A imensa necessidade de sentir e de não sentir nada.
Preso na solidão que leva a crer que é alucinação.
Mas não é solidão.
É um vazio que abita a alma.
Que respira seu ar e rouba a sua vida.
Tudo girando ao contrario.
Vazio que pulsa sem vida, pulsa machucando o seu ser.
Deixando-te sempre sensível.
Algo roubado que não se sabia que faria falta.
O que foi roubado?
Não se sabe, apenas ficou o vazio.
Uma pequena loucura que te traz de volta alguns pensamentos.
Sem propósitos, querendo se esconder.
A ferida vai se curar, vai se fechar.