A ordem dos Contrários

09 de Outubro de 2013 FKarvalho Contos 1027

A tempestade acompanha a voz doce da sibila. A morte é anunciada. Há coragem no coração. Crava a vontade a ferro e fogo e a espada é o seu lagado. os corpos honrarias dos que caíram e assim é reverenciado. Ele e o rei do sangue. O senhor do metal. Sua lamina desafia os deuses antigos e os novos o respeitam. Ele sabe que um há uma luz guia para a justiça e ordem. O caos sopra em seus ouvidos e ele responde com clareza do cristal. Recusa o vicio e so dança quando é desafiado pelos males do mundo. Hoje, Sempre e o amém. És a ordem dos contrários

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 21


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 13


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 11


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 14


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 12


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 11