Hecatônquiros I

09 de Setembro de 2013 FKarvalho Contos 1269

Hecatônquiros I - A violação do meu ócio. : (Veritas Emanara)

“Nas sombras se esconde um mal pernicioso que ocupa a mente daqueles que se amedrontam com os farfalhar das folhas em noites de tempestades, o medo primitivo, o terror instintivo o temor de caminhar no escuro da noite. Mas eu o desafio, eu caminho nas sombras a procura de algo que possa me completar e me perco nos labirintos do destino, ouso a quebrar as regras do véu, eu enxergo o invisível e ele também pode me ver. Caminho lado a lado e sem saber o que esperar vejo aparições, moveis se movendo por um querer inviável, aparelhos ligando e desligando, e mesmo assim continuo, portas que se fecham e nunca mais se abrem, ouço gritos, choro, discussões, poderiam me chamar de esquizofrênico, profeta, iluminado. Não sou e nem quero ser; luto com forças contrarias da minha vontade e quando penso em descansar a cabeça, em meus sonhos ela aparece. “


Seria mais uma noite de sonhos qualquer, cercada de rotina e frustração se não fosse por ela, uma visão, uma violação das leis do meu ócio, ele me fez segui-la, entre uma trilha de mata densa, em volta de ruínas de uma arquitetura familiar, pra mim parecia romana, ela parou em frente de uma casebre, velho, úmido e coberto de folhas e cogumelos alaranjados que exala o odor peculiar, bruscamente virou-se para mim com os olhos cerrados, e com o seu cabelo da cor do fogo balançando aos ventos olhou nos meus olhos e deu um sorriso e adentrou as portas.

Aos poucos fui me aproximando, mas algo me dizia para voltar, mas a minha curiosidade era forte demais, em minha mente alguma lembrança de conhecê-la de algun lugar existia. Temerosamente e relutante adentrei o casebre, por dentro ele era totalmente contrario da sua aparência externa, Construida internamente por mármore branco e ao fundo uma enorme lareira também do mesmo material so que escuro com ornamentos dourados e acesa com um fogo tão vivo que ate parecia real.

Ela estava de costas olhando dentro de uma espécie de caixa de mármore que se alongava por toda a extensão do recinto levemente virou a cabeça e de rabo de olho constatou a minha presença, como e se ja não soube-se e disse.

- eu sabia que você viria, a sua curiosidade maior que seu receio. Por anos busquei o meu maior desejo. E você realizou para mim agora deve lhe apresentar.

- devagar e delicadamente ela retirava algo de dentro da caixa de mármore envolvido em seus braços por uma manta escura.

- eis aqui o meu maior tesouro, teu filho!

- com espanto uma alegria súbita tomava conta de meu rosto, fazendo um sorriso sereno, ao me aproximar dela e da criança minha expressão ia mudando, tentava entender o que estava vendo , aparentemente deveria ser uma criança humana,com trejeitos de um bebe, mas ao dar foco à criatura em seus braços era nitidamente uma cabra de três chifres, seus olhos vermelhos eram como o vermelho vivo das chamas, seus pelo mais escuro que a noite mais densa, um arrepio tomou conta do meu corpo.


- este e teu filho meu querido, teu filho, - dizia com uma voz assombrosa que ecoava pelo recinto
- agora vá. – dizia colocando a criança, ou o que seja no berço de mármore
- não olhe para trás, não posso segura-los por muito tempo.

- segui em direção da porta, sem olhar para traz, sentia que mil pessoas olhavam para a minha nuca e que se eu vira-se algo ruim aconteceria.

Apertando os passos passei pela porta e no instante que atravessei assim acordei.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
" Amar é" há 8 horas

Amar e como voar, no mais azul dos céus. É sentir a sensaçao de estar n...
joaodasneves Poesias 6


PAU DE FITAS há 13 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 5


PAU DE FITAS há 13 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 5


Falta de Amor ao Próximo há 17 horas

A razão de viver é amar... Mas a maioria das pessoas vive o amor ao din...
a_j_cardiais Poesias 37


Amor a Deus x Amor ao Mundo há 18 horas

Nos dias do autor não havia automóveis como os luxuosos que existem em no...
kuryos Artigos 8


A Origem e a Razão de Ser de Tudo há 23 horas

Deus não criou todas as coisas para depois intentar formar uma Igreja. Ao...
kuryos Artigos 16