A tempestade acompanha a voz doce da sibila. A morte é anunciada. Há coragem no coração. Crava a vontade a ferro e fogo e a espada é o seu lagado. os corpos honrarias dos que caíram e assim é reverenciado. Ele e o rei do sangue. O senhor do metal. Sua lamina desafia os deuses antigos e os novos o respeitam. Ele sabe que um há uma luz guia para a justiça e ordem. O caos sopra em seus ouvidos e ele responde com clareza do cristal. Recusa o vicio e so dança quando é desafiado pelos males do mundo. Hoje, Sempre e o amém. És a ordem dos contrários