Levantei-me para tomar o café.
Minha esposa me indagou:
-Mas já amor¿
-Sim,Emanuele,preciso trabalhar para sustentar esta casa.
-Compreendo,mas não precisa ficar jogando na minha cara que eu não trabalho.
-Se a carapuça lhe serviu não posso fazer nada.
Pronto!Era o princípio de mais uma briga interminável.Estava farto de ouvir suas lamentações .Ela só sabia reclamar,reclamar,mas na hora de transar era como se fosse um pedido de desculpas e esquecia todos os apetrechos em que desejasse mudar em minha pessoa e em meu trabalho.
Fui ao meu emprego,chato e cansativo de entregador de pizzas,porém,incrívelmente nesse dia recebi a péssima notícia do meu chefe que tinha sido demitido.
-Como assim chefe¿
-Você estava azarando demais as moças,então resolvi lhe demitir para não causar constrangimento e nem atrito com suas colegas de trabalho.
-Nunca azarei ninguém chefe,isso tudo é interpretação da Patrícia e da Rafaela;elas que são doidas comigo.
-Doidas¿Faça me rir,Gilberto,você é feio demais não sei como conseguiu conquistar aquela gostosa da Emanuele.
-Mais respeito com a minha esposa chefe,por favor,mais respeito,
-Bem não quero ,nem mais nem menos,você tem uma hora pra tirar tudo e sumir daqui.
Sai daquela empresa,arrasado,pensei que estivesse mais arruinado,queria simplesmente ficar sozinho,mais ao mesmo tempo queria transar com Emanuele pra tirar todas as mágoas e a raiva que estava do meu chefe.Decidi chegar em casa e mudar minha vida,colocar um ponto final nesse relacionamento.
-Emanuele,quero lhe falar um assunto bastante sério com você
-Ah sim,mas antes vamos transar ,estava só lhe esperando,estou louca preciso saciar meus desejos.
-Mais¿Você só pensa nisso¿Onde fica a conversa ,o diálogo¿No lixo,deve ser né,estou farto de suas mesmas manias,querer sexo 24 horas,querer só atenção pra você,e pra mim você já percebeu que não satisfaço nenhum desejo que eu tenho¿Quer saber agora sou eu que não quero mais.Quero me divorciar de você.
-O que¿
-É isso mesmo que você ouviu,D-I-V-O-R-C-I-A-R.
-OK,agora prepare você ,vou te deixar louco.
Emanuele,pegou uma algema e colocou-me enquanto eu estava arrumando minhas coisas para eu sumir daquela casa.
-Maaaaaaaaaaaaldita!!!!!!Tire isso de mim agora.
-Sério amor¿Sério que você quer que eu faça isso¿Fica querendo,pois na realidade eu nunca fui tua esposa.
-Como é que eu fui burro,já estava ficando e transando com outros sem que eu saiba neh,vagabunda de quinta categoria.
-Não,não quem me dera kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.Na realidade sou a morte encarregada de lhe matar.
-Nãoooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo.....
Estava suando frio,não conseguia pedir socorro,nem falar mais nada Dona morte me dominou.
Em um instante,ela pegou e arrancou facilmente meus olhos e brincou:
-Queres isto¿Agora é meu,kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk,afinal mais um pra minha coleção ,mais um pobre de espírito que não serviu pra nada nessa Terra.
Implorei para que a Dona Morte,parasse com aquela tortura,mas não apenas continuava no maior sadomazoquismo do mundo.
Embora eu não podia enxergar ,estava escutando tudo que ela queria.
-Já foram os olhos,lá vem as pernas.
Em uma torcida,quebrou as minhas pernas,estava sem elas,perdendo completamente a sensibilidade delas.
-Afinal,Dona Morte,porque fazes comigo¿
-É o preço meu jovem do teu passado.Lembra daquela noite em que tu matastes a filha do deputado de Paraíso do Sul,pois,então sou a reencarnação e pronto pra lhe matar,estou apenas vendo até onde vai seu sofrimento.
-Matei mesmo,eu sei disso,mas lembra também que era ela ou eu,estávamos na linha de um fogo cruzado,na qual 2 traficantes estavam na jogada e sem querer eu matei ela.
-Engraçadinho,você acha que me engana¿Deixa de ser bobo,como pode ser tão covarde em matar uma pobre moça.
-Panaca é tu Dona Morte.
-Vai me xingando mesmo,não vai poder me matar mesmo,apenas eu .
-NÃAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAOOO!!!!
Acordei atormentado,e ,vi que tudo estava normal,eu tinha tido apenas um leve pesadelo que na qual minha esposa Emanuele,me acalmou,mas fiquei de sobreaviso caso Dona Morte quisesse me visitar novamente.