Sem Brilho

03 de Setembro de 2013 RJ Mendes Contos 901

Seus olhos não brilham mais, mas os meus também não.
Tudo o que tínhamos foi consumido.
Consumido pelo medo, ciúmes e por cima pela doença chamada amor.
Não era amor saudável era amor doentio.
Tão doentio que levou tudo o que tínhamos e o que sentíamos.
O que eu sentia.
Não era mais agradável, Não era mais belo.
Era um peso, uma farpa no meu dedo, uma queimadura.
Não sei quando começou a morrer o sentimento, mas me lembro de quando ele nasceu.
Mas agora isso não importa.
Não podemos fazer mais nada, nem ter um ao outro de novo.
Machuca, mas passará o mais rápido que puder.
Não quero saber, só quero ficar na paz.
Voltar para o começo e apetar o botão começar quando for à hora.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Amor de Primavera há 2 horas

Morena, quando tu flores, o verbo em ti, primavera, seguirá o caminho do...
a_j_cardiais Poesias 31


CICATRIZES há 7 horas

CICATRIZES Não se vive essa vida impunemente... Todo mundo, mais dia m...
ricardoc Sonetos 4


" Amar é" há 17 horas

Amar e como voar, no mais azul dos céus. É sentir a sensaçao de estar n...
joaodasneves Poesias 10


PAU DE FITAS há 22 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 8


Falta de Amor ao Próximo há 1 dia

A razão de viver é amar... Mas a maioria das pessoas vive o amor ao din...
a_j_cardiais Poesias 45


Amor a Deus x Amor ao Mundo há 1 dia

Nos dias do autor não havia automóveis como os luxuosos que existem em no...
kuryos Artigos 8