava fatos De uma fam...
madalao Infantil 5


"Feliz...dia...de...São João" ... há 1 dia

Quem dera ir mais além, cantar mais alto Sobre esse chão salgado onde na...
joaodasneves Poesias 7


No Vento da Literatura há 1 dia

Gosto da poesia quando chega de surpresa... Pode não ter beleza, mas q...
a_j_cardiais Poesias 38


Bendito Amor Eterno há 2 dias

Quando pensamos que Jesus disse que todo aquele que lhe foi dado pelo Pai, ...
kuryos Artigos 15


"Vendo" há 2 dias

Hoje vendo um corpo sem alma, e um extrovertido coração partido, uma ...
joaodasneves Acrósticos 10


"Te amo vinho tinto" há 2 dias

Tu meu querido vinho tinto, és e serás a minha inspiração, Ter o cop...
joaodasneves Poesias 11