Reencontro

10 de Setembro de 2013 Elisangela A Silva Contos 1266

Sua alma se desfez quando ao longe avistou aquela pequena e bela criatura singelamente trajada de luto, sentada olhando inocentemente para o vazio entre seus pés que balançavam livremente à alguns centímetros do chão. Parecia estar pairando em um lugar menos doloroso e pesado, um local mais apropriado para uma menina de 6 anos de idade. Aproximou-se lentamente, abaixou-se e de repente viu aqueles pequenos e radiantes olhos verde-esmeralda se cruzarem com os seus, com um olhar tão vago que ela chegou a duvidar que a sobrinha a tivesse reconhecido. Tal dúvida se desfez quando imediatamente ao perceber de quem se tratava, a menina lançou seus pequenos braços ao redor de seu pescoço, dando-lhe um abraço tão apertado e acalorado, como se aquela fosse a primeira vez em que se sentia segura, desde que sua mãe para sempre adormeceu.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Minha essência é a eternidade. há 4 horas

Manhã cinza dia tão estranho e ruim, Paira no ar uma sensação de fraca...
elisergio Sonetos 5


LAMPEJOS há 4 horas

LAMPEJOS Eu pouco a pouco volto à realidade. Ao acordar, lamento antes...
ricardoc Sonetos 5


Deixe Esse Amor Crescer há 19 horas

Deixe esse amor crescer... Ele está brotando em um coração árido. De...
a_j_cardiais Sonetos 35


Ás palavras não são mais meu legado. há 20 horas

Fiz-me silenciar por que te perdi! Tu me revogara a licença concedida, D...
elisergio Sonetos 7


Não há o que comemorar. há 20 horas

Não há de fato o que comemorar! A virgem do sertão não é independente...
elisergio Sonetos 6


A vida depois daqui! há 20 horas

Ver que a morte não é o fim, é o início! Disse-me com amor chamando de...
elisergio Sonetos 7