O céu estava nublado naquele dia, enquanto que ali embaixo, mais uma alma subia. Soarez olhava para baixo, para todos os que choravam pela sua morte. E também aqueles que, por dentro, estavam sorrindo.
Tudo foi ficando mais branco a cada metro que ele subia. Enfim chegou ao Paraíso: árvores, pedras, rios... Mas não era essa maravilha toda. Ele conseguia ver que por dentro, muitos ainda sentiam inveja e ódio daqueles que estavam vivos. "Eles realmente preferem aquilo à isto?" Pensou Soarez. "Muitos aqui não conseguem perdoar seus assassinos, ex-esposas, irmãos traidores..." disse um anjo que chegara perto dele. "Mas como ainda estão aqui? Achei que não havia lugar para esse tipo de pensamento aqui." Soarez estava atordoado. Não entendia como podia haver tanto mau no Paraíso. "Eles estão aqui porque não fizeram mal a ninguém em vida. E como muitos oram por eles, seus pecados vão sendo perdoados, e eles sabem disso." "Por isso que não temem..." ele baixou a cabeça e percebeu em qual gravidade estava o céu.
Enquanto caminhava, via pensamentos de todos os tipos: alegres, tristes, obscenos, de arrependimento. Já que não tinham nada físico, tinham que se contentar com imaginações, tanto bobas quanto espertas, pois só os pensamentos dariam o prazer querido. Dois jovens sempre ficavam olhando as moças lá embaixo, "eles não podem ser mais obscenos ainda?" pensou Soarez.
"Por que quer que seu irmão morra?" Perguntou a um jovem. "Ele me traiu, duas vezes. Primeiro minha mulher, depois minha vida." Ele ficava cada vez mais surpreso e assustado com o que via e ouvia. Não conseguia acreditar que aquilo era mesmo o Paraíso. "E eu que achei que lá embaixo era que tinha gente ruim."
Soarez viu que devemos sempre conhecer um lugar ou alguém antes de fazer julgamentos sobre ele.

Eu realmente não sei como é e se existe mesmo Paraíso, mas como dizem que existem pessoas boas em todo lugar, acredito que existam também as más.

Sir Chew